Regresso

 

Regresso à nova época exactamente no mesmo registo em que terminámos a anterior: a conquistar mais um troféu, com toda a naturalidade. A exemplo do futebol, também eu decidi fazer um defeso e ignorar completamente a pré-época. À falta de notícias, nos últimos anos passou-se a dar uma importância desmesurada a esta altura da época, e a tentar construir cenários e emitir opiniões quase definitivas sobre o que será toda uma época com base nestes treinos um pouquinho mais puxados. Já não tenho paciência para as opiniões dos 'especialistas' e para as previsões por eles feitas (agora só acredito no Nhaga) e estando ainda por cima vacinado com várias pré-épocas do Benfica classificadas de 'catastróficas' que depois resultaram em finais de época gloriosos, nesta altura opto por já nem sequer me dar ao trabalho de ver os jogos disputados em Julho. São 'jogos-treino', como se costumava chamar-lhes antes, e como tal não me merecem mais importância do que isso mesmo: um treino.

 

Quanto ao jogo desta noite, um mero regresso à normalidade. Sim, o Benfica perdeu três jogadores de valor (ou melhor, não perdeu, vendeu-os por um monte de dinheiro a clubes com maior poderio financeiro e que lhes podem proporcionar condições salariais com as quais não podemos competir) mas, embora ache que o Benfica fará bem em procurar soluções alternativas para essas posições caso a oportunidade apareça, não acho que estejamos em desespero de causa para contratar, porque as soluções imediatas existem dentro de casa e essas não implicarão necessariamente que a equipa abane demasiado. O André Almeida participou em todos os títulos do tetra e foi titular indiscutível no tricampeonato. O Jardel substituiu o Garay e foi também titular indiscutível no bicampeonato e no tricampeonato, perdendo esse estatuto a época passada devido às sucessivas lesões. E o Júlio César foi também o titular nesses dois campeonatos conquistados, perdendo a titularidade na fase final do segundo quando se lesionou e o Ederson agarrou a oportunidade. Não estamos a falar de uns jogadores quaisquer, sem experiência de Benfica, de campeonato nacional ou de serem campeões para que agora estejamos a traçar já cenários de desespero. 

 

Posto isto, o que esperava para esta noite foi o que aconteceu: com o fim das experiências de pré-época e o regresso a um onze mais rotinado, superioridade natural sobre o Vitória e conquista de mais um troféu. Uma entrada de rompante do Benfica, a pressionar o Vitória para junto da sua área, a conseguir por isso mesmo recuperar a maior parte das bolas ainda dentro do meio campo adversário e dois golos de rajada, aos sete pelo Jonas e aos onze pelo estreante Seferovic, a reflectirem essa grande entrada (para além do suíço, as outras 'novidades' no onze foram aqueles que substituíram os jogadores que foram vendidos: Varela na baliza, Jardel e André Almeida). Mesmo com dois golos de vantagem a superioridade do Benfica manteve-se ao longo de praticamente toda a primeira parte, ao ponto de achar que ao intervalo já o resultado do jogo deveria estar longe de qualquer tipo de discussão, tais foram as ocasiões flagrantes para o Benfica ampliar a vantagem. Mas já quase à saída para intervalo o Vitória conseguiu reduzir num golo literalmente caído do céu, porque até então nada tinha feito para o justificar, e assim reentrou na discussão pelo resultado. Na segunda parte o Vitória conseguiu estar melhor do que na primeira e disputou o jogo praticamente de igual para igual com o Benfica, dispondo mesmo de ocasiões para empatar e conseguindo durante certas ocasiões algum domínio territorial que nunca tinha sequer cheirado durante a primeira parte, mas com o Benfica também a dispor de ocasiões para fazer o terceiro e sentenciar de vez o encontro. O que acabou por acontecer a sete minutos do final, num bonito golo do recém-entrado Jiménez, que finalizou com um remate de primeira e em arco um passe do inevitável Pizzi. Pizzi que, diga-se, foi indiscutivelmente o homem do jogo, uma vez mais a mostrar (se por acaso a época anterior ainda não tiver sido prova suficiente disso) o quão fundamental é no futebol do Benfica.

 

Está feito, o Museu Cosme Damião vai ter que arranjar espaço para mais uma taça, e pode ser que pelo menos durante um par de dias possamos descansar e deixar de ouvir falar sobre as catástrofes que nos esperam para esta época, as conquistas que os nossos adversários já praticamente garantiram, e os camiões de jogadores que o Benfica terá obrigatoriamente que contratar se quiser ter a esperança de pelo menos lutar pelo acesso a um lugar europeu. Uma nota final para o vídeo-árbitro (vulgo 'verdade desportiva'), que pela segunda vez não conseguiu cumprir as enormes expectativas em si depositadas pelos nossos adversários, sendo incapaz de impedir que o Benfica conquistasse mais um troféu. Se esta tendência continuar, prevejo uma inversão radical no discurso deles, e uma rápida passagem do vídeo-árbitro de 'verdade desportiva' a vilão da época.

tags:
por D`Arcy às 02:27 | link do post | comentar