Susto

Conseguimos os importantíssimos três pontos, mas a exibição na segunda parte foi paupérrima e não ganhámos para o susto, já que o jogo poderia ter terminado com um enorme balde de água fria depois de um erro individual grosseiro. Quando deixamos uma vantagem mínima no marcador arrastar-se até final, estamos sempre sujeitos a este tipo de sobressaltos.

 

 

O Benfica voltou ao onze mais próximo do habitual, com a novidade do Nélson Semedo na direita da defesa. O Gaitán e o Mitroglou recuperaram das lesões que os tinham afastado do jogo com o Bayern, e foram titulares. O início do jogo foi desastroso, já que concedemos um golo logo na primeira jogada, com catorze segundos decorridos. A bola entrou pela esquerda da nossa defesa, e o cruzamento foi finalizado com grande facilidade por um adversário bem no centro da área. Não sei se foi simplesmente infelicidade, ou falta de concentração, porque a verdade é que já com o Braga só não sofremos um golo assim porque a bola foi ao poste. A reacção da equipa (e das quase 55.000 pessoas que preencheram as bancada, diga-se) foi no entanto a melhor possível, e nos minutos que se seguiram assistiu-se a um verdadeiro vendaval ofensivo por parte do Benfica. O assalto à baliza do Setúbal foi constante, e só a noite inspirada do seu guarda-redes, aliada a alguma falta de pontaria dos nossos jogadores, ia adiando o empate. Ainda sofremos mais um grande susto, pois na segunda vez que o Setúbal foi à nossa área esteve muito perto de voltar a marcar. Mas face ao que se passava em campo, o golo do empate parecia uma inevitabilidade, o que acabou por se confirmar aos dezanove minutos. Inevitavelmente, pelo pé do Jonas, que apareceu à boca da baliza para concretizar um cruzamento do Eliseu, que sofreu um ligeiro desvio de cabeça do Gaitán. E logo a seguir, o segundo golo esteve muito perto de aconter, mas o remate do Fejsa embateu num defesa. Mas não foi preciso esperar muito mais: aos vinte e quatro minutos estava concretizada a reviravolta no marcador, numa cabeçada do Jardel após canto do Gaitán na esquerda, mais um de vários que o Benfica já tinha conquistado. Depois de obtida a vantagem o Benfica tirou um pouco o pé do acelerador, mas continuou a controlar perfeitamente o jogo, dispondo ainda antes do intervalo de uma oportunidade soberana para ganhar uma vantagem mais confortável. Mas depois de ficar completamente isolado por um grande passe do Fejsa, o Pizzi quis finalizar de forma artística com um chapéu ao guarda-redes e a bola foi cortada por um defesa do Setúbal sobre a linha.

 

 

O desacelerar do Benfica ainda na primeira parte já me deixava algo desconfiado e nada tranquilo para a segunda, porque achava que seria muito importante conseguirmos o golo da tranquilidade. Mas nada me poderia fazer prever aquilo que de facto jogámos neste período. Acredito que pode ter sido alguma consequência do cansaço, que fez com que a equipa já não conseguisse voltar a acelerar depois de ter relaxado um pouco a seguir ao golo da vantagem, mas aquilo que vi foi provavelmente o pior futebol do Benfica no Estádio da Luz, incluindo os jogos do início desta época. É que não tenho praticamente nada de positivo para dizer, porque a diferença para a primeira parte foi como do dia para a noite. Na primeira parte devemos ter tido mais de 70% de posse de bola, enquanto que na segunda parte na maioria das vezes mal conseguíamos passar da linha do meio campo com a bola controlada. A quantidade de passes errados e entregas de bola ao adversário foi simplesmente aberrante. Não houve velocidade no nosso jogo, aliás, não houve sequer jogo como equipa, foi tudo aos repelões, com vários pontapés para a frente - e muitas das vezes nem sequer os chutões para a frente saíam bem, e em vez disso saíam roscas sem direcção, que ou mandavam a bola directamente para fora, ou a faziam subir para cair quase no mesmo sítio. A nossa equipa, mais do que cansada, parecia estranhamente nervosa. Criámos talvez duas ocasiões dignas desse nome, uma do Fejsa num pontapé de canto, e outra do Mitroglou, que cabeceou torto e para fora quando tinha tudo para fazer melhor. Perante tão pouco acerto da nossa parte, o Setúbal começou a acreditar e foi subindo no terreno, o que ainda aumentou mais o nervosismo dos nossos jogadores e consequentemente a quantidade de asneiras cometidas. Perante um Benfica irreconhecível, valeu-nos no entanto o apoio quase constante das bancadas, que nos momentos de menor acerto tudo fizeram para motivar a equipa. E nos minutos finais até parecemos ganhar um pouco mais de compostura e segurar melhor o jogo - ainda que o Setúbal, mesmo nos nossos piores momentos, não tenha conseguido criar ocasiões de golo em número suficiente para causar grande nervosismo em relação ao resultado. Mas quando chegamos tão perto do final com uma vantagem tão magra, é natural temer-se algum azar. Que esteve muito, muito perto de acontecer. Exemplificando perfeitamente a segunda parte desastrada de toda a equipa, o Pizzi, já em período de descontos, fez um passe para trás perfeitamente escusado e disparatado, que deixou isolado um adversário. Valeu-nos a atenção e rapidez do Ederson, que saiu da baliza e no limite da área conseguiu, com o pé, cortar a bola. Esta seguiu para os pés de outro jogador do Setúbal, que de muito longe não conseguiu acertar com a baliza.

 

 

Como o que fica é sobretudo a péssima imagem da segunda parte, é difícil fazer destaques, mas para escolher alguém terão que ser os dois centrais, e em especial o Lindelöf, que me pareceu dos mais esclarecidos da nossa equipa na segunda parte. E também o Ederson, que fez uma defesa absolutamente decisiva. O Jonas foi deixando pinceladas de classe ao longo do jogo e marcou o seu golo, mas esteve menos inspirado do que o habitual. No polo oposto, o Pizzi e o Eliseu fizeram um jogo muito abaixo daquilo que é exigível. O facto de estar a destacar os centrais e o guarda-redes num jogo em casa contra o Setúbal, que apenas venceu um jogo na segunda volta, diz bastante sobre a qualidade do nosso futebol esta noite.

 

O Benfica fez o suficiente para vencer este jogo, mas estamos habituados a mais e melhor. Às vezes o suficiente não chega, e hoje esteve muito perto de não chegar. Estamos na fase decisiva deste campeonato, faltam apenas quatro jogos, e precisamos de dar o máximo em todos eles. A satisfação que sinto neste momento é por ver passada mais uma etapa no caminho até ao objectivo que todos desejamos. Mas vai ser necessário  fazer melhor do que aquilo que fizemos hoje para que consigamos chegar ao final desejado.

tags:
por D`Arcy às 02:26 | link do post | comentar