Susto

Deixámos meia dúzia de titulares de fora, mas apresentámos uma equipa que era mais do que suficientemente forte para resolver este jogo sem grandes problemas. Mas apesar de termos controlado completamente o encontro durante 99% do tempo, ainda assim não nos livrámos de um pequeno susto e fomos obrigados a sofrer um pouco para vencer no tempo regulamentar.

 

 

O jogo começou com o Talisca isolado na cara do guarda-redes antes dos quinze segundos de jogo, a permitir a defesa deste. Foi o mote para que ele se tornasse uma das figuras do jogo, com várias defesas que contribuiram decisivamente para que o Benfica não avolumasse o resultado. Este lance não foi no entanto mote algum para o jogo do Benfica durante a primeira parte. De uma forma geral, e apesar do já referido controlo total do jogo (nem um remate do adversário) o nosso futebol foi lento, teve uma intensidade demasiado baixa e não criámos muitas ocasiões de golo. Salvou-se como momento alto o grande golo do Carcela aos trinta e oito minutos (até aí não tinha feito nada), num remate de primeira que levou a bola ao ângulo. No segundo tempo entrámos decididos a resolver o assunto, e nos primeiros minutos tivemos diversas ocasiões para o fazer - amais flagrante uma bola ao poste pelo Mitroglou - mas o desperdício e o guarda-redes do Vianense foram mantendo a diferença mínima no marcador. Como quem desperdiça muito corre sempre riscos, arrisca-se, foi isso mesmo que aconteceu. A quinze minutos do final o Vianense fez finalmente uma espécie de remate à baliza, e cinco minutos depois rematou mesmo a sério e saiu um golão. Um remate de muito longe levou a bola a entrar junto ao ângulo, sem hipóteses de defesa, e empatou o jogo. Animou-se o Vianense e voltou a rematar mais uma vez de longe com perigo, com a bola a passar muito perto depois de uma grande defesa do Júlio César. Só a um minuto do final é que o Jardel, na sequência de um canto marcado pelo Pizzi, nos deu a vitória e livrou-nos de meia hora extra de esforço.

 

Alguns dos jogadores chamados hoje à titularidade estiveram abaixo das expectativas. Não gostei do Pizzi ou do Talisca, por exemplo. O Sílvio parece ainda estar longe da melhor forma e enquanto isso acontecer vamos ter saudades do Nélson Semedo. O Carcela fez um primeira parte quase nula, mas o golo fez-lhe bem e na segunda parte melhorou. Importante mesmo acaba por ser a vitória e a passagem à eliminatória seguinte da Taça. E tendo em conta aquilo que vi, não me parece que os nossos jogadores tenham ficado particularmente cansados para o próximo compromisso da Champions.

tags:
por D`Arcy às 00:52 | link do post | comentar