Zero

É a única palavra que me vem constantemente à cabeça para descrever aquilo que o Benfica joga hoje em dia. Zero. Nadinha. Mandamos onze jogadores para dentro do campo, e depois pode ser que saia alguma jogada, ou alguma iniciativa individual. Porque em termos de equipa, nada me parece trabalhado nem vejo evolução por mais boa vontade que eu queira ter e por mais tempo que eu queira dar. Lamento, faço o que posso, mas simplesmente não consigo ver. A nossa equipa hoje em dia é uma manta de retalhos sem rei nem roque, que ataca mal e defende ainda pior e que vê cartões estúpidos numa série de jogos - hoje conseguimos ter dois jogadores expulsos por palavras (um deles no banco) - o que se calhar revelará alguma coisa acerca do estado de espírito actual do plantel.

 

 

Hoje até começámos da melhor maneira possível, com um golo no primeiro remate que fizemos, pelo Mitroglou logo aos seis minutos. Mas a mentalidade pequena não deu para mais, fomos recuando progressivamente no terreno, a partir do final do primeiro quarto de hora já o factor choque do golo a abrir tinha sido esbanjado, e como a equipa não sabe defender acabou por conceder um golo que só posso apelidar de anedótico no período de descontos antes do intervalo (quando o intervalo chegou, esse tal primeiro remate que fizemos e que deu golo continuava a manter-se teimosamente como o único remate feito). Depois pareceu que jogámos sobretudo a pensar no prolongamento, e a seguir a isso a pensar nos penáltis. Deu para o torto, sofremos mais um golo a oito minutos do final do prolongamento e acabou-se. E sim, o Jorge Sousa é um escroque, mas isso não é de hoje, é de sempre, e se calhar em vez de estarmos a fazer barulho agora deveríamos era não ter ficado a dormir no início da época enquanto os outros davam a golpada do Proença na Liga. Depois disso acontecer, tudo isto era previsível. Agora é chorar sobre leite derramado.

 

Para que conste, eu sou benfiquista e não um adepto do Jorge Jesus. A partir do momento em que ele é posto a andar do Benfica, é passado e assunto arrumado; estou-me positivamente nas tintas para ele. O meu problema, já o disse e volto a dizer, nunca foi dispensarem os serviços do Jorge Jesus. O meu problema foi sempre a escolha feita para o substituir. Era um ponto fulcral: era fundamental acertar na escolha. E na minha opinião, falhámos. Tenho a certeza de que o Rui Vitória tem o seu valor e as suas competências, mas sinceramente nunca o consegui ver como a pessoa certa para o lugar que ocupa. E quem me conhece sabe bem que esta já era a minha opinião muito antes de algum benfiquista sonhar sequer com a possibilidade de se trocar de treinador. Tendo em conta o futebol que sempre vi nas equipas por si orientadas, não acreditava que ele fosse o treinador certo para trazer sucesso ao clube. Infelizmente, e pelo menos até agora, ainda não consegui mudar de opinião. Eu não culpo o Rui Vitória pelo que se está a passar; ele faz o melhor que sabe e pode. Para mim a culpa é de quem o escolheu - e a culpa não mora apenas nessa escolha, porque houve ainda mais erros a acumularem-se, nomeadamente na construção do plantel. Mas pronto, o que eu mais desejo é estar espectacularmente errado e que no final da época venham aqui gozar comigo e acusarem-me de não perceber absolutamente nada sobre futebol depois dos títulos que conseguirmos conquistar. Acreditem que poucas coisas me darão tanto prazer.

 

Por agora, para julgar tenho apenas os números daquilo que foi feito até agora. E esses dizem-me que em quatro meses conseguimos acumular tantas derrotas frente aos patetas do Lumiar quantas aquelas que tínhamos averbado nas últimas oito épocas juntas. E pelo caminho, já perdemos dois troféus. Pode ser apenas coincidência, ou um indicador de que alguma coisa está errada. Ou então, se calhar, só é preciso ter paciência e dar mais tempo.

tags:
por D`Arcy às 10:34 | link do post | comentar