VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Domingo, 30.09.07

“Há falta de vergonha.” *

No tal clube diferente, a lógica daquela gente é a seguinte:

 

Quando, como aconteceu na Reboleira, um árbitro segue a indicação errada de um bandeirinha… está errado, pois o chefe de equipa é o árbitro e este é que é o principal responsável pelas decisões e não é obrigado a seguir cegamente as indicações dos bandeirinhas e patati patatá, choradinho para aqui, queixinhas para além e luto para todos.

 

Quando, como aconteceu ontem na Luz, um árbitro decide, pois ele é o chefe de equipa e este é que é o principal responsável pelas decisões tomadas, não seguir a indicação errada de um bandeirinha… está errado, pois se o árbitro não segue cegamente a indicação dos bandeirinhas está a desautorizá-los e a mostrar que não precisa deles para nada e patati patatá, choradinho para aqui, queixinhas para além e luto para todos.

 

* Paulo Bento dixit.

por Pedro F. Ferreira às 11:27 | link do post | comentar | ver comentários (31)

Desilusão

Não tenho grande vontade de escrever este post. Apesar de já ter deixado passar algum tempo, a verdade é que a irritação que ainda sinto em relação ao jogo desta noite persiste, e tira-me a vontade de escrever. E não estou apenas irritado com o jogo em si, estou também irritado com os nossos jogadores e com o nosso treinador. Se há coisa que me irrita quando vejo futebol é burrice por parte dos seus intervenientes. Mais um empate, o quarto em seis jornadas, e mais uma desilusão pela falta de coragem demonstrada. Este não é o Camacho que eu conheço, e este não é o Benfica em que eu me revejo.

Esta noite, e para surpreender, mais uma vez houve um 'baralha e volta a dar' no nosso meio-campo. Há quatro jogadores que embora sejam titulares regularmente, em cada jogo trocam de posição entre eles. Esta noite calhou ao Pereira ficar ao lado do trinco, enquanto que o Rui Costa avançou para as costas do avançado, o Di María encostou-se à direita, e o Rodríguez foi para a esquerda. Na defesa, regressos do Luisão e Nélson. Não começou mal o Benfica, que conseguiu pegar no jogo durante os minutos iniciais, e criar dificuldades ao adversário. Debaixo de uma chuva torrencial, o futebol de passe curto e rápido ao primeiro toque e a toda a largura do campo parecia ser difícil de contrariar, e nesta fase os nossos adversários praticamente limitaram-se a ir afastando a bola das imediações da área. Este início de jogo até me surpreendeu, porque sei que normalmente o clube do Lumiar é perito em adormecer os adversários logo de início, mas nesta fase não pareciam capazes de fazê-lo.

Depois dos vinte minutos, foi-se a chuva, e foi-se com ela o Benfica. E veio a minha irritação. Não percebi, por mais que tentasse, o motivo para uma alteração tão radical na forma de jogar da nossa equipa. As trocas de bola desapareceram, a pressão no meio-campo adversário também, e em vez de sairmos a jogar a bola a partir da nossa área, a jogada mais praticada pelo Benfica eram pontapés do Quim para o meio-campo adversário, onde um desamparado Nuno Gomes via-se e desejava-se para tentar ganhar alguma dessas bolas aos centrais adversários. Incompreensível. A lagartagem raramente joga pelas alas, prefere acumular jogadores no centro do terreno e afogar o adversário aí. Na fase inicial do encontro, enquanto explorámos as faixas laterais, com boas combinações entre os laterais e os médios-ala, obrigámos os jogadores deles a afastarem-se do centro, e por isso jogadores como o Rui Costa ou o Katsouranis conseguiam libertar-se e aparecer frequentemente sem marcação nessa zona. Depois desatámos a optar pelo chuto para a frente e a fazer exactamente o que eles queriam. Claro que com isto qualquer sombra de protagonismo no jogo da nossa parte esfumou-se, e o adversário conseguiu então segurar o jogo como pretendia.

Na segunda parte, o Benfica voltou a entrar bem (mas nada que se comparasse ao início do jogo), e durante o primeiro quarto-de-hora conseguimos criar duas boas oportunidades de golo. Primeiro foi um remate do Rui Costa (tendo em conta que o guarda-redes do Lumiar parece ter alguma dificuldade em remates de longe, acho que poderíamos ter tentado explorar um pouco mais este aspecto) que o Stojkovic defendeu para a frente, tendo depois surgido o Nuno Gomes na recarga a rematar ao lado. No estádio, assim que vi o lance, fiquei convencido que o guarda-redes teria feito alguma defesa miraculosa. Recusei-me a acreditar que o Nuno Gomes não tivesse sequer acertado na baliza. Foi preciso que os meus colegas de bancada me assegurassem que não senhor, o Nuno Gomes tinha mesmo falhado aquilo. Enfim. Logo a seguir, num contra-ataque, o Di María foge à defesa adversária, isola-se descaído sobre a direita, entra na área, e quando eu estava à espera do remate e já preparado para gritar golo, ele resolve tentar assistir o Nuno Gomes e a bola foi cortada. Este lance fez-me perder a tramontana e já não consegui apreciar o resto do jogo, porque continuava a revê-lo na cabeça, e a irritar-me de cada vez que o fazia. Ainda por cima já contra a Naval ele tinha tido um lance praticamente igual, em que entrou sozinho na área e depois tentou assistir o Nuno Gomes, perdendo-se a jogada. Di María, um conselho: quando entrares na área isolado, tenta o golo. Mesmo que chutes ao lado ou o guarda-redes defenda, é preferível a tentares assistir um colega que está marcado. Especialmente se esse colega for o Nuno Gomes.

No resto da segunda parte o jogo foi repartido entre as duas equipas, nunca me parecendo que uma delas conseguisse sobrepor-se claramente à outra. Já na fase final do encontro, após as entradas do Cardozo (porquê a troca de pontas-de-lança, Camacho? Porque não arriscar finalmente colocar dois avançados? Porquê essa cobardia atípica?) e do Adu, o Benfica conseguiu voltar a aproximar-se da baliza adversária, mas sem grandes resultados. Refiro apenas isto porque pelo menos pareceu-me que os jogadores voltaram a mostrar alguma vontade de vencer, após passarem longos minutos a darem a ideia de que estavam mais ou menos conformados com o empate. O empate ficou, e julgo que os dois treinadores devem ter ficado muito satisfeitos com ele, já que durante a maior parte do jogo me pareceu que era o que queriam. Se no caso do Paulo Bento é compreensível, no caso do Camacho já tenho muita dificuldade em aceitá-lo.

Não sei quem jogou melhor ou pior na nossa equipa esta noite. Passei a maior parte da segunda parte num estado de irritação demasiado grande para conseguir discernir alguma coisa concreta. Podia sempre refugiar-me no óbvio e referir o Rui Costa, já que ele nunca joga mal, mas hoje acho até que não houve ninguém que se destacasse muito, quer pela positiva, quer pela negativa. Estou irritado, estou até mesmo triste com o Camacho. Não percebo a falta de coragem. O Benfica não pode insistir em jogar apenas com um avançado, ainda para mais se a esse avançado único não é dado quase nenhum apoio. Tal como já vimos em jogos anteriores, hoje voltou a passar-se o mesmo: o avançando por vezes desloca-se para terrenos laterais ou mais recuados, eu olho para a área, e só lá está o Rui Costa no meio de quatro ou cinco adversários. Assim é muito difícil marcar. Dois golos nos últimos quatro jogos não é produção ofensiva apresentável para o Benfica.

Há muito tempo que não me irritava tanto num jogo.
Antes do jogo, enquanto conversava com o Quetzal Guzman e o J G, que encontrei à entrada para o estádio, já estava com um mau pressentimento, e discutimos precisamente a questão do avançado único no Benfica, e a falta de oportunidades que daí parece resultar. Depois, durante o jogo, não só voltámos a assistir a isto, como ainda por cima o Camacho troca avançado por avançado. Porra, eu prefiro perder a tentar ganhar do que empatar por medo de o fazer! Agora já são oito os pontos de atraso para o líder, e começa a ser uma desvantagem demasiado pesada. É que à sexta jornada do campeonato, conseguimos já não depender exclusivamente de nós próprios para sermos campeões. É triste.

P.S.- Para os que esperavam uma opinião sobre os lances polémicos do jogo lamento, mas não vou fazê-lo. Tenho a minha visão dos lances em questão, e vou guardá-la para mim. Em todos os derbies é a mesma coisa: chega-se ao final e discutem-se mais os lances polémicos do que o futebol jogado. Estou farto disso.
por D`Arcy às 02:18 | link do post | comentar | ver comentários (24)
Sábado, 29.09.07

Os meus derbis. Viagem pessoal mas transmissível.

É o meu primeiro post na Tertúlia, desde que esta começou a assapar!
Como ainda não domino as artes de postar em sapo style, e já me está a chatear a mensagem "Ah e tal não é possível o copy paste automático e mai'não sei quê" :-) deixo o link, ok?
Se alguém se lembra dos derbis de que aqui falo, se eventualmente também lá estavam nesses dias...contem-me as vossas memórias!
E logo...é para ganhar!
Quinta-feira, 27.09.07

Épá desculpem lá mas...

... aquilo foi mesmo penaltie!
Eu ouvi e vi o árbitro apitar.
Eu vi a bola naquela cena branca lá na área.
Eu vi dois jogadores dentro da área, um com luvas e o outro de vermelho.
Eu vi e ouvi o árbitro apitar novamente.
Eu vi o de vermelho correr e acertar na bola.
Eu vi a bola dentro da baliza.
E no fim vi os de vermelho a festejar e tal e mais não sei quê.
E então?
Não é isto que é um penaltie?
Ah, e acho que quando a bola entra... conta golo!
por Corto Maltese às 22:46 | link do post | comentar | ver comentários (10)

O Sr. Duarte Gomes

Somos, de facto, um clube muito grande. O senhor em epígrafe veio hoje declarar ao site da Liga que "houve um houve um claro erro de arbitragem" e que "esconder-me atrás de erros não faz parte da minha forma de viver esta actividade." Curioso... Alguém se lembra de o ouvir fazer semelhante declaração depois do penalty do Jardel na antiga Luz?

 

Ou de ouvir os árbitros dos nossos jogos frente ao Leixões e V. Guimarães falar dos penalties não assinalados ao Nuno Assis e Fábio Coentrão, respectivamente? Ou de o árbitro dos lagartos-V. Setúbal falar do penalty do Gladstone sobre o Matheus com o resultado em 0-0? Ou o do U. Leiria-clube regional falar do centro fora de campo que deu origem ao golo da tranquilidade?

 

Não! Estas originalidades só acontecem connosco... Alguém quer apostar que, por causa de um penalty na competição menos importante do calendário nacional, vamos ter que ouvir a lenga-lenga do "levados ao colo" até final da época?

por S.L.B. às 13:04 | link do post | comentar | ver comentários (15)

Mau

Primeiro minuto de jogo: o Di María progride pelo centro e remata, obrigando o guarda-redes do Estrela a uma defesa difícil. Quatro minutos depois, um livre do Maxi Pereira passa muito perto da baliza adversária. E pronto. O Benfica na primeira parte não foi mais do que isto. Mau demais para ser verdade. É certo que foram várias as alterações em relação à equipa que tem jogado habitualmente (entradas de Butt, Nélson, Luisão, Zoro, Miguelito, Nuno Assis e Yu Dabao), mas isto não pode justificar uma produção tão fraca da nossa equipa. É que durante essa primeira parte mal conseguimos sequer entrar no meio-campo adversário. Pelo contrário, foi o Estrela quem controlou a partida, e quem construiu as oportunidades para marcar. Esteve perto disso, quando quase à boca da baliza o Butt conseguiu negar o golo ao Moses, mas acabou por conseguir o merecido prémio através de um livre directo do Maurício, num lance em que o Butt não fica isento de culpas. Acho que a capacidade do Maurício para tentar o golo daquela distância é conhecida (e aliás já o tinha tentado neste jogo). Antes do livre, vi o Nélson na barreira (formada apenas por três jogadores) chamar a atenção do Butt para que este desse alguma indicação sobre como a queria, e o Butt pouco ou nada lhe ligou. Depois pagou por essa sobranceria. A desvantagem ao intervalo era um resultado justo, sobretudo tendo em conta que fomos quase inofensivos no ataque.


Para a segunda parte surgiu o Freddy Adu no lugar do desapontante Maxi Pereira, indo jogar mais perto do até então desacompanhadíssimo Dabao. O Benfica pouco ou nada melhorou na qualidade do seu jogo, mas pelo menos passou a conseguir ter mais bola, e jogar dentro do meio-campo adversário (após pouco mais de cinco minutos da segunda parte já comentava com o tma que provavelmente já teríamos conseguido estar mais tempo dentro do meio-campo do Estrela do que em toda a primeira parte). De qualquer forma, não se vislumbrava qualquer possibilidade do Benfica conseguir marcar um golo. Só mesmo nos últimos quinze minutos, e após a saída do Nuno Assis para dar o seu lugar ao Andrés Díaz, é que o Benfica conseguiu carregar mais sobre a área adversária, também por consequência de um excessivo recuo do adversário. O problema é que com apenas um homem na área (Dabao), e ainda por cima com ele a ter que sair desta frequentemente para vir buscar a bola, apesar do esforço do Adu raramente apareciam jogadores nossos na zona de finalização, e o golo parecia uma miragem.


No último minuto de jogo, quando a eliminação era praticamente uma certeza, foi assinalado um penalti a nosso favor, quando uma bola rematada pelo Díaz embateu num defesa do Estrela dentro da área. Ainda não vi qualquer repetição do lance, por isso a minha opinião é formada apenas a partir daquilo que vi no estádio (e o lance foi mesmo à minha frente). E a minha opinião é que não houve qualquer motivo para que esse penalti fosse assinalado. Não vi absolutamente nada de ilegal no lance, e aliás quando o árbitro apitou pensei que ele estivesse a assinalar alguma falta à entrada da área, numa disputa de bola pelo ar. Os meus colegas de bancada, tma e S.L.B., também nada viram que justificasse o penalti. Acho por isso que o Benfica foi muito beneficiado por este erro de arbitragem, porque evitou uma eliminação quase certa (e cuja justiça dificilmente poderia ser contestada). Indiferente a isto, o Adu cumpriu a sua obrigação e marcou o penalti decisivo exemplarmente (achei curioso que me pareceu que nenhum dos jogadores estava com grande vontade de marcá-la, e o Adu pareceu acabar por ser quase empurrado pelos colegas para a marcação). No desempate que se seguiu, a sorte sorriu-nos (ou então foram os cânticos benfiquistas de 'Vais falhar!' que fizeram o jogador do Estrela chutar a bola para a bancada) e vencemos por 5-4, sendo que o único penalti falhado foi do Butt, que mais uma vez me pareceu demasiado sobranceiro.


Na mediocridade geral que foi este jogo acho que uma das poucas coisas positivas foi a entrada do Adu, que veio dar mais algum apoio ao avançado (é apenas uma opinião minha, mas eu não gosto de nos ver jogar apenas com um avançado, sobretudo com o Di Naría nas suas costas, já que me parece que ele rende muito mais na esquerda) e veio mexer com o nosso ataque, sempre interventivo e nunca se escondendo do jogo. Além disso mostrou poder ser uma boa opção para as bolas paradas. Não vejo razão para que ele não seja, pelo menos, uma opção no banco. O Rodríguez também não esteve particularmente mal, embora hoje me tenha parecido que abusou um pouco do individualismo. Pela negativa podia mencionar a maioria dos jogadores, mas ainda assim destaco a inenarrável primeira parte do Maxi Pereira, que a exemplo do jogo em Braga pouco ou nada fez, e a irritante inoperância ofensiva do Nuno Assis. É inacreditável que a primeira coisa que ele pense assim que recebe a bola seja olhar para trás. Não estou a exagerar se disser que mais de 90% dos passes que ele fez esta noite foram para trás ou para os lados. É que mesmo que ele tenha opções à frente, a tendência que ele tem para segurar a bola e rodopiar sobre si mesmo faz com que os contra-ataques morram nos seus pés, e que a bola siga inevitavelmente para trás.


Não estou particularmente satisfeito com o que se passou esta noite. Não gosto de ganhar assim, à custa de erros de árbitros. Além disso ja sei, já todos sabemos muito bem qual vai ser o aproveitamento feito deste lance. Este penalti erradamente assinalado a nosso favor na taça da carochinha vai-nos ser arremessado à cara e usado como arma contra nós até ao final da época. Inevitavelmente, pelas virgens arrependidas que choram lágrimas amargas e batem no peito de cada vez que alguma coisa lhes corre mal nestas cenas da arbitragem, e que depois se calam que nem ratos quando são elas as beneficiadas.


P.S.- E nestas coisas de penaltis inexistentes, como este foi assinalado pelo fiscal-de-linha, continuo a considerar que o Duarte Gomes está em dívida para connosco. É que eu nunca conseguirei esquecer o mergulho do Jardel para cima do Caneira na Luz ;)

 

por D`Arcy às 03:21 | link do post | comentar | ver comentários (11)
Quarta-feira, 26.09.07

Assim não!!

Algures entre vulgaridade e a vergonha fica o registo de uma vitória menor numa competição menor, com uma exibição menor e um árbitro que, mais uma vez, provou a sua incompetência. Duarte Gomes (o mesmo palhaço que marcou um penalti contra o nosso Benfica quando o Jardel, a jogar no zbording, caiu na área com uma corrente de ar) teve uma actuação consentânea com a mediocridade geral.

O nosso Benfica ganhou, mas ganhou sem brilho. (link)

[post corrigido]

por Pedro F. Ferreira às 23:53 | link do post | comentar | ver comentários (10)
Terça-feira, 25.09.07

Parabéns, Armando Gonçalves Teixeira.

Falei com o Petit uma vez. Uma vez apenas. Estava o plantel do Benfica em final de época e em final da época Koeman. A conversa aconteceu num sábado, à hora de almoço, na “Catedral da Cerveja”. Foi uma conversa curta que começou com o agradecimento, pela minha parte, por todas as alegrias que o Benfica me havia dado nos últimos tempos. Imediatamente o Petit me corrigiu dizendo que esse agradecimento se justificava pela época anterior e não se justificava pela época que então findava (recordemos que o Benfica não fora campeão nessa época, mas fizera tivera uma boa participação na Champions arrumando o Manchester United e o Liverpool, tendo sido eliminado pelo Barça). Perante tão pouco usual resposta, retorqui dizendo que, apesar de não termos sido campeões, as alegrias na Champions acabavam por servir, de alguma forma, como atenuante. O Petit insistiu dizendo que não havia motivos para parabenizar os futebolistas, pois não tinham conseguido ganhar a Champions. Nesse momento apercebi-me de que aquele futebolista, aquele futebolista do nosso Benfica, personificava aquilo que levara o Benfica à Glória e que, na última década, andava esquecido: exigir a vitória e não admitir, em circunstância alguma, algo inferior à vitória.

Efectivamente, o Petit considerava que não ter ganho a Champions era uma derrota. Depois surgiu o Shéu, a quem o Petit tratava por “senhor Shéu” e que, notoriamente, tinha como referência dentro do Clube.

Ali à minha frente estava, dado pelo Petit, o maior exemplo de viver o Benfica à Benfica que eu vira nos últimos anos: alguém que não se conforma com a mediocridade, alguém que, efectivamente, dá tudo em prol do Glorioso e que, além disso, respeita a História deste Clube. Por tudo isso, o Petit faz parte da História gloriosa do nosso Clube.

Hoje faz 31 anos e está, infelizmente, lesionado. Hoje faz 31 anos e está de parabéns… por tudo.

tags:
por Pedro F. Ferreira às 16:04 | link do post | comentar | ver comentários (10)

Coerência de uma equipa de arbitragem portuguesa.

O Gilles Augustin Binya faz um corte de calcanhar no meio campo, segue com a bola e, alguns segundos (não poucos) e muitos metros depois (não poucos), aquele arremedo de árbitro, Paulo Costa, apita... considera que um desarme limpo foi faltoso e mostra um cartão amarelo ao Augustin.

No mesmo jogo, todo o estádio (ou lá o que aquilo é) viu um austríaco ranhoso enfiar um pontapé, sem bola, no Leo. Até o Jorge Coroado, essa sumidade daltónica, teve vergonha de negar uma evidência e reconheceu, lá para a estação de rádio que o tem como avençado, que aquilo fora uma agressão sem bola. Quem não viu? Paulo Costa e sus muchachos amestrados a café com leite e fruta da época. No final dessa agressão, o austríaco riu.

(imagens de uma agressão)

por Anátema Device às 11:26 | link do post | comentar | ver comentários (11)
Segunda-feira, 24.09.07

Nulo

O nulo de ontem contra o Braga foi aquele que me deixou mais desapontado desde que o Camacho regressou ao clube. Não foi por uma questão de atitude, porque até me pareceu que o Benfica quis sempre vencer o jogo. Foi mesmo pela qualidade do nosso jogo, sobretudo na construção das jogadas de ataque, já que, e ao contrário dos outros jogos, raramente conseguimos criar oportunidades de golo.


Duas alterações em relação ao jogo de Milão, com a entrada do Binya para o lugar do Miguel Vítor, com o consequente recuo do Katsouranis para a posição de central, e do Nuno Gomes para o lugar do Cardozo (parece que o Camacho já se apercebeu que o paraguaio não estará nas melhores condições físicas, visto que a participação na Copa América não lhe permitiu ter férias). No meio campo, e apesar de jogarem os mesmos de Milão, o seu posicionamento foi diferente, com  o regresso do Maxi Pereira à direita, recuo do Rui Costa, e colocação do Di María nas costas do avançado (trocando frequentemente com o Rodríguez). A primeira parte foi um espelho daquilo que o jogo seria durante praticamente todos os noventa minutos. Ambas as equipas a jogarem para ganhar, mas nenhuma delas a conseguir criar muitas oportunidades claras de golo. Foi o Braga quem começou melhor o jogo, mas após os dez minutos o Benfica até conseguiu ter aquela que viria a ser a sua melhor oportunidade durante todo o jogo, quando uma iniciativa do Di María na esquerda deixou o Rodríguez isolado. Infelizmente ele acabou por demorar demasiado, e optar por um remate de ângulo reduzido quando a melhor opção seria um passe atrasado para o Rui Costa, que estava isolado na área. Este lance marcou o início de um período de maior equilíbrio no jogo, com a bola a ser sobretudo disputada na zona do meio-campo. Isto queria dizer que apesar do jogo ser disputado a um bom ritmo, e com ambas as equipas interessadas na vitória, estranhamente estava a ser um jogo aborrecido devido à falta de oportunidades. Só mesmo no último minuto é que houve um sobressalto, com o Quim a fazer uma grande defesa a negar o golo ao Linz.


A segunda parte foi mais do mesmo. Aliás, foi ainda mais monótona. Os guarda-redes praticamente não tiveram trabalho, sendo a única excepção mais uma boa defesa do Quim após um remate de fora da área. As alterações feitas pelo Camacho pouco ou nenhum efeito surtiram na nossa produção ofensiva, e estranhamente quando o Rui Costa foi substituido pelo Romeu Ribeiro, a cinco minutos do fim, foi quando o Benfica conseguiu empurrar mais o Braga para o seu meio-campo, mas ainda e sempre sem conseguir causar grande perigo para a baliza adversária. O nulo final foi uma expressão justa para a falta de qualidade ofensiva mostrada por ambas as equipas, e sinceramente esta incapacidade para criarmos situações de golo deixa-me preocupado.


Quanto aos jogadores, foi uma boa estreia a titular do Binya. É um jogador a rever. Recuperou bastantes bolas, e posicionou-se sempre bem defensivamente. Parece no entanto um bocado 'verde', já que pareceu-me que entra muitas vezes aos lances de uma forma um bocado exuberante, que pode ser explorada por adversários experientes para sacarem faltas (o amarelo que viu, diga-se de passagem, foi ridículo). Acho que assistimos também ao melhor jogo que o Edcarlos fez até agora pelo Benfica. Foi bastante mais interventivo, apareceu muitas vezes no sítio certo a matar os lances, e até tentou o golo num pontapé de bicicleta que não passou longe do alvo. No entanto às vezes parece continuar a ter paragens cerebrais sem explicação, de que é exemplo um lance na primeira parte em que já no interior da nossa área ele abandona a marcação ao adversário e o deixa ir à linha de fundo centrar à vontade (depois viu-se o Katsouranis a repreendê-lo). Já que menciono o grego, diga-se que ele foi mais uma vez um dos melhores em campo, o que começa a ser uma constante de cada vez que ele joga a central. Bem também esteve mais uma vez o Quim, que apesar de não ter tido muito trabalho esteve sempre perfeito. Pela negativa esteve o Maxi Pereira. Falhou inúmeros passes, e esteve completamente desastroso nos centros. Foram diversas as vezes em que os companheiros (sobretudo o Rui Costa) o desmarcaram sobre o lado direito, e apesar de estar completamente à vontade, sem adversários a estorvá-lo, os seus centros acabavam sempre por sair compridos demais e sobrevoar toda a área sem que ninguém lhes pudesse chegar.


Se calhar um empate em Braga não deveria ser considerado mau de todo, mas para mim sempre que o Benfica não ganha o resultado é mau. Particularmente porque o FCP, que já leva seis pontos de vantagem, ganhou em Braga. Mas mais do que o mau resultado, o que me deixou mais preocupado foi mesmo a qualidade do nosso jogo ofensivo. O próximo jogo do campeonato é contra um adversário directo, e vai ser preciso melhorar muito, porque não podemos ficar a oito ou nove pontos do líder ao fim de apenas seis jornadas.

por D`Arcy às 14:44 | link do post | comentar | ver comentários (15)

Início(s) de época

Nos últimos anos, tem sido uma constante o nosso início de época ser fraco.  Aconteceu no ano em que fomos campeões, no ano de Koeman (8 pontos de atraso à 3ª jornada!), o ano passado e agora de novo.

 

É evidente que esta situação se deve à instabilidade que em cada nova época tem sido uma constante - mudança de treinador todos os anos, esta época saída de jogadores importantes.  Quando há mudança, há sempre esperança de que seja para melhor; mas isso não impede que haja sempre um preço a pagar que se reflecte nestes inícios de época menos bons.  No caso presente, Camacho está a trabalhar com um plantel que não conhece e que não escolheu; não se poderiam esperar milagres.

 

Neste momento temos 6 pontos de atraso para o 1º lugar à 5ª jornada, o que é mau.  Mas não é irrecuperável, nem é caso para se começar a fazer discursos derrotistas.  É preciso acreditar na equipa e esperar que o trabalho e a qualidade de base que existe seja reflectido em resultados.

 

Força Benfica!

por Artur Hermenegildo às 11:40 | link do post | comentar | ver comentários (10)

Estádio Axa?!!

Enquanto espero que o D’Arcy publique a sua crónica sobre o jogo de ontem, fica aqui o espaço para algumas perguntas:


O Estádio de Braga é do município ou do SC Braga? Se é do município qual é a legitimidade que o SC Braga teve para renomeá-lo como “Estádio Axa”? Para quem reverte o dinheiro do naming? Para a Câmara que o construiu ou para o SC Braga que o utiliza? Terá o SC Braga, com o beneplácito da Câmara, vendido os direito do nome de algo que lhe não pertence? Sinceramente não sei, mas gostava que me explicassem. Obrigado.


[comentários ao jogo, reservá-los-ei para o aguardado post do D’Arcy]

por Pedro F. Ferreira às 10:19 | link do post | comentar | ver comentários (3)
Sexta-feira, 21.09.07

As pequenas grandes notícias.

A notícia quase não o é. Passa despercebida no meio do despedimento de Mourinho (ter-se-á Abramovich inspirado em Vilarinho?), o castigo a Scolari, a atitude oportunista e bacoca do Madaíl e aquele chorrilho de cognomes parolos que os nossos jornalistas insistem em chamar aos futebolistas (pitbull, mágico, manelélé, levezinho e, la crème de la crème, harry potter e mustang).

A notícia quase deixa de o ser, mas está lá.

A notícia diz, pela voz de João Alves, que o nosso Benfica deve ter um modelo de jogo único, desde a formação até ao plantel sénior. Já muitos defenderam igual tese (eu há muito que a defendo), mas nenhum a conseguiu pôr em prática. Para que seja possível é necessário que haja um entendimento muito grande entre os diferentes treinadores e responsáveis dos diferentes escalões. É necessário que haja estabilidade e liderança. É necessário que haja competência. É necessário que seja implementada por gente que sabe o que significa jogar à Benfica.

Olhando para treinadores como João Alves e Camacho acredito que, caso haja coordenação (à atenção do Rui Águas) e capacidade de trabalho, este é o caminho.

Depois de João Alves (o nosso luvas pretas) o ter dito, resta-me esperar que Camacho o reafirme e que, finalmente, o nosso Benfica possa pôr em prática uma das decisões que mais se impõe e que mais tarda.

por Pedro F. Ferreira às 10:16 | link do post | comentar | ver comentários (15)
Quinta-feira, 20.09.07

Rui Costa e o CR

Ontem, o público que se deslocou aos sanitários do Lumiar, talvez "inspirado" pela bonita recepção que o nosso Rui teve em Milão, decidiu brindar o seu ex-jogador CR com salvas de palmas por tudo e por nada, até quando ele marcou um golo pelo Man Utd - talvez, nessa situação, aliviados pelo facto de CR não ter feito o mesmo que Figo o ano passado, que festejou exuberantemente um golo do Inter - CR optou por um gesto ambíguo que deve ter aprendido com o Brad Pitt no "Sete anos no Tibete", e que a emocionada imprensa lusa logo interpretou como "pedido de desculpas".

 

Ora bem, tenho para mim que as situações nada têm de comparáveis.  Vejamos.

 

Rui Costa esteve 5 anos no AC Milan, dos melhores da sua carreira, e onde ganhou tudo o que havia para ganhar.  Saiu do AC Milan há pouco mais de um ano, apenas pela razão de querer regressar ao nosso Benfica - sem qualquer benefício financeiro nem para o Rui nem para o clube de Milão.  Não vive em Milão, nem seuqer em Itália.  Não tinha voltado ainda aquele estádio desde que saíra, e provavelmente nenhum dos adeptos do AC Milan presentes o tinha voltado a ver jogar ao vivo.  Foi, de facto, um regresso a casa de um grande senhor.

 

CR está no Man Utd há 5 anos - mais do que aqueles que esteve no SCP.  Saiu do clube para ganhar mais, e o SCP foi devidamente indemnizado financeiramente.  Não há dia em que, por razões desportivas ou outras, não saia uma qualquer notícia sobre ele cá no burgo.  É jogador da Selecção Nacional, e nestes 5 anos várias vezes aqui jogou ao seu serviço - a última das quais há 15 dias, naquele mesmo campo.  Qual é a semelhança?

 

O que se passou ontem não foi "fair play", nem "regresso a casa", nem nada disso; foi um gesto de derrotados que, resignadamente, aplaudem quem os derrota por inexplicável saudosismo..  Só isso.

por Artur Hermenegildo às 14:35 | link do post | comentar | ver comentários (25)

Clough

Este post não tem nada a ver com o Benfica, por isso quem aqui vem apenas para ler assuntos relacionados com o nosso clube, pode passá-lo à frente. Mas hoje apeteceu-me escrever sobre um dos meus ídolos do futebol.


Quando eu comecei a ligar alguma coisa ao futebol (por volta dos oito anos), uma equipa reinava na Europa do futebol: o Nottingham Forest. Desde então que a minha admiração por esta equipa permaneceu ao longo dos anos, de tal forma que ainda hoje, quando eles estão na League One, todos os fins-de-semana me preocupo em ver qual foi o resultado do jogo deles. Na altura não o sabia, mas vim depois a descobrir a dimensão deste feito ao aperceber-me que o Nottingham Forest não é mais que um pequeno clube das Midlands de Inglaterra, com uma dimensão em nada comparável à de clubes como o Liverpool, Man Utd, ou Arsenal. E não fazia também ideia na altura de quem era o homem que tornou tudo isto possível, o autor deste autêntico milagre futebolístico: Brian Clough. Um personagem único na história do futebol, que ganhou o direito a ser considerado uma verdadeira lenda. É sobre ele que este post fala.

Brian Clough chegou ao Nottingham Forest em Janeiro de 1975. Apesar dos seus 39 anos, não era um desconhecido no futebol. Como jogador, numa carreira que terminou precocemente aos 27 anos após uma rotura dos ligamentos cruzados do joelho direito (que na altura significava o fim automático de quaisquer aspirações a jogar futebol), atingiu a impressionante marca de 251 golos em 274 jogos (incluindo 24 hat-tricks) ao serviço de Middlesbrough e Sunderland. Como manager, já tinha conseguido o feito de levar o pequeno Derby County a campeão inglês e às meias finais da Taça dos Campeões Europeus, sendo eliminado pela Juventus em circunstâncias suspeitas. Demitiu-se do Derby em conflito com a direcção (o seu desprezo por dirigentes de futebol era notório, e os confrontos frequentes), e assumiu o controlo do Leeds United, uma das potências futebolísticas inglesas de então, no início da época de 1974/75 (pelo meio teve uma breve passagem, sem sucesso, pelo Brighton, na Division Three). Assim que chegou, disse aos jogadores do Leeds que deviam deitar todas as medalhas que tinham ganho para o lixo, porque só as tinham ganho com batota (resultado de ter visto, numa ocasião, um árbitro entrar no gabinete do manager do Leeds, Don Revie). Saiu 44 dias depois, com uma indemnização que, de acordo com ele, lhe permitiria não ter que voltar a trabalhar mais. E assim chegou ao Nottingham Forest, um clube quase desconhecido, perto do fundo da tabela da Second Division, e para onde nenhum jogador com algum prestígio desejaria ir jogar. A primeira compra que fez quando lá chegou foi… um fogão novo, com dinheiro do seu bolso. Segundo as suas palavras:


”Well, the one the club had was knackered. But, frankly, I nearly picked it for the team ‘cos it was better than most of the squad.”


Brian Clough tinha uma obsessão: não sofrer golos. Como muitos treinadores, acreditava que uma equipa se começava a construir de trás para a frente (no caso dele, era resultado de experiências desagradáveis enquanto jogador, já que se irritava ao marcar golos em série e ver que os golos não serviam para nada porque a equipa sofria tantos ou mais do que ele conseguia marcar). Além disso, acreditava que era possível ganhar e jogar simples e bonito, entretendo o público. Afastou-se do estilo típico do futebol britânico na altura, de bola pelo ar e kick and rush:


”If God had wanted us to play football in the clouds, he’d have put grass in the sky.”


Os seus jogadores estavam proibidos de discutir com árbitros, de chutar bolas para a bancada, simular lesões ou queimar tempo. Não admitia qualquer tipo de desafio à sua autoridade por parte dos jogadores. Sobre isso dizia:


”We talk about it for 20 minutes, and then we decide that I’m right.”


Quando Martin O’Neill, insatisfeito por estar a jogar pelas reservas, lhe foi pedir explicações, recebeu a seguinte resposta:


”It’s quite simple, young man. You’re too good to play for the third team.”


Como quase todos os treinadores que ficaram na história, Clough era um excelente gestor de homens, sabendo motivar ou espicaçar os seus jogadores na altura certa, e utilizando métodos pouco convencionais. Em 1979, na véspera da final da League Cup contra o Southampton, achou que os jogadores estavam demasiado tensos. Então, obrigou os jogadores a irem com ele aos bares e a apanharem uma bebedeira. Segundo ele, preferia ter jogadores ressacados do que jogadores tensos e nervosos. O Forest venceu a final por 3-2.


Um ano depois, trouxe o seu fiel adjunto Peter Taylor para o clube, refazendo a dupla de sucesso de Derby (“I’m the shop window, Pete’s the goods at the back.”). E no final da época de 1976/77, conseguiu a promoção à First Division, conquistando também o primeiro dos troféus ao serviço do Forest, a Anglo-Scottish Cup. Um troféu de pouca importância, mas que Clough sempre considerou ser o início de tudo, porque a maioria dos seus jogadores nunca tinham ganho nada, e aquele troféu deu-lhes a primeira experiência do que era ser um vencedor. Segundo ele, os jogadores gostaram, e ficaram 'viciados'. Taylor e Clough tinham o dom de conseguir tirar o máximo dos seus jogadores, de fazer estrelas de jogadores praticamente desconhecidos, e de relançar carreiras de jogadores considerados acabados para o futebol. Foi assim que construíram a equipa do Forest para a época de 1977/78. Resgataram, por exemplo, Peter Shilton ao Stoke, na Second Division (só a história da contratação do Shilton daria um post separado). Contrataram o ponta-de-lança Kenny Burns ao Birmingham, e Clough viu nele um avançado mediano, mas um defesa de eleição. A jogar na defesa foi eleito o jogador do ano.


A verdade é que nessa época de 1977/78, vindos da segunda divisão, com uma equipa de desconhecidos e ‘acabados’, naturalmente ninguém levava o Forest a sério num campeonato que parecia ganho à partida pelo campeão europeu Liverpool (que revalidou esse título). Ao fim de dezanove jornadas, o Nottingham Forest ocupava a primeira posição, com um ponto de vantagem sobre o Everton, e seis sobre o Liverpool. Ainda assim, e para fúria de Clough, continuavam a não os considerar candidatos, e a levar as declarações dele que o Forest, e não o Liverpool, era a melhor equipa inglesa como apenas mais um dos seus devaneios. Claro que Brian Clough utilizou isso mesmo como forma de espicaçar os seus jogadores. E foi assim que o Forest se deslocou a Old Trafford. Quando os noventa minutos terminaram, e o marcador mostrava Man Utd 0 – Nottingham Forest 4, as pessoas começaram a perceber que aquilo era mesmo a sério. Seguiu-se um empate 1-1 com o Liverpool, e uma vitória por 1-0 sobre o Everton. E daí por diante: 2-0 ao Arsenal, 3-1 ao Chelsea, 2-0 ao Newcastle e ao West Ham, o Forest foi imparável. No final, e num campeonato em que a vitória valia dois pontos, o Forest, vindo da segunda divisão, foi campeão com sete pontos de avanço, e o menor número de golos (24) alguma vez sofridos por um campeão. Foi também estabelecido um record de 42 jogos sem perder, que só viria a ser batido pelo Arsenal, 26 anos depois. Ao título o Forest juntou a League Cup desse ano. Pegar num clube como o Derby County e levá-lo a campeão já era um feito quase inacreditável. Pegar no Nottingham Forest e repetir a façanha era uma coisa do outro mundo. Mas Clough e Taylor não ficariam por aqui.

Na época seguinte, a primeira eliminatória da Taça dos Campeões Europeus colocou o bicampeão Liverpool frente ao Forest de Clough. O Liverpool foi despachado com 2-0 no total das duas mãos. Seguiram-se AEK (7-2), Grasshoppers (5-2), e Colónia (4-3, com uma vitória por 1-0 na Alemanha graças a uma exibição épica do Shilton, após um empate 3-3 no City Ground na primeira mão). A final foi ganha por 1-0 ao Malmö, com um golo de Trevor Francis, o primeiro jogador da história a custar um milhão de libras (Clough insistia que apenas tinha pago £999.999 por ele, porque um milhão era um valor obsceno). Em três anos consecutivos, Brian Clough levara uma equipa da segunda divisão ao topo da Europa. Não contente com isso, repetiu o título europeu na época seguinte (vitória por 1-0 em Madrid frente ao Hamburgo), em que o melhor marcador da equipa foi Garry Birtles, um aplicador de alcatifas que Clough tinha descoberto a jogar numa liga amadora de fim-de-semana e por quem pagou duas mil libras. O capitão dessa equipa que ergeu as duas taças de campeã europeia, John McGovern, era um jogador que fora 'raptado' à universidade por Clough e Taylor, que o convenceram a abandonar os estudos e a assinar pelo Hartlepool, da Fourth Division, quando Clough era o treinador, doze anos antes.

O fim da relação com Peter Taylor em 1982, e o progressivo alcoolismo de Brian Clough acabaram por significar o fim da ‘magia’. O Forest viria a conseguir conquistar mais duas Taças da Liga, em 1989 e 1990, mas não conseguiu repetir os feitos do passado. No final da época de 1992/93, a última da carreira de Brian Clough, e da primeira edição da actual Premier League, Clough sofreu a ignomínia de ser despromovido pela primeira vez na vida. Para trás ficou uma carreira única, com duas enormes frustrações: nunca ter conquistado a FA Cup (o mais perto que esteve foi em 1991, na final que ficou tristemente célebre pelas entradas animais e consequente lesão de Paul Gascoigne e que o Forest perdeu por 2-1 no prolongamento); e nunca ter sido escolhido para seleccionador inglês. Em 1977 chegou a ser entrevistado para o lugar, e seria a escolha óbvia, mas a sua personalidade conflituosa, o desprezo absoluto que sentia por dirigentes de futebol (em particular pelos dirigentes da FA, que acusava de nunca terem jogado futebol na vida) e o hábito de dizer o que muito bem lhe apetecia ("They didn't want an England manager who was prepared to call the italians cheating bastards.") eram uma garantia que seria muito difícil ser escolhido – deram-lhe o posto de seleccionador de esperanças, uma espécie de prémio de consolação.

Brian Clough ficou também famoso por quase tudo o que dizia. As pessoas estavam sempre na expectativa sobre o que ele diria quando era entrevistado, e muitas das suas afirmações ficaram para a posteridade, conhecidas como ‘cloughisms’. Aqui ficam alguns dos exemplos:


”They say Rome wasn’t built on a day, but I wasn’t on that particular job.” - a sua habitual modéstia.


”Players lose you games, not tactics. There’s so much crap talked about tactics by people who barely know how to win at dominoes.”– sobre os comentadores de futebol.


”I can’t even spell spaghetti, never mind talk italian. How could I tell an italian to get the ball? He might grab mine!” - sobre a invasão de estrangeiros no futebol inglês.


”For all his horses, knighthoods and championships, he hasn’t got two of what I’ve got. And I don’t mean balls!” - sobre Alex Ferguson.


”I believe Lennox Lewis didn’t see that punch coming last Sunday, and the skipper of the Titanic had some excuse for not spotting an iceberg if it was dark. But I couldn’t believe my big ears when Fergie said he had not seen Keane’s tackle on Haaland.” - sobre a ‘visão selectiva’ de Alex Ferguson.


”At last England has appointed a manager who speaks English better than the players.” – sobre Eriksson.


”The Derby players have seen more of his balls than the one they’re meant to be playing with.” - quando um streaker invadiu o campo durante um jogo.


”That Seaman is a handsome young man but he spends too much time looking in his mirror rather than at the ball. You can’t keep goal with hair like that.” - sobre David Seaman.


”He’s like Muhammad Ali but without the talent. He floats like a butterfly and tackles like one too.” – sobre o jogador Trevor Brooking.


”They say Al Capone did some good things in life. Trouble was, he would go out in the streets and shoot people. Keane is becoming United’s Al Capone.” – sobre Roy Keane.


”Acne is a bigger problem than injuries.” - sobre a juventude da sua equipa.


”I bet their dressing room will smell of garlic rather than liniment over the next few months.” - sobre a quantidade de jogadores franceses no Arsenal de Wenger.


”They caress a football the way I dreamt of caressing Marilyn Monroe.” - ainda sobre o Arsenal de Wenger.


”If a player had said to Bill Shankly ‘I’ve got to speak to my agent’, Bill would have hit him. And I would have held him while he hit him.” - sobre os agentes dos jogadores.


”Beckham? His wife can’t sing and his barber can’t cut hair.” – sobre Beckham e a mulher.


”Football holligans? Well, there are 92 club chairmen for a start.” – a sua tradicional antipatia por dirigentes.


Enfim, tal como disse, este post nada tem a ver com o Benfica. Tem a ver com uma figura que eu me habituei a venerar como um dos melhores, se não mesmo o melhor treinador de futebol de sempre, e que nos deixou completam-se hoje três anos. Mostrem-me um treinador que em quatro anos leve uma equipa da segunda divisão a bicampeã europeia e talvez eu mude de opinião. Isto dos melhores tem que se lhe diga, e cada um terá a sua opinião. Eu limito-me a concordar com o próprio Brian Clough, e a sua tradicional modéstia:


”I wouldn’t say I was the best manager in the business. But I was in the top one.”

por D`Arcy às 12:51 | link do post | comentar | ver comentários (22)
Quarta-feira, 19.09.07

Inevitável

Aconteceu o que era inevitável, sobretudo nesta altura da época.  O Milan é mais forte do que o Benfica, e ainda por cima o Benfica está fragilizado na defesa pelas razões que sabemos, o que contra este ataque é fatal.

 

A isto acrescentaram-se dois erros que deram golo; no primeiro, falta de Katso em zona proibida, livre, Quim mal batido (ele que esteve excelente durante todo o resto do jogo); no segundo, disparate monumental de Miguel Vítor, contra-ataque, golo.

 

De qualquer forma, gostei do nosso Benfica.  Jogou o que pôde, se calhar um bocadinho abaixo do que sabe, mas o adversário não permite muito mais, ainda por cima a ganhar por 2 antes da meia-hora de jogo.  Mas a nossa equipa teve atitude, garra, entrega, atacou frequentemente bem, marcou um golo e falhou outro quase feito.  Acho que não se podia pedir mais.

 

Eu sei que falar é fácil, sobretudo depois dos jogos, mas creio não ter sido boa opção retirar Katso da defesa; ele estava a jogar muito bem naquela posição, e tivemos que jogar assim com uma dupla de centrais inédita.  O risco era elevado.  É claro que percebo as razões de Camacho, e não estou a dizer que tenhamos perdido o jogo por causa disso.  Se calhar, sem Katso no meio campo, Káká e Sedorf ainda teriam tido mais liberdade e o que se tapava de uma lado destapava-se do outro.  Falta Petit, não há milagres.

 

Max Pereira fez bem o lugar que é de Petit; é daqueles jogadores que nunca desiste de uma bola e não sabe jogar mal.  O problema é quem joga na direita se ele joga no meio.  Di Maria parece não se adaptar muito bem a essa posição, joga bem melhor do outro lado, como se viu no lance me que Cardozo acertou no poste.  Mas Rodriguez também rende mais na esquerda, o que é uma questão que Camacho tem de resolver.  Os dois fazem falta a equipa, mas não podem obviamente jogar os dois na mesma posição.  E acho que Di Maria tem de começar a dar mais objectividade aso seu futebol, para não se perder em fintas sem sentido e ser mais útil à equipa.

 

Bonita e emocionante foi a homenagem do público a Rui Costa, no momento da substituição.  É claro que estar a ganhar por 2-0 ajuda muito à generosidade, mas mesmo assim foi bonito de se ver.

 

Em resumo: aconteceu o que no fundo todos esperávamos, mas acho que o Benfica foi digno e a espaços conseguiu mesmo jogar bem.  Estão de parabéns.

 

por Artur Hermenegildo às 10:42 | link do post | comentar | ver comentários (10)
Terça-feira, 18.09.07

Desequilíbrio

Foi demasiado Milan para nós. O Benfica bateu-se como pôde, mas a verdade é que o resultado final da partida nunca pareceu estar em causa, particularmente depois do Milan ter conseguido rapidamente colocar-se numa situação confortável. Ainda não foi desta que quebrámos a malapata de San Siro.


Com a infeliz ausência do Petit, foi preciso esticar a manta. Isto significou subir o Katsouranis para o meio-campo, promovendo-se o regresso do Miguel Vítor ao centro da defesa, alinhando ao lado do Edcarlos. Também no meio-campo houve alterações, com a passagem do Maxi Pereira para o centro, subindo o Rui costa para as costas do ponta-de-lança e passando o Di María para a direita. A superioridade do Milan tornou-se evidente desde o primeiro minuto, sobretudo no meio-campo. Talvez um reflexo da ausência do Petit, parecia-me sobretudo que o nosso meio-campo estava demasiado macio, dando demasiado tempo e espaço ao fantástico Pirlo para pensar e distribuir quase todo o jogo dos italianos. Para além disso, havia ainda o pequeno 'pormenor' Kaká, que parece jogar a uma velocidade superior a todos os outros. Em termos ofensivos, e com o Rui Costa um pouco 'enterrado' no meio dos cinco médios milaneses, a construção do nosso jogo era quase inexistente, com as jogadas a serem mortas quase à nascença à entrada do meio-campo adversário, devido à pressão constante dos médios milaneses.

O Milan chegou à vantagem logo aos oito minutos, através de um livre directo do Pirlo. A primeira impressão que dá é que o Quim é mal batido, até porque chega a tocar na bola, mas a verdade é que a bola foi colocada mesmo no ângulo. E diga-se que mesmo tendo passado apenas tão pouco tempo, o Milan já tinha estado perto de marcar, e dado sinais de querer resolver o jogo cedo. Tanto que, mesmo após o golo, não abrandou, e continuou a pressionar à procura de mais um golo. Esteve perto de o conseguir, e valeu-nos o desacerto do Inzaghi e o acerto do Quim para que tal não acontecesse. O primeiro safanão que o Benfica deu no jogo foi pouco depois dos vinte minutos, com um remate do Rui Costa defendido em dificuldade pelo Dida, e logo a seguir com uma cabeçada do Cardozo ao poste após cruzamento do Di María. Praticamente na resposta, o Milan voltou a marcar. Fê-lo de uma forma que acaba por ser irritante, já que foi através de um contra-ataque. Com o Benfica instalado na área adversária para a marcação de um livre, um mau passe do Miguel Vítor acabou nos pés do Kaká, que correu de uma baliza à outra deixando praticamente toda a nossa equipa sem velocidade para recuperar. A classe do Pirlo fez o resto, oferecendo o golo ao Inzaghi. A partir daqui o Milan desacelerou nitidamente, passando o jogo então a ser mais repartido, e reforçando a minha ideia de que contra o Milan, as equipas jogam o que o Milan deixa. Sem mais grandes sobressaltos, chegou o intervalo.

A segunda parte iniciou-se como a primeira, com o Milan a permitir que o Benfica tivesse um pouo mais de bola, e a tentar explorar oportunidades de contra-ataque sempre que possível. Quanto a nós, e apesar desta maior iniciativa (que também não pareceu alheia ao facto do Rui costa ter começado a aparecer mais frequentemente em terrenos mais recuados), nunca conseguimos colocar a defesa adversária em sobressalto. A partir dos sessenta minutos de jogo, e durante cerca de um quarto de hora, o Milan voltou a pegar no jogo, e esteve em diversas ocasiões perto de marcar o terceiro. É apenas uma opinião, mas esta súbita alteração do rumo do jogo não me pareceu de todo alheia à troca do Cardozo pelo Nuno Gomes (eu nesta altura esperava que o Nuno Gomes entrasse para o lugar de um dos centrais), já que o Nuno não joga tão fixo na frente e como tal não segura tanto a linha recuada adversária. Este desequilibrio só pareceu atenuar-se novamente quando o Benfica fez o Katsouranis recuar para central, estreando-se o camaronês Gilles no meio-campo, parecendo então que o resultado final estaria encontrado. Mas na última jogada da partida, e numa altura em que o Rui Costa já tinha sido substituído para receber a merecida homenagem dos adeptos milaneses, o Nuno Gomes, a passe do Katsouranis, acabou por atenuar o resultado para a diferença mínima. Confesso que para mim esta diferença mínima não é um reflexo justo nem da diferença que parece haver entre as duas equipas, nem daquilo que se passou em campo esta noite.

Em relação aos jogadores, gostei sobretudo do Rui Costa. O nosso jogo ofensivo é completamente diferente quando a bola passa pelos pés dele. Também gostei do Rodríguez, que tentou sempre jogar em progressão e trazer a equipa para a frente. O Quim também acabou por safar a equipa em mais que uma ocasião, com algumas boas intervenções. O Edcarlos voltou a não me impressionar, sobretudo na forma como se posiciona para atacar os lances. Parece-me perder facilmente o homem por cuja marcação é responsável. O Luís Filipe voltou a estar mal, desastroso sobretudo no passe, pouco participativo no ataque, e inseguro na defesa (perdi a conta das vezes que o Jankulovski entrou por aquele lado quase sem oposição, devido ao facto do Luís filipe fugir frequentemente para o meio).

Creio que o Benfica acabou por fazer a exibição possível contra o adversário desta noite. Não estivemos brilhantes, mas também não foi mau de todo. Podia dizer que se calhar com alguns dos jogadores em falta teríamos conseguido dar mais luta, mas temos que contar com os que estão disponíveis, e com esses julgo que fizemos o melhor possível. Não me sinto de forma alguma envergonhado com o jogo desta noite, porque estou perfeitamente consciente da força do nosso adversário e das nossas próprias limitações. Tenho orgulho na nossa equipa, e sei que deram o que tinham. A nossa luta neste grupo não é com o Milan, é com o Shakhtar.
por D`Arcy às 23:28 | link do post | comentar | ver comentários (6)

Porquê jogar com menos um?

Sei que seria fantástico pontuar em Milão! Melhor ainda seria ganhar! E ganhar a jogar com menos um? Éin?
É certo que o jogo de hoje teve na sua base uma lesão de fim-de-semana: a do Petit. E Camacho fez o que pode! Na minha opinião teve algumas escolhas erradas, mas também é certo que perdemos pela diferença mínima contra o campeão europeu em título e, devo dizer, no seu estádio.
Mas eu percebi desde cedo a estratégia do Camacho: ganhar ao Milan e jogar com 10 o jogo todo! Jogar com 10 não é o mesmo que jogar com "o 10"! Jogar mesmo só com dez (macacos) fantásticos jogadores!
E ali andámos, e tal, a correr atrás dos gajos, ainda falhámos uns golitos e não sei quê, uma bolita ao poste, mas de facto... em Lisboa temos de jogar com 11! Entrar em campo só com 10 elementos não chega!
Para ganhar ao Milan e a todos os outros 11 gajos é o que se pede!
11 é o número! As outras equipas também, jogam com 11, ou não? Ou é impressão minha?
Portanto a minha pergunta é simples: quem és tu, Luís Filipe? Ou melhor ainda, o que és tu, Luís Filipe? Éin?

PS
Post revisto para não aborrecer os adeptos menos divertidos.
por Corto Maltese às 22:48 | link do post | comentar | ver comentários (13)

O porquê das coisas.

Entrámos em campo com 7 (sete) estreantes na Liga dos Campeões. Temos os dois centrais e o trinco lesionados (David Luiz, Luisão e Petit). Entrámos inicialmente com dois centrais que em condições normais nem estariam no plantel: um ex júnior de futuro promissor e um brasileiro que fez hoje o seu segundo(?) jogo na Europa e o primeiro na Champions. Enviámos uma ao poste. Falhámos uma outra em frente ao guarda-redes. Não jogámos em casa. Jogámos contra o campeão europeu. Não tivemos um penalti manhoso nos primeiros dez minutos. Não beneficiámos de uma expulsão injusta do adversário. Defrontámos o Milan.


Com todas estas condicionantes acabámos por perder o jogo por um golo (link). Ainda assim, tenho muito orgulho naquela juventude. Tenho muito orgulho no nosso Benfica. Tenho muita esperança no futuro.

por Pedro F. Ferreira às 21:34 | link do post | comentar | ver comentários (12)
Segunda-feira, 17.09.07

A arte de saber comunicar.


Temos tido, ao longo dos anos, futebolistas que têm uma intrínseca capacidade de comunicar com o público. Normalmente são aqueles que também têm a sensibilidade de compreender o público. Lembro os casos de Luisão e de Rui Costa

Quem não se lembra de ver, ao longo das últimas épocas, o público da Luz a esmorecer e a reagir, de imediato, aos apelos de Luisão para que continuássemos a incentivar a nossa equipa?


Neste fim-de-semana vimos o nosso Rui Costa participar na festa, respondendo ao apelo que vinha das bancadas, fazendo vénia, aplaudindo e tendo como resposta uma emocionante standing ovation, daquelas que só se dão àqueles que sentimos que sentem o Clube com o mesmo sentir dos adeptos comuns.

Rui Costa tem o dom de saber comunicar com o Estádio da Luz como apenas os eleitos têm. Não basta carisma, é preciso, para que haja uma comunhão entre público e futebolista como a que se viu nesta última jornada, que naquela camisola o futebolista transpire esforço, entrega, sacrifício, benfiquismo e… a tal mística de que muitos falam e que Rui Costa personifica.

 

Queixava-se Fernando Santos de que no Benfica faltava uma política de comunicação. Luís Filipe Vieira, ao responder na forma e no momento em que respondeu a José Veiga e ao próprio Fernando Santos, acabou por dar razão à crítica de Fernando Santos. Se houvesse uma política de comunicação pensada e seguida por todos, não teríamos visto o Presidente do nosso Clube dar ênfase a palavras menores que não tinham tido visibilidade maior do que a pouca dimensão de quem as proferira. Ao responder neste timing e nesta forma, Luís Filipe Vieira fica à mercê de ter comprado uma guerra com José Veiga que, por muitas razões (acreditem que são mesmo muitas), nunca poderá vencer pelas simples razão de que luta contra quem já perdeu tudo e a quem resta apenas a vingança mesquinha.

Aguardem um pouco de tempo e não estranhem notícias desestabilizadoras sobre o nosso Clube que venham a surgir num famoso pasquim desportivo. Daqui a quinze dias teremos um importante jogo e essa será a semana ideal para que as rotativas escarrem ataques vindos de Swindon disfarçadas de “fontes” ditas “seguras”.

 

Num outro registo, Luís Filipe Vieira referiu que gostaria de ver Rui Costa como o próximo Presidente do Benfica. Também eu e muitos milhares de benfiquistas desejamos o mesmo. Sei que dentro da actual Direcção muitos defendem o que também eu defendo e que Luís Filipe Vieira defende. Poucos teriam escolhido este momento para divulgar tal intenção: quem conhece minimamente um balneário sabe como isto pode prejudicar quem, aparentemente, se pretende destacar.

 

Ainda dentro da esfera da comunicação, lembro apenas que a classe do nosso Rui Costa não se esgota dentro das quatro linhas: já ouviram a forma rápida e eficaz como Rui Costa obrigou um jornalista da TVI a engolir as desprezíveis palavras que este recentemente lhe dedicara? Então vejam a forma como Rui Costa respondeu à primeira pergunta que lhe foi feita no flash interview.

 

Pode ser que dentro do nosso Clube alguém aprenda que a melhor forma de comunicar com os benfiquistas não é respondendo fora de tempo e perdendo demasiado tempo com quem nos ataca. É atacando no momento certo, de forma simples, clara e que não deixe espaço para resposta.

 

Falando de futebol, não me canso de rever aquela obra de arte que o nosso Rui Costa assinou naquele golão à Naval. Parece simples, mas não é. É como a arte de comunicar.

por Pedro F. Ferreira às 20:19 | link do post | comentar | ver comentários (13)

Futsal

A nossa equipa de Futsal continua em grande; após a conquista da Supertaça, passou agora a 1ª fase da UEFA Cupa, com três vitórias em três jogos.

 

Parabéns aquela que é de longe a modalidade de pavilhão de maior sucesso no nosso Benfica.

por Artur Hermenegildo às 15:11 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Domingo, 16.09.07

Confiança

No final do jogo, quando saía do estádio, passei por duas velhotas que, equipadas a rigor com uma camisola do Benfica (uma com o número dez do Rui Costa nas costas, a outra com o número vinte e um do Nuno Gomes), tinham a seguinte conversa:


- Finalmente lá marcou um!

- Agora ninguém o pára!


Isto reflecte a confiança que nas últimas semanas se instalou entre os benfiquistas, jogadores e adeptos por igual. Se até estas senhoras de provecta idade, que concerteza já terão visto muitos jogos do nosso Benfica ao longo dos anos e como tal já deverão estar endurecidas pela carapaça de cinismo que inevitavelmente o passar dos anos fornece, neste momento acreditam que o Nuno Gomes se vai tornar num goleador letal, imparável terror das áreas adversárias, então acho que mais explicações são desnecessárias. A confiança é tanta que até o meu amigo Gwaihir arriscou desafiar a superstição, e ao intervalo desceu os degraus da bancada Sapo para vir conversar comigo - e ele tinha prometido que nunca mais voltava a fazer isto, porque das outras vezes deu sempre mau resultado (ou hoje sentias-te mais confiante porque deixaste o cachecol no canto superior esquerdo (como quem entra) da mesa da sala, dobrado em três (com o emblema para cima) e virado para a televisão?)


O Camacho cumpriu o que tinha anunciado, e deixou mesmo o Cardozo a descansar no banco. Para o seu lugar entrou no onze o Cristian Rodríguez, que se foi encostar à esquerda, passando o Di María para as costas do ponta-de-lança, Nuno Gomes (embora trocando frequentemente de posição com o Rodríguez). Na defesa houve outra alteração, com a estreia do Edcarlos no lugar do Miguel Vítor. O nosso treinador tem reclamado frequentemente das más primeiras partes do Benfica, e a verdade é que esta noite entrámos mal no jogo. Ou melhor, poder-se-á dizer que foi a Naval quem entrou bem, porque eles conseguiram manter sempre a equipa bem organizada, pressionavam os nossos jogadores logo à entrada do seu meio-campo, e assim mantinham-nos longe da sua baliza, conseguindo também uma boa dose de posse de bola. Mas os planos deles começaram a ir por água abaixo pouco depois dos vinte minutos, porque no primeiro remate digno desse nome que o Benfica fez, marcou. Foi um bom remate de longe do Rodríguez, que não deu hipóteses ao guarda-redes adversário. Este golo alterou completamente o jogo que tínhamos visto até então. A Naval desorganizou-se, e o Benfica começou a atacar mais e melhor. Não supreendeu por isso o segundo golo, que terá sido o momento alto da noite. Passe do Rui Costa para o Luís Filipe na direita, e cruzamento rasteiro deste para o mesmo Rui Costa aparecer na área a finalizar, controlando a bola com o pé direito, rodopiando sobre si mesmo, e finalizado com o pé esquerdo. São pormenores daqueles que mostram a classe de um jogador como o Rui Costa. É um privilégio para nós, benfiquistas, podermos ir à Luz de quinze em quinze dias e ver toda a inteligência e classe do nosso Rui ao vivo.


Com uma vantagem de dois golos ao intervalo (que até poderia ter sido dilatada antes do final da primeira parte), seria de esperar que o Benfica se poupasse um pouco, mas a verdade é que entrámos à procura de mais um golo. Isto é algo que a equipa agora parece fazer com naturalidade, ou seja, mesmo em vantagem não adormece sobre a mesma, e em vez de recuar continua a manter o ritmo de jogo e a procurar marcar. Além disso, nota-se que a simples forma como os jogadores ocupam os espaços em campo torna as coisas mais fáceis. Os adversários têm dificuldade em encontrar zonas do terreno em que não estejam jogadores do Benfica a estorvá-los, e quando recuperamos a bola normalmente há sempre pelo menos outro jogador por perto a quem a passar.


Não foi preciso esperar muito pelo terceiro golo. Mais um passe inventado pelo Rui Costa a descobrir o Rodríguez na ponta esquerda, e o uruguaio a centrar para um cabeceamento muito colocado do Nuno Gomes para junto do poste, a assinar o terceiro da noite. Sim, não é gralha. O Nuno Gomes marcou mesmo um golo, e um bonito golo por sinal. Ainda tive que esfregar os olhos para me convencer que a bola tinha mesmo entrado. À minha volta viam-se bocas abertas de pasmo e, de relance, pareceu-me ver passar nos céus sobre a Luz um porco a voar. Brincadeiras à parte, fiquei contente com este golo. O Nuno já não marcava há algum tempo, e os avançados precisam de golos para ganharem confiança. Apesar das vozes críticas, eu continuo a achar que o Nuno Gomes é um jogador que em forma faz falta ao Benfica, e temos todo o interesse em tê-lo motivado.


O jogo continuou mais ou menos na mesma toada, até ao momento negro da noite, que foi a lesão do Petit. Ainda por cima aconteceu numa altura em que o mais provável era que fosse substituído, já que o Romeu Ribeiro já estava pronto para entrar. Resta saber qual é a gravidade da lesão, mas parece que tem pelo menos para três jogos, todos eles importantes: Milan, Braga, e Clube do Lumiar. É uma grande perda, porque o Petit está num grande momento de forma, e hoje mais uma vez estava a demonstrá-lo em campo. Depois deste momento, aí sim, o Benfica abrandou, e nos minutos finais foi altura para o Quim brilhar, e demonstrar que a titularidade que mantém não é por acaso. Se a Naval não conseguiu o golo de honra (e diga-se sinceramente que fez por merecê-lo), foi por causa do Quim, porque aqueles minutos foram de pressão total à nossa baliza. Mas até nisto dá para ver que estamos em estado de graça, pois a bola não entrou mesmo - quando o Quim não estava lá, estava a barra da baliza.


Bons jogos do Léo (para não variar), Katsouranis, Petit, Rui Costa e Rodríguez. Este último estreou-se a titular, e fê-lo com um golo e uma assistência. Mas para além disso mostrou uma combatividade enorme, recuando e ajudando na defesa, o que resultou na recuperação de diversas bolas. Podia tentar escrever sobre o Rui Costa, mas não tenho muitas palavras para o conseguir fazer. Para além disso, falta-me objectividade para fazê-lo, tal é a admiração que tenho por ele e o prazer que me dá vê-lo com a nossa camisola em campo. Volto a dizê-lo: é um privilégio. Em relação ao estreante Edcarlos, a verdade é que não me impressionou muito. Mostrou velocidade, mas não gostei muito da forma como se posicionou e movimentou em campo em diversas ocasiões. Pareceu mostrar alguma (natural) falta de confiança, resguardando-se e evitando 'comprometer-se' em lances mais complicados. Na fase final já pareceu mais solto, mas ainda é muito cedo para tirar grandes conclusões. A título de comparação, o David Luíz ou o Miguel Vítor deixaram-me melhor impressão logo na estreia.


Enfim, conforme prometido pelo treinador a equipa não se poupou para Milão, e encarou o jogo conforme devia. O resultado é a segunda vitória consecutiva por três golos, e a confiança a subir. Até eu já começo a pensar que o Nuno Gomes está mesmo imparável.


P.S.- E mais uma vez, a 'nossa' Vanessa Fernandes está de parabéns, já que voltou a arrasar a concorrência em Pequim, em mais uma prova da Taça do Mundo.

por D`Arcy às 02:04 | link do post | comentar | ver comentários (32)
Sexta-feira, 14.09.07

Benfiquistas!!

Amanha tudo a ver o jogo da nossa selecção de Rugby.

 

É que nessa selecção nós benfiquistas podemos ter orgulho de ter lá um representante, o grande Diogo Gama (joga a Centro).
E além disso nós portugueses podemos ter orgulho da nossa selecção de Rugby, porque ela já é uma campeã do Mundo.
Não esperem vitórias (talvez com a Roménia e se tudo correr a 100%), nem empates, ou derrotas pela margem minima, somos amadores e vamos jogar contra profissionais.
A grande vitória é estar em França onde decorre o Mundial.
Anastercio Leonardo

Bem vindo Cândido!

O Cândido Barbosa, sem dúvida o melhor ciclista português da actualidade, sem desprimor para o José Azevedo e o Sérgio Paulinho, assinou pelo Benfica.

 

Vai ser um prazer ver o Cândido, que é um caso sério de popularidade nas nossas estradas, com a camisola do Glorioso.

 

Para o ano, poder ser que consigamos, o Benfica e o Cândido juntos, aquilo que este ano escapou - a vitória na Volta a Portugal.

por Artur Hermenegildo às 11:54 | link do post | comentar | ver comentários (8)

Abutre

Olha que surpresa... Tendo em conta que se trata de alguém que alegadamente festejou a vitória da Grécia na final do Euro 2004, não surpreende que, num acto de cobardia, tente atacar o Scolari quando ele está de cócoras. Porque depois de ter levado respostas à altura sempre que o tentou fazer quando o Sargentão está de pé, é natural que tenha que adoptar esta atitude cobarde. Os abutres reconhecem-se facilmente, quanto mais não seja pelo cheiro nauseabundo que emanam. Este anda há mais de cinco anos à espera de uma oportunidade destas.


Tendo em conta o interesse dele em ver-se livre do Scolari, e sabendo nós que este tipo por regra tem sempre uma agenda oculta, o que eu gostava de saber é quem será o 'afilhado' que ele tem à espera do tacho.

por D`Arcy às 11:13 | link do post | comentar | ver comentários (17)
Quinta-feira, 13.09.07

Raro

Hoje fiz algo raro em mim: assisti a um jogo da Selecção do princípio ao fim. Já disse algumas vezes que não sou propriamente um apaixonado pela Selecção Nacional. Fico contente quando ganhamos, e fico aborrecido quando isso não acontece. Mas fico infinitamente mais chateado quando o Benfica não ganha. Para mim é difícil passar o tempo todo a detestar jogadores como o Bruno Alves ou o Maniche, por exemplo, e depois de repente passar a torcer por eles. É quase contranatura. Mas hoje, dada a importância do jogo, decidi-me a vê-lo do primeiro ao último minuto.


O jogo de hoje deu-me flashbacks. Parecia-me um best of do pior Benfica do Nandinho. Estava lá tudo. A apatia generalizada. A desunião total da equipa. O Simão a resolver num lance de bola parada. E depois a equipa a tirar o pé do acelerador, e a descansar/defender uma vantagem magra em vez de tentar dar o golpe de misericórdia ao adversário. Depois sofre-se o golo numa altura em que já pouco tempo se tem para reagir. Já pouco falta para que regresse o nosso saudoso hábito da máquina de calcular durante os jogos finais da fase de apuramento.


De qualquer forma eu prefiro não alinhar nas críticas fáceis que parecem surgir agora ao Scolari, sem dúvida muito instigadas por gentinha que anda há anos à espera de uma oportunidade assim. Nós estamos mal-habituados pelo próprio Scolari, que nos levou a uma final de um Europeu e uma meia-final de um Mundial. Num passado não muito longínquo, nem sequer às fases finais chegávamos. Conforme disse, eu posso não ser nenhum fanático pela selecção, mas pelo menos o Scolari conseguiu recuperar algum do interesse que eu tinha nela, e que já não sentia há bastante tempo (o meu 'divórcio' com a Selecção deu-se numa noite de Junho de 1986, quando a custo consegui convencer os 'crescidos' a deixarem-me ficar acordado até bem mais tarde que a minha hora de deitar, e depois vi uns tipos chamados Khairi, Krimau e Zaki darem-me um dos maiores melões da minha vida). De certeza que não seria um Oliveira, ou algum dos seus afilhados, que faria melhor figura.

por D`Arcy às 00:26 | link do post | comentar | ver comentários (36)

Estou contigo, Scolari.


Scolari enfiou, ou tentou enfiar, uma galheta num sérvio.

Agora virão as virgens ofendidas rasgar vestes e apontar o dedo. Por mim, foi justo. Depois de ter visto a entrada desse tal Dragutinovic sobre o nosso Petit, Scolari fez o que eu também tive vontade de fazer. Fê-lo com uns minutos de atraso, mas fê-lo. Foi bem feito, não é impunemente que um sérvio enfia uma arrochada daquelas num dos nossos.

Só não compreendo é aquela conversa no final a dizer que foi para defender um outro que por lá anda…

[link]

por Anátema Device às 00:10 | link do post | comentar | ver comentários (18)
Terça-feira, 11.09.07

De outros tempos.


Ao digitalizar o espólio fotográfico pessoal do nosso grande capitão José Águas, encontrei esta fotografia que apresenta a seguinte linha avançada da Selecção Nacional: Hernâni, Vasques, José Águas, Travassos e Matateu.


Amanhã, a Selecção Portuguesa de Futebol vai jogar a permanência na luta por conquistar um lugar no próximo Europeu. Numa altura em que se idolatram produtos de marketing planetário e se chama 'génio' a qualquer artista circense (ainda que tenhamos efectivamente alguns futebolistas de grande valor na Selecção), quanto é que não valeria hoje uma Selecção Portuguesa com esta linha avançada?

tags:
por Pedro F. Ferreira às 20:34 | link do post | comentar | ver comentários (15)
Sexta-feira, 07.09.07

O silêncio dos incompetentes.

Considero preocupantes as últimas notícias que envolvem o Departamento Clínico do nosso Benfica.


Era, para qualquer leigo, notória a forma desengonçada, coxa, de Mantorras correr. Era óbvia. Era óbvia para qualquer “primário” (para utilizar o mimo que António-Pedro Vasconcelos dirigiu a Camacho) que visse futebol. Tanto assim foi que Camacho também viu o que quase todos viam, menos os responsáveis que o antecederam. Obviamente, Camacho fez o que se impunha e recambiou Mantorras para o especialista que o operara. Este foi claro: Mantorras perdeu dois anos da sua carreira porque o Departamento Clínico do Benfica fez tábua rasa das prescrições que ele indicara para a recuperação do angolano. (link)

O que é que o Departamento Clínico tem a dizer sobre esta acusação? Nada. O que é que Mantorras escreverá no seu próximo livro acerca de Rodolfo Moura, endeusado pelo angolano e, actualmente, acusado de ser co-responsável por dois anos de incompetência e total desrespeito pelas orientações recebidas?

 

Manuel Fernandes justificou a sua saída do Benfica com a incompetência do Departamento Clínico. As acusações foram claras, graves, directas e concretas. Não acredito (como penso que qualquer “primário” não acreditará) que tenha sido esse o motivo da saída de Manuel Fernandes do Benfica (este assunto por si só daria um post). No entanto, o que é certo é que as falhas do Departamento Clínico do Benfica foram de tal monta que permitiram àquele futebolista justificar uma nojenta traição com uma auto vitimização bacoca.

 

Perante o silêncio que se seguiu a estas duas gravíssimas acusações deduzo que, mais uma vez, ninguém assumirá responsabilidades.

por Pedro F. Ferreira às 10:54 | link do post | comentar | ver comentários (28)
Quinta-feira, 06.09.07

Brilhante!

A nossa Selcção Nacional de basquetebol conseguiu um feito brilhante, ao passar à 2ª fase do Europeu.

 

No grupo de trabalho está um jogador do Benfica, o Miguel Minhava.

 

Penso que falo por todos nós ao dar aqui os parabéns à Selecção por este feito.

por Artur Hermenegildo às 12:20 | link do post | comentar | ver comentários (10)

Recaída

Este post tem, sobretudo, uma função altruísta e constitui uma chamada de atenção para o sponsor da Avestruz de Alvalade nos Alcoólicos Anónimos.
 
Diz o Presidente da Agremiação de Queques de Camisolas Engraçadas que 'Se o Sporting quer ser o maior e melhor clube de Portugal ao nível desportivo, tem que alargar a sua base de apoio em termos de associados. Todos temos que contribuir para que continuemos a ser a maior força desportiva do país. Espero que todos venham para ser sócios do Sporting. Temos 80 mil associados e penso que a curto prazo possamos chegar aos 100 mil. Todos não seremos de mais para engrandecer o Sporting' (MaisFutebol).

Suspeito que as afirmações terão surgido após o 15º Whisky em jejum. O que significa que o sponsor dos AA está a dormir.

Vamos por partes (como dizia o estripador).

‘Se o Sporting quer ser o maior e melhor clube de Portugal ao nível desportivo, tem que alargar a sua base de apoio em termos de associados’.
Sim, Pipinho, se o Sportem quer ser o maior e melhor clube de Portugal, tem de alargar a sua base de apoio. Mais especificamente, para o triplo ou o quádruplo. Honestamente, teria de se transformar noutro clube. É mais fácil se se inscreverem no Benfica. Aí, é imediato.

‘Todos temos que contribuir para que continuemos a ser a maior força desportiva do país’.
Não percebo - nem ninguém no seu perfeito juízo perceberá - o que está a fazer a palavra ‘continuemos’ nesta frase. No início das declarações diz que quer ser o maior. Subitamente, na frase a seguir, já é e quer continuar a ser. É uma estratégia de crescimento instantânea. Ao menos comesse um papo-seco entre o 7º e o 8º whisky para ter alguma coisa no estômago. De que país é que estará a falar? Do País dos Queques? Da Betolândia? Achará que o Lumiar é um país?
Imagino que no mundo específico que a Avestruz criou para si própria com a ajuda de litros e litros de Glenfiddich, Portugal só tem 80.000 habitantes e são todos sócios do Sportem, o Alvalixo é uma obra de arte de um bom gosto irrepreensível que não faz lembrar nem remotamente lavabos públicos, a Maria José Valério bate as vendas da Shakira, toda a gente se veste com barracas da praia da Nazaré e existem fontes de whisky e conhaque grátis em todas as esquinas.

‘Todos não seremos demais para engrandecer o Sportem’. Pois não, serão de menos. Sempre. Pois é.
por Carlos Miguel Silva (Gwaihir) às 08:24 | link do post | comentar | ver comentários (13)

Regionalismo

No post anterior, tive a oportunidade de ler um comentário da autoria de um adepto do FCP, aparentemente incomodado pelo epíteto de 'clube regional' que o meu amigo S.L.B. utilizou para denominar o seu clube, e onde após enumerar uma série de conquistas recentes - que na sua opinião refutam o regionalismo do FCP, terminou dizendo que não discute futebol com adeptos de clubes que não ganharam títulos europeus este milénio. Como o comentário entretanto passou à história enquanto eu respondia, respondo então com um post.


Meu caro, se é essa a sua política, então a sua mera presença aqui parece-me desde já uma contradição aos princípios por si declarados. Contradição essa que se estende ao 'regionalismo'. Vocês são os primeiros a reivindicar qualquer vitória como uma espécie de triunfo de uma região contra uns quaisquer moinhos de vento que só vocês vislumbram no horizonte. Depois ofendem-se quando vos colam esse mesmo regionalismo que gostam de apregoar e reivindicar à menor oportunidade. Em que é que ficamos?


O regionalismo não tem nada a ver com títulos conquistados. Tem sobretudo a ver com mentalidades. Tacanhas, na sua maioria. Quando se tenta fazer de uma vitória uma espécie de bandeira para um qualquer regionalismo bacoco, o único resultado que se consegue é apertar ainda mais as fronteiras que já delimitam a dimensão dos vencedores. É por isso que uns são, e continuarão a ser regionais, enquanto que outros não têm fronteiras. Se homens como Ferreira Bogalho, Vieira(s) de Brito, Ferreira Queimado ou Borges Coutinho tivessem resolvido usar as grandes vitórias do Sport Lisboa e Benfica como arma de arremesso de Lisboa contra outras regiões, provavelmente hoje os benfiquistas não cobririam o país de Norte a Sul.


Nós quando ganhamos, limitamo-nos a ganhar. Vocês quando ganham, agem sempre como se ganhassem contra alguém.

por D`Arcy às 00:33 | link do post | comentar | ver comentários (12)
Quarta-feira, 05.09.07

Caso clínico

Confesso que tenho um certo fascínio pelas coisas fora do comum. Acho que merecem sempre ser estudadas. E quem diz coisas, diz pessoas (se bem que em certos casos seja uma redundância...). Como, por exemplo, aqueles que se dedicam a defender o indefensável, sem ser por serem do contra ou por quererem armar-se em engraçados. Acreditam piamente naquilo que defendem. Lembro-me daquela peça que girava sobre o facto de um quadro ser ou não branco. A propósito deste meu post sobre o célebre golo anulado ao Amaral perto do final do jogo de uma Supertaça disputada em casa do clube regional, houve um “anónimo” que comentou o seguinte:
 
 
É preciso perceber-se pouco de futebol para não compreender o que se passou...
 
Para um jogador não estar em fora de jogo tem que ter 2 jogadores da equipa contrária atrás de si (ser ou não guarda redes não é importante). Como o Baía estava à frente do último jogador do Benfica e naquela altura não havia foras de jogo por zonas, o fora de jogo foi marcado e muito bem... Porque o jogador do Benfica fez um passe para a esquerda onde estavam 2! jogadores do Benfica em fora de jogo pois só havia um jogador do Porto à sua frente...
 
Depois, claro, acham que são roubados. Não sabem as leis do jogo...
 
 
Interne-se, digo eu...
por S.L.B. às 18:12 | link do post | comentar | ver comentários (19)

Petit

Nas suas declarações de hoje, Petit diz duas coisas que aplaudo.

 

A primeira, é o elogio a Rui Costa.  De facto, acho que poucos de nós esperávamos, não a alta qualidade do futebol, mas a frescura física que o nosso "Maestro" evidencia.

 

A segunda, é a defesa de Fernando Santos, que aliás mais veladamente Rui Costa já tinha feito.  Seria fácil para Peit, não digo atacar o anterior treinador, mas pura e simplesmente nada dizer, refugiar-se nos clichés habituais.  Acho que Petit foi um "gentleman", e disso não há muito no futebol.

 

Eu aplaudo, e sublinho; agora Camacho é o treinador, e é imperioso apoiar Camacho a 1.000%!  Mas para isso não é necessário atacar Fernando Santos.  Ponto final. 

por Artur Hermenegildo às 14:34 | link do post | comentar | ver comentários (33)

Desculpem lá, mas...

Por acaso algum de vocês gostaria de ser adepto de um clube que tem um jogador que aparece na primeira página de um jornal (chamemos-lhe assim...) sob o "afectuoso" nome de... "El Pipi"?

 

Eu sei que os betos das barracas de praia já estão habituados a todo o tipo de alcunhas ridículas, mas "El Pipi" não será um bocado demais?

por Artur Hermenegildo às 14:17 | link do post | comentar | ver comentários (11)

Escola

Apenas porque me começa a irritar uma mentira repetida à boca cheia:


Johan Cruijff, Ruud Krol, Johnny Rep, Marco Van Basten, Gerald Vanenburg, Wim Kieft, Brian Roy, Aaron Winter, Frank Rijkaard, Clarence Seedorf, Wesley Sneijder, Rafael Van der Vaart, Edwin Van der Sar, Frank & Ronald de Boer, Michael Reiziger, Edgar Davids, Patrick Kluivert, Ryan Babel, Rob & Richard Witschge, Dennis Bergkamp, and so on, and so on...


Todos estes jogadores têm em comum uma coisa: foram formados na mesma academia de futebol. Provavelmente, e na minha modesta opinião, a 'melhor escola de futebol do mundo'. Qual? Uma pista: não fica na margem Sul do Tejo.

por D`Arcy às 09:52 | link do post | comentar | ver comentários (27)
Terça-feira, 04.09.07

A miopia de um cineasta.

Estou a ver o programa “Trio de Ataque”. A irracionalidade da defesa incondicional de Fernando Santos feita pelo António-Pedro Vasconcelos só tem paralelo na irracionalidade com que o mesmo Vasconcelos se atira aos calcanhares de Camacho.


Já era hora de convidarem alguém que defendesse o Benfica para esse programa televisivo.

por Pedro F. Ferreira às 23:45 | link do post | comentar | ver comentários (44)

A pergunta que se impõe.

Depois das encomendadas expulsões de Hugo Costa e de Makukula, quem será o futebolista do Paços de Ferreira que será expulso, na próxima jornada, a mando do suinicultor?
por Anátema Device às 20:34 | link do post | comentar | ver comentários (16)

Uma benfiquista Campeã do Mundo.


De que são feitos os campeões?

De humildade, trabalho, simplicidade, sofrimento e capacidade de superação. Vanessa Fernandes tem tudo isso e ainda tem aquele extra que distingue os que nascem grandes dos que se colocam em bicos de pés: nasceu benfiquista e é atleta do Benfica.

por Anátema Device às 01:49 | link do post | comentar | ver comentários (30)
Segunda-feira, 03.09.07

A "Tertúlia Benfiquista" já tem o lugar cativo na 'bancada Sapo'.

Estamos em casa nova. Não sei se repararam, mas ali no canto esquerdo do vosso monitor já está o novo endereço. De acordo com que anunciáramos, a Tertúlia transferiu-se para os blogs do Sapo.

Temos aqui a possibilidade de, com o tempo, expandir as potencialidades do blogue, convidar novos escribas, dar mais visibilidade aos textos e aos comentários que por esta Tertúlia se vão fazendo.

Como sempre, quando mudamos para casa nova, só com o passar do tempo é que nos vamos habituar a esta nova forma de criar posts e deixar comentários. No entanto, contamos com a colaboração e compreensão de todos aqueles benfiquistas amigos que nos têm visitado e que têm contribuído para que nos sintamos em casa, independentemente de onde tenhamos a mesma.

Aqui e hoje, como em qualquer lugar e sempre, viva o Benfica.

tags:
por Pedro F. Ferreira às 19:06 | link do post | comentar | ver comentários (8)

De regresso *

Apesar de ter estado "ausente" da Tertúlia nas últimas semanas (não só porque estive de férias mas também porque no período que as antecedeu não tive grande disponibilidade), não deixei de estar atendo ao meu Benfica (e sempre que pude também vim "espreitar" os posts e respectivos comentários aqui da Tertúlia), mesmo não podendo acompanhar algumas das transmissões televisivas dos jogos (e menos ainda ir ao estádio). Vi um Benfica completamente desgarrado a ganhar ao Copenhaga graças as dois momentos de inspiração de Rui Costa, ouvi um Benfica com grandes dificuldades perante o recém promovido Leixões e a deixar escapar a vitória por entre os dedos, senti um Benfica entregue ao destino, com jogadores a jogarem na espectativa de que a bola entrasse como que por milagre na baliza adversária e que o Quim (que apesar das suas limitações, está a ter um excelente início de época) fosse suficiente para impedir que os adversários marcassem. Em suma, um Benfica à imagem do seu treinador (até ao jogo com o Leixões), entregue à (má) sorte, a lamentar-se depois do azar, preso por espartilhos tácticos mas desprovido do essencial: a vontade de jogar à bola, pelo "simples" prazer que isso proporciona, e uma verdadeira ambição de vencer, em cada instante do jogo. O Benfica era um conjunto de jogadores, não uma equipa. E quando assim acontece, todos os jogadores parecem fracos, pois muitas vezes pareciam não saber muito bem o que fazer em campo.

Seguiu-se a dispensa do Fernando Santos, o que foi para mim meia surpresa. Por um lado, LFV garantia que o treinador não estava em causa (se bem que saibamos que o valor da palavra do LFV seja relativo...). Por outro lado, e perante este fraco início de época, com uma equipa completamente apática, fruto de uma pré-época mal preparada (o problema é que nem se tratava de as coisas correrem mal, apesar de os jogadores tentarem: a verdade é que os jogadores pareciam nem ser capazes de tentar, pois pareciam presos à relva...). Se a dispensa de FS foi um erro, só se foi por um motivo: ter sido contratado, há pouco mais de um ano atrás. De resto, estava a tornar-se insuportável ver a equipa a ter um início de época idêntico ao do ano passado. Embora a saída de jogadores importantes pudesse explicar alguns problemas, não explicava o problema de os jogadores praticamente não se mexerem em campo, ainda que muitos deles fossem novos na equipa.

Para mim a contratação de Camacho, para substituir FS, foi uma escolha acertada, dentro das disponibilidades (continuo a preferir o Eriksson...), essencialmente porque já conhece o Benfica e já interiorizou bem, nos anos que cá esteve, que o Benfica é um clube vencedor, que seja qual for o adversário, entra para vencer (o que não significa necessariamente, como é óbvio, jogar desenfreadamente ao ataque), que não se contenta com 2ºs lugares. E para além disso, consegue incutir aos jogadores esse espírito. Pode não ser um prodígio da táctica, pode não debitar teorias a esse respeito como o Luís Freitas Lobo, mas mais importante que jogar em 4-3-3, 4-4-2, 4-2-3-1, em losango ou em "pirilau", é a atitude dos jogadores, os princípios básicos como procurar recuperar a bola quando se está a defender, e quando é necessário marcar um golo, é necessário chegar à área adversária, e para isso é necessário que os jogadores se movimentem. É isso que já se vai vendo com Camacho e que não se via com FS. Contra o Guimarães já deu para sentir um pouco essa mudança de atitude, com o Copenhaga, apesar do sofrimento inicial (também por mérito dos dinamarqueses e da sua envergadura física), também já foi possível ver o Benfica a jogar com mais personalidade (sobretudo na 2ª parte) e ontem, contra o Nacional, e ainda que o Benfica tenha permitido alguma reacção do adversário após o 0-1, o resultado final demonstra inequivocamente a superioridade do Benfica. Outra coisa importante é que Camacho não tem problemas em apostar nos jovens. Assim foi com Miguel Vítor (embora não houvesse outra alternativa) e Romeu Ribeiro. Não fica à espera que os jogadores tenham provas dadas (o que é difícil, quando entram a 2 minutos do fim do jogo ou ficam a ver o jogo todo do banco...) para lhes confiar responsabilidades. Arrisco-me ainda a dizer que se a contratação do Camacho tivesse sido feita antes do 1º jogo com o Copenhaga, talvez o Manuel Fernandes não tivesse saído...

No entanto, não nos deixemos iludir. Não basta ter Camacho como treinador para que os principais problemas fiquem resolvidos. A gestão do futebol do Benfica tem sido praticamente desprovida de estratégia de há muitos anos a esta parte. Tem-se resumido, essencialmente, à gestão de contratações e dispensas, mas do ponto de vista desportivo, tem dependido em demasia dos treinadores. E a prova é que o Benfica contratou Fernando Santos, que não vejo onde possa encaixar com qualquer estratégia desportiva condigna do Benfica. E por outro lado, este 'corropio' de contratações e dispensas também não é tolerável num clube que se pretende grande. Por muito bons que sejam, uma equipa não se forma de um dia para o outro. É preciso que o Benfica tenha uma estrutura directiva capaz de capitalizar as mais-valias trazidas pelos seus treinadores e de gerir as entradas e saídas de jogadores numa perspectiva de evolução e não de revolução. Tal figura não pode ser o LFV, como já demonstrou, nem ex-empresários de jogadores, menos ainda se os seus objectivos pessoais não incluirem, primordialmente, o sucesso do Benfica. Espero, portanto, que o Benfica não cometa os mesmos erros do passado recente e saiba tirar partido ao máximo do trabalho de Camacho, mesmo na eventualidade de ele, mais cedo ou mais tarde, sair do Benfica. E para tal, é necessário criar as condições para que isso aconteça.

* Muito mais importante do que o facto de eu estar de regresso de férias e ao blog, é o facto de o Benfica parecer estar de regresso às vitórias, assim como a competitividade do futebol praticado.

PS: Queria também assinalar o facto de, durante este período, os nossos atletas Nélson Évora e Vanessa Fernandes se terem sagrado campeões do mundo no triplo salto e triatlo, respectivamente. Parabéns, Nélson e Vanessa!

Equipa

Depois do jogo desta noite, será que ainda há quem pense que trocar o Nandinho pelo Camacho não valeu a pena, porque os problemas maiores da equipa do Benfica equipa continuam todos a existir? É que eu esta noite vi uma equipa do Benfica em campo, coisa que há alguns meses não via. Não vi um grupo de onze jogadores, mais ou menos sem rumo. Vi sim um conjunto, um colectivo, vi jogadores a reagirem e a movimentar-se quando um colega tinha a bola, de forma a proporcionarem opções de passe e a protegerem-no em caso de falha. Não vi dez tipos parados a olharem para o portador da bola, como que a perguntarem o que é que será que ele vai fazer a seguir. E isto é após apenas duas semanas de trabalho. Não é qualidade que falta ao nosso plantel, como muitos quiseram fazer crer. O que faltava era atitude, e essa parece estar a voltar.

Uma única alteração em relação ao onze de Copenhaga, com a saída do Nélson por lesão e a estreia do Maxi Pereira. E uma entrada em força do Benfica, à procura de marcar cedo. Logo aos três minutos, uma arrancada fantástica do Di María deixou o Cardozo na cara do guarda-redes, mas ele finalizou mal e a oportunidade perdeu-se. Nesta altura notava-se muita vontade por parte do Benfica em ter a bola, e recuperá-la o mais rapidamente possível. Mesmo os dois alas participavam activamente nas tarefas defensivas, e como resultado o Benfica conseguia mandar no jogo. Já depois do Nacional ter conseguido equilibrar, o Cardozo teve a oportunidade de se redimir do falhanço anterior, e aproveitando um mau pontapé de baliza do guarda-redes adversário, correu para a baliza isolado e colocou-nos em vantagem, marcando o seu primeiro golo oficial pelo Benfica. Conseguido o golo, o Benfica relaxou um pouco, deixando que fosse o Nacional a tomar mais conta do rumo do jogo. Mas o Benfica fez isto sem nunca abdicar do ataque, e esta é uma grande diferença em relação ao passado recente. É que assim que o Benfica recuperava a bola, toda a equipa subia em bloco no terreno para o ataque, não era apenas um ou dois jogadores a levar a bola para o ataque enquanto o resto da equipa ficava cá atrás a ver - esta atitude deu-nos mais do que um dissabor no passado. Assim sendo, o ascendente do Nacional nunca conseguiu ser mais do que ligeiro, e salvo uma falha do Petit, que amorteceu a bola para um remate adversário, não conseguiram criar mais nenhuma oportunidade de golo.

A segunda parte foi diferente, para melhor. A estratégia do Benfica manteve-se em relação ao final da primeira parte, mas as oportunidades de golo começaram a surgir com bastante frequência, e adivinhava-se o segundo golo que mataria o jogo. Primeiro o Nuno Gomes falhou um cabeceamento na pequena área, após centro do Di María. Depois foi o Pereira quem, após combinação com o Cardozo, surgiu isolado mas acabou por rematar de pé esquerdo e permitir a defesa ao guarda-redes. Teve que ser o grande Rui Costa, num lance tão típico dele, a dar a estocada final. Após receber a bola, serpenteou entre os defesas do Nacional da forma elegante do costume, com a bola colada ao pé, e finalizou com um remate cruzado que não deu hipóteses de defesa. Este golo não só matou o jogo, como praticamente matou o Nacional. A partir daqui o Benfica quase que passou a criar uma oportunidade de golo de cada vez que se aproximava da área adversária. Pouco depois, nova diagonal do Pereira após combinação com o Cardozo resultou num penalti claro, que permitiu ao Cardozo bisar. Logo a seguir, nova oportunidade do Pereira, salva com uma defesa incrível do Benaglio. E podia continuar a enumerar mais oportunidades que o Benfica construiu até final, de tal forma que até se pode dizer que o 3-0 peca por escasso.

Conforme disse, o Benfica hoje jogou como equipa, por isso não é fácil individualizar uma exibição de um jogador. Mas claro que o Petit, Rui Costa, Di María ou Cardozo, só para citar alguns, merecem ser destacados. Sobre o Petit ou o Rui Costa, o que é que se pode dizer que não saibamos já todos? O Petit parece ter o dom da ubiquidade, aparecendo em todo o lado ao mesmo tempo. O Rui Costa é classe pura, tem um toque de bola único, e é um autêntico prazer de cada vez que a bola lhe chega aos pés. O Di María voltou a brilhar, e a deixar-me água na boca perante a perspectiva do que poderá vir a fazer no nosso clube. Tem um estilo meio desengonçado a jogar, mas é rápido, tem uma técnica muito acima da média, tenta sempre levar a bola para a frente e não tem medo de partir para cima dos adversários. Além disso é muito lutador nas ajudas defensivas. Hoje só lhe faltou um golo. Quanto ao Cardozo, julgo que terá feito o melhor jogo desde que chegou ao Benfica. O número de oportunidades de golo que criou para os colegas mostrou a sua inteligência e utilidade. Volto a dizer: há muito, muito tempo que o Benfica não tinha um ponta-de-lança com estas qualidades. Por último menciono o Pereira, já que se estreou esta noite. Fez uma primeira parte discreta, preocupado sobretudo em fechar o lado direito. Na segunda parte apareceu mais solto, a fazer diversas diagonais para o centro, combinando com o ponta-de-lança, e mostrou ter um bom sentido de desmarcação. Além disso, também mostrou ser disciplinado tacticamente, fechando sempre bem o seu flanco e ajudando o Luíis Filipe. Para estreia, não esteve nada mal.

Duas semanas de 'efeito Camacho' já deram para se fazer sentir em campo. Sinto-me confiante, porque a equipa também parece estar cheia de confiança em campo, e só quero é que o próximo jogo chegue depressa, porque dá-me gozo ver-nos a evoluir. Que chatice que o campeonato pare agora.
por D`Arcy às 00:17 | link do post | comentar | ver comentários (12)
Domingo, 02.09.07

O homem.

O homem não é um sábio da táctica, e claro que ainda vou desesperar-me com ele muitas vezes ao longo da época; mas há coisas neste treinador espanhol que eu adoro:
Por exemplo, a simplicidade da ideia de que uma equipa grande tem de jogar bem à bola, sem medo de a ter na sua posse; e a atitude "sem tretas e sem medos" com que pega em putos dos juniores e os põe a jogar. A mesma atitude que o leva a ter tomates para não inscrever Mantorras na UEFA. Claramente nem Koeman nem FS teriam cojones para tal.
Ainda estranho um Benfica com tanto jogador desconhecido, mas a atitude da equipa mudou completamente. E isso deve-se a este espanhol que traduz tudo em frases simples.
Como "salir a ganar".
Dá-le José António, dá-le.
Sábado, 01.09.07

Não vi, mas senti.


Regresso ao país com a saudade de ver o nosso Clube na nossa Catedral. Não vi ao vivo nenhum dos jogos. Não vi, nem pela TV, o jogo com o Leixões; não vi os jogos com os tais dinamarqueses de quem o Santos tanto medo teve na época passada. Vi na RTP Internacional o jogo contra o Guimarães. Não vi bom futebol, não vi milagres, não vi nada que não estivesse à espera de ver. Senti o Benfica, o nosso Benfica, mais forte, mais confiante, senti que não havia adeptos a ter vergonha de ver no nosso banco de suplentes aquele canteirinho de camélias meladas que durante demasiados dias lá se sentou: não estava o Rosarinho, o Justino, o miúdo Moura e o Fernandinho. Não os vi, mas senti que muita da incompetência que lá deixaram se vai repercutir no futuro imediato. Senti a confiança que o público tem no futuro desta equipa: e o futuro não é o próximo jogo...

Senti que há quem considere que apostar nos jovens não é pôr o João Coimbra durante cinco minutos em campo. Senti que há quem tenha coragem de apostar na juventude formada no nosso Clube, há quem saiba responsabilizar essa juventude e saiba tirar o melhor dela.

Ouvi, pela televisão, o grito de 'Benfica' com que o público brindou a equipa depois do empate. Nesse grito está o sentir de milhões que sabem e sentem que, com tempo e paciência, seremos campeões, pois está a nossa equipa de futebol a ser orientada por um líder e não por um loser.

Eu acredito. E acredito que, caso estejamos todos unidos, será mais fácil.

À margem:
vejo, com agrado, a pluralidade de opiniões que os escribas deste blogue apresentam. É bom sinal, é sinal de vitalidade e independência. É uma forma saudável de ser/viver aquilo que nos une: o Benfica.

por Pedro F. Ferreira às 12:41 | link do post | comentar | ver comentários (11)

escribas

pesquisar neste blog

 

links

arquivos

recentes

tags

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com

Visitas




blogs SAPO

subscrever feeds