VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Terça-feira, 2 de Fevereiro de 2010

O Olimpo Vermelho #1

 O jogo pelas vítimas do Haiti trouxe ao relvado da Luz algumas velhas glórias do nosso clube. Vimos o Chalana, o Shéu, o Poborsky e muitas outras caras importantes da nossa história. Por que é que venho falar disto hoje? Já o outro dizia que há certas coisas para as quais todos os pretextos são bons - e eu sirvo-me desse desfile de craques para abrir uma pequena rubrica aqui no blogue. Tem o propositadamente pomposo título Olimpo Vermelho. A ideia é falar dos meus jogadores preferidos do Benfica - falar com a alegria própria das melhores fintas daqueles que, pela sua grandeza, tornam ainda mais pequenas as já por si rasteiras ocorrências do mundo do futebol português. Antes de avançar para o primeiro texto do Olimpo Vermelho tenho de dizer que as glórias de que venho falar não são tão velhas assim: os meus menos de vinte anos de idade não permitem ir muito longe. Se outros escribas tiverem vontade de partilhar a sua mitologia benfiquista pessoal, força nisso.

  Tenho de começar pelo jogador que desde cedo se tornou o meu ídolo nas quatro linhas. Falar doutro seria trair os olhos puramente maravilhados da meninice - e já se sabe que não existe coisa mais criminosa do que essa. Venho falar daquele que, mais do que qualquer outro, possuía o raro dom da elegância; aquele que tratava a bola com mais fineza e que erguia a cabeça com uma classe diferente; aquele que conseguia o prodígio de transformar o mascar da pastilha num gesto poético e o igualmente espantoso acontecimento de me fazer escrever esta frase sem a apagar de imediato. Venho falar do Rui Costa. Ele é o número um pela virtude do amor à camisola, por aqueles passes que multiplicavam as possibilidades do jogo, por me ter ensinado formas puras do espanto. Guardo a camisola da Fiorentina que comprei quando fui a Florença muito miúdo e que tem o nome e o número dele nas costas: guardo-a como quem guarda a memória da minha grande e infantil esperança em vir a ser um nº10 como ele. É verdade que não me lembro de o ver jogar antes de ir para Itália mas é ainda mais que não me esqueço do seu regresso. O anúncio da chegada, a segunda época, o jogo da despedida, a altura do seu benfiquismo. Podemos não ter ganho nada - mas quase que juro que as nossas camisolas ficaram mais vermelhas desde então. E é esse é o maior elogio que quem joga no Benfica pode receber.

publicado por Simão às 22:21
link do post | comentar
16 comentários:
De Entra e Imagina a 3 de Fevereiro de 2010 às 00:13
Para mim pelo jogador que foi, mas essencialmente pelo Benfiquista e pessoa que é (por esta ordem) o Rui Costa é absulamente fantástico!!
De Dylan a 3 de Fevereiro de 2010 às 00:18
Jonas Magnus Thern - A força escandinava
Isaías Marques Soares - A pujança física
Valdo Cândido de Oliveira Filho - O requinte técnico
Mats Ture Magnusson - A eficácia
Ricardo Gomes Raymundo - A subtileza
José Carlos Nepomuceno Mozer - A raça e o querer
João Vieira Pinto - A fibra nortenha
De Joaquim Varela a 3 de Fevereiro de 2010 às 00:30
Por mais anos que viva dificilmente um jogador me trará as emoções que Fernando Chalana me proporcionou - isto porque infelizmente nunca vi jogar o Eusébio e muitos dos que estão a história do clube.

Possivelmente terá a ver com a idade que eu tinha na altura em que ele apareceu. Ou seja, aquilo que dizes sobre o Rui Costa, aplico eu a Chalanix, com uma grande diferença: Devido ao nº de épocas e de jogos que o Rui Costa fez, nem sequer o considero uma referência no clube, enquanto jogador. Se falarmos de carreira, isso já é outra coisa. No Benfica propriamente dito, Rui Costa acaba por ter uma carreira "falhada" - poucos títulos e um nº de jogos relativamente reduzido. Chalana fez, salvo erro, 8 épocas a sério no clube (para mim o seu regresso não conta), ganhou 4 títulos nacionais e 3 Taças (estou a fazer contas de cabeça) e foi durante todas estas épocas o jogador mais desequilibrador do futebol nacional. E não fosse a pouca protecção os jogadores tinham na altura (quer das regras, quer dos árbitros e acima de tudo do equipamento), que o forçaram a algumas longas paragens, ainda teria tido uma passagem mais gloriosa pelo clube. Isso e o inicio do "polvo" que todos nós conhecemos sobejamente...

Estou em crer que mais nenhum jogador desde o seu período de ouro no Benfica (1976 a 1984) conseguiu colocar na mente do adepto a sensação de que sempre que a bola lhe chegava aos pés, o mais provável era nascer dali um lance de perigo. Então quando a equipa atacava de Norte para Sul no estádio anterior a este (junto ao original 3º anel) parecia que as coisas ainda corriam melhor e acontecia algo de simbiótico, muito difícil de explicar por palavras.

Acredito que muitos nomes irão surgir por aqui, mas não me interessam para nada. Conheço-os todos. Por certo vi jogar a esmagadora maioria e por maior qualidade que tenham ou tiveram, jamais irão substituir aquele senhor semi-calvo, de cabelo grisalho e bigode, que mereceu, com toda a justiça uma das maiores ovações no jogo da semana passada. Só quem o tenha visto jogar como eu tive a felicidade de ver, poderá compreender o que aquilo significa.
De Arquivo Vivo a 3 de Fevereiro de 2010 às 00:31
Vou nessa

Limito-me a por o meu ídolo de infancia:

Joaquim SANTANA da Silva Guimarães.
De Pedro F. Ferreira a 3 de Fevereiro de 2010 às 00:45
um dia escreverei aqui sobre o meu grande ídolo de infância: Manuel Galrinho Bento.
De Tavares a 3 de Fevereiro de 2010 às 08:30
Bem não posso deixar de referir Michel Preud'Homme! O melhor de sempre!
De Brandus a 3 de Fevereiro de 2010 às 08:54
Rui Costa é simplesmente o melhor e o maior jogador de sempre! Um SENHOR!!!!!
De Candeias a 3 de Fevereiro de 2010 às 09:24
Em primeiro lugar, parabéns pela ideia de criar esta rubrica para que todos nos lembremos daqueles que fizeram um Benfica grandioso e capaz de rivalizar com os grandes da Europa.
Para mim o grande ídolo de meninice foi um dos futebolistas que deveria ter estado no jogo contra a pobreza a envergar a sua merecida camisola nº 8 (quero acreditar que não foi por falta de convite). e que dá pelo nome de João Vieira Pinto.
Ao contrário de alguns, este "pequeno" enquanto jogou de águia ao peito foi um senhor, e um exemplo a seguir, lembro-me que o ver deambular por entre as defesas contrárias como se fosse impossível parar aquele "piolho" de cabelo grande. Lembro-me dos golos que nos deram tantas alegrias, lembro-me do 6-3, lembro-me da forma como foi dispensado. Mas, e apesar de ter saído da forma injusta como saiu, sei que ele será sempre um benfiquista e que merece estar no quadro de honra deste grande clube.
O BENFICA NUNCA ESQUECE OS SEUS!
BENFICA!!!!!
De utopiamaior a 3 de Fevereiro de 2010 às 09:51
Como eu quase o invejo na sua meninice, não que seja velho, só tenho 41, pouca coisa... ainda... mas memórias meu caro... cá vão...

Não por ordem cronológica, só por ordem emocional do momento...

Humberto Coelho... um monstro...
Manuel Bento... a pulga elástica...
Claro Preud'homme... enormissimo...
Ricardo Rocha e Mozer... admiráveis...
Chalana "o asterix"... fabuloso...
Shéu... a elegância e a inteligência ao serviço do futebol...
Stromberg... uma força da natureza...
João Alves... pura arte...
Nené... Nené é Nené e está tudo dito...
Ainda vi jogar Jordão, meu Deus que avançado fantástico...
Filipovic enorme avançado...
Edilson um brasileiro fenomenal... rapidissimo...
Valdo... bem Valdo é como Nené... Valdo é Valdo...
Magnusson outro astro brilhante...

E lembro-me de deuses menores... Alberto - o defesa esquerdo, que acabou para o futebol prematuramente - não vi jogar o Artur nem me lembro bem do Vitor Batista, mas lembro-me do tosco o Maniche, o Reinaldo, meu Deus não me quero deter mais sobre tempos de Alegria imensa...

Viva a nossa história...
De utopiamaior a 3 de Fevereiro de 2010 às 09:53
Estive a ler joaquim varela... sim Chalana sem dúvida... ENNOORRMISSSIIIMMMO...

Comentar post

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

#Reconquista

Um

Crer

Proveitosa

Pujante

Deplorável

Firme

Soberba

Complicado

Merecida

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds