Inquestionável

A primeira final está ganha. Uma vitória inquestionável da nossa equipa esta noite deu-nos o segundo troféu da época, sendo que o a vantagem de dois golos se calhar até peca por escassa, já que o Rio Ave pode agradecer à inspiração do seu guarda-redes (e à má finalização dos nossos jogadores) o facto de ter conseguido manter-se no jogo até bem perto do final.

 

 

 

O Benfica entrou obviamente em campo com o mais forte onze disponível, no qual o Rúben Amorim ocupou a posição seis, pois o Fejsa continua lesionado. O treinador do Rio Ave tinha dito antes do jogo que sabia como e onde magoar o Benfica, e a estratégia dele talvez tenha sido tentar surpreender-nos com uma entrada forte e agressiva. E de certa forma conseguiu-o, pois o Rio Ave entrou muito bem no jogo e durante a fase inicial da partida foi a equipa mais perigosa. Exploraram bem o espaço nas costas da nossa defesa (em particular o nosso lado esquerdo) e os males só não foram maiores porque o Oblak, com uma grande defesa a um remate do isolado Pedro Santos, evitou o golo do Rio Ave logo aos cinco minutos. Aos poucos o Benfica foi assentando o seu jogo e empurrando o Rio Ave para trás, passando a ter cada vez mais bola e a levar o jogo a disputar-se maioritariamente no meio campo adversário. Os remates começaram a surgir, as ocasiões de perigo também, e o atrevimento inicial do Rio Ave acabou por esfumar-se, com o Benfica a terminar a primeira parte já claramente por cima no jogo. Foi já perto do intervalo que demos expressão no marcador a essa superioridade. No seguimento de um canto do Gaitán (depois de uma grande defesa do Ventura a um remate do Rodrigo, na conclusão de uma bonita jogada de ataque da nossa equipa), o Rúben ganhou a bola de cabeça no centro da área e enviou-a para o Rodrigo, que na zona do segundo poste a controlou e rematou rasteiro para o fundo das redes.

 

 

A segunda parte foi a continuação do final da primeira, mas de forma ainda mais evidente. O Rio Ave praticamente desapareceu do jogo, e o Oblak foi quase um espectador privilegiado. Só mesmo o desacerto dos nossos jogadores quer na finalização, quer na altura do último passe, aliados à inspiração do guarda-redes Ventura, foram mantendo alguma dose de incerteza no resultado. O Benfica, controlou e dominou o jogo como quis, e os meus nervos iam aumentando à medida que via o tempo passar e o segundo golo a não aparecer. Foi especialmente escandaloso o falhanço do Gaitán, que depois de uma bola recuperada pelo Maxi ainda no meio campo adversário viu-se isolado em frente ao guarda-redes, com todo o tempo e espaço para marcar, mas acabou por permitir que o seu remate fosse defendido pelo Ventura. Da parte do Rio Ave, já nem contra-ataques existiam, e qualquer iniciativa morria na melhor das hipóteses à entrada do nosso meio campo, quando não era logo perto da sua área. Foi preciso esperarmos até faltarem apenas doze minutos para os noventa para que acabassem quaisquer dúvidas sobre o vencedor. No melhor pano cai a nódoa, e depois da boa exibição que estava a fazer o guarda-redes do Rio Ave decidiu sair até bem longe da sua baliza para disputar uma bola aérea vinda de um livre do Enzo. Falhou a intercepção, e o Luisão, num cacho de jogadores, cabeceou para a baliza vazia. Antes do final até poderíamos ter ampliado a vantagem, mas o Lima falhou de forma incrível um golo quase feito, após passe do Rodrigo.

 

 

No geral gostei de toda a equipa e não tenho grandes destaques a fazer. Gostei que tivéssemos levado esta final muito a sério, que apresentássemos o onze mais forte, do empenho demonstrado por todos os jogadores (ver o Markovic, já a ganhar por 2-0, a correr como um louco para ajudar a recuperar a bola é um exemplo disso) e do ritmo que conseguimos impor na segunda parte, que me deixou com a sensação de que a equipa está bem fisicamente.

 

O Benfica soube fazer, ao longo destes anos, da Taça da Liga uma competição 'sua'. Cinco troféus em sete edições e apenas uma derrota sofrida atestam a nossa superioridade. Este ano conseguimos mesmo terminar a prova sem qualquer golo sofrido, o que é inédito. Por mais que outros desdenhem esta competição, eu gosto de a ganhar, e achava que a vitória hoje era fundamental. Porque temos mais duas finais para disputar e era importante manter a dinâmica de vitória e os jogadores confiantes e motivados. Agora temos uma semana para preparar a difícil final de Turim, onde as ausências de jogadores-chave se poderão fazer sentir. Pelo meio temos uma visita ao Porto para cumprir calendário, e agradou-me a possibilidade aventada pelo Jorge Jesus de utilizarmos jogadores da equipa B nesse jogo.

por D`Arcy às 01:53 | link do post | comentar