Resposta

Para desilusão de muito boa gente o Benfica não se deixou abalar pelo pesado desaire em Dortmund para a Champions. A resposta foi uma goleada ao Belenenses, obtida de forma tranquila e sem que a equipa tenha parecido sequer esforçar-se muito. E assim o Porto foi obrigado a entregar a 'liderança' que tinha conquistado há uns dias - o Porto agora conquista sempre a 'liderança' quando joga antes do Benfica, ignorando-se quase sempre a parte do 'à condição'. Nem que seja por um par de horas, parece ser muito importante designar sempre que possível o Porto como 'líder' e reafirmar até à exaustão o quanto o Benfica está 'sob pressão'.

 

 

Uma surpresa no onze inicial, com a ausência à última da hora do Nélson Semedo. Tem sido um dos jogadores mais influentes esta época, mas no final do jogo não teríamos motivo de queixas do André Almeida, que foi quem naturalmente o substituiu. De resto foi o onze esperado, ainda com o Fejsa ausente. A entrada do Benfica no jogo foi agradável. A pressionar alto, remetendo o Belenenses à defesa e recuperando rapidamente a bola ainda no meio campo adversário. E a recompensa chegou cedo, logo aos doze minutos, resultando precisamente da postura mais agressiva dos nossos jogadores em campo. Um passe longo do Pizzi para as costas da defesa adversária parecia perdido, mas o André Almeida acreditou e acabou por conseguir aproveitar um erro grosseiro do Miguel Rosa, que com o peito tentou atrasar a bola para o seu guarda-redes e deixou simplesmente a bola à mercê do André para uma finalização simples. Parecia que estava tudo encaminhado para um jogo tranquilo, mas depois do golo deu a ideia de ter desligado. Imediatamente abrandou o ritmo e a pressão, parecendo mais interessada em manter a posse da bola e jogar pelo seguro. Havia pouca dinâmica na equipa em geral, com poucos jogadores a acompanhar o portador da bola para lhe proporcionar soluções de passe. De uma forma simples, quem tinha a bola corria com ela enquanto que o resto da equipa ficava a olhar. Isso era particularmente visível sempre que alguém tentava sair para o contra-ataque, porque em quase todas essas situações, a bola acabava por ser passada para trás até chegar aos pés dos centrais, para depois se dar início a um ataque organizado em que quase não havia progressão - em certas alturas isto tornou-se tão evidente que testou mesmo a paciência dos quase cinquenta e quatro mil espectadores que se deslocaram à Luz. Até porque o Belenenses não conseguia dar qualquer tipo de resposta, pelo que assistíamos a um jogo em que o Benfica tinha uma posse de bola esmagadora mas quase nada acontecia.

 

 

O Belenenses veio para a segunda parte um pouco mais atrevido, e já sabemos que quando uma equipa arrisca abrir mais na Luz normalmente o Benfica sabe aproveitar. O jogo recomeçou de forma visivelmente mais interessante do que aquilo que tinha sido durante mais de metade da primeira parte, com oportunidades a surgir para ambas as equipas. O primeiro grande aviso veio da parte do Belenenses, quando seis minutos após o reinício um grande remate de fora da área do Miguel Rosa levou a bola ao poste da nossa baliza. Praticamente na resposta, o Benfica fez o segundo golo. Na conclusão de uma transição rápida o Salvio deixou a bola num passe atrasado para o Mitroglou e de primeira, de fora da área, o grego colocou a bola sem hipóteses de defesa para o guarda-redes, que se limitou a seguir a bola com os olhos. O Belenenses respondeu com mais uma boa ocasião, na qual o Maurides cabeceou ao lado quando estava em óptima posição, mas aos sessenta minutos o Benfica matou de vez o jogo, com mais um remate de fora da área. Desta vez foi o Salvio quem recebeu um passe do Zivkovic e depois rematou rasteiro e colocadíssimo, levando a bola a entrar bem junto da base do poste e fora do alcance da estirada do guarda-redes. A partir deste terceiro golo o jogo abriu ainda mais, e um goleada do Benfica começou a ganhar contornos bem mais reais. O quarto golo, aliás, era quase uma inevitabilidade, e só não aconteceu antes porque o Jonas, depois de se isolar, pareceu querer oferecer o golo ao Mitroglou e a ocasião perdeu-se. Novamente o Jonas, num remate de primeira após um canto marcado para a entrada da área, esteve perto de marcar. E o Belenenses continuava a tentar responder e também criava situações para marcar, tendo numa delas obrigado o Ederson a uma boa defesa, e noutra visto o André Almeida impedir o desvio para a baliza depois da bola já ter passado pelo Ederson. Só que em cada contra-ataque o Benfica deixava a ideia de poder voltar a marcar, desperdiçando até várias jogadas por, na minha opinião, as adornar em demasia com mais um toque em habilidade, mais um passe difícil, ou parecer que queriam entrar com a bola pela baliza dentro. Mas já no período de descontos o Jonas obteve mesmo o golo que já merecia, depois de ficar isolado na área por um passe da esquerda do Mitroglou. Foi talvez uma punição demasiado severa para o Belenenses, mas a vitória do Benfica não merece qualquer contestação.

 

 

O André Almeida foi mesmo um dos melhores esta noite, destacando-se sobretudo da apatia geral durante quase toda a primeira parte. Não só pelo golo, mas também pelo envolvimento ofensivo, com vários cruzamentos de muito boa qualidade que mereciam melhor aproveitamento. O Luisão também esteve a um bom nível, e o Salvio deve ter feito o seu melhor jogo dos últimos três meses (pelo menos). Bastou para isso que levantasse a cabeça e jogasse com os colegas. O Mitroglou e o Jonas fizeram sobretudo uma boa segunda parte, mas o Jonas em particular não sabe jogar mal. Vários pormenores de classe, e hoje pareceu estar mais solto do que nos últimos jogos. Espero que tenha debelado de vez os problemas físicos. O Samaris não é o Fejsa, isso estamos fartos de saber, mas o principal problema são os inúmeros passes falhados. Sobretudo quando são passes de risco, e isso aconteceu diversas vezes hoje.

 

De volta à realidade nacional, o Benfica fez o que lhe competia. Impôs a sua superioridade sobre o adversário, venceu com relativa tranquilidade, respondeu à goleada do adversário directo com uma goleada igual e manteve a liderança do campeonato (sim, manteve porque nunca a perdeu). É mais uma etapa ultrapassada, e há que continuar neste registo.

tags:
por D`Arcy às 01:05 | link do post | comentar