Passeio

Não foi das exibições mais conseguidas ou agradáveis do Benfica mas mesmo assim, perante o último classificado da liga, acabámos por construir mais uma goleada. E foi obtida de forma muito natural, quase em ritmo de passeio, ainda que tenha ficado com a sensação de que o resultado até acaba por ser generoso para aquilo que foi o jogo.

 

 

O grande handicap do Benfica para este jogo era, em princípio, a ausência do Renato Sanches, que tem sido um dos dínamos da equipa. Tendo em conta o que já tinha sido feito na recepção ao União da Madeira, não surpreendeu que a escolha para o substituir tenha voltado a ser o Talisca. A única meia surpresa foi a manutenção do Nélson Semedo na direita da defesa face à disponibilidade do André Almeida. O Benfica não teve uma entrada muito forte no jogo, pois pareceu abordá-lo com alguma calma (se calhar a ausência do Renato no meio campo dá logo essa ideia). O Tondela jogava com três homens bem abertos na frente e procurava pressionar logo a saída de bola do Benfica, que mostrava alguma lentidão nas transições para o ataque, com a bola a demorar demasiado tempo nos pés dos dois médios centro, e o Talisca a mostrar pouca precisão no passe. Mas esta equipa está com uma confiança muito alta e tem tido uma eficácia muito grande, conseguindo regularmente concretizar logo um golo nas primeiras ocasiões que consegue criar. E hoje isso voltou a acontecer, pois no primeiro remate digno desse nome que fizemos, com onze minutos decorridos, marcámos. Após um canto marcado pelo Gaitán na esquerda, o Jardel soltou-se da marcação e cabeceou para o golo. O Tondela procurou reagir a este golo - verdade seja dita que, não sei se por influência do golo madrugador, o Tondela nunca se remeteu exclusivamente à defesa e tentou sempre pressionar em todo o campo - mas o Benfica foi uma vez mais terrivelmente eficaz e aos vinte e quatro minutos voltava a marcar, na segunda oportunidade criada e depois de ter acelerado um bocadinho. Desta vez o golo foi resultado de uma jogada muito bonita (a mais bonita de todo o jogo, parece-me) em que a bola passou pelos pés de diversos jogadores, quase sempre ao primeiro toque, até ao passe atrasado do Gaitán para o interior da área, onde o inevitável Jonas finalizou com um remate rasteiro de pé esquerdo. Assim quase sem forçar muito, o Benfica apanhava-se com o jogo praticamente resolvido, e isso notou-se no resto da primeira parte, que foi morna e sem muitos mais motivos de interesse.

 

 

O jogo só não estava completamente resolvido porque o Tondela nunca baixou os braços nem desistiu de tentar voltar ao jogo. A pressão em todo o campo manteve-se na segunda parte, e a sensação que tinha era a de que o jogo estava num ponto em que podia cair para um de dois cenários: ou o Tondela reduzia, e aí o Benfica poderia sofrer um bocado, ou então o Benfica fazia o terceiro golo e arrumava definitivamente a questão. A primeira hipótese até foi a que esteve perto de acontecer primeiro, pois o Tondela fez a primeira ameaça na segunda parte com um remate por cima, e logo a seguir dispôs de uma ocasião muito boa para reduzir, mas o remate do seu jogador saiu muito ao lado quando estava em condições para fazer muito melhor. Faltava dinâmica ao nosso meio campo e cedo o nosso treinador fez uma alteração para corrigir isso, retirando o Talisca e colocando o Salvio, com o Pizzi a passar para o meio. Logo na primeira intervenção o argentino deu uma boa ocasião ao Mitroglou, mas a tentativa deste marcar de calcanhar não saiu bem. Logo a seguir, nova alteração, com a saída do Gaitán (pediu para sair, aparentemente tocado) e a entrada do Gonçalo Guedes. O nosso futebol agora tinha um pouco mais de velocidade e o jogo começou a pender nitidamente para a hipótese do terceiro golo que arrumaria a questão. Que surgiu aos sessenta e nove minutos, pelo inevitável Jonas, que no seguimento de um ressalto após um lançamento de linha lateral, com um cabeceamento sem muita força mas bem colocado colocou a bola fora do alcance do guarda-redes. A partir daqui a questão passou apenas a ser quantos golos mais conseguiríamos marcar, e apesar de mais algumas ocasiões a resposta foi apenas mais um, a três minutos do final, pelo Mitroglou. Um lance do mais simples que poderia haver, em que o Jardel fez um alívio desde a nossa defesa e a bola foi cair nas costas da defesa do Tondela, para depois o Mitroglou ganhar em velocidade aos adversários e marcar à saída do guarda-redes. Mas não gostei que tivesse tirado a camisola nos festejos, porque isso valeu-lhe o amarelo que completou a série de cinco e assim o deixou de fora do próximo jogo. Na última jogada do encontro, o Tondela conseguiu chegar ao golo de honra (que em abono da verdade, fez por merecer) depois do Pizzi perder uma bola no ataque quando a nossa equipa estava toda balanceada para tentar obter mais um golo, e depois fomos surpreendidos no contra-ataque.

 

 

Tenho alguma dificuldade em fazer destaques na exibição desta noite. O Gaitán somou duas assistências e mostrou mais empenho do que tem sido habitual nos últimos jogos. O Jonas marcou dois golos, mas até achei que à parte isso não foi dos jogos mais conseguidos dele. Acho que gostei do trabalho da dupla de centrais, mas foi pena o disparate que custou o amarelo ao Jardel que o retira também do próximo jogo, embora a culpa nesse lance seja repartida com o Fejsa. Mas o Fejsa voltou a mostrar ser um reforço muito importante para atacar a fase final da época.

 

Está ultrapassado o primeiro dos nove desafios até final. Confesso que apesar da diferença classificativa entre as duas equipas, até tinha algum receio deste jogo, por temer uma certa descompressão da equipa após vencer dois encontros decisivos. Mas a nossa equipa deu uma boa resposta e permitiu aos mais de cinquenta e um mil benfiquistas que numa noite de segunda-feira preencheram as bancadas da Luz criar um ambiente de entusiasmo quase permanente durante todo o jogo. Espero agora nova 'mini-Luz' no Bessa, para empurrar a nossa equipa e ajudá-la a superar mais um obstáculo no caminho para o desejado tricampeonato.

tags:
por D`Arcy às 02:48 | link do post | comentar