VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Domingo, 19 de Agosto de 2012

Hábito

Para não variar, mais uma vez iniciamos o campeonato sem uma vitória. Um mau hábito que se instalou de há oito épocas a esta parte e que hoje, com uma preciosa ajuda da nossa equipa e do nosso treinador, parecemos fazer questão em manter.


 

O onze inicial do Benfica para este jogo foi no mínimo surpreendente. O jogador que terá demonstrado estar em melhor forma nos jogos da pré-época (Carlos Martins) foi relegado para o banco. O Enzo Pérez, que também tinha mostrado bons pormenores nos jogos de preparação, juntou-se-lhe. O reforço Ola John nem convocado foi. Para a equipa inicial saltaram o Salvio, que ainda não tinha disputado qualquer jogo desde que regressou ao Benfica, e o Rodrigo, que apresentava as mesmas credenciais visto ter estado ausente nos Jogos Olímpicos. É caso para perguntar se os jogos de preparação terão alguma utilidade. Para a minha irritação inicial contribuiu também o facto de, mais uma vez, num jogo complicado, o Jorge Jesus reverter para a táctica dos dois avançados, entregando de mão beijada ao adversário a superioridade numérica no meio campo. Claro que o Braga, que se apresentou na Luz a jogar claramente em contenção e para o empate, não parecendo sequer contemplar qualquer tipo de estratégia para procurar activamente marcar um golo, não se fez rogado e explorou com facilidade essa fraqueza. A primeira parte foi portanto bastante fraca, com o Braga a procurar guardar a bola e o Benfica anormalmente apático a assumir uma atitude expectante. As poucas jogadas de algum perigo resultaram quase todas de raras jogadas de contra-ataque em que conseguimos recuperar a bola e levá-la rapidamente para a frente. Mas, que me recorde, não conseguimos obrigar o guarda-redes adversário a nenhuma intervenção de elevada dificuldade. Do nosso lado, o pouco espaço no meio campo resultou em diversos passes aparentemente fáceis errados, com alguns jogadores a mostrarem uma estranha falta de concentração - casos do Artur, Maxi ou Luisão.

A segunda parte, sem alterações na nossa equipa, começou da melhor maneira, pois apenas alguns minutos após o reinício o Benfica colocou-se em vantagem. Após uma boa desmarcação do Rodrigo sobre a esquerda da área, a bola por ele centrada foi disputada pelo Cardozo e um defesa do Braga, acabando por sobrar para o Salvio, que à boca da baliza deu o toque decisivo. A equipa e o público pareceram entusiasmar-se, mas este estado não durou muito, pois cinco minutos mais tarde, num lance aparentemente pouco perigoso, a um centro vindo da esquerda do ataque do Braga o Melgarejo, pressionado por um adversário nas costas, acabou por fazer um corte infeliz de cabeça e marcar na própria baliza. E para piorar as coisas, poucos minutos depois, e na sequência de novo erro do Melgarejo, que aliviou a bola de forma frouxa para os pés de um adversário perto da esquina da área, o Braga apanhou-se a ganhar. O Jorge Jesus acabou por alterar a equipa, lançando o Enzo Pérez e o Aimar para os lugares do Rodrigo e do Bruno César, e praticamente no lance seguinte o Benfica teve um penálti a seu favor, após um corte com a mão dentro da área de um jogador do Braga, que na sequência do lance ficou ainda reduzido a dez jogadores. O Cardozo fez o que lhe competia e empatou o jogo, e ficávamos ainda com mais de vinte minutos até final para tentarmos a vitória. Só durante todo esse tempo o que se viu da parte do Benfica foi praticamente nada. A equipa não melhorou nem um pouco em relação ao que de mau tinha feito na primeira parte, e foi completamente incapaz de explorar a vantagem numérica em campo. A manutenção do empate no marcador foi a consequência lógica. O Braga veio jogar em contenção e para esse resultado, e limitando-se a aproveitar os nossos erros conseguiu os seus intentos sem grande dificuldade.

Impossível escolher um destaque na equipa do Benfica. Acho que quase todos os jogadores estiveram bem abaixo daquilo que sabem e podem fazer. A estreia oficial do Melgarejo acabou por ser desastrosa. Não que ele estivesse a jogar particularmente mal, mas acabou por cometer dois erros que ficaram directamente ligados aos dois golos do adversário. O Bruno César esteve irreconhecível, e o Nolito, que o substituiu, irreconhecível esteve. O Aimar mostrou estar claramente sem ritmo, e ficou escondido do jogo desde que entrou. E conforme referi antes, na primeira parte o Luisão e o Artur pareceram estar muito desconcentrados, embora seja compreensível que os recentes acontecimentos possam ter afectado o nosso capitão. Se calhar o Garay foi dos poucos que estiveram a um nível aceitável e constante durante todo o jogo.

Abrir com um empate em casa frente ao Braga é mau. Não é desastroso, mas é mau. Seria sempre importante começar com uma demonstração de força, em vez de dar logo um estímulo inicial aos nossos inimigos (já não consigo vê-los como meros adversários). Mas o mais preocupante para mim foram mesmo as opções do treinador para este jogo. O Salvio até marcou um golo e tudo, mas não me parece que isto seja a forma mais correcta de gerir um plantel. Além disso, pareceu-me que foi um erro não ter qualquer avançado no banco - que bem falta fez na altura em que era necessário atacar para inverter um resultado negativo e explorar a superioridade numérica.

publicado por D`Arcy às 00:16
link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

#Reconquista

Um

Crer

Proveitosa

Pujante

Deplorável

Firme

Soberba

Complicado

Merecida

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds