VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Sábado, 17 de Novembro de 2012

Incontestável

Eliminatória ultrapassada, num jogo em que a superioridade do Benfica foi notória e incontestável, muito por culpa da atitude competitiva e profissional sem mácula apresentada pelos nossos jogadores em noite de regresso do nosso capitão.


 

Muitas alterações no onze em relação ao último jogo, quer por opção, quer por indisponibilidades várias que se prenderam com lesões e compromissos pelas selecções. Na equipa inicial entraram hoje Paulo Lopes, Luisão, Luisinho, Bruno César, Nolito, Gaitán e Rodrigo. Mas todas estas mudanças em nada afectaram aquela que tem sido a postura da nossa equipa nos últimos jogos, e pelo contrário, ainda pareceram refiná-la. Não tive oportunidade de ver o jogo todo em directo (tive que ver a gravação mais tarde), e quando tive que interromper o visionamento após meia hora de jogo, foi com muita pena que o fiz, porque mesmo com o resultado a manter-se ainda em branco estava a dar-me um enorme prazer ver a nossa equipa jogar. O Benfica simplesmente espremeu o Moreirense para o seu meio campo, e nem lhe deu hipótese sequer de aspirar a fazer qualquer coisa no jogo. Jogámos com as linhas muito subidas, os jogadores muito juntos e em constante movimento, exercendo uma enorme pressão sempre que não tínhamos a bola, o que fez com que o Moreirense literalmente não conseguisse passar do meio campo - não fizeram um único remate durante a primeira parte. O Matic era figura de destaque, mas todos os jogadores merecem os parabéns pela forma como abordaram o jogo, trabalhando muito e lutando sempre pela bola - neste aspecto fiquei até surpreendido com jogadores como o Gaitán ou o Bruno César. Ao intervalo faltava apenas que o marcador exprimisse de forma justa a enorme superioridade do Benfica no jogo.

 

 

Superioridade que continuou sem grandes alterações na reentrada para a segunda parte. Não foram muitas as oportunidades claras de golo que o Benfica construiu, mas fazia a bola rondar constantemente as imediações da área do Moreirense, adivinhando-se que o golo poderia surgir a qualquer instante. Acabou por aparecer após um quarto de hora, e de forma duplamente justa, já que não só foi a recompensa para o domínio do Benfica, como por ter sido marcado pelo Matic premiava também aquele que estava a ser o melhor jogador em campo. Foi na sequência de um canto do lado direito do nosso ataque, com a bola a acabar por sobrar do lado oposto para um remate cruzado de primeira do Matic, tendo um defesa do Moreirense acabado por confirmar o golo quase sobre a linha. Feito o mais difícil para o Benfica, o Moreirense foi obrigado a arriscar mais e abandonou o esquema de três centrais, deixando mais espaço atrás. Mas apenas por uma vez, num cabeceamento após canto, o Moreirense criou uma jogada de perigo, enquanto que o Benfica continuou a mandar no jogo como queria, e esperava um segundo golo que acabasse com quaisquer dúvidas sobre o vencedor. Mas a doze minutos do final houve uma falha na iluminação que provocou um longo interregno no jogo, e quando este se reatou o Benfica já não conseguiu controlar tão bem a partida, tendo o Moreirense aproveitado para se aproximar um pouco mais da nossa área e tentar alguns remates, que embora sem causar grandes preocupações sempre obrigaram o Paulo Lopes a deixar de ser o espectador privilegiado que tinha sido até então. No suspiro final do jogo, o Gaitán entrou pela esquerda da área e assistiu o inevitável Cardozo (tinha entrado para o lugar do Lima) para o justo segundo golo.

 

 

Mais uma vez o Matic cotou-se como o melhor jogador em campo, e se dúvidas houvesse ainda fez questão de ser o autor do importante golo que desfez o nulo. Impondo o físico e jogando bem em antecipação, foi um dos principais responsáveis pela alta pressão que o Benfica conseguiu exercer sobre o adversário, tendo ainda estado bem a distribuir jogo. Muito bem também os nossos dois centrais, que jogaram quase sempre sobre a linha do meio campo e ganharam praticamente todos os lances aos adversários, matando à partida quase todas as jogadas de ataque. No geral gostei de toda a equipa, tendo-me agradado a atitude do Gaitán e do Bruno César (menciono isto não porque tenham estado melhor do que os outros, mas sim porque habitualmente costumam ser bem mais 'macios' na abordagem que fazem aos lances). Aliás, em relação ao brasileiro, até considero que conseguiu realizar uma exibição positiva na posição de médio centro, pelo menos no que diz respeito ao trabalho defensivo.


Profissionalismo e humildade seriam fundamentais para levar de vencida esta eliminatória, e foi isso que os nossos jogadores nos deram. Deixaram bem vincada a nossa superioridade e nem sequer a má arbitragem na primeira parte os abalou. Agora é altura de começar a preparar a recepção ao Celtic, e tenho a certeza de que se abordarmos esse jogo com a mesma mentalidade que exibimos hoje, teremos meio caminho andado para a vitória.

publicado por D'Arcy às 05:46
link do post
Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

Confrangedora

Doloroso

Inequívoca

Tristeza

Deplorável

Descanso

Cumprido

Entradas

Regresso

Inadmissível

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds