Natural

Um desfecho natural e justo. Venceu o jogo quem mais o quis vencer e a melhor equipa passou com (excessiva) facilidade a eliminatória. Entrámos no jogo praticamente a perder, ainda conseguimos encontrar o rumo durante algum tempo, mas o segundo golo (e o terceiro, de rajada) acabaram com quaisquer ilusões.

 

 

A estratégia do Benfica passava claramente por segurar a magra vantagem conquistada na primeira mão, como o atesta a presença do André Almeida nas escolhas inicias para jogar no meio campo (cuja principal contribuição para o jogo foi andar a fazer faltas, mas pelo menos elogie-se a extensa área de acção, já conseguiu andar a fazê-las por todo o campo, desde a entrada da área do Dortmund até à entrada da nossa área). Mas qualquer estratégia de gestão da vantagem começou a ruir muito cedo, com o golo madrugador do Dortmund. Na sequência de um canto, bola ganha ao primeiro poste e depois o Aubameyang antecipou-se ao Nélson Semedo no segundo poste para cabecear com sucesso. O Benfica revelou grandes dificuldades para conseguir sair a jogar durante a fase inicial do jogo, e apenas a partir do meio da primeira parte conseguiu assentar um pouco o seu jogo e começar a sair com a bola controlada. Conseguimos manter o Dortmund longe da nossa baliza, e até dispusemos de um par de ocasiões para rematar, mas fizemo-lo sempre com pouca convicção e na direcção do guarda-redes suíço do Dortmund. Enquanto o resultado se mantivesse na margem mínima a eliminatória estava em aberto, e por isso a postura de contenção e de calma do Benfica perante o jogo foi-se mantendo. E nos instantes iniciais da segunda parte até tivemos uma ocasião soberana para dar outro rumo à eliminatória, quando o Cervi aproveitou uma sobra para receber a bola completamente à vontade no interior da área, em posição frontal. Mas o argentino demorou demasiado tempo a executar o remate, e este foi interceptado por um defesa. Este lance foi na prática o canto do cisne do Benfica no jogo, porque não voltámos a criar qualquer ocasião no jogo. 

 

 

Depois, jogos como o da primeira mão não acontecem todos os dias. O nível de desperdício que o Dortmund revelou nesse jogo dificilmente se voltaria a repetir, o que aliás já se tinha verificado quando eles marcaram logo na primeira (e praticamente única) ocasião que construíram na primeira parte. E à segunda, voltaram a não perdoar. A bola andou demasiado tempo na zona frontal da nossa área sem que algum dos nossos jogadores saísse a pressionar, o Piszczek teve tempo para levantar a cabeça e decidir o que fazer, e numa segunda vaga (o Ederson já tinha conseguido evitar o golo numa saída rápida aos pés do Aubameyang instantes antes) um passe para as costas da nossa defesa deixou o Pulisic isolado para picar a bola à saída do nosso guarda-redes. E dois minutos depois, a estocada decisiva na eliminatória. Cruzamento da direita, sem levar muita força, mas o Luisão não atacou decisivamente a bola e deixou-a passar para o Aubameyang aparecer completamente sozinho no meio a empurrar com facilidade para a baliza. Com mais meia hora para jogar pareceu-me que já estava tudo decidido, porque não reconhecia ao Benfica capacidade para marcar os dois golos que seriam necessários para se colocar em vantagem, e aliás tinha a sensação que com o Benfica a fazer substituições e muito provavelmente a arriscar mais no ataque, muito provavelmente seria o Dortmund a voltar a marcar. Acabou por marcar mesmo, a cinco minutos do final, numa altura em que o Benfica já era uma balbúrdia táctica (jogávamos com três avançados, depois da entrada do Jiménez), metade da equipa já nem recuava e a maior parte das marcações eram mais feitas com os olhos. Marcou o Aubameyang, que assim completou o hat trick, apesar de estar em posição irregular. Nenhum dos nossos centrais conseguiu interceptar o passe rasteiro feito a partir da esquerda da nossa defesa, e ele limitou-se a aparecer ao segundo poste para empurrar para a baliza deserta.

 

Agora o mais importante será saber separar as águas e não deixar que esta pesada derrota tenha qualquer influência no próximo jogo para o campeonato. O jogo de hoje passou a ser passado assim que o árbitro apitou para o seu final. Se o Benfica tivesse passado, seria um feito brilhante. Assim imperou simplesmente a lei do mais forte. A prioridade desta época é a conquista do tetra, e por isso é fundamental que a nossa equipa consiga rapidamente limpar a cabeça e regressar às vitórias.

tags:
por D`Arcy às 22:59 | link do post | comentar