VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Terça-feira, 29.11.11

Diferentes, como as atracções do circo

Sim, vamos todos acreditar no burlão dos paquetes da Expo 98. ‘Temos uma gravação’. Devem ter, devem. Deve estar guardada no mesmo sítio onde guardaram os 3.000 votos fantasma que lhe compraram as eleições.

Agora, em desespero, tentam usar uma eventual fúria do Presidente do Benfica (que a existir, seria mais que justificada, porque personificaria a indignação de todos os Benfiquistas ao ver o seu Estádio vandalizado) para alimentar a campanha de vitimização e lançar fumo sobre o acto criminoso nas bancadas e as declarações ordinárias e provocatórias do jurássico Cristóvão. São ridículos. E diferentes, dizem. Lá isso são.

 

É diferente sacar mentira esfarrapada atrás de mentira esfarrapada da cartola, em fuga desenfreada para a frente, para tentar justificar o injustificável.

É diferente ter um presidente que, fez 9 anos em Março, foi preso pela PJ por corrupção activa e branqueamento de capitais no caso dos paquetes da Expo 98, mas que se apresenta como um paladino da verdade e da justiça.

É diferente – é fino, dizem - embrulhar processos de eleições (com votos contados à patorra, como na pré-história, o que também é diferente) em sessões de pancadaria e saudar os vencedores (apurados com os tais 3.000 votos fantasma) com saraivadas de galhetas nas trombas.

É diferente ter um ruminante jurássico (que tem a reputação de gostar de brincar à Gestapo) a apregoar que já tinham passado há muito a pré-história enquanto um conjunto de macacos selvagens descobria o fogo nas bancadas da Luz.

É diferente gostar de se proclamar como arautos da moral e dos bons costumes e nem por um momento condenar sem reservas actos de vandalismo e agressões a bombeiros. Dizer que ‘não se revêem’ nisso e que que ‘não sabemos quem provocou o incêndio’ é simplesmente, sem meias palavras, ser um real e ordinário filho da puta, sacudir a água do capote e não condenar rigorosamente nada. Se calhar foi a Fada dos Dentes ou o Coelhinho da Páscoa que andaram de jerrican de gasolina a regar as cadeiras.

É diferente queixar-se da acomodação em estádios seguros quando malham com os cornos em fossos no próprio estádio. Fossos cuja construção é da inteira responsabilidade do senhor lá de cima, o burlão da Expo 98.

É diferente ser esquizofrénico ao ponto de achar que os outros lhes deviam fornecer milhares de bilhetes para os amigos imaginários, quando normalmente nem enchem metade do próprio estádio.

É diferente ser comido há 30 anos pela malta da fruta e continuar a ser conivente com a corrupção, comendo as migalhinhas, enquanto se berra ódio ao Benfica.

É diferente ser levado ao colo pelas arbitragens e estar permanentemente a queixar-se, construindo realidades virtuais para assegurar o futuro.

É diferente ter como cântico fundamental, em todas as circunstâncias, uma música que invoca o clube que os assombra.

É diferente viver como fidalgo apesar de estar virtualmente na falência e estar constantemente a ser resgatado por dirigentes com demasiada influência na banca (ou por banqueiros com demasiada influência na lagartagem, take your pick).

É diferente ser um clube que é, na sua essência, a negação de outro.

 

E é, na verdade, diferente ter uma necessidade premente de se estar permanentemente a afirmar que se é diferente.

 

Sou, obviamente, pelo corte de relações. Mas, convenhamos, sempre fui. Relações com lagartos sempre me soou demasiado a zoofilia.

por Carlos Miguel Silva (Gwaihir) às 11:16 | link do post | comentar | ver comentários (73)
Domingo, 27.11.11

Competência

Acabou por ser preciso sofrer um bocadinho mais do que o necessário e expectável, sobretudo devido à expulsão do Cardozo, mas no final conseguimos o resultado esperado, e atirámos com a lagartagem para quatro pontos de distância. Como satisfação extra, o facto do golo decisivo ter sido marcado por um dos meus jogadores preferidos. O jogo foi bastante disputado, não muito bem jogado, mas com várias oportunidades de golo repartidas pelas duas equipas.

As escolhas por parte do Jesus do Jardel para o lugar do Luisão e do Cardozo para o lugar de ponta-de-lança não foram surpresa. Apesar do Miguel Vítor ser presença mais assídua no banco, sempre que é preciso substituir de início um dos centrais titulares a escolha tem sido o Jardel, e o Cardozo já tem uma longa história de golos contra o sportém. Quanto ao jogo em si, as equipas encaixaram tacticamente bem uma na outra, e o futebol jogado não foi dos melhores: ambas pareciam ter algum receio de perder a bola no meio campo, e optavam muito pelo futebol mais directo em vez de tentarem construir jogadas mais elaboradas. A posse de bola foi sempre muito disputada, com nenhuma das equipas a conseguir uma clara supremacia nesse aspecto. Pela parte do Benfica era o Aimar quem mais se destacava na construção, enquanto que do lado do sportém era o espanhol marreco quem parecia ser capaz de criar mais perigo pelo seu lado. Entrou bem o sportém, até ao primeiro grande abanão no jogo, dado pelo Gaitán com um grande remate que acabou no poste. Respondeu o sportém com uma boa oportunidade também, numa combinação entre os dois holandeses que terminou com um remate ao lado. O jogo manteve-se sempre nesta toada de equilíbrio, até que a cinco minutos do intervalo, na sequência de um canto, o Javi surgiu ao primeiro poste e aproveitou a falha do tronco americano para desfazer o nulo. Dado o cariz do jogo, parecia-me ser fundamental marcar primeiro, até porque sabemos como jogam as equipas do Domingos e como podem complicar as coisas quando se apanham à frente do marcador.

Parecia que a segunda parte poderia ter o cenário ideal para o Benfica aproveitar o progressivo balanceamento do sportém na procura do empate e decidir o jogo, e logo após cinco minutos o Cardozo teve oportunidade para fazer isso mesmo, mas viu o golo ser-lhe negado pelo Patrício. O jogo continuava no mesmo ritmo da primeira parte, e o sportém respondeu dez minutos depois com um cabeceamento do Elias, que proporcionou ao Artur uma defesa fantástica. Aos vinte minutos as coisas complicaram-se muito para o Benfica, pois o Cardozo fez-se expulsar e o sportém passou então a ter um controlo claro da posse de bola, com o Benfica a remeter-se à defesa da vantagem mínima. Logo no minuto seguinte o Artur quase borrava a pintura, ao confiar que uma bola sairia pela linha de fundo e acabando por ver um remate do Elias passar muito perto do poste. Mas o período de algum desnorte do Benfica durou pouco, pois a equipa depressa se acalmou e, com grande espírito de entreajuda e uma grande organização passou até a conseguir manter o sportém longe da nossa baliza com uma aparente maior facilidade do que o vinha fazendo com onze. A tarefa foi ficando facilitada também porque eles começaram a optar cada vez mais por despejos longos para a área, ou tentativas estéreis de jogadas individuais, sobretudo pelo espanhol marreco, que terminavam com este a deixar-se cair à espera de alguma falta. O Benfica conseguiu mesmo, apesar da inferioridade numérica, criar ocasiões de perigo e acabou por ver o Gaitán acertar outra vez no ferro, numa tentativa de canto directo, e o Patrício negar o golo ao Rodrigo, que se isolou pela esquerda a passe do recém entrado Nolito. O apito final acabou por soar com o resultado inalterado, para alegria dos benfiquistas e azia da viscondagem, que depois se dedicou ao seu habitual mau perder - não percebo porque razão é que continuam a comportar-se assim quando perdem connosco. Já deviam estar habituados. Afinal de contas, já vamos em 1009 dias.

Fiquei satisfeito com a capacidade de luta que a equipa mostrou durante todo o jogo, e em especial quando se apanhou em inferioridade numérica. Javi García foi um gigante: marcou o golo decisivo mas também apareceu em todo o lado, cortando uma infinidade de lances pelo ar e pelo chão. Também Aimar, Witsel, Garay e Artur estiveram muito bem. O Jardel, na complicada tarefa de substituir o Luisão, não tremeu, e o Maxi conseguiu suster as investidas do espanhol marreco e do Insúa, e ainda dar a habitual ajuda lá à frente.

Sempre ouvi dizer que se devia 'dar asas ao sonho'. Isso deve querer dizer que os sonhos podem voar. É capaz de ser é um bocadinho complicado manterem-se lá em cima durante muito tempo quando estão enjaulados e atrelados a um tractor. Não admira portanto que acabem por estampar-se, e isto torna-se particularmente cómico quando a aterragem é invariavelmente feita com os dentes e com uma elegância paquidérmica. Para tanta bazófia com que andaram durante semanas enquanto venciam jogos contra equipas que lutam pela manutenção, é estranho que não tenham conseguido sequer empatar contra uma equipa reduzida a dez durante meia hora. Isto para uma equipa que, segundo um dos inúmeros cabeças-de-vento que têm como dirigentes, apenas o Barcelona e o Real Madrid podem ambicionar ombrear com ela, parece-me um desempenho algo decepcionante. Quanto a nós, invencibilidade mantida por mais um jogo e primeiro lugar preservado. Com muita competência.

P.S.- Quero desde já repudiar as condições infra-humanas que foram proporcionadas à malta de sangue azul do Lumiar no nosso estádio. Fechados naquele espaço, não se conseguiam ouvir, comprovando a teoria lançada pelo Salema, esse grande pensador dos tempos modernos - a rede utilizada era especial, e deflectia o som quando ele tentava passar pelos buracos. Ainda por cima estavam todos ao molho - aquelas clareiras que se viam naquele espaço não significam nada, porque aquilo é gente importante e precisa de muito espaço individual. Quanto ao tempo que tiveram que esperar para entrar no estádio, até acredito que tenham razão em queixar-se, mas a culpa deve ser da organização da PSP. É que quando eu vou ao Alvalixo costumo ter exactamente o mesmo problema. Ainda assim, e provavelmente fazendo uso dos fósforos que esconderam nos sapatos de vela e nos pólos Lacoste que levavam sobre os ombros, conseguiram pegar fogo ao nosso estádio. Para a próxima não é na estrutura de segurança que ficam. É na rua mesmo, e pagamos a multa.

por D`Arcy às 09:09 | link do post | comentar | ver comentários (34)

Betos com fósforos

A lagartagem - a osgalhada, se quiserem, que já me tentaram processar por usar o termo anterior (a sério) - é, como se sabe, essencialmente um conjunto de betos invejosos que vivem ancorados num ressentimento gravado a pedra nos cornos de cada uma destas criaturas sapudas. Como tal, e como nós - o objecto do ressentimento, o Benfica, os Benfiquistas - não lhes ligamos puto, o que fazem invariavelmente é criar 'casos' do nada, inventando situações em que são 'injustiçados' pelo Benfica, para depois e sistematicamente (i) justificarem a sonora queda com os dentes e cornos no chão sempre que se metem connosco e (ii) mostrarem uma indignação histérica contra o Glorioso para unir a lagartagem osgalhada, normalmente tresmalhada à primeira contrariedade. Em todos os manuais que ensinam como ser um bom lagarto uma boa osga vem como primeiro mandamento e conceito estratégico fundamental o ataque ao Benfica para ganhar o apreço dos demais lagartos osgas.
Hoje foram longe demais. O Benfica, e muito bem, desenhou um novo modelo de segurança para os adeptos organizados adversários. Frise-se o 'organizados', porque toda a gente pôde ver muito bom lagarto muito boa osga espalhada pelo Estádio, em todos os sectores, em amena cavaqueira com os tolerantes adeptos Benfiquistas. O que, como a besta jurássica do Paulo Pereira Cristóvão muito bem sabe, não se vê no Alvalixo, onde a tolerância só é praticada para com os amigos corruptos do Norte.

O Benfica, como dizia, desenhou um novo modelo de segurança e resolveu aplicá-lo, como qualquer entidade inteligente o faria, no primeiro jogo em que se recebe gente que não se sabe comportar (a malta da fruta ainda não veio cá este ano). O que faz, como se esperaria, a lagartagem osgalhada?
Um chinfrim hipócrita e cretino, e a geração espontânea de mais um caso que nasce do buraco do cu dos fantoches que os dirigem para unir a lagartagem osgalhada e ganhar a simpatia dos sapos já desinchados na eventualidade de baterem com os cornos no chão. Vão incendiando o ambiente - que até estava razoavelmente pacífico - e como a coisa corre de facto mal, tendo batido mais uma vez de forma tonitruante com o focinho na calçada, no final do jogo um cretino pré-histórico da direcção lagarta osga faz um discurso extraordinário - na medida em que é efectuado na sua totalidade com a abertura do ânus (cuidem-se os ventríloquos e os proctologistas) - em que incendeia ainda mais os ânimos, a birrinha dos betos e, consequentemente, parte do estádio. Literalmente.


Parece-me claro que estes ordinários jurássicos têm de ser responsabilizados. Mande-se-lhes a factura do belo serviço que as osgas pirómanas fizeram no nosso Estádio. Corte-se as relações com estes profissionais da hipocrisia. E proíba-se a entrada futura deste tipo de animais. Eu, pela minha parte, estou disposto a contribuir com o que for preciso para as multas que resolverem inventar.


Ver o meu Estádio vandalizado por betos com fósforos? Não, obrigado. Há um limite para a tolerância com o louco da aldeia, e normalmente acaba quando este nos começa a incendiar a casa.

por Carlos Miguel Silva (Gwaihir) às 00:18 | link do post | comentar | ver comentários (39)
Sexta-feira, 25.11.11

Old Trafford

Não fui ver o Benfica a Old Trafford. O Benfica não ganhou em Old Trafford. Ouvi o Benfica desde Old Trafford. O Benfica ganhou Old Trafford.

 

Eu sei que estava lá o Aimar e o Luisão, o Artur e o Javi, o Jorge Jesus e o Pietra, mas o Benfica que ganhou Old Trafford foi um Benfica de adeptos, sócios, simpatizantes, portugueses e benfiquistas. Foi um Benfica nascido na vontade e expressado na voz e na emoção de quem gritou a alma benfiquista durante mais de noventa minutos. Foi o Benfica de quem não renova contratos, pois assinou no benfiquismo um compromisso para a vida, um compromisso incondicional e intemporal. O Benfica que ganhou Old Trafford foi o Benfica de três mil vozes que deram voz a milhões de vontades. No Benfica que venceu Old Trafford estava a eficácia de Rogério Pipi, a elegância de José Águas, o magnetismo de Coluna, a rapidez de Simões, a abnegação de Toni, a determinação de Bento, o génio de Chalana, o benfiquismo de Rui Costa, a magia de Aimar… Mais do que tudo, estavam também as lágrimas do benfiquista desconhecido a quem me abracei no Bessa, no jogo do título no ano de Trapattoni; o sofrimento do benfiquista de pelo menos sete décadas que se senta atrás de mim no Estádio da Luz e que, sempre em silêncio, festeja os golos do Benfica apertando as mãos (fundindo as mãos) como se naquele aperto estivesse a capacidade de transformar o caos em cosmos. No Benfica que venceu Old Trafford estavam os sorrisos, as lágrimas, os abraços, os impropérios, as injustiças, as esperanças de todos os que sabem que, se não fossem benfiquistas, não seriam as pessoas que vieram a ser.

 

Dizem os jornais que o Benfica empatou em Old Trafford. Mentira, o Benfica ganhou Old Trafford, porque, durante mais de noventa minutos, o que se ouvia era a voz do Benfica cantando bem alto o nome do Glorioso. O resto foi um teatro de sonhos a silenciar-se perante a voz do Benfica, a nossa voz.

 

_____

Artigo de opinião escrito e enviado para a redacção do jornal "O Benfica" no dia 22 de Novembro e publicado na edição de 25/11/2011 do jornal "O Benfica".

 

[Se alguém quiser manifestar-me a sua opinião, pode fazê-lo para este endereço: tertuliabenfiquista@gmail.com]

por Pedro F. Ferreira às 09:09 | link do post
Quarta-feira, 23.11.11

Apurados

Ainda não foi desta que perdemos o primeiro jogo. Sobrevivemos em Old Trafford, arrancando um empate que garante a passagem à próxima fase e que coloca o primeiro lugar no grupo dependente apenas de nós próprios.

Onze sem qualquer surpresa, já que a única dúvida que poderia eventualmente haver seria quem jogaria como avançado: Cardozo ou Rodrigo. A escolha foi o espanhol, apoiado mais de perto pelo Aimar. O Benfica teve uma entrada muito boa no jogo, naturalmente ajudado por um golo madrugador: logo aos dois minutos, após uma boa jogada que envolveu vários passes em progressão, a bola só acabou no fundo da baliza inglesa, quando o Jones a enviou para lá na tentativa de impedir que chegasse aos pés do Rodrigo, que ao segundo poste aguardava o cruzamento do Gaitán. Na fase inicial do jogo a equipa mostrou confiança, trocando bem a bola e, quando não estava na posse dela, pressionando de forma inteligente, de forma que o Manchester era incapaz de sair a jogar, o que chegou a provocar o desagrado dos próprios adeptos. Mas infelizmente esta boa fase durou apenas cerca de vinte minutos. Aos poucos o Manchester começou a libertar-se, e o Benfica não pareceu lidar bem com as movimentações dos avançados ingleses, que recuavam e conseguiam quase sempre receber a bola no espaço entre a defesa e o meio campo. O empate surgiu à meia hora de jogo, num cabeceamento do Berbatov - quando se joga com a defesa em linha corre-se sempre o risco de falhar e deixar um adversário em jogo, ou que um fora-de-jogo mais no limite possa passar despercebido, e foi o que aconteceu nesse lance. O empate fez mal ao Benfica: é verdade que a equipa manteve-se concentrada e a organização defensiva não abanou muito, mas o mesmo não se pode dizer em relação ao ataque, já que fomos progressivamente deixando de conseguir construir lances ofensivos, e nem sequer conseguíamos manter a posse de bola por muito tempo. Podíamos ter sofrido o segundo golo logo de seguida, não fosse a excelente intervenção do Artur, mas ainda conseguimos responder através do Aimar, tendo depois o resto da primeira parte decorrido sem grandes sobressaltos.

O início da segunda parte foi penoso. Aquilo que de mau tínhamos mostrado após o golo do empate acentuou-se ainda mais, e o Benfica literalmente deixou de ter bola, limitando-se a deter as vagas de ataque do Manchester. As tentativas de saída para o ataque só conseguiam ser feitas através de passes longos, o que obviamente o Manchester agradecia. O golo do Manchester adivinhava-se, e só mesmo a forma solidária (e às vezes quase desesperada) como o Benfica ia defendendo, e a classe do Artur conseguiam ir adiando o inevitável. Para piorar as coisas, ao fim do primeiro quarto-de-hora o Luisão lesionou-se e teve que ser substituído pelo Miguel Vítor, e o Manchester acabou mesmo por marcar logo a seguir. As coisas podiam ter ficado muito complicadas para o Benfica nesta altura, mas tivemos a sorte do nosso lado e conseguimos empatar quase na resposta, com o Bruno César a aproveitar um mau alívio do De Gea e a jogada a acabar com o Aimar a finalizar à boca da baliza. Este golo 'esvaziou' o ímpeto do Manchester, e com a ajuda das entradas do Matic (boa entrada no jogo) e do Rúben, acabámos por conseguir controlar o jogo até final sem muitos sustos, isto apesar do Manchester ter continuado sempre a ter muito mais posse de bola.

O primeiro realce é para a organização, solidariedade e maturidade de toda a equipa. Quanto a destaques individuais, escolho o Artur, que defendeu tudo o que era humanamente possível, e até algumas impossíveis; o Garay, que mostra cada vez mais ser o complemento ideal do Luisão no centro da nossa defesa, o Witsel, que foi um gigante no meio campo, e o Aimar, que lutou e trabalhou até à exaustão e foi recompensado com o golo que carimbou o nosso apuramento. Quero mencionar ainda o Miguel Vítor, que entrou a frio no jogo, logo para o lugar do Luisão, e viu a equipa sofrer um golo logo a seguir. Mas não tremeu, e cumpriu a sua função até final com distinção.

É impossível não fazer comparações com o Benfica na Champions o ano passado. Esta equipa está muito mais adulta, e hoje fez ao Manchester aquilo que nos fizeram várias vezes o ano passado. Quando o adversário falhou, aproveitou de forma terrivelmente fria eficaz essas falhas. O ano passado perdemos todos os jogos da fase de grupos disputados fora de casa, sem marcar um único golo; este ano não perdemos um único. A experiência nota-se e a equipa sente-se mais confortável a jogar na Champions. E nós, adeptos, sentimo-nos também mais confortáveis e confiantes ao vê-la nesta competição. Foi fantástico ouvir, durante largos períodos de tempo, Old Trafford silenciado por cânticos de apoio ao nosso Benfica. Agora que a questão do apuramento está arrumada, é tempo de passar a pensar no jogo de Sábado. E esperar que esteja tudo bem com o nosso capitão.

por D`Arcy às 00:03 | link do post | comentar | ver comentários (36)
Sexta-feira, 18.11.11

Tormenta

Péssimo relvado, mau jogo, sofrível exibição, bom resultado. E o Benfica passou incólume pela tormenta e está na próxima eliminatória da Taça de Portugal, que é o que mais interessa.

Onze inicial com várias alterações, conforme esperado. Eduardo na baliza, Miguel Vítor e Capdevila nas laterais, Rúben Amorim na direita do meio campo, e um dupla de avançados constituída pelo Mora e o Nélson Oliveira. O problema maior deste jogo, e que acabou por condicioná-lo do princípio ao fim, foi o estado do relvado, completamente alagado devido à chuva torrencial que teimou em cair durante quase todo o jogo. Houve sempre muita luta e pouco futebol jogado, com o Benfica a tentar naturalmente assumir as despesas do ataque, mas sendo muito difícil construir jogadas minimamente elaboradas, já que jogar em passes curtos era quase impossível, e progredir com a bola nos pés muito difícil. Ainda assim conseguimos criar três boas oportunidades de golo, pelo Nélson Oliveira, Mora e Nolito, mas o nulo ao intervalo era perfeitamente normal para o futebol que se conseguiu jogar.

Pouco ou nada mudou na segunda parte, tendo-se caído numa situação em que praticamente só se conseguia levar a bola para o ataque com pontapés para a frente, porque tentar fazê-lo de outra forma era um suplício. Qualquer livre tinha que ser aproveitado para despejar a bola para as imediações da área, mas o Benfica hoje não mostrou muita inspiração para criar perigo através destes lances, ou dos vários cantos que conseguiu conquistar. A Naval também conseguiu ser um pouco mais perigosa, sobretudo através de contra-ataques, mas também esses lances foram afectados pelo estado do relvado (com uma grande excepção, que por pouco não resultou em golo). Mas mais uma vez foi o Benfica quem criou mais e melhores oportunidades para marcar: Javi García, com a bola a ficar presa na lama quando ele estava pronto para, à boca da baliza, a empurrar para o golo; Bruno César, a cabecear na pequena área após boa iniciativa do Nolito, e a ver o guarda-redes da Naval fazer uma defesa pouco ortodoxa com o pé, quando já estava em desequilíbrio; e Rúben Amorim, num remate de fora da área que passou muito perto do poste. Foi preciso recorrer ao novo menino bonito da Luz, Rodrigo, que saltou do banco a oito minutos do final e, da primeira vez que tocou na bola, marcou o golo decisivo. Foi após mais um livre despejado para a área pelo Rúben, com um defesa da Naval a falhar o corte e a deixar a bola morta no centro da área, para um remate rasteiro de primeira e à meia volta do Rodrigo. Eliminatória resolvida, e prolongamento evitado.

Apesar de ser difícil fazer muitos destaques num jogo destes, elejo Rúben Amorim, Nolito e Luisão como melhores neste jogo. O Rúben jogou 'à Rúben': fez três posições durante o jogo, e foi muito competente em todas elas - talvez onde tenha estado melhor foi no centro do terreno. O Nolito foi sempre dos mais batalhadores e irrequietos no ataque, sendo autor de muitas das nossas jogadas mais perigosas. E o Luisão foi o patrão do costume, num jogo em que teve muito trabalho devido ao elevado número de lances aéreos que foi obrigado a disputar.

Vitória justa, missão cumprida na Figueira, e agora pensemos em garantir a passagem aos oitavos-de-final da Champions já em Manchester.

por D`Arcy às 22:52 | link do post | comentar | ver comentários (20)

O novo Fenómeno

Tal como o Ronaldo com este epíteto, também nasceu no Brasil, evidenciou-se em Espanha e o seu nome começa por R...

O lamaçal

A Selecção da Federação Portuguesa de Futebol foi obrigada a jogar num campo de futebol bósnio que tinha um relvado num estado miserável e, para o piorar, os malvados bósnios até ousaram regar os poucos tufos de relva antes do jogo.

 

Não houve alma ligada ao futebol luso que não se tivesse indignado. Todos foram profícuos na adjectivação da situação: vergonhoso, ultrajante, inaceitável… Todos, sem excepção, condenaram o crime de lesa futebol, lesa verdade desportiva e lesa virilidade lusitana que os bósnios perpetraram. Houve jornalistas e opinadores que se revoltaram contra o facto de a Direcção da FPF se revoltar apenas nas entrevistas e não se revoltar formalmente, em documento próprio e enviado à UEFA, FIFA, ONU e Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. O Madaíl, antes que os indignados o atolassem no lamaçal bósnio, lá preencheu a papelada e, formalmente, lavrou protesto. Os indignados suspiraram de alívio e o Madaíl também. Jogaram, mas jogaram sob protesto. Foi comovente ver tamanha indignação, tamanha revolta e tamanha luta pela dignidade que deve ser inerente a qualquer partida de futebol.

 

Assim, percebemos todos que um ervado mal semeado e abundantemente regado é, obviamente, algo de inaceitável para quem manda no futebol português e para os jornalistas desportivos lusos. Pelo contrário, apedrejar selvaticamente um autocarro com os futebolistas lá dentro, obrigar a equipa adversária a equipar-se fora do balneário, agredir os jogadores adversários com bolas de golfe durante os jogos, interromper sucessivamente um jogo com apagões de luz, receber árbitros no domicílio na antevéspera de um jogo, oferecer prostituas a árbitros depois dos jogos ou aliciar futebolistas adversários com futuros contratos… são práticas consideradas normais.

 

Abençoado futebol bósnio.

 

_____

Artigo de opinião escrito e enviado para a redacção do jornal "O Benfica" no dia 12 de Novembro e publicado na edição de 18/11/2011 do jornal "O Benfica".

 

[Se alguém quiser manifestar-me a sua opinião, pode fazê-lo para este endereço: tertuliabenfiquista@gmail.com]

por Pedro F. Ferreira às 09:09 | link do post
Quinta-feira, 17.11.11

Pergunto

Um jogador fez publicamente uma acusação grave sobre o Javi. É um facto e ficou levantada a suspeita. É também um facto que o suposto comportamento do Javi tem um enquadramento legal, tal como o suposto comportamento do outro jogador - o levantar uma suspeita infundada, em particular esta, relacionada com racismo - tem também uma penalização prevista nos termos legais. Haverá, porém, apenas um crime: ou o Javi foi racista ou o outro jogador levantou um falso testemunho. Portanto, sendo certa a existência de um ilícito, por que razão não há uma investigação que limpe o nome de um dos jogadores?

 

Diz-se por aí que se passaram coisas estranhas no último jogo do Benfica. Eu, para não parecer tendencioso, direi que houve coincidências. Por coincidência, a luz faltou quando o Benfica estava a tomar conta do jogo. Não, isto seria tendencioso. Por coincidência, a luz faltou aproximadamente 30 minutos que, ao que parece, é o tempo máximo de interrupção de um jogo, período após o qual deve ser marcado novo jogo. Mais uns minutos e jogaríamos no dia seguinte à luz do dia, e certamente não se daria a coincidência de o sol se apagar. Por coincidência, apenas os jogadores do Benfica vestiram os casacos para se protegerem do frio na última vez em que a luz faltou. Estando frio, tendo havido duas interrupções, não manda a lógica que se vistam os casacos? Os outros jogadores não vestiram porquê? Uma vez mais, por que razão não houve uma investigação que limpasse o alegado bom nome da instituição em cujo estádio isto se passou? E ainda: por que razão veio a referida instituição defender-se imediatamente de uma queixa que ninguém tinha feito?

 

----------

Adenda:

 

O nuno gomes foi capitão, com justiça, do Benfica durante anos. Marcava golos, batia no peito e beijava o nosso símbolo. Para nós, estes gestos não são gestos inconsequentes, antes vinculam ao clube quem os pratica, porque quem os faz fala-nos ao coração. Não obstante, este mesmo jogador mudou-se para um clube em que ocorrem as coincidências contra o clube cujo símbolo beijou, sendo, passivamente (espero eu), conivente este ano com essas mesmas coincidências. Ainda há quem o queira de volta no Benfica? Eu não!

Carlos Martins

O caminho é difícil. Que Deus te dê forças e à tua família.

 

 

por Pedro F. Ferreira às 00:53 | link do post
Sábado, 12.11.11

Golo de Eusébio

 

São anos e anos a levar com a merda da propaganda de uma cáfila de revisionistas. Eusébio, sempre enorme, põe as coisas no seu sítio e chama os bois pelos nomes.

por Anátema Device às 21:45 | link do post | comentar | ver comentários (30)
Sexta-feira, 11.11.11

Coisas estranhas

Antes do início do jogo, o treinador do nosso Benfica pediu apenas que, desta vez, em Braga, não ocorressem “coisas estranhas”.

 

Findo o jogo, constatámos que todo ele foi feito, mais uma vez, de coisas estranhas. Estranhamente faltou a luz por três vezes, durante a primeira parte do jogo. A EDP terá declinado responsabilidades, quem tem responsabilidades em organizar o jogo diz que é alheia a qualquer responsabilidade, o presidente da Liga de clubes demite-se de responsabilidades e de apurar responsáveis – nada de novo, vindo de quem vem – e o próprio Braga, num comunicado que poderia fazer parte do anedotário nacional, ainda acaba por ameaçar quem ousar questionar as suas hipotéticas responsabilidades no sucedido. Pela minha parte, quando as coisas são estranhas, questiono e não é com ameaças mais ou menos veladas que deixarei de as questionar. As coisas estranhas começam a acontecer com uma tal recorrência naquele estádio, aquando das visitas do nosso Benfica, que seria cegueira não as questionar.

 

Por falar em cegueira, pergunto-me o que terá levado o árbitro do jogo, o inefável Proença, a não querer ver uma grande penalidade sobre Luisão, uma agressão de Djamal a Gaitan, uma entrada violentíssima de Alan sobre Javi Garcia e a querer ver uma muito discutível grande penalidade do Emerson. Não incluo a exibição do senhor Proença no rol das coisas estranhas, pois a sua carreira habituou-nos a decisões deste teor, sempre extremamente criteriosas, que fazem dele um digno sucessor de árbitros da estirpe de Jorge Coroado ou Fortunato Azevedo.

 

Para finalizar, deixo ainda uma palavra a Alan e à sua indignação perante as palavras que, supostamente, Javi Garcia lhe teria dedicado. Alan habituou-nos a duas coisas: a enganar, através da simulação de agressões, a verdade desportiva; e a obedecer, de forma solícita, às orientações que lhe são dadas pelos seus superiores. Logo, não estranho as suas declarações, estranho o crédito que alguns lhe dão.

 

_____

Artigo de opinião escrito e enviado para a redacção do jornal "O Benfica" no dia 08 de Novembro e publicado na edição de 11/11/2011 do jornal "O Benfica".

 

[Se alguém quiser manifestar-me a sua opinião, pode fazê-lo para este endereço: tertuliabenfiquista@gmail.com]

por Pedro F. Ferreira às 09:09 | link do post
Segunda-feira, 07.11.11

Javi

Quem costuma ler aquilo que habitualmente escrevo neste espaço saberá perfeitamente que nutro uma enorme admiração pelo Javi García. É um dos jogadores que mais admiro no Benfica, e que mais gosto tenho em ver com a nossa camisola. Admiro-o pela qualidade que tem como jogador, pela raça com que joga, e pelo profissionalismo exemplar que demonstra desde que chegou ao nosso clube. Já afirmou diversas vezes que para ele é um orgulho vestir a nossa camisola, e eu penso sempre que sinto também orgulho em que ele a vista, porque o considero um jogador 'à Benfica'.

 

 

O Javi García é, para mim, um dos jogadores mais importantes no Benfica do Jorge Jesus, pelo equilíbrio táctico que confere à equipa. Por vezes é fácil passar quase despercebido num jogo, mas basta prestar um bocadinho de atenção à forma como se movimenta em campo, especialmente quando a bola ainda está longe, para se perceber o quão importante é. E alguns dos nossos adversários, mesmo que não tenham honestidade suficiente para lhe reconhecer publicamente o valor que tem (preferem apelidá-lo sistematicamente de caceteiro, a exemplo do que fizeram no passado com outro jogador nosso de enorme qualidade - Katsouranis), também percebem muito bem essa importância. Não é por acaso que o sonso do MST há muito tempo que elegeu o Javi como um dos seus alvos predilectos nas crónicas que escreve para 'A Bola', tendo mesmo chegado a apelidá-lo de 'jogador mais sujo do campeonato'. A verdade é que o Benfica é normalmente uma equipa diferente quando o Javi não pode jogar, e é por isso do maior interesse dos nossos adversários que isso aconteça.

 

Vem isto a propósito do quê? É que uma serigaita batoteira que anda há anos a arrastar pelos campos do país um penteado que deixaria orgulhosa qualquer prostituta de berma de estrada num país do quarto mundo resolveu agora, passadas vinte e quatro horas sobre um jogo em que mesmo com empurrões proencianos e tropeções em cabos eléctricos não nos conseguiram vencer, acusar o Javi de racismo. Não sei quem lhe terá encomendado o discurso, mas convinha que tivessem escolhido outro jogador para o fazer, não um batoteiro que ganha a vida a enganar árbitros e a defraudar os esforços de colegas de profissão à custa de batota. Se calhar está ressabiado porque o Javi se recusou a cumprimentá-lo durante o jogo. Isso só aumenta a minha admiração pelo Javi, porque eu ainda me lembro desta criatura o ano passado a rebolar-se pelo chão em agonia, agarrado ao pescoço como se estivesse a sufocar, conseguindo com essa batota ajudar a colocar um ponto final numa série de dezoito vitórias consecutivas do Benfica. E é este traste que agora se quer fingir ofendidinho por lhe terem chamado qualquer coisa durante o jogo?

 

Que o Javi García não é nenhum racista, disso não tenho dúvidas nenhumas. E se tiver chamado alguma coisa ao batoteiro durante o jogo, o que quer que tenha sido não só foi merecido, como ainda terá sido pouco. Força, Javi!

por D`Arcy às 22:26 | link do post | comentar | ver comentários (71)
Domingo, 06.11.11

Pouco

Não sei dizer se ganhámos um ponto ou perdemos dois, sei apenas que não estou satisfeito com o resultado, nem particularmente impressionado com a nossa exibição, embora reconheça a dificuldade do jogo e ainda a influência dos vários factores desestabilizadores que ocorreram.


Algumas alterações na equipa titular, sendo a mais surpreendente a titularidade do Rúben Amorim na direita do meio campo, saindo o Bruno César do onze. Na frente, desta vez foi o Cardozo quem começou o jogo, ficando o Rodrigo no banco. E quanto à primeira parte, sinceramente, não me é possível dar uma opinião pormenorizada. Quando decorrem oitenta minutos desde o apito inicial do árbitro até à saída para intervalo, devido a constantes falhas de luz, o mais natural é perder interesse no jogo, porque o ritmo é constantemente interrompido e a qualidade sofre com isso. Pelo que me consegui aperceber, o jogo foi equilibrado, disputado sobretudo na zona do meio campo, e com muito poucas oportunidades flagrantes de golo - da nossa parte apenas me recordo de um cabeceamento do Cardozo, que passou muito perto do poste. Mesmo a fechar os oitenta minutos, surgiu uma obra de arte do nosso amigo desdentado Proença, a dar continuidade à sua longa história de assinalar penáltis contra nós, e nunca os assinalar a nosso favor (não vá alguém acusá-lo de ser benfiquista). Lá descortinou uma mão intencional do Emerson, e o Braga saiu para intervalo na frente.

Na segunda parte a aposta arriscada foi retirar um médio para entrar um segundo avançado (Rodrigo), e pareceu-me que o Braga tirou partido disso para ganhar superioridade na zona do meio campo. O jogo continuou a ser mais disputado que bem jogado, com muito poucas oportunidades de golo, e sinceramente pensei que só mesmo numa jogada fortuita é que conseguiríamos evitar a primeira derrota da época. Irritou-me um pouco o facto de me parecer que explorámos pouco as alas, sabendo-se que o Braga tinha sobretudo um problema na esquerda da defesa - curiosamente, o Maxi até foi dos que mais arriscou atacar por aquele lado, e acabou por fazer um jogo abaixo do seu habitual, com diversas perdas de bola no ataque e passes errados. O golo do empate acabou mesmo por surgir de uma forma algo feliz, com um remate enrolado do Rodrigo, aproveitando um mau alívio da defesa, a ser desviado por um defesa e a trair o amuadinho da baliza. Até final, apesar de ambas as equipas mostrarem vontade em conseguir mais, mostraram também falta de inspiração para fazer melhor - no caso do Benfica, só mesmo na última jogada do encontro é que voltei a ver uma boa ocasião de golo, num remate cruzado do Rodrigo.

Fiquei com a impressão de que houve jogadores importantes que hoje passaram ao lado do jogo. Já citei o Maxi, mas também não gostei do que jogou o Aimar, Cardozo ou Gaitán (com a excepção da boa jogada em que ofereceu o golo ao Cardozo, no tal cabeceamento que passou perto do poste), por exemplo. Não estou a dizer que estiveram muito piores do que os colegas, porque acho que a equipa toda até esteve mais ou menos homogénea em termos exibicionais. Apenas esperava mais destes jogadores num jogo importante como este.

Um empate em Braga é melhor do que aquilo que conseguimos nos dois últimos anos. E tal como nesses dois anos, com o Sousa e o Xistra, o Braga voltou a contar com um reforço de peso (Proença) - sempre tão estrito em tudo o que seja contra o Benfica, sempre tão permissivo no que seja a favor. Por isso mesmo talvez o empate acabe por ser um mal menor. Mas, obviamente, sabe-me a pouco, porque desejava mais.

por D`Arcy às 22:00 | link do post | comentar | ver comentários (47)
Sexta-feira, 04.11.11

Jogo decisivo

Neste próximo fim de semana o nosso Benfica vai jogar a Braga, cidade de grande implementação de benfiquismo.

 

Tradicionalmente, os jogos contra o Sporting de Braga, em Braga, eram jogos difíceis, disputados galhardamente, mas sempre extremamente leais e com respeito mútuo entre atletas e adeptos. Recentemente, fruto de uma tentativa de descaracterização dos pergaminhos do clube minhoto, as deslocações a Braga transformaram-se em vergonhosas demonstrações de violência, intolerância, provocações várias, frases incendiárias proferidas pelo ‘speaker’ de serviço e uma agressividade inaudita por parte dos atletas bracarenses. Tudo isto nas barbas dos dirigentes da Liga, tudo isto numa impunidade espúria, tudo isto fruto de uma cultura alheia que tem parasitado o ilustre clube minhoto.

 

É contra tudo isto que o Benfica tem de jogar e é a tudo isto que temos de ganhar. A vitória nestas partidas com o Braga, fora e em casa, é determinante para o futuro do campeonato. Apesar dos bons resultados desportivos da história recente do Braga, é minha convicção de que ainda não são candidatos ao título de campeão. Da mesma forma, é também minha convicção de que aquele, de entre os candidatos a campeão, que menos pontos perder nos jogos contra o Braga é o que estará mais próximo de alcançar o título.

 

Assim, este próximo jogo, que marca o final do primeiro terço do campeonato, assume um carácter decisivo, ainda que não definitivo. É neste tipo de jogos que se demonstra quem tem mais vontade de vencer, quem tem menos receio de se sacrificar em prol da equipa, quem tem a crença nas suas forças e encontra motivação na adversidade. Acredito nos nossos.

 

_____

Artigo de opinião escrito e enviado para a redacção do jornal "O Benfica" no dia 01 de Novembro e publicado na edição de 04/11/2011 do jornal "O Benfica".

 

[Se alguém quiser manifestar-me a sua opinião, pode fazê-lo para este endereço: tertuliabenfiquista@gmail.com]

por Pedro F. Ferreira às 09:09 | link do post
Quinta-feira, 03.11.11

Desleixo

Empate justo a castigar uma exibição desinspirada e até mesmo desleixada do Benfica. Numa noite em que poderíamos ter já deixado a questão da qualificação resolvida, preferimos acomodar-nos e acabámos por adiar o assunto para os próximos jogos.

Para a posição de lateral esquerdo a escolha foi a mais natural: Luís Martins, evitando qualquer tipo de adaptação. As outras alterações ao onze habitual foram o Matic no lugar do Javi, e a escolha do Rodrigo para o lugar de ponta-de-lança, relegando o Cardozo para o banco. O jogo teve uma entrada de rompante do Benfica e do Rodrigo: um remate ao poste no primeiro minuto e um grande golo aos quatro, num remate de primeira sem deixar a bola cair no chão, a levar a bola ao ângulo. O bom momento do Benfica durou uns vinte minutos, mas a partir daí a equipa foi perdendo velocidade e agressividade, assumindo cada vez mais uma atitude expectante e limitando-se a ver os suíços jogar, preferindo aguardar pelo erro para depois sair para o ataque. Mas mesmo estas saídas para o ataque foram-se tornando progressivamente mais lentas e previsíveis.

A segunda parte deu continuidade ao que de mau estava a ser feito na primeira. O Benfica continuou expectante, limitando-se a assistir enquanto permitia ao Basileia assentar e fazer o seu jogo com relativo à vontade no relvado da Luz. É verdade que os suíços não encostavam o Benfica lá atrás porque simplesmente não têm futebol para isso, e ainda por cima faltava-lhes a dupla de avançados habitual - os que jogaram esta noite são muito inferiores aos titulares Frei e Streller. Mas a passividade e mesmo indolência do Benfica tornava previsível que o golo do empate pudesse chegar. Até porque no ataque pouco ou nada fazíamos, dada a velocidade com que insistíamos em jogar. O empate lá surgiu, a meio da segunda parte e logo após uma pouco compreensível substituição do Luís Martins (cumpriu sem deslumbrar ou comprometer) pelo Miguel Vítor, mas a reacção do Benfica foi pouco intensa. A forma como o marcador do golo apareceu solto à entrada da área não surpreende, dada a forma macia como o nosso meio campo insistiu em actuar durante quase todo o jogo. Os suíços pareceram ficar encantados com o resultado, e os jogadores do Benfica, salvo raras excepções, insistiram em jogar a passo, pelo que o empate lhes assenta muito bem.

A exibição dos nossos jogadores foi, no geral, cinzenta. Maxi e Rodrigo talvez dos poucos a mostrar alguma vontade mais, e a dupla de centrais esteve segura. O Matic, por mais que queiram elogiá-lo, continua a irritar-me naquela posição. É apenas uma opção de recurso, e para mim não chega aos calcanhares do Javi. Continua a insistir em agarrar-se demasiado à bola, e com ele perdemos logo dois ou três segundos no primeiro passe na saída para o ataque; quanto ao sentido posicional e inteligência táctica, prefiro não me alongar. O Witsel esteve também muito discreto, quase não se dando por ele no jogo.

Este jogo era da Champions, e nesta competição não se pode dar nada por garantido. Não faz sentido nenhum dar a iniciativa de jogo ao adversário quando se está na frente do marcador por uma margem mínima - e 'dar' é o verbo correcto, porque fiquei sempre com a impressão de que não foi o Basileia a pressionar para controlar o jogo, mas sim nós a 'encostarmo-nos' e deixarmos que eles fizessem o que muito bem quisessem em campo. Não sei se foi a pior exibição do Benfica esta época, mas foi certamente a que mais me irritou. Porque foi daqueles jogos que me deixam com a sensação de que só não fizemos mais porque não quisemos.

por D`Arcy às 04:19 | link do post | comentar | ver comentários (47)

escribas

pesquisar neste blog

 

links

arquivos

recentes

tags

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com

Visitas


blogs SAPO

subscrever feeds