Um

Num jogo em que tivemos que ultrapassar dificuldades acrescidas, acabámos por voltar a dar a melhor resposta, e vencemos mais uma das finais que nos separam da vitória final.Não foi fácil, como não tem sido nenhuma das vitórias que temos conquistado nos últimos tempos. Mas apesar da contrariedade de nos vermos reduzidos a dez elementos ainda com o resultado em branco e muito tempo para jogar (lá continuam a teimar em dar cabo das estatísticas ao javali) este jogo até acabou por ser consideravelmente mais tranquilo do que os últimos, e os números da nossa vitória até acabam por ser escassos para a superioridade que mostrámos em campo.

 

 

Onze inicial sem qualquer surpresa, onde o Carcela ocupou a vaga do Gaitán. O início de jogo foi, um pouco a exemplo do que tem acontecido mais recentemente, morno. Até demasiadamente morno para o nosso gosto, com o Benfica a não parecer ter grande pressa em ir à procura do golo. O Marítimo, ao contrário daquilo que têm feito os nossos últimos adversários, apesar de apostar numa táctica defensiva não entrou a apostar em estratégias sujas de anti-jogo, mas o Benfica jogava a um ritmo demasiado pausado conseguir desorganizar a defesa adversária. Durante quase metade do primeiro tempo, praticamente não se viu um remate ou mesmo uma jogada particularmente perigosa da nossa parte. Só a partir dos vinte e cinco minutos é que o Benfica, de repente, acelerou e começou a ameaçar seriamente a baliza do Marítimo, em particular pelo Jonas, que numa iniciativa individual atirou uma bola ao ferro, e pouco depois viu o guarda-redes Salin negar-lhe o golo com uma grande defesa a um cabeceamento seu. Agora sim, o Benfica estava completamente por cima no jogo e instalava-se definitivamente no meio campo adversário, parecendo que o golo seria apenas uma questão de pouco tempo até acontecer. Mas aos trinta e sete minutos sofremos um duro golpe, quando o Renato Sanches cometeu uma falta perfeitamente desnecessária que lhe valeu o segundo amarelo e consequente expulsão - tinha visto o primeiro quando o árbitro considerou que tinha simulado uma grande penalidade. Independentemente da justeza ou não desse primeiro amarelo, sabendo que o tinha não poderia ter sido imprudente ao ponto de fazer aquela segunda falta. Esta expulsão fez obviamente o Benfica abanar e interrompeu o período de maior fulgor do Benfica, que só em cima do intervalo voltou a ter uma ocasião de algum perigo, quando o Mitroglou rematou um pouco ao lado da baliza.

 

 

Com a expulsão o Benfica reorganizou-se deslocando o Pizzi mais para o centro e recuando o Jonas, que fazia a ligação entre o meio campo e o ataque, mas acabava por aparecer mais vezes a jogar como um verdadeiro médio do que como avançado. Abdicámos muito do jogo pelas alas, que ficaram praticamente entregues aos nossos laterais, mas achei que o nosso jogo até melhorou com este novo desenho táctico. Verdade seja dita que o Renato Sanches estava mais uma vez a ter um jogo pouco conseguido, e com esta forma de jogar passámos a ter uma presença mais forte no centro do campo, onde até então o Marítimo pareceu quase sempre ter superioridade numérica. E quando marcámos logo no início da segunda parte, senti que só muito dificilmente deixaríamos fugir a vitória. O golo surgiu num corte defeituoso de um jogador do Marítimo, que na tentativa de desarmar o André almeida acabou por colocar a bola nos pés do Mitroglou. Já no interior da área, e em frente ao guarda-redes, o grego finalizou de primeira com toda a frieza. Com vantagem no marcador, controlámos o jogo com aparente facilidade, pois nunca o Marítimo conseguiu ameaçar a nossa baliza ou mostrou capacidade para fazer perigar a nossa vitória. Aliás, a forma solidária como a equipa jogou fez com que nem se notasse que estávamos em inferioridade numérica. Conforme escrevi no início, o resultado final até peca por escasso, porque o Benfica poderia ter chegado ao golo da tranquilidade bem antes - incrível a forma como o Pizzi conseguiu acertar no guarda-redes quando este já estava no chão, após defesa a um grande remate do Jonas. O nosso treinador esteve muito bem nas substituições, e todos os jogadores que entraram (Talisca, Samaris e Jiménez) fizeram-no bem e acrescentaram qualidade ao nosso jogo. A oito minutos dos noventa (e não do final do jogo, porque houve dez minutos de tempo acrescentado) o Talisca arrumou de vez com a questão, num livre directo a punir uma falta sobre o Samaris, e antes do final ainda houve tempo para enviar nova bola aos ferros da baliza, desta vez pelo Jiménez.

 

 

Para mim os destaques individuais continuam a ser os do costume nestas últimas semanas - ainda que o destaque maior seja mesmo a equipa num todo. Só uma equipa muito solidária pode fazer das fraquezas forças e conseguir jogar ainda melhor em inferioridade numérica, com essa mesma inferioridade a passar quase despercebida. Fejsa mais uma vez a ser um monstro no nosso meio campo, sendo isto ainda mais evidente perante o apagamento do Renato Sanches. O Lindelöf é um pêndulo no centro da defesa que raramente comete um erro. O Jonas fez um belíssimo jogo, em que trabalhou imenso e só lhe ficou a faltar um golo, que bem fez por merecer. O Pizzi subiu de produção quando passou para terrenos mais interiores, e o Samaris entrou muito bem no jogo.

 

E agora falta um. Jogo a jogo, final a final, temos vindo a dar os passos necessários para nos levar ao objectivo final, o do tricampeonato. Mas falta mesmo esse um. Nada está ganho, e não podemos entrar em euforias antes de tempo. Mas tendo em conta a mentalidade desta nossa equipa, a união que exibem e a seriedade com que abordam cada jogo, cada adversário, cada passo desta longa caminhada, não tenho especial receio que isso aconteça. No próximo fim-de-semana vamos encher a Luz, e tentar ajudar a nossa equipa a dar esse passo que ainda falta.

tags:
por D`Arcy às 02:44 | link do post | comentar