Desequilíbrio

Previa-se um jogo relativamente fácil para o Benfica, e as expectativas confirmaram-se. Foi um apuramento muito tranquilo para as meias-finais da Taça, perante um Leixões que não se deu por vencido e tentou ao máximo lutar com as armas que tem, mas o desequilíbrio de forças é demasiado grande. Foi de tal forma fácil o triunfo do Benfica que deu até para algum relaxamento excessivo na defesa, que ajudará a explicar os dois golos sofridos, e também para o André Almeida marcar um golo. E agora a crónica poderia ficar por aqui, porque se o André Almeida até marcou um golo então já nem seria necessário explicar muito mais.

 

 

O onze titular foi mexido q.b., com a troca do guarda-redes, centrais e alas, mantendo-se o resto da equipa. Em relação aos centrais, já o disse anteriormente, não vejo grande diferença de valor entre a dupla Lisandro/Jardel e aquela que tem jogado mais regularmente (a minha preferência pessoal continua a ser a dupla que jogou o ano passado, com o Lindelöf sobre a direita e o Jardel sobre a esquerda). Nas alas, provavelmente neste momento o Zivkovic estará até em melhor forma do que o Salvio, enquanto que o Carrillo parece estar finalmente a subir de produção. O Benfica entrou naturalmente dominador no jogo e a querer resolver cedo. A resistência do Leixões durou vinte e um minutos, altura em que um defesa aliviou um cruzamento do Semedo para a entrada da área, onde o Pizzi controlou a bola e rematou rasteiro para fazer o primeiro golo. Dez minutos depois, o momento alto do jogo, quando o André Almeida fez o seu primeiro golo oficial pelo Benfica. Foi uma tentativa de cruzamento da esquerda, o Mitroglou esticou o pé mas não conseguiu tocar na bola, e esta descreveu um arco para ir entrar junto ao poste oposto. Grande festa de toda a equipa, que estava bem ciente do significado daquele momento. Aos trinta e oito, terceiro golo e a goleada a começar a desenhar-se. Nova incursão do Semedo pela direita, cruzamento atrasado para o Mitroglou ver o seu remate interceptado por um defesa quase sobre a linha, e recarga de trivela do Jonas, da ângulo muito apertado. À beira do intervalo o Leixões reduziu numa jogada simples e bonita, em que após uma boa desmarcação a bola foi cruzada rasteira da direita para um finalização fácil do Porcellis quase de baliza aberta.

 

 

Sem nada a perder e motivado pelo golo, o Leixões veio para a segunda parte apostado em jogar de forma completamente aberta. Meritória a atitude do nosso adversário, mas isto naturalmente que tornava o cenário da goleada ainda mais provável. No Benfica, troca do Pizzi pelo André Horta. O Mitroglou logo no reinício parecia querer confirmar que seria uma noite difícil para conseguir meter a bola na baliza, já que cabeceou a bola à trave depois de um cruzamento do Jonas. Depois de na primeira parte terem alternado bastante de posição, na segunda o Zivkovic fixou-se definitivamente na direita enquanto que o Carrillo se fixou na esquerda. Lá na frente, o Mitroglou continuava a sua penosa relação com o golo, vendo o guarda-redes do Leixões fazer uma grande defesa a mais um remate seu, após um toque brilhante do Jonas. Acho que o próprio Jonas entendeu que o esforço do grego para chegar ao golo merecia ser recompensado, e por isso quando o Benfica beneficiou de um penálti a punir uma falta sobre o Zivkovic, a meia hora do final, entregou-lhe a bola para que fosse ele a marcá-lo. O que ele fez de forma decidida, e isso pareceu pôr um fim à má relação com a baliza esta noite. O Leixões ainda voltou a fazer mossa, sete minutos depois, marcando um segundo golo em mais um lance simples e bonito, em que a bola foi metida pelo centro da nossa defesa para uma desmarcação e mais uma vez o passe rasteiro para o centro deixou ao Porcellis a tarefa relativamente simples de empurrar a bola para a baliza, ainda que pressionado pelo Lisandro. Parece-me que com o Fejsa em campo talvez não tivesse sido permitidas tantas liberdades ali na cabeça da nossa área. Mas na direita o Zivkovic estava imparável e ia fazendo a cabeça em água ao lateral do Leixões, e o Mitroglou estava agora de pontaria afinada. Por isso passaram apenas quatro minutos até o Benfica repôr a vantagem de três golos. Depois de uma incursão pela direita e pela área dentro, o centro rasteiro do Zivkovic foi desviado por um defesa na direcção da própria baliza. O guarda-redes ainda conseguiu defender a bola, mas esta ficou à mercê do Mitroglou, que não perdoou. O jogo continuou muito aberto mas apenas nos instantes finais o marcador voltou a funcionar, novamente com um golo do Mitroglou, desta vez depois de uma boa iniciativa do Carrillo no lado oposto, que dentro da área ganhou a linha de fundo e fez o passe atrasado para o grego fuzilar a baliza.

 

 

O Mitroglou é obviamente a figura em maior destaque. Foi o jogador mais rematador da equipa, durante muito tempo pareceu que esta não ia ser a sua noite, mas acabou por conseguir um hat trick (dos verdadeiros). Outro grande destaque é o Zivkovic, que mais uma vez aproveitou a oportunidade concedida para mostrar as suas qualidades. Grande toque de bola, transporta-a sempre bem colada ao pé esquerdo, muita qualidade individual que é quase sempre colocada ao serviço do colectivo - tenta quase sempre assistir os colegas - e boa atitude na hora de defender. É um valor seguro deste plantel, e só vai melhorar. Melhorias no Carrillo, que já no jogo em Guimarães tinha mostrado. No 1x1 quando arranca com a bola consegue quase sempre ganhar a frente ao adversário, pena que ainda lhe pareça faltar confiança e muitas das vezes opte por parar o jogo e lateralizar ou jogar para trás. A assistência que fez é um bom exemplo daquilo que pode produzir. E por último, claro, destaque para o golo do André Almeida. Não sei se já o tinha referido.

 

Mais uma presença nas meias-finais, e mantemos em aberto a possibilidade de conquistar todos os troféus nacionais numa época. O adversário que nos separa do Jamor é o Estoril, numa eliminatória a disputar a duas mãos. Mas isso ainda está longe, a até lá temos vários outros compromissos importantes. A começar já pelo Tondela no domingo à tarde.

tags:
por D`Arcy às 00:50 | link do post | comentar