VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Segunda-feira, 31.03.14

Passo

Mais uma vitória importantíssima, e mais um passo dado em direcção ao título. O jogo não foi dos mais conseguidos na vertente artística, tendo o Benfica talvez abusado um pouco na gestão do esforço, mas o que interessava mais hoje era mesmo o resultado, e por isso podemos considerar que a missão foi cumprida a contento.

 

Regresso dos titulares que tinham ficado de fora no último jogo, sendo a única alteração no onze habitualmente titular a presença do Sílvio na direita de defesa em vez do Maxi. Desde o apito inicial que deu para perceber que não iríamos ter vida fácil, porque o Braga entrou a pressionar de forma bastante agressiva e com a equipa a jogar muito compacta e subida no campo. Mas durante os primeiros minutos o Benfica conseguiu sair dessa pressão e através de movimentações rápidas na frente criar algumas situações de perigo. O primeiro aviso foi dado pelo Gaitán, que depois de se desmarcar e ultrapassar o guarda-redes rematou com o pior pé à rede lateral. O mesmo Gaitán voltou a ter uma boa ocasião, na qual finalizou mal, e pouco depois, aos treze minutos de jogo, o Benfica colocou-se em vantagem. Arrancada do Rodrigo pela esquerda, a percorrer todo o meio campo do Braga, e depois, já junto da linha de fundo, deixou o marcador directo para trás com uma finta e centrou rasteiro para a finalização do Lima, que se tinha desmarcado bem entre os defesas contrários. Novamente a dupla de avançados a fazer estragos. Colocarmo-nos em vantagem cedo era o melhor que poderíamos fazer para simplificar a tarefa, mas a seguir ao golo o Benfica baixou demasiado o ritmo. Nem sequer posso considerar que o que fizemos foi gestão do jogo ou do resultado, porque isso já o vi ser feito pela nossa equipa com resultados magros. Hoje não procurámos guardar a bola do adversário, mas sim tentar impedir que o adversário pudesse criar ocasiões de perigo. E não conseguimos no entanto criar ocasiões para chegar a um segundo golo que nos desse mais tranquilidade, pois revelámos dificuldades em libertarmo-nos da pressão do Braga de forma eficiente, que nos permitisse as habituais transições rápidas para o ataque - neste aspecto notou-se o jogo menos feliz do Enzo hoje. Verdade seja dita que fomos relativamente eficazes na tarefa de manter a nossa baliza longe de perigo, já que apenas na sequência de um canto o Braga ameaçou seriamente marcar - mas em mais de uma ocasião foi necessário que o nosso último defesa fizesse um corte no limite para evitar males maiores.

 

A segunda parte foi mais animada, tendo no início ficado com a impressão de que o Benfica iria tentar procurar o segundo golo. Durante os primeiros minutos atacámos mais e levámos perigo à baliza do Braga, mas depois o Braga respondeu com um cruzamento perigoso, ao qual o seu jogador não soube dar o melhor seguimento (falhou a primeira emenda, e depois tentou uma finalização de calcanhar) e o Benfica pareceu retrair-se. E portanto, durante um longo período da segunda parte voltámos a assistir ao mesmo cenário da primeira parte, em que o Benfica não geria coisa nenhuma e apenas se limitava a tentar defender bem e evitar que o Braga conseguisse causar perigo. Mas embora tenhamos sido eficazes nisto, já que o Oblak praticamente não teve trabalho nem foi obrigado a qualquer intervenção mais complicada, durante todo este tempo permaneceu sempre a tensão de sabermos que a vantagem era magra, e que um golo fortuito pode acontecer a qualquer altura. A meio do segundo tempo entrou o Rúben Amorim, mas tacticamente não mudámos a nossa forma de jogar, já que foi uma troca directa com o Enzo. A equipa ganhou alguma solidez com esta troca, já que como disse antes o Enzo hoje não esteve nos seus melhores dias. Mas apenas nos últimos dez minutos é que o Benfica voltou a aparecer novamente com mais insistência no ataque, talvez aproveitando alguma fadiga do adversário, que já concedia mais espaço para sairmos para o ataque - a forma como correram e tentaram pressionar durante quase todo o jogo já devia fazer-se sentir nas pernas por essa altura. Já no período de descontos assisti ao evento raríssimo de ver o Pedro Proença assinalar um penálti a favor do Benfica (juro que não me lembro da última vez que tal aconteceu, se é que alguma vez tinha acontecido). Incompreensivelmente, estando o Lima em campo, foi o Rodrigo quem tentou converter, e falhou. Não sei qual foi o motivo para a escolha - talvez recompensá-lo por ter sido dos melhores - mas o Lima ultimamente tem sido irrepreensível na marcação de penáltis, e além disso com o golo poderia aproximar-se mais do topo da tabela dos melhores marcadores, com a motivação extra que isso poderia representar. É certo que o jogo estava quase no final, mas dada a importância do mesmo não me pareceu correcto facilitar assim.

 

Não fosse o penálti falhado e talvez escolhesse o Rodrigo como o melhor jogador do Benfica esta tarde. Está muito confiante, a jogada do golo é muito boa, e de cada vez que consegue arrancar com a bola controlada ficamos à espera que saia dali perigo. A defesa no geral esteve bem, e o Gaitán foi outro dos mais activos no ataque.

 

Ficam agora a faltar oito pontos para garantir o título, o que significa que, com três jogos por disputar em casa, bastará vencê-los para resolver o assunto. Quanto mais cedo conseguirmos resolver isto, melhor, porque então poderíamos inverter a programação e passar a fazer a gestão de esforço no campeonato, para nos concentrarmos nos restantes objectivos que ainda podem ser conquistados. Do jogo de hoje trazemos uma vitória importantíssima e difícil, e a certeza de que estamos cada vez mais próximos do merecidíssimo título de campeão.

por D`Arcy às 00:58 | link do post | comentar | ver comentários (52)
Sexta-feira, 28.03.14

O Destino não nos dá tréguas

Quando, após aquele final de época 2012/13 em que do tudo nos restou o nada, a Direcção do Benfica renovou com Jorge Jesus, eles, os especialistas, garantiram que se acabara de perder o actual campeonato. Nós, que vivemos o benfiquismo, não acreditámos. O mesmo aconteceu quando Cardozo ficou no plantel e tantos peroravam como isso seria fatal para a época corrente. Com a derrota na primeira jornada, acentuou-se a ladainha do apocalipse. À terceira jornada e com apenas uma vitória, eles, os especialistas, já nos tinham feito a extrema-unção e encomendado a alma. Quando estivemos a cinco pontos do primeiro lugar (à época ocupado pelo FCP da estrutura perfeita) aconselharam-nos a começar a preparar a nova época. Os empates caseiros com Arouca e Belenenses fizeram com que os especialistas garantissem a infalibilidade das suas teses. A suspensão de Jorge Jesus por um mês deu aos especialistas permanentes e aos abutres de ocasião a oportunidade para fazer sangue, acertar contas antigas com o treinador e garantir a falência desportiva da época. Mais tarde, foi a lesão de Cardozo a dar-lhes o alento para agoirarem (vindo dos especialistas, até os agoiros são científicos) a época. Atendendo a que a realidade sempre se encarregou de desmentir os seus desejos disfarçados de opiniões, esperaram pela saída de Matic para garantir que isso é que faria com que deixássemos de contar para a vitória no campeonato. Sempre que eles, os especialistas, garantiram que tínhamos o campeonato perdido, nós, os que vivemos o benfiquismo, não acreditámos e continuámos, com os nossos, a lutar. Agora, porque faltam seis jornadas e temos sete pontos de avanço para o segundo classificado e doze para o terceiro (o FCP da estrutura perfeita), eles, os especialistas, querem convencer-nos de que temos o campeonato ganho. E nós, os que vivemos o benfiquismo, continuamos a não acreditar neles, pois sabemos que em Portugal só há um clube que ganha de véspera e nós, Benfica, não ganhamos nem perdemos de véspera. Lutamos sempre para construir permanentemente um destino que não nos dá tréguas.

 

_____

Artigo de opinião escrito e enviado para a redacção do jornal "O Benfica" no dia 24 de Março, para publicação na edição de 28/03/2014 do jornal "O Benfica".

 

[Se alguém quiser manifestar-me a sua opinião, pode fazê-lo para este endereço: tertuliabenfiquista@gmail.com]

por Pedro F. Ferreira às 09:09 | link do post
Quinta-feira, 27.03.14

Desvantagem

Jogo pouco inspirado do Benfica, particularmente durante os primeiros minutos, e que foi justamente penalizado por uma derrota pela margem mínima, devido a um golo sofrido ainda muito cedo - precisamente na pior fase do Benfica no jogo.

 

A coerência com o discurso de termos como principal aposta vencer o campeonato manteve-se: deixámos seis titulares de fora para este jogo. Mantiveram-se o Maxi, Luisão, Garay, Fejsa e Rodrigo, completando o onze o Artur, Sílvio, Sulejmani, Salvio, Rúben Amorim e Cardozo. Não fiquei nada surpreendido com esta opção: esperava-a e, mais do que isso, desejava-a. A entrada do Benfica no jogo foi má (toda a primeira parte foi bastante fraca, aliás) e a do Porto foi forte. Foi recompensada muito cedo, logo aos seis minutos, num golo de cabeça do Jackson após a marcação de um canto, em que se antecipou ao Garay. O Benfica foi quase inofensivo no ataque, porque raramente conseguia sair de forma rápida e organizada. O Porto teve muito mais posse de bola, mas nunca chegámos a assistir a qualquer massacre à baliza do Artur - foram muito poucos os remates feitos, e as oportunidades de golo ainda menos. Mas as poucas que aconteceram, quase todas para o Porto, foram perigosas. A maior de todas deixou o Varela cara a cara com o Artur, num lance em que não percebo como é que o Fernando não viu um vermelho directo pela entrada horrível que teve sobre o Fejsa (foi de tal forma que provavelmente por vergonha a SportTV não mostrou mais do que uma repetição sorrateira). O Artur correspondeu com uma defesa miraculosa com a ponta da bota. As respostas do Benfica foram muito tímidas, e apenas me lembro de um mau cabeceamento do Rodrigo (nem acertou com a cabeça na bola, mas sim com o ombro) quando estava em posição para fazer melhor, e uma bola solta na área que o Maxi rematou contra os defesas do Porto.

 

A segunda parte foi mais equilibrada. O Benfica não pareceu particularmente incomodado com a desvantagem, e preocupou-se mais em controlar o ritmo do jogo. Prova disto o facto de apenas a quinze minutos do final o Porto ter feito o primeiro remate da segunda parte, pelo Herrera (remate perigoso, diga-se). As substituições feitas (entradas de Gaitán, Lima e Markovic, já na fase final do jogo) fizeram com que o Benfica se atrevesse um pouco mais no ataque, mas o jogo continuou a ser de muito poucas oportunidades de golo, ainda que a bola aparecesse mais vezes junto de uma e outra baliza. O Benfica criou apenas uma grande ocasião para marcar, através de um pontapé de canto no qual o Rúben Amorim apareceu solto na área a rematar, mas o Fabiano correspondeu com uma grande defesa. Houve ainda mais um cruzamento perigoso, que o Fabiano afastou e depois o Markovic não conseguiu fazer o chapéu de primeira, passando a bola perto do alvo. Mas a melhor ocasião foi mesmo do Porto, num remate do Jackson ao poste, com a sorte da bola depois ressaltar para o alívio do Luisão e não de outro jogador do Porto que estava em boa posição. Para além disso, já muito perto do final, o Porto libertou dois jogadores nas costas da nossa defesa mas depois o passe final do Quintero não saiu.

 

Não houve destaques esta noite, num jogo cinzento da nossa equipa. Mas houve decepções. Eu gosto do Cardozo e por isso custa-me escrever isto, mas neste momento jogar com ele na equipa é jogar com dez. Não creio que consiga fazer uma contribuição positiva que seja. Chega atrasado a todos os lances, perde todas as bolas divididas, e às vezes parece totalmente alheado do jogo. Jogo muito fraco também do Sulejmani, particularmente pelo elevado número de vezes que conseguiu perder a bola devido a agarrar-se demasiado a ela. O Salvio também continua muito longe da melhor forma, e o Maxi não me dá segurança a defender.

 

A opção pelo campeonato foi bastante clara neste jogo, e sobre isso não tenho nada a criticar. Se vencermos em Braga no domingo, considerarei esta semana positiva. Acho no entanto que, mesmo tendo em conta a rotatividade, poderíamos ter feito um pouco melhor, sobretudo no ataque - marcar um golo teria sido muito importante. Quanto à Taça de Portugal, a desvantagem de um golo está muito longe de ser irrecuperável. A jogar na Luz, e com uma equipa mais completa, não tenho dúvidas de que o Benfica tem capacidade mais do que suficiente para dar a volta ao resultado e conquistar o direito a regressar ao Jamor. Mas isso é coisa para pensarmos na altura, e nem vou preocupar-me demasiado a digerir este resultado - e não, isto não é abdicar da Taça de Portugal, que também desejo, e muito, vencer; é racionalizar e lembrar-me que isto é uma eliminatória a duas mãos, que temos a segunda mão em nossa casa e que a desvantagem é mínima. Mas a prioridade tem mesmo que ser vencer em Braga.

por D`Arcy às 01:01 | link do post | comentar | ver comentários (55)
Quarta-feira, 26.03.14

Vamos lá a ver se nos entendemos...

Jorge Jesus, eu vou dizer isto muito devagarinho para ver se o senhor percebe de vez: N.Ã.O S.E O.F.E.R.E.C.E B.A.L.Õ.E.S D.E O.X.I.G.É.N.I.O À.S F.O.R.Ç.A.S D.O M.A.L!!! Eu já sei que isto é só a 1ª parte da eliminatória, ainda temos o jogo da 2ª mão, nada está perdido, o campeonato é que é o mais importante (e é) etc. e tal, MAS, e este MAS é muito relevante, quis o destino que tivéssemos que defrontar o CRAC para as duas taças: E NÃO SE OFERECEM VITÓRIAS AO CRAC NEM NO TORNEIO DO BERLINDE!!! Derrotá-los nestas duas taças significa deixá-los a zeros no que toca a títulos e não se pode perder uma oportunidade destas! (Escuso de lhe recordar as humilhações a quem fomos sujeitos, com o senhor a treinador, em mais do que um jogo contra eles nos últimos quatro anos, não escuso? Não acha que já está mais que na altura de pagar isso com juros?!)

 

"Rodar a equipa"? Tudo muito certo, mas jogar com nove durante 77' (neste momento, o Cardozo e o Salvio não contam para o Totobola) e ainda por cima tirar o nosso melhor jogador (Rodrigo) aos 67' é... como dizer... estúpido! Perante um CRAC muito fraco (mas que mesmo assim poderia ter marcado mais golos, dado que a nossa defesa fartou-se de dar abébias), é INCONCEBÍVEL que tenhamos perdido o jogo da maneira que perdemos. Colocámos em risco a qualificação para a final da Taça de Portugal (a propósito, os jogos consecutivos a marcar e tal é muito bonito, mas já não ganhamos uma dobradinha há 26 anos...!) por única e exclusiva culpa nossa. Ou melhor, sua!

 

Ah, e por último, já que iremos ter que ir ao antro (pelo menos) mais duas vezes até final da época, se calhar já estava mais que na altura de não entrarmos em campo com medo do adversário (aliás, se me permite a pergunta: medo, porquê?!), pode ser? É que aquela 1ª parte, perante um adversário que está a 12 pontos de nós no campeonato, foi confrangedora...

por S.L.B. às 23:05 | link do post | comentar | ver comentários (32)
Terça-feira, 25.03.14

Braga

 

No próximo domingo, em Braga, teremos que estar ao nosso melhor nível e ser simplesmente perfeitos, já que iremos defrontar o adversário mais difícil da época. Estava guardadinho para a fase mais decisiva.

por D`Arcy às 15:20 | link do post | comentar | ver comentários (15)
Segunda-feira, 24.03.14

Passeio

Três golos, outras tantas bolas nos ferros, jogadas de alta qualidade estética e oportunidades mais do que suficientes para construir um resultado ainda mais folgado. O Benfica fez com que este jogo de fim de tarde contra a Académica acabasse por parecer ser pouco mais do que um mero passeio.

 

 

Uma única alteração no onze habitual do Benfica, apresentando o Sílvio na lateral direita em vez do Maxi Pereira. Nem sequer foi uma entrada das mais fortes do Benfica no jogo, mas a exemplo do que tem acontecido na maior parte dos jogos em casa esta época, chegámos ao golo bastante cedo - praticamente na primeira verdadeira ocasião de perigo que criámos. Foi aos onze minutos, numa jogada entre o Rodrigo e o Lima. O Rodrigo atirou ao poste, e depois o Lima conseguiu meter o pé e desviar para a baliza a tentativa de alívio do defesa da Académica. A partir deste momento tudo se tornou ainda mais fácil para o Benfica, que nunca deu sequer a impressão de ter realmente carregado a fundo no acelerador. Mesmo com a Académica a nunca abandonar o esquema cauteloso de duas linhas de defesa bem juntas, o talento e concentração dos nossos jogadores e uma ideia muito definida de jogo chegaram e sobraram. Antes de cumprida a meia hora de jogo (e com um penálti por assinalar a nosso favor pelo meio) o Benfica duplicou a vantagem, numa jogada de equipa muito bonita. Numa ocasião em que a Académica procurou pressionar alto, já bem junto à nossa área, os nossos jogadores nunca perderam a calma e libertaram-se da pressão fazendo a bola circular de pé para pé entre os seus jogadores, viajar da esquerda até à direita, onde o Sílvio avançou com ela no terreno, desmarcou o Markovic, e dos pés do sérvio saiu um cruzamento rasteiro para a zona do segundo poste, onde o Lima finalizou com facilidade. Continuou o Benfica a dominar completamente o jogo com enorme facilidade, e foi uma pena que mesmo em cima do intervalo não tivesse chegado ao terceiro golo em mais uma jogada fantástica de toda a equipa, que incluiu três passes de calcanhar, e que deixou o Siqueira em frente ao guarda-redes. Infelizmente o remate dele foi defendido - teria sido perfeito se tivesse tocado a bola para o lado, onde tinha o Gaitán completamente sozinho.

 

 

O domínio absoluto e tranquilo do Benfica no jogo continuou na segunda parte. E com a ameaça constante de voltar a marcar. O Benfica nem sequer precisava de carregar muito, simplesmente conseguia manter a bola em seu poder com relativa facilidade, e depois aproveitava as movimentações dos seus jogadores para ir explorando os espaços concedidos para se aproximar da baliza adversária. O terceiro golo chegou quando se finalizava o primeiro quarto de hora: bola recuperada pelo Enzo a meio do meio campo adversário, tabela com o Rodrigo, e finalização à saída do guarda-redes, já em desequilíbrio após ter sido empurrado pelo adversário (era lance para penálti). Logo a seguir, o Rodrigo ficou muito perto de fazer o golo que bem merecia, mas o remate, já de ângulo apertado depois de ultrapassar o guarda-redes, bateu no poste. A seguir foi o Fejsa quem ficou perto do golo. O resultado prometia não ficar por ali, mas com uma vantagem tão confortável no marcador o Benfica relaxou mesmo, e depois das saídas do Gaitán, Rodrigo e Enzo (por troca com o Salvio, Cardozo e Amorim), a velocidade ficou mais reduzida e o jogo perdeu bastante interesse. Deu até para a Académica, quando faltavam pouco mais de vinte minutos para o final, criar a primeira ocasião de perigo no jogo, num cabeceamento que passou bem perto do poste da nossa baliza. Um livre que também passou perto do poste, pouco tempo depois, completou a produção ofensiva da Académica durante todo o jogo, isto numa altura em que o Benfica já permitia à Académica ter um pouco mais a bola e até jogar no nosso meio campo. Mas mesmo assim foi o Benfica quem voltou a estar perto de aumentar a vantagem, e por duas vezes, já muito perto do apito final. Na primeira o Salvio voltou a enviar a bola aos ferros da baliza da Académica, e na segundo o Lima falhou o hat trick, permitindo a defesa ao guarda-redes - poderia ter tocado para o lado, onde tinha o Cardozo completamente sozinho.

 

 

Toda a equipa esteve num bom nível e bastante homogénea. O Lima merece o natural destaque pelos dois golos marcados, mas hoje também pareceu mais solto e confiante. O golo de bola corrida marcado ao Nacional deve ter-lhe feito bem. O Rodrigo voltou a ser preponderante na manobra ofensiva da equipa, e bem merecia ter saído do campo com um golo. Depois de um par de jogos mais discretos, o Enzo voltou a subir de nível, a dupla de centrais exibiu a categoria habitual e o Fejsa ajudou a voltar a fechar os caminhos para a nossa baliza. O Sílvio exibiu a competência do costume (sinceramente, acho que me sinto mais seguro com ele a jogar do que com o Maxi).

 

Jornada positiva porque mantivemos a vantagem sobre o segundo classificado, e agora falta menos um jogo para o final. Positivo também o facto de termos 'descomplicado' o jogo bastante cedo, o que nos permitiu fazer uma boa gestão de esforço antes de uma sequência de jogos importantes e potencialmente complicados que se avizinham - fiquei com a sensação de que a equipa não teve mesmo que se esforçar muito, e que chegou ao final do jogo bastante fresca. Muito se vai jogar nos jogos que se seguem. Confio que a nossa equipa consiga manter o nível que tem exibido ultimamente, e que apoiada pela nossa incomparável massa associativa (49.320 espectadores hoje) consiga aproximar-se ainda mais dos seus objectivos.

por D`Arcy às 00:57 | link do post | comentar | ver comentários (23)
Sexta-feira, 21.03.14

Dispensável

Um empate a dois golos com o Tottenham confirmou um apuramento para os quartos-de-final da Liga Europa que já tinha ficado praticamente assegurado na primeira mão. Mas a exibição do Benfica hoje, sobretudo na parte final do jogo, foi no mínimo sofrível, e causou-nos alguma ansiedade que era perfeitamente dispensável, tendo mesmo chegado a colocar a eliminatória em risco.

 

 

O Benfica entrou em campo com a defesa habitual, mas daí para a frente mudou tudo. Nada de surpreendente, tendo em conta a gestão que tem sido feita na Liga Europa e o resultado trazido da primeira mão. Amorim e André Gomes no meio campo, Salvio e Sulejmani nas alas, Djuricic e Cardozo na frente. Entrámos no jogo como esperava, num ritmo pausado e a a tentar controlar a posse de bola. O Tottenham era quem precisava de assumir a iniciativa, mas também não parecia disposto a arriscar demasiado. Mas foi ainda assim a equipa mais objectiva na procura da baliza adversária, tendo conseguido construir duas boas situações de golo, ambas desperdiçadas pelo Soldado. O Benfica jogou quase sempre a uma velocidade bastante calma, sem fazer aquelas saídas rápidas para o ataque que nos são características - a presença do Cardozo (na forma em que se encontra) na frente fez muita diferença em relação ao que temos visto ultimamente. Também me pareceu que explorámos pouco os cruzamentos para a área, tendo em conta os problemas que o Tottenham tinha no centro da defesa, vendo-se mesmo obrigado a jogar com uma adaptação (Sandro). O jogo foi portanto bastante desinteressante na maior parte do tempo, e quando o Benfica chegou ao golo, praticamente na única oportunidade digna desse nome que criou, ainda mais desinteressante ficou, porque o Tottenham pareceu acusar o golpe e perdeu a pouca iniciativa que tinha mostrado até então. O golo surgiu aos trinta e quatro minutos, numa entrada do Salvio pela direita que terminou com um cruzamento muito bem medido para a o cabeceamento fulgurante do Garay. Depois disso, nada mais de realce aconteceu até ao intervalo.

 

 

A segunda parte foi ainda mais morna. Para o Benfica, naturalmente, com a vantagem que tinha no marcador e na eliminatória, o que lhe interessava era mesmo deixar correr o relógio e aguardar pelo final do jogo. O Tottenham arriscava ainda menos do que na primeira parte, parecendo ter receio de ser surpreendido por algum contra-ataque do Benfica que ampliasse o resultado. Creio que esta toada do jogo foi de tal forma aborrecida que o Benfica praticamente adormeceu no jogo, confiando que o Tottenham estaria entregue ao seu destino e exibindo mesmo alguma sobranceria. Além disso, a partir do meio da segunda parte pareceu-me que o Salvio 'deu o berro' fisicamente, e passamos a jogar com nove - estávamos a jogar com dez desde o início do jogo, dada que o Cardozo esteve num daqueles dias em que está mais virado para assistir ao jogo do que para participar nele. Por isso a primeira substituição feita surpreendeu-me. Quando faltavam vinte minutos para o final entrou o Enzo para o lugar do Djuricic, para reforçar a presença no meio campo, mas os referidos dois jogadores mantiveram-se em campo (e o Sulejmani também já não me parecia estar nas melhores condições). Cinco minutos depois foi a vez de finalmente trocar o Cardozo pelo Lima, mas a doze minutos do final começaram os problemas. No espaço de um minuto, e quando nada o fazia prever, o Tottenham marcou dois golos de rajada e de repente ficou apenas a um de igualar a eliminatória. E com isto o Benfica tremeu, enquanto que o Tottenham acreditou e cresceu, tendo criado uma nova situação de golo quase de seguida, salva por um corte do Luisão. O jogo abriu, o Benfica ainda respondeu numa situação em que o Salvio poderia ter feito muito melhor do que rematar para as mãos do Friedel, mas foi o Oblak quem nos salvou já em tempo de compensação, com uma grande defesa a negar o golo que empataria a eliminatória. Praticamente na resposta, naquela que seria a última jogada do encontro, o Lima sofreu um penálti claro e converteu-o, evitando a derrota já que árbitro terminou de imediato o jogo.

 

 

Não é fácil fazer grandes destaques num jogo destes, em que passámos grande parte do tempo a jogar devagar. Gostei do Salvio enquanto teve forças, o Amorim também parece não saber jogar mal, e a dupla de centrais esteve relativamente bem, não me parecendo ter culpas nos golos sofridos - no segundo o Luisão tentou colocar o adversário em fora-de-jogo, mas foi demasiado no limite. No extremo oposto esteve o Cardozo. Continua a mostrar uma enorme falta de ritmo, mas pior que isso, hoje pareceu mostrar também muita falta de vontade. E Djuricic mais uma vez não aproveitou a oportunidade.

 

Vencemos a eliminatória, que foi o mais importante, rodando jogadores e num jogo em que, dada a velocidade a que se jogou na maior parte do tempo, não terá havido grande desgaste físico para os titulares que alinharam. Não deixa de ser preocupante o abanão naqueles minutos finais, que poderiam ter deitado tudo a perder. Gerir o resultado sim, mas sobranceria e excessos de confiança são desnecessários e nada aconselháveis, por isso espero que o que se passou hoje tenha servido de aviso. Agora quero é ganhar à Académica. Vai ser um jogo difícil, dirigido por um árbitro em quem não confio nada.

por D`Arcy às 00:42 | link do post | comentar | ver comentários (18)
Terça-feira, 18.03.14

Juniores

 

Está mais uma vez de parabéns a nossa equipa de juniores, que foi a Inglaterra carimbar o apuramento para as meias-finais da UEFA Youth League, derrotando o Manchester City por 2-1 (golos de Gonçalo Guedes - para mim um dos jogadores mais promissores desta equipa - e Estrela). Na final four, a disputar na Suíça, iremos disputar o acesso à final com o Real Madrid.

Quem acompanha a nossa formação sabe do bom trabalho que tem vindo a ser feito ao longo dos últimos anos. As nossas equipas conquistam cada vez mais títulos, e as convocatórias das selecções jovens começam cada vez mais a ter uma maioria de jogadores benfiquistas (a última convocatória, a semana passada, para os sub-17 foi uma autêntica cabazada). Falta agora o passo final, que é num futuro não muito distante podermos começar a ver alguns destes jogadores a aparecer no plantel principal.

por D`Arcy às 22:18 | link do post | comentar | ver comentários (12)

Reacção

Mais uma vitória importantíssima para a conquista do título, num jogo em que entrámos mal mas onde também tivemos uma reacção muito boa e demos a volta a um resultado adverso, deixando mais uma boa demonstração da enorme confiança que existe na nossa equipa e da qualidade do nosso plantel.

 

Apenas a alteração esperada no onze que vem sendo habitual, o Rúben Amorim no lugar do castigado Fejsa. O Benfica teve uma má entrada no jogo - ou, vistas as coisas de outra maneira, foi o Nacional quem entrou muito bem. Bastante agressivos e a pressionar alto, os jogadores do Nacional mantinham o Benfica no seu meio campo e não davam tempo nem espaço para que saíssemos a jogar de forma organizada. E cedo tiveram a recompensa, chegando à vantagem com seis minutos decorridos, através de um penálti. O golo sofrido não motivou uma reacção imediata do Benfica, que continuou a mostrar algumas dificuldades para impor o seu futebol. Só depois dos vinte minutos de jogo é que o Benfica deu o primeiro ar da sua graça no jogo, num remate do Rodrigo que quase deixou a sensação de golo, levando a bola à malha lateral. E pouco tempo depois (aos vinte e quatro minutos) chegámos ao empate, num golo bonito que começou com um cruzamento rasteiro do Markovic na direita, para depois o Rodrigo no interior da área amortecer e deixar a bola redondinha para o remate de primeira do Lima. A partir daqui soltou-se o vendaval ofensivo do Benfica, e o Gaitán, Markovic, Lima e Rodrigo passaram a executar um carrossel ofensivo que parecia incontrolável. As oportunidades começaram a aparecer, e o Gaitán por duas vezes teve o golo nos pés (ainda me parece incrível como não marcou na segunda dessas ocasiões), mas quase nem deu tempo para ficar irritado com isso, já que na jogada seguinte o Rodrigo apanhou a bola na direita, flectiu para o meio e desferiu um pontapé indefensável ao ângulo. Um golão. Estavam decorridos trinta e três minutos, o que significa que no espaço de nove minutos o Benfica tinha construído quatro oportunidades flagrantes de golo e dado a volta ao resultado. Não parou de atacar o Benfica, enquanto o Nacional procurava responder sempre, e o jogo entrou numa toada muito animada, disputado em grande velocidade e com a bola a viajar rapidamente de um lado ao outro do campo. Mas o Benfica mostrava ser mais forte, e quase sobre o intervalo dilatou a vantagem, num canto marcado pelo Enzo para a zona do segundo poste, onde surgiu o Garay quase sobre a linha final a cabecear a bola, levando-a a bater ainda no poste mais distante e a entrar. Pareceu-me que a intenção seria colocar a bola na frente da baliza para que alguém finalizasse, mas o forte vento que se fez sentir terá dado uma ajuda a que a bola entrasse directamente.

 

Com uma vantagem relativamente confortável ao intervalo, impunha-se baixar o ritmo de jogo na segunda parte, e foi o que o Benfica foi fazendo sem grande dificuldade. Procurando contra-atacar apenas pela certa e mantendo a bola na sua posse o máximo possível, o Benfica conseguiu que o jogo fosse bem mais lento e quase sem qualquer ocasião de perigo. Nem sequer esperava que houvesse algum sobressalto, dado que noutras ocasiões esta época já vimos o Benfica a gerir tranquilamente resultados mais magros. Mas de forma algo inesperada, já que salvo uma saída um pouco mais apertada para aliviar uma bola com os pés depois de uma falha do Siqueira, o Oblak tinha sido pouco mais do que um espectador na segunda parte, o Nacional reduziu a diferença quando faltavam dez minutos para o final. Aproveitando a subida da equipa do Benfica no terreno, um contra-ataque rápido (no qual me pareceu que terá havido alguma hesitação do Oblak em sair imediatamente da baliza) deixou o Djaniny numa situação de finalização simples. Depois de parecer que tínhamos o jogo completamente controlado, adivinhavam-se agora uns minutos finais de algum sofrimento. A verdade é que a pressão do Nacional foi tudo menos sufocante, mas ainda passámos por um calafrio num livre que fez a bola cruzar toda a nossa área, aparecendo depois um adversário na zona do segundo poste que felizmente não conseguiu cabecear a bola com êxito. As dúvidas sobre o resultado dissiparam-se no entanto completamente a um minuto do final. Numa jogada em que parecia que o interesse principal do Benfica seria manter a bola na zona da bandeirola de canto, o Sílvio arrancou um bom cruzamento e o Garay, na zona da marca de pnálti, cabeceou de forma colocada para junto da base do poste, deixando o guarda-redes sem reacção.

 

É complicado decidir entre o Garay e o Rodrigo para o melhor em campo. Talvez a escolha mais justa seja o Rodrigo, pela importância que teve na reacção da equipa ao mau início de jogo e à desvantagem no marcador, sendo decisivo na reviravolta do marcador. Nesse período foi uma seta apontada à baliza do Nacional, deu o primeiro sinal de perigo do Benfica, fez a assistência para o golo do Lima e marcou o golão que foi o nosso segundo. Pelo meio ainda teve uma simulação fantástica, a deixar passar a bola para o Gaitán, num lance que continuo sem perceber como não deu golo. O Garay mereceria sempre destaque pelos dois importantes golos que marcou, mas esteve também em muito bom nível a defender, sendo o mais esclarecido da nossa defesa. Gostei também do jogo do Gaitán. O Maxi revelou bastantes dificuldades na primeira parte, quando apanhou com o Candeias pela frente. E achei o Oblak algo inseguro hoje. Se no lance do segundo golo do Nacional ainda posso compreender alguma hesitação, dado que a bola foi para perto da linha de fundo e o vento provocava trajectórias esquisitas na bola (e tenho dúvidas que conseguisse chegar primeiro à bola), já no lance perto do final em que o Nacional ameaçou empatar achei que deveria ter atacado a bola em vez de ficar na baliza.

 

Mais uma etapa superada, e restam agora sete para o final. Estamos no topo, com o melhor ataque e defesa do campeonato, e dependemos só de nós próprios: a conquista de catorze dos vinte e um pontos que faltam disputar garantir-nos-á o título. O melhor do jogo de hoje foi mesmo ver a forma como a nossa equipa não se deixou abalar e teve uma reacção firme e confiante às adversidades. Se conseguirmos manter esta atitude, tudo será mais fácil.

por D`Arcy às 01:54 | link do post | comentar | ver comentários (31)
Sexta-feira, 14.03.14

Um olival de eucaliptos

Os dirigentes dos clubes profissionais reúnem em consílio com o intuito de “reformar” o futebol português. Aglomeram-se em torno de um poder bafiento, com métodos camorristas, e, no final, enviam um moço de recados anunciar ‘urbi et orbi’ que querem fazer um “25 de Abril” no futebol. Ou seja, pudemos todos observar gente que se aproveita da liberdade conquistada para escarrar na democracia e, em nome dela, anunciar uma revolução que pretende perpetuar no poder os que atiraram o nome do futebol português para o anedotário em que se encontra. Os dirigentes do Benfica, Sporting e Marítimo afastaram-se daquilo. Garantidamente, nesse momento, os adeptos destes três clubes sentiram orgulho nos seus dirigentes. Pois, ao contrário do que alguns pensam, a maioria dos adeptos não se revê neste futebol que mais parece um olival feito de oliveiras com raízes de eucalipto, das que secam tudo em seu torno. Ao quererem atirar para o poder mais um títere do olival, pretendem garantir que o bolo dos direitos televisivos se mantenha nas mãos que distribuem migalhas aos serviçais que lhe sustentam a negociata. A falência moral do futebol português tem rostos e nomes que se preparam para deixar herança. Disfarçado numa espécie de manto de vitalidade esconde-se o fervilhar de podridão de um pântano estagnado há três décadas e em que aforismos de falência moral como “o que hoje é verdade amanhã é mentira” são publicamente assumidos e vividos entre gargalhadas boçais, fina ironia e charutos mamados (como escrevia o Eça) em prostíbulos e lupanares sobejamente conhecidos.

 

_____

Artigo de opinião escrito e enviado para a redacção do jornal "O Benfica" no dia 10 de Março, para publicação na edição de 14/03/2014 do jornal "O Benfica".

 

[Se alguém quiser manifestar-me a sua opinião, pode fazê-lo para este endereço: tertuliabenfiquista@gmail.com]

por Pedro F. Ferreira às 15:23 | link do post

Simples

Mais uma exibição muito personalizada e segura valeu-nos uma vitória que até pareceu simples e natural em White Hart Lane, com um resultado que nos deixa com enormes probabilidades de apuramento para os quartos-de-final da Europa League, embora não possamos descurar a segunda mão.

 

 

Menos mudanças e poupanças do que eu esperava (e, confesso, desejava). Afinal foram apenas quatro as trocas no onze: Sílvio, Amorim, Sulejmani e Cardozo nos lugares do Maxi, Enzo, Gaitán e Lima. Esperava um assalto do Tottenham à baliza nos minutos iniciais, e foi isso que os ingleses tentaram fazer. Mas o Benfica joga neste momento com uma segurança defensiva muito grande, e como tal conseguiu manter o adversário quase sempre muito bem controlado, não lhe dando hipóteses de ameaçar a nossa baliza. Nas poucas vezes em que o Tottenham conseguia furar a primeira linha de defesa, constituída pelos nossos médios, aparecia sempre um defesa para fazer o corte - muitas vezes o Luisão, que parecia estar em todo o lado. O Benfica neste momento tem os seus jogadores cheios de confiança e joga o seu futebol de forma imperturbável, independentemente do campo ou do adversário - e hoje em Londres acho que até se ouviram mais os adeptos do Benfica do que os do Tottenham, por isso o ambiente nem foi tão adverso assim. Sustido o ímpeto do Tottenham, o Benfica tentava depois as saídas rápidas para o contra-ataque, como tanto gosta de fazer, e a forma de jogar do adversário, com a defesa muito subida a deixar demasiado espaço nas suas costas que podia ser explorado, ainda convidava mais a que isso acontecesse. Durante a primeira meia hora de jogo não conseguimos fazê-lo muitas vezes, pelo que assistimos a um jogo muito disputado a meio campo mas algo morno, sem grandes oportunidades. Mas na primeira vez que o Benfica chegou à baliza adversária, marcou. Tudo começou num passe brilhante do Rúben Amorim precisamente para esse espaço nas costas da defesa, e depois o Rodrigo fez o resto: desmarcou-se saindo da direita para o meio, e à saída do guarda-redes colocou muito bem a bola, rasteira, junto do poste mais distante. Não houve qualquer reacção do Tottenham ao golo. O que se viu foi o contrário, ou seja, os ingleses pareceram acusar muito o golpe e tornaram-se ainda menos incómodos.

 

 

A segunda parte foi diferente da primeira. Foi mais aberta, com mais jogadas de ataque e contra-ataque de parte a parte, mais espaços e velocidade. Começou com a primeira boa ocasião que o Tottenham criou no jogo, onde o Adebayor apareceu solto sobre a esquerda da nossa defesa mas rematou torto e fraco, ao lado da nossa baliza. Mas depois dessa situação era o Benfica quem parecia mais perto do segundo, pois o Tottenham cada vez descurava mais a defesa e abria espaços atrás que podiam ser explorados pela velocidade do Rodrigo, Sulejmani ou Markovic. Isto quando em White Hart Lane só se ouviam mesmo os nossos adeptos a cantar pelo Benfica. Com treze minutos decorridos o Benfica recuperou uma bola perto da área adversária e o Rúben Amorim quase marcou num remate ainda de fora da área, que acabou defendido para canto. Na marcação do mesmo, o Rúben enviou a bola para a entrada vitoriosa de cabeça do Luisão. O Tottenham parecia definitivamente derrotado mas voltou ao jogo cinco minutos depois com um golo de livre directo, após uma perda de bola algo infantil da nossa equipa. Pressentindo o perigo de um possível empolgamento do adversário, o JJ respondeu com as entradas do Gaitán e do Enzo para os lugares do Cardozo e do Sulejmani, reforçando o meio campo e deixando o Rodrigo como homem mais adiantado. Resultou, porque nós passámos a ter um pouco mais de bola e o Tottenham praticamente não voltou a ameaçar a nossa baliza, não retirando portanto qualquer vantagem anímica do golo marcado. Mais uma vez foi o Benfica quem esteve mais perto de marcar, o que quase conseguiu depois de uma asneira grande do Lloris, que esteve perto de oferecer um golo de bandeja ao Rodrigo. Não marcámos nessa ocasião, mas marcámos mesmo a seis minutos do final. Mais uma bola parada, neste caso um livre apontado do lado esquerdo pelo Gaitán, um primeiro cabeceamento do Garay a ser defendido em dificuldade pelo Lloris, e depois o Luisão apareceu na pequena área para fuzilar a baliza, marcando um golo que nos dá muito maior tranquilidade e margem de manobra para a segunda mão. E ainda estivemos muito perto de marcar um quarto golo na jogada final, mas o Lloris conseguiu defender quando o Siqueira lhe apareceu sozinho à frente após tabela com o Gaitán.

 

 

O Luisão foi um autêntico monstro hoje. Marcou dois golos, claro, mas para além disso esteve simplesmente intransponível na defesa, parecendo estar em todo o lado para cortar todas as bolas, ganhar nas alturas ou desarmar adversários. Fantástico também, como tem sido sempre que é chamado a assumir a titularidade, esteve o Rúben Amorim. Para além do trabalho no meio campo, foi ainda o autor de assistências para dois dos golos - e o passe para o primeiro golo foi simplesmente lindo de ver. O grande azar do Rúben Amorim neste momento é o facto do concorrente directo que tem pela titularidade dar pelo nome de Enzo Pérez. Outro gigante em campo foi o Fejsa, e se calhar um dos maiores elogios que lhe posso fazer é que hoje parecia o Matic a jogar. Garay, Rodrigo, Sulejmani (enquanto teve pilhas) foram outros dos que me agradaram. O mais apagado foi mesmo o Cardozo, que continua a acusar falta de ritmo - e cujas características também não serão as mais apropriadas para um jogo como este, em que era necessária velocidade no ataque.

 

 

É sempre agradável vencer em provas europeias e ver a nossa equipa jogar com a personalidade que mostrou hoje. Claro que agora vamos ouvir que o Tottenham está mal, ou que jogou com as reservas, ou que o treinador está a prazo, e outras coisas do mesmo teor a que já nos habituámos. O facto é que vencemos em casa do quinto classificado da Premier League com uma limpeza e deixando uma sensação de facilidade que me encheram de satisfação. Agora é altura de pensar no importantíssimo jogo de segunda-feira na Madeira. Jornadas europeias são muito bonitas, mas eu quero é que o Benfica ganhe o campeonato.

 

P.S.- Não gostei mesmo nada do gesto do JJ para o Tim Sherwood.

por D`Arcy às 01:23 | link do post | comentar | ver comentários (45)
Quinta-feira, 13.03.14

Pedido a Jorge Jesus

Nós sabemos que o campeonato é o grande objectivo,* mas acho que não seria pedir muito se hoje em Londres pudéssemos entrar em campo com a porta fechada no trinco, em vez de estar escancarada. É que, caso não tenha reparado, mister, nós não temos nenhum Casillas no banco. E ainda todos nos recordamos do que aconteceu com o Júlio César em Liverpool, não é verdade…? Seria pouco inteligente se deitássemos fora uma eliminatória por causa disso, tal como aconteceu há quatro anos. Os sinais estão todos lá: frente ao Leixões na Taça da Liga e em ambos os jogos contra o PAOK. Pelo menos, um frango está garantido, a diferença é que duvido que os Spurs não o aproveitassem como os outros adversários.

 

Vamos lá pensar melhor nisto, ok mister? É que há toda uma Taça da Liga para fazer a rotação nesse lugar específico. Aliás, tal como aconteceu no ano passado, em que só nessa competição é que se fez a rotação. Pode ser? É que os guarda-redes não se cansam assim tanto… Muito obrigado pela atenção e boa sorte para mais logo.

 

* No entanto, já agora, é só o campeonato, mister; não existem “competições” mais importantes do que a Liga Europa, é só uma e mesmo assim é só porque estamos de jejum há algum tempo, porque bem vistas as coisas se não somos campeões há três anos, não ganhamos uma prova europeia há mais de 50… E não foram os campeonatos nacionais que nos tornaram conhecidos a nível mundial…

por S.L.B. às 10:13 | link do post | comentar | ver comentários (8)
Domingo, 09.03.14

Seguro

Mais um passo seguro dado no caminho para a conquista do título. O Benfica hoje não deu qualquer hipótese ao Estoril: controlou completamente o jogo e o adversário, venceu por números que até são escassos para aquilo que se passou durante os noventa minutos, e ainda viu alargar-se a vantagem sobre o segundo classificado.

 

 

O onze mais habitual para defrontar um Estoril que, face a tudo o que se disse e escreveu durante esta semana, parecia ser um colosso do futebol mundial. Por vezes tinha que verificar que iríamos de facto defrontar o Estoril e não o Bayern, tal o agigantamento com que o nosso adversário foi pintado na comunicação social na antecipação a este jogo. Por mim, sempre considerei que o nosso maior adversário só poderíamos ser nós mesmos, porque um Benfica ao seu nível estaria sempre completamente fora do alcance do melhor Estoril que pudesse aparecer na Luz. E o Benfica fez os possíveis para que o seu trabalho fosse o mais fácil possível. Entrámos mais uma vez a todo o gás: logo na primeira jogada já o Lima falhava o golo na cara do guarda-redes. Ficou dado o mote, e aos quatro minutos foi o Gaitán a obrigar o guarda-redes a nova defesa apertada para canto. Mas na sequência do mesmo, marcado pelo Gaitán, o Luisão cabeceou de forma imparável para as redes. Obtida a vantagem, o meu receio era uma repetição de jogos anteriores, em que depois de estarmos em vantagem no marcador tirámos imediatamente o pé do acelerador para passarmos a gerir o resultado, por vezes até com toques de displicência. Não foi isso que aconteceu desta vez, pois o Benfica manteve-se concentrado, até porque o Estoril é uma equipa contra a qual não convém facilitar. Tem uma ideia de jogo bem definida e não abdica dela, apresentando-se na Luz sem especiais cautelas defensivas e a jogar de forma desinibida. O problema para eles é que neste momento é muito difícil marcar-nos golos. Toda a equipa defende e preenche os espaços quando não tem a bola (é impossível não reconhecer mérito do treinador quando vemos o trabalho defensivo de jogadores como o Gaitán, Rodrigo ou Markovic), pressiona bem e depois sai rapidamente para o ataque mal a recupera, especialmente quando a bola vai parar aos pés do Gaitán, Enzo ou Rodrigo. Aos dezanove minutos de jogo marcámos o segundo golo, um grande remate de primeira do Rodrigo no interior da área, após um cruzamento do Siqueira na esquerda, e apesar do muito tempo que ainda havia para jogar fiquei com muito poucas dúvidas sobre a vitória neste jogo. Fiquei com a clara sensação de que o Estoril teve a partir daí mais posse de bola do que o Benfica, mas foi uma posse quase inócua, já que não me consigo recordar de uma única oportunidade de golo do nosso adversário (nem sei se terá chegado a fazer um remate). Já o Benfica, por mais do que uma vez poderia ter ampliado o resultado.

 

 

No geral, e apesar de não termos marcado mais nenhum golo, até gostei mais de ver o Benfica no segundo tempo, porque geriu o jogo de forma muito confortável e segura. Permitimos menos posse de bola ao Estoril, e procurámos marcar o terceiro golo, que chegámos mesmo a conseguir, pelo Lima, a finalizar uma bonita jogada colectiva, mas infelizmente o golo acabou por ser (mal) anulado por fora-de-jogo. O Estoril foi mantido quase sempre bem longe da nossa baliza - teve, em todo o jogo, apenas uma oportunidade de golo, num livre do Evandro que desviou na barreira e levou a bola ainda a raspar no poste. Já o Benfica, mesmo sem forçar muito, teve ainda mais ocasiões para voltar a marcar para além do golo anulado. Em especial uma arrancada fantástica do Rodrigo, que merecia ter tido melhor sorte, mas depois de correr meio campo com a bola o seu remate foi defendido pelo guarda-redes. Todos os jogadores parecem estar cheios de confiança, e até chegámos a ver o Garay arrancar e desmarcar-se nas costas da defesa do Estoril, sendo desarmado no limite, quando poderia rematar para golo. Houve muitas esperanças tontas depositadas pelos nossos adversários neste jogo com o Estoril, mas a verdade é que o Estoril não teve qualquer hipótese hoje. Desta vez não houve um golo em fora-de-jogo, ou uma expulsão parva do Carlos Martins, ou um prémio extra no final do jogo. O Benfica jogou concentrado do princípio ao fim, e obteve o resultado que desejava sem sequer ter parecido necessário esforçar-se demasiado. Com este tipo de gestão de esforço eu só posso concordar.

 

 

Jogo praticamente perfeito da nossa dupla de centrais, em particular do Luisão, que está de facto num momento de forma fantástico. Em grande forma também continua o Gaitán, que hoje não marcou mas esteve nos dois golos (marcou o canto para o primeiro, que já tinha resultado de uma defesa a um remate seu, e desmarcou o Siqueira no lance do segundo). Gostei também muito do Rodrigo, que com a sua velocidade causou inúmeros problemas ao Estoril, e marcou um golo soberbo. O Lima continua a trabalhar muito, mas continua a mostrar falta de confiança na finalização. foi uma pena terem-lhe anulado aquele golo, porque de certeza que teria feito maravilhas pela sua confiança. Mas de uma forma geral praticamente todos os nossos jogadores estiveram bem neste jogo.

 

Quase cinquenta e sete mil espectadores na Luz neste fim de tarde proporcionaram um ambiente fantástico. Parece que finalmente o público da Luz começa a acordar e a juntar-se à onda vermelha, que nos jogos fora de casa já há algum tempo parece ser evidente. Quanto à equipa, foi digna deste ambiente e proporcionou-nos um dos jogos mais concentrados e confiantes desta época, a par dos jogos contra Porto e Sporting. Temos agora a conquista do título completamente ao nosso alcance, e se soubermos ser competentes e nos mantivermos concentrados neste objectivo, isso poderá ser uma realidade em breve.

por D`Arcy às 23:52 | link do post | comentar | ver comentários (33)
Sexta-feira, 07.03.14

Águas, Coluna e Eusébio

José Águas, Eusébio e Coluna são os três nomes mais míticos da minha “educação” benfiquista. Nascido no início dos anos setenta, ouvi vezes sem fim a narração dos grandes feitos do Benfica da década de sessenta. Os mais velhos da família passavam testemunho das grandes finais europeias, das conquistas, das jogadas, das goleadas… e na voz dos narradores, nascia a epicidade dos heróis. De entre todos, aquela “santíssima trindade” sobressaía. Os golos, a elegância, o jogo aéreo e a eficácia do Águas, o grande capitão das finais conquistadas; a excelência superior do “Rei”, do maior de todos, o Eusébio; e a força, o pulmão, a inteligência, a determinação e a liderança do Coluna. Estes três eram míticos para a História do Benfica e heroicos no imaginário de quem, sem nunca ter tido o privilégio de os ver jogar ao vivo, cria uma imagem sonhada e, como tal, mais vincada e duradoura. Aconteceu comigo e com milhões de outros benfiquistas que cresceram no benfiquismo, tendo como referência homens que julgamos eternos na medida em que se eternizam no nosso imaginário colectivo. Com o falecimento do Senhor Mário Coluna, deixámos de ter o último representante da tal trindade que, sendo maiores entre os maiores, percebiam que eram pequenos perante o Benfica. Repito que não vi o Coluna jogar, mas vi-o, ao vivo, ajoelhar, com humildade e agradecimento, perante a Águia de Ouro que o Benfica lhe ofereceu como reconhecimento do seu papel cimeiro na história do Clube. Ali, naquele momento, estava mais uma, a derradeira, lição de liderança e benfiquismo que o Senhor Coluna nos deu: ensinou-nos a ser humildes na gratidão ao Benfica.

 

_____

Artigo de opinião escrito e enviado para a redacção do jornal "O Benfica" no dia 04 de Março, para publicação na edição de 07/03/2014 do jornal "O Benfica".

 

[Se alguém quiser manifestar-me a sua opinião, pode fazê-lo para este endereço: tertuliabenfiquista@gmail.com]

por Pedro F. Ferreira às 08:51 | link do post
Domingo, 02.03.14

Feio

Mais uma vitória magra mas importante do Benfica, num jogo bastante feio de ver e que apesar de ter sido quase todo controlado pela nossa equipa me pareceu que teve períodos de 'q.b.' a mais do Benfica, o que nos poderia ter custado bastante caro.

 

 

Regresso do Benfica, esperado, ao onze mais habitual nos últimos tempos. Percebeu-se logo desde o início que não seria fácil jogar com grande velocidade, porque a relva, alta e molhada, travava bastante a bola. Mas o Benfica teve uma boa entrada do Benfica no jogo, rapidamente remetendo o Belenenses para junto da sua área. Foi interessante ver a forma como a equipa, apesar de jogar num teórico 4-4-2, conseguiu sempre uma superioridade numérica muito grande no meio campo, com o Gaitán e o Markovic sempre a fechar muito bem no meio, e ainda o Rodrigo ou o Lima a baixar também. A boa entrada do Benfica no jogo foi recompensada logo aos sete minutos, num lance em que todo o mérito vai para o Gaitán. Num lance individual fantástico, agarrou na bola ainda no nosso meio campo e arrancou por ali fora, deixando todos pelo caminho, para depois finalizar com um chapéu ao guarda-redes feito ainda bem de fora da área. Marcar cedo num jogo destes era o melhor que se podia pedir para o Benfica. Mas depois do golo o Benfica foi progressivamente adormecendo o jogo, jogando a uma velocidade cada vez mais reduzida, sobretudo quando o intervalo estava mais próximo. Mas o controlo do jogo foi praticamente total durante toda a primeira parte - nem sei se o Belenenses chegou a fazer um remate durante esse período, e quase só chegou perto da nossa baliza, sem perigo, através de livres despejados para a área.

 


No início da segunda parte o Benfica voltou a acelerar na procura de um segundo golo, que nos daria maior tranquilidade. Vimos os nossos jogadores a  conseguir ganhar frequentemente a linha de fundo e construímos algumas boas ocasiões para marcar (Gaitán, Rodrigo, Maxi, Garay) mas o golo não surgiu, e findo o primeiro quarto de hora o Benfica voltou a desacelerar. O Belenenses acreditou que seria possível conseguir alguma coisa do jogo e arriscou mais no ataque, mas continuou a ser inofensivo e o Oblak a ser pouco mais do que um espectador no jogo, com a bola a continuar a chegar perto da nossa baliza sobretudo através de livres despejados para a área. O Belenenses chegou mesmo a introduzir a bola na nossa baliza, mas o lance foi anulado por fora-de-jogo que não me pareceu existir, pelo menos ao jogador que fez o remate. Este lance pelo menos pareceu servir para despertar o Benfica, que voltou a empurrar o Belenenses para o seu meio campo, ainda que mantendo o ritmo de jogo irritantemente lento. Mais fáceis ficaram as coisas nos últimos dez minutos, quando o Belenenses ficou reduzido a dez. Apesar da diferença mínima no marcador, o Benfica controlou o jogo e o resultado à vontade, trocando a bola entre os seus jogadores com o Belenenses a fazer pouco mais do que correr atrás dela. Estivemos até próximos de alargar a vantagem, através do Salvio, mas o guarda-redes do Belém conseguiu defender com o pé.

 


O melhor do Benfica foi novamente o Gaitán. Está num excelente momento de forma, e voltou a demonstrar a sua qualidade no fantástico golo que marcou. Gostei também da dupla de centrais, do Enzo e do Maxi. O Fejsa conseguiu irritar-me com a quantidade excessiva de faltas que cometeu, algumas delas perfeitamente desnecessárias - felizmente foram quase todas cometidas na zona do meio campo.


Na altura em que termino de escrever isto fico a saber que aumentámos para nove pontos a vantagem sobre o Porto. São boas notícias. Mas temos manter os pés assentes na terra e preparar com muito cuidado a recepção ao Estoril. O Estoril é uma das boas equipas da Liga, e é a segunda equipa que mais pontos conquistou fora de casa (atrás de nós). Para além disso, o jogo será disputado antes de um jogo europeu com o Tottenham. Já sofremos dissabores antes de jogos europeus, e por mais que digam que o campeonato é o objectivo principal, a verdade é que desconfio que na cabeça dos jogadores a oportunidade de se exibirem para o mercado inglês possa pesar. Não podemos dar-nos ao luxo de perder a concentração.

por D`Arcy às 21:57 | link do post | comentar | ver comentários (15)

escribas

pesquisar neste blog

 

links

arquivos

recentes

tags

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com

Visitas




blogs SAPO

subscrever feeds