VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Terça-feira, 18 de Setembro de 2012

Champions

Amanhã o Benfica estrear-se-á na edição deste ano da Champions. Apesar do enorme ruído mediático que os jogos desta competição despertam, não me sinto particularmente entusiasmado com isso. Com muita pena minha. A Champions League é uma competição na qual o principal objectivo é ganhar alguns jogos e chegar longe de forma a que o nosso clube possa juntar uns preciosos milhões que muito ajudam as contas bancárias. Mas aspirar a ganhá-la? Para a grande maioria do comum adepto da maior parte das equipas, isso é uma utopia. E é por isso que, em termos puramente futebolísticos, a Champions League pouco interesse tem e acaba por representar muito daquilo que está mal no futebol actual.

Quando era miúdo e vivia longe do Estádio da Luz, as quartas-feiras europeias começavam a ser antecipadas no mínimo com uma semana de antecedência, Procurava descobrir mais sobre os adversários exóticos de países distantes que o Benfica iria defrontar e de quem nunca tinha ouvido falar. Depois seguia os jogos agarrado ao rádio, às vezes à tarde, outras vezes à noite - porque nessa altura não estávamos sujeitos à ditadura das TVs, e os jogos começavam à hora que era mais conveniente para os intervenientes, e não todos obrigatoriamente às 19:45 ou às 20:05 ou lá quando as TVs entendessem que lhes dava mais jeito. Quando, uns poucos anos mais tarde, ia para o Estádio da Luz numa quarta-feira à noite com algumas horas de antecedência, ficava sentado no Terceiro Anel à espera do início do jogo e a tremer de nervos. Porque os jogos eram mesmo a doer e não havia margem para erros. A Taça dos Campeões era para os campeões dos respectivos países (e o campeão europeu da última época). Uma noite menos inspirada e uma equipa podia estar fora da Europa em Setembro ou Outubro. Uma noite inspirada e uma equipa mais 'pequena' podia seguir em frente e deixar de fora um gigante.

A Champions League acabou com toda esta magia. Na Taça dos Campeões, uma campanha europeia poderia ser comparável à travessia de um precipício sobre um arame. Um passo em falso e era a morte do artista. A Champions League é mais ou menos a mesma coisa. Mas com rede de segurança e um cabo a segurar o artista (que, por via das dúvidas, leva um pára-quedas) ao arame. Ah, e o arame foi substituído por uma ponte, não vá o diabo tecê-las. Há clubes que investem demasiado dinheiro para se poderem sujeitar ao risco de ficar de fora da Europa logo no início da época. Por isso a Champions garante-lhes futebol europeu pelo menos até Dezembro, com meia dúzia de jogos a realizar. E até podem escorregar uma, duas, até três vezes, que normalmente ainda dá para recuperar do erro. Não admira que, olhando para as fases mais avançadas da competição, todos os anos acabemos por encontrar lá os suspeitos do costume. Que assim ganham ainda mais dinheiro, e aumentam ainda mais o fosso para os restantes (o exemplo do que nos últimos anos se passou em Espanha, com Barcelona e Real a descolarem do resto do pelotão, é o mais flagrante). Um feito como o do Nottingham Forest do Brian Clough, que em três anos foi da segunda divisão a campeão europeu (eliminando logo na primeira ronda precisamente o campeão europeu Liverpool), seria impossível hoje em dia - até porque em Dezembro os 'tubarões' habituais da Champions lhes levariam metade da equipa. Mas mesmo assim havia ainda um risco adicional: se por acaso a época corresse mal a esses clubes, e acabassem por não ser campeões dos seus países, os milhões da Champions ficavam fora do seu alcance. Isso era um risco que esses clubes não estavam dispostos a correr. Foi assim que a Champions se transformou no cancro que não pára de crescer e vai fazendo as competições europeias definhar.

De repente, os segundos, terceiros e em alguns casos até quartos classificados passaram a ser participantes de pleno direito da 'Liga dos Campeões'. Clubes que nunca foram sequer campeões na sua história passaram a disputar a competição dos campeões. A Taça das Taças foi a primeira vítima, já que por norma os vencedores das taças dos países eram equipas que terminavam os campeonatos nos lugares de topo e obviamente optavam pelos milhões da Champions, deixando a Taça das Taças para a equipa sensação que tinha conseguido chegar à final. A perda de qualidade da competição foi evidente, e a sua extinção inevitável. A seguir foi a Taça UEFA, que no seu estertor se transfigurou em Liga Europa, uma espécie de sucedâneo da Champions, tentando sobreviver a todo o custo. Mas que hoje em dia não é mais do que uma competição para decidir quem é o melhor quarto ou quinto classificado dos campeonatos europeus. O seu futuro é cinzento, e não me admirará se em breve acabar absorvida pela imparável 'Champions'.

O futebol hoje em dia é um negócio; todos nós estamos fartos de o saber. Mas é um negócio que procura prosperar à custa do romantismo dos adeptos, que insistem em olhá-lo através de lentes rosadas pela paixão pelo clube e por um futebol com que cresceram mas que, na realidade, já não existe e dificilmente voltará. A paixão pelo nosso clube é-nos vendida e explorada para fins comerciais. O nosso lugar é no estádio, a apoiar a equipa, mas só se tivermos umas centenas de euros para despender por esse lugar. Se não os tivermos, então o nosso lugar é lá fora, que a paixão não é aceite como forma de pagamento. E se possível, até podemos exprimir a nossa paixão deixando mais uns euros na loja do clube pela camisola da nova época, ou pela camisola alternativa que em nome do marketing muda radicalmente todos os anos. Em nome da nossa paixão vendem-se pedras pintadas no chão, à volta da estátua de um dos nossos ídolos do tempo em que o futebol era apenas um jogo. E se não as quisermos comprar, uma qualquer criatura num call center de telemarketing pergunta-nos despudoradamente ao telefone se não achamos que a nossa paixão pelo nosso clube merece que façamos mais por ele.

Amanhã o Benifca entra em campo para disputar a Champions. Espero que ganhe. Mas tenho saudades das verdadeiras quartas-feiras europeias. Isto não é saudosismo; é uma constatação: dantes, o futebol costumava ser melhor do que é hoje.

publicado por D`Arcy às 12:44
link do post | comentar
22 comentários:
De Manuel Afonso a 18 de Setembro de 2012
É.
Arriscaria só a acrescentar que o problema não é do futebol, ou exclusivamente do futebol. Mais tarde ou mais cedo vamos ter que nos questionar se é esta a sociedade em que queremos viver. Se queremos que o único valor que realmente conta seja o dinheiro, alcançado como for, por cima de quem for, instituições incluídas.
Enquanto nós, o povo, pensamos no assunto, ou não, espero do meu clube que saiba viver no tempo presente, e não agarrado a princípios que já lá vão, mesmo que na minha modesta opinião, em grande medida, ache que deveriam voltar a ser. É uma questão de sobrevivência.
De Alprazolam a 18 de Setembro de 2012
Partilho tudo o que escreveste e acrescento que o problema não está só no futebol. Está em toda a sociedade. O valor dominante é o dinheiro.
De tma a 18 de Setembro de 2012
Revejo-me a 200% em todos os detalhes deste post.
De Anselmo Damásio a 18 de Setembro de 2012
Subscrevo.
De Pamaro a 18 de Setembro de 2012
Infelizmente é verdade.
Nunca como agora fez tão pouco sentido uma liga dos campeões que se afasta cada vez mais da essência de uma Taça dos Clubes Campeões Europeus.
Foi o peso do dinheiro que arruinou a economia nacional e é o peso do dinheiro que está a arruinar também a beleza e incerteza do desporto rei.
De Gandhy a 18 de Setembro de 2012
A Champions mais ano, menos ano, irá ser o berço da grande Liga Europeira de futebol, ao estilo NBA! Um Super-Campeonato Europeu, disputado em formato fechado (ou semi fechado consoante o que acontecer coma LIga Europa). O que o SLB não pode é perder o comboio, como estava a acontecer nos finais dos anos 90, início do novo século, onde ficou de fora do G-14!
De LF a 18 de Setembro de 2012
Percebo o teu sentimento, mas não estou totalmente de acordo.
Os males que enuncias são da sociedade em geral, e não especificamente do futebol - que, como fenómeno social, apenas a acompanha.
E creio que a Champions League, especificamente, é até uma das ideias mais bem conseguidas que o futebol moderno criou.
Quem gosta do espectáculo do futebol, tem nesta prova um verdadeiro manjar dos deuses. É onde assistimos aos melhores jogos, com os melhores jogadores, nos melhores palcos. Ainda hoje teremos um Real Madrid-Manchester City, que no antigo formato talvez só chegasse na final, ou nas meias-finais.
É verdade que o Benfica não tem hipóteses de a vencer. Mas já nem eu nem tu o vimos vencer a velhinha Taça dos Campeões Europeus, pese embora todas as recordações que - também eu - tenho desses tempos mais antigos.
Por mim, adoro esta prova. E sinto arrepios cada vez que oiço o seu hino, e vejo o Benfica junto dos maiores da Europa. E não é preciso ir muito longe (basta à edição anterior), para vermos o Glorioso em fases bem adiantadas, a orgulhar-nos aos olhos do mundo inteiro.
Abraço
De D`Arcy a 18 de Setembro de 2012
Cansei-me rapidamente da Champions, Luís. Neste momento aborrece-me mais do que me interessa. E irrita-me profundamente ver muitas vezes o Benfica colocar em causa conquistas internas pelo facto de ser mais importante dar mais um passo em frente na Champions e arrecadar mais uns milhões. É o dinheiro a falar mais alto.

Um Real Madrid x Man City (que não é nenhum colosso europeu, e é apenas um brinquedo momentâneo de um árabe com mais dinheiro do que imaginação para o gastar) nesta fase da prova não tem grande interesse. O clube que perder o jogo pouco afectado ficará, terá oportunidades de sobra para recuperar e continuar em prova. No formato antigo, se este encontro acontecesse, seja em que fase fosse, um dos dois ia à vida. O que, honestamente, me parece muito mais emocionante.

Eu compreendo que isto são as leis da sociedade actual, e que o nosso clube tem que as seguir e não pode ficar para trás. Mas ninguém me pode obrigar a gostar, nem me vou esquecer da diversão e emoção que tinha antes.
De Taintedlove a 18 de Setembro de 2012
D'Arcy , nunca alguém conseguiu transpor para a escrita e de forma tão perfeita, o que eu penso sobre o assunto. Sou sócio pagante há quase 55 anos, exemplo que herdei do meu pai, ele já com cerca de 80 anos de associado.
E é com profundo desencanto que reconheço que Quartas-Feiras europeias vividas como aquelas que vivi, a seu lado, contra Liverpool, Ajax , Bayern , Juventus , Feyenoord , Ujpest , Marselle , ou Torpedo de Moscovo, nunca mais ninguém viveu, após a transformação da Taça dos Clubes Campeões Europeus em Liga dos Campeões ou Liga Milionária pois é disso que se trata. E o leque de vencedores passou a estar reduzido a 4 ou 5, o que conduz a um certo e lógico desinteresse, já que cada vez é mais remota a possibilidade de ver um clube português a chegar a uma final.
De Maluco do Futebol a 18 de Setembro de 2012
Absolutamente certo.
Nunca concordei com a Liga dos Campeões, nunca.... E se é verdade, que dá a ganhar muito dinheiro, é sempre para os mesmos. Aliás, permitir que haja campeões europeus sem terem sido nos seus países para mim é surreal. Claro que há grandes jogos, claro que é a grande competição, mas em nome do "dinheiro". E Platini já defende a integração da Liga Europa na Champions, infelizmente. Para mim seria assim (com todo o romantismo e sujeito a imensas criticas como é evidente): 1 - Taça dos Campeões Europeus (Para os campeões), 2 - Taça das Taças (Vencedores das Taças dos respectivos países, 3 - Liga Europa A - 2º e 3º lugares + Taças da Liga (dependendo do ranking dos clubes e países, até poderia ser só 1 clube) e Liga Europa B - 4º e 5º lugares. E tudo dependeria dos rankings... No caso das Taças dos países e Taças da Liga taé poderiam ser os finalistas vencidos, se os vencedores conquistassem o direito de estar em competições mais importantes.
Eu sei que é uma visão romântica e utópica, mas seria mais justo...

Comentar post

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

Coerência

Parabéns, meninas

Obrigação

Banco

Exemplar

Madrugadora

Pouco

Inconsistência

Confrangedora

Arrasador

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds