VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Domingo, 30 de Setembro de 2007

“Há falta de vergonha.” *

No tal clube diferente, a lógica daquela gente é a seguinte:

 

Quando, como aconteceu na Reboleira, um árbitro segue a indicação errada de um bandeirinha… está errado, pois o chefe de equipa é o árbitro e este é que é o principal responsável pelas decisões e não é obrigado a seguir cegamente as indicações dos bandeirinhas e patati patatá, choradinho para aqui, queixinhas para além e luto para todos.

 

Quando, como aconteceu ontem na Luz, um árbitro decide, pois ele é o chefe de equipa e este é que é o principal responsável pelas decisões tomadas, não seguir a indicação errada de um bandeirinha… está errado, pois se o árbitro não segue cegamente a indicação dos bandeirinhas está a desautorizá-los e a mostrar que não precisa deles para nada e patati patatá, choradinho para aqui, queixinhas para além e luto para todos.

 

* Paulo Bento dixit.

publicado por Pedro F. Ferreira às 11:27
link do post | comentar | ver comentários (31)

Desilusão

Não tenho grande vontade de escrever este post. Apesar de já ter deixado passar algum tempo, a verdade é que a irritação que ainda sinto em relação ao jogo desta noite persiste, e tira-me a vontade de escrever. E não estou apenas irritado com o jogo em si, estou também irritado com os nossos jogadores e com o nosso treinador. Se há coisa que me irrita quando vejo futebol é burrice por parte dos seus intervenientes. Mais um empate, o quarto em seis jornadas, e mais uma desilusão pela falta de coragem demonstrada. Este não é o Camacho que eu conheço, e este não é o Benfica em que eu me revejo.

Esta noite, e para surpreender, mais uma vez houve um 'baralha e volta a dar' no nosso meio-campo. Há quatro jogadores que embora sejam titulares regularmente, em cada jogo trocam de posição entre eles. Esta noite calhou ao Pereira ficar ao lado do trinco, enquanto que o Rui Costa avançou para as costas do avançado, o Di María encostou-se à direita, e o Rodríguez foi para a esquerda. Na defesa, regressos do Luisão e Nélson. Não começou mal o Benfica, que conseguiu pegar no jogo durante os minutos iniciais, e criar dificuldades ao adversário. Debaixo de uma chuva torrencial, o futebol de passe curto e rápido ao primeiro toque e a toda a largura do campo parecia ser difícil de contrariar, e nesta fase os nossos adversários praticamente limitaram-se a ir afastando a bola das imediações da área. Este início de jogo até me surpreendeu, porque sei que normalmente o clube do Lumiar é perito em adormecer os adversários logo de início, mas nesta fase não pareciam capazes de fazê-lo.

Depois dos vinte minutos, foi-se a chuva, e foi-se com ela o Benfica. E veio a minha irritação. Não percebi, por mais que tentasse, o motivo para uma alteração tão radical na forma de jogar da nossa equipa. As trocas de bola desapareceram, a pressão no meio-campo adversário também, e em vez de sairmos a jogar a bola a partir da nossa área, a jogada mais praticada pelo Benfica eram pontapés do Quim para o meio-campo adversário, onde um desamparado Nuno Gomes via-se e desejava-se para tentar ganhar alguma dessas bolas aos centrais adversários. Incompreensível. A lagartagem raramente joga pelas alas, prefere acumular jogadores no centro do terreno e afogar o adversário aí. Na fase inicial do encontro, enquanto explorámos as faixas laterais, com boas combinações entre os laterais e os médios-ala, obrigámos os jogadores deles a afastarem-se do centro, e por isso jogadores como o Rui Costa ou o Katsouranis conseguiam libertar-se e aparecer frequentemente sem marcação nessa zona. Depois desatámos a optar pelo chuto para a frente e a fazer exactamente o que eles queriam. Claro que com isto qualquer sombra de protagonismo no jogo da nossa parte esfumou-se, e o adversário conseguiu então segurar o jogo como pretendia.

Na segunda parte, o Benfica voltou a entrar bem (mas nada que se comparasse ao início do jogo), e durante o primeiro quarto-de-hora conseguimos criar duas boas oportunidades de golo. Primeiro foi um remate do Rui Costa (tendo em conta que o guarda-redes do Lumiar parece ter alguma dificuldade em remates de longe, acho que poderíamos ter tentado explorar um pouco mais este aspecto) que o Stojkovic defendeu para a frente, tendo depois surgido o Nuno Gomes na recarga a rematar ao lado. No estádio, assim que vi o lance, fiquei convencido que o guarda-redes teria feito alguma defesa miraculosa. Recusei-me a acreditar que o Nuno Gomes não tivesse sequer acertado na baliza. Foi preciso que os meus colegas de bancada me assegurassem que não senhor, o Nuno Gomes tinha mesmo falhado aquilo. Enfim. Logo a seguir, num contra-ataque, o Di María foge à defesa adversária, isola-se descaído sobre a direita, entra na área, e quando eu estava à espera do remate e já preparado para gritar golo, ele resolve tentar assistir o Nuno Gomes e a bola foi cortada. Este lance fez-me perder a tramontana e já não consegui apreciar o resto do jogo, porque continuava a revê-lo na cabeça, e a irritar-me de cada vez que o fazia. Ainda por cima já contra a Naval ele tinha tido um lance praticamente igual, em que entrou sozinho na área e depois tentou assistir o Nuno Gomes, perdendo-se a jogada. Di María, um conselho: quando entrares na área isolado, tenta o golo. Mesmo que chutes ao lado ou o guarda-redes defenda, é preferível a tentares assistir um colega que está marcado. Especialmente se esse colega for o Nuno Gomes.

No resto da segunda parte o jogo foi repartido entre as duas equipas, nunca me parecendo que uma delas conseguisse sobrepor-se claramente à outra. Já na fase final do encontro, após as entradas do Cardozo (porquê a troca de pontas-de-lança, Camacho? Porque não arriscar finalmente colocar dois avançados? Porquê essa cobardia atípica?) e do Adu, o Benfica conseguiu voltar a aproximar-se da baliza adversária, mas sem grandes resultados. Refiro apenas isto porque pelo menos pareceu-me que os jogadores voltaram a mostrar alguma vontade de vencer, após passarem longos minutos a darem a ideia de que estavam mais ou menos conformados com o empate. O empate ficou, e julgo que os dois treinadores devem ter ficado muito satisfeitos com ele, já que durante a maior parte do jogo me pareceu que era o que queriam. Se no caso do Paulo Bento é compreensível, no caso do Camacho já tenho muita dificuldade em aceitá-lo.

Não sei quem jogou melhor ou pior na nossa equipa esta noite. Passei a maior parte da segunda parte num estado de irritação demasiado grande para conseguir discernir alguma coisa concreta. Podia sempre refugiar-me no óbvio e referir o Rui Costa, já que ele nunca joga mal, mas hoje acho até que não houve ninguém que se destacasse muito, quer pela positiva, quer pela negativa. Estou irritado, estou até mesmo triste com o Camacho. Não percebo a falta de coragem. O Benfica não pode insistir em jogar apenas com um avançado, ainda para mais se a esse avançado único não é dado quase nenhum apoio. Tal como já vimos em jogos anteriores, hoje voltou a passar-se o mesmo: o avançando por vezes desloca-se para terrenos laterais ou mais recuados, eu olho para a área, e só lá está o Rui Costa no meio de quatro ou cinco adversários. Assim é muito difícil marcar. Dois golos nos últimos quatro jogos não é produção ofensiva apresentável para o Benfica.

Há muito tempo que não me irritava tanto num jogo.
Antes do jogo, enquanto conversava com o Quetzal Guzman e o J G, que encontrei à entrada para o estádio, já estava com um mau pressentimento, e discutimos precisamente a questão do avançado único no Benfica, e a falta de oportunidades que daí parece resultar. Depois, durante o jogo, não só voltámos a assistir a isto, como ainda por cima o Camacho troca avançado por avançado. Porra, eu prefiro perder a tentar ganhar do que empatar por medo de o fazer! Agora já são oito os pontos de atraso para o líder, e começa a ser uma desvantagem demasiado pesada. É que à sexta jornada do campeonato, conseguimos já não depender exclusivamente de nós próprios para sermos campeões. É triste.

P.S.- Para os que esperavam uma opinião sobre os lances polémicos do jogo lamento, mas não vou fazê-lo. Tenho a minha visão dos lances em questão, e vou guardá-la para mim. Em todos os derbies é a mesma coisa: chega-se ao final e discutem-se mais os lances polémicos do que o futebol jogado. Estou farto disso.
publicado por D`Arcy às 02:18
link do post | comentar | ver comentários (24)
Sábado, 29 de Setembro de 2007

Os meus derbis. Viagem pessoal mas transmissível.

É o meu primeiro post na Tertúlia, desde que esta começou a assapar!
Como ainda não domino as artes de postar em sapo style, e já me está a chatear a mensagem "Ah e tal não é possível o copy paste automático e mai'não sei quê" :-) deixo o link, ok?
Se alguém se lembra dos derbis de que aqui falo, se eventualmente também lá estavam nesses dias...contem-me as vossas memórias!
E logo...é para ganhar!
publicado por PR às 11:50
link do post | comentar | ver comentários (8)
Quinta-feira, 27 de Setembro de 2007

Épá desculpem lá mas...

... aquilo foi mesmo penaltie!
Eu ouvi e vi o árbitro apitar.
Eu vi a bola naquela cena branca lá na área.
Eu vi dois jogadores dentro da área, um com luvas e o outro de vermelho.
Eu vi e ouvi o árbitro apitar novamente.
Eu vi o de vermelho correr e acertar na bola.
Eu vi a bola dentro da baliza.
E no fim vi os de vermelho a festejar e tal e mais não sei quê.
E então?
Não é isto que é um penaltie?
Ah, e acho que quando a bola entra... conta golo!
publicado por Corto Maltese às 22:46
link do post | comentar | ver comentários (10)

O Sr. Duarte Gomes

Somos, de facto, um clube muito grande. O senhor em epígrafe veio hoje declarar ao site da Liga que "houve um houve um claro erro de arbitragem" e que "esconder-me atrás de erros não faz parte da minha forma de viver esta actividade." Curioso... Alguém se lembra de o ouvir fazer semelhante declaração depois do penalty do Jardel na antiga Luz?

 

Ou de ouvir os árbitros dos nossos jogos frente ao Leixões e V. Guimarães falar dos penalties não assinalados ao Nuno Assis e Fábio Coentrão, respectivamente? Ou de o árbitro dos lagartos-V. Setúbal falar do penalty do Gladstone sobre o Matheus com o resultado em 0-0? Ou o do U. Leiria-clube regional falar do centro fora de campo que deu origem ao golo da tranquilidade?

 

Não! Estas originalidades só acontecem connosco... Alguém quer apostar que, por causa de um penalty na competição menos importante do calendário nacional, vamos ter que ouvir a lenga-lenga do "levados ao colo" até final da época?

publicado por S.L.B. às 13:04
link do post | comentar | ver comentários (15)

Mau

Primeiro minuto de jogo: o Di María progride pelo centro e remata, obrigando o guarda-redes do Estrela a uma defesa difícil. Quatro minutos depois, um livre do Maxi Pereira passa muito perto da baliza adversária. E pronto. O Benfica na primeira parte não foi mais do que isto. Mau demais para ser verdade. É certo que foram várias as alterações em relação à equipa que tem jogado habitualmente (entradas de Butt, Nélson, Luisão, Zoro, Miguelito, Nuno Assis e Yu Dabao), mas isto não pode justificar uma produção tão fraca da nossa equipa. É que durante essa primeira parte mal conseguimos sequer entrar no meio-campo adversário. Pelo contrário, foi o Estrela quem controlou a partida, e quem construiu as oportunidades para marcar. Esteve perto disso, quando quase à boca da baliza o Butt conseguiu negar o golo ao Moses, mas acabou por conseguir o merecido prémio através de um livre directo do Maurício, num lance em que o Butt não fica isento de culpas. Acho que a capacidade do Maurício para tentar o golo daquela distância é conhecida (e aliás já o tinha tentado neste jogo). Antes do livre, vi o Nélson na barreira (formada apenas por três jogadores) chamar a atenção do Butt para que este desse alguma indicação sobre como a queria, e o Butt pouco ou nada lhe ligou. Depois pagou por essa sobranceria. A desvantagem ao intervalo era um resultado justo, sobretudo tendo em conta que fomos quase inofensivos no ataque.


Para a segunda parte surgiu o Freddy Adu no lugar do desapontante Maxi Pereira, indo jogar mais perto do até então desacompanhadíssimo Dabao. O Benfica pouco ou nada melhorou na qualidade do seu jogo, mas pelo menos passou a conseguir ter mais bola, e jogar dentro do meio-campo adversário (após pouco mais de cinco minutos da segunda parte já comentava com o tma que provavelmente já teríamos conseguido estar mais tempo dentro do meio-campo do Estrela do que em toda a primeira parte). De qualquer forma, não se vislumbrava qualquer possibilidade do Benfica conseguir marcar um golo. Só mesmo nos últimos quinze minutos, e após a saída do Nuno Assis para dar o seu lugar ao Andrés Díaz, é que o Benfica conseguiu carregar mais sobre a área adversária, também por consequência de um excessivo recuo do adversário. O problema é que com apenas um homem na área (Dabao), e ainda por cima com ele a ter que sair desta frequentemente para vir buscar a bola, apesar do esforço do Adu raramente apareciam jogadores nossos na zona de finalização, e o golo parecia uma miragem.


No último minuto de jogo, quando a eliminação era praticamente uma certeza, foi assinalado um penalti a nosso favor, quando uma bola rematada pelo Díaz embateu num defesa do Estrela dentro da área. Ainda não vi qualquer repetição do lance, por isso a minha opinião é formada apenas a partir daquilo que vi no estádio (e o lance foi mesmo à minha frente). E a minha opinião é que não houve qualquer motivo para que esse penalti fosse assinalado. Não vi absolutamente nada de ilegal no lance, e aliás quando o árbitro apitou pensei que ele estivesse a assinalar alguma falta à entrada da área, numa disputa de bola pelo ar. Os meus colegas de bancada, tma e S.L.B., também nada viram que justificasse o penalti. Acho por isso que o Benfica foi muito beneficiado por este erro de arbitragem, porque evitou uma eliminação quase certa (e cuja justiça dificilmente poderia ser contestada). Indiferente a isto, o Adu cumpriu a sua obrigação e marcou o penalti decisivo exemplarmente (achei curioso que me pareceu que nenhum dos jogadores estava com grande vontade de marcá-la, e o Adu pareceu acabar por ser quase empurrado pelos colegas para a marcação). No desempate que se seguiu, a sorte sorriu-nos (ou então foram os cânticos benfiquistas de 'Vais falhar!' que fizeram o jogador do Estrela chutar a bola para a bancada) e vencemos por 5-4, sendo que o único penalti falhado foi do Butt, que mais uma vez me pareceu demasiado sobranceiro.


Na mediocridade geral que foi este jogo acho que uma das poucas coisas positivas foi a entrada do Adu, que veio dar mais algum apoio ao avançado (é apenas uma opinião minha, mas eu não gosto de nos ver jogar apenas com um avançado, sobretudo com o Di Naría nas suas costas, já que me parece que ele rende muito mais na esquerda) e veio mexer com o nosso ataque, sempre interventivo e nunca se escondendo do jogo. Além disso mostrou poder ser uma boa opção para as bolas paradas. Não vejo razão para que ele não seja, pelo menos, uma opção no banco. O Rodríguez também não esteve particularmente mal, embora hoje me tenha parecido que abusou um pouco do individualismo. Pela negativa podia mencionar a maioria dos jogadores, mas ainda assim destaco a inenarrável primeira parte do Maxi Pereira, que a exemplo do jogo em Braga pouco ou nada fez, e a irritante inoperância ofensiva do Nuno Assis. É inacreditável que a primeira coisa que ele pense assim que recebe a bola seja olhar para trás. Não estou a exagerar se disser que mais de 90% dos passes que ele fez esta noite foram para trás ou para os lados. É que mesmo que ele tenha opções à frente, a tendência que ele tem para segurar a bola e rodopiar sobre si mesmo faz com que os contra-ataques morram nos seus pés, e que a bola siga inevitavelmente para trás.


Não estou particularmente satisfeito com o que se passou esta noite. Não gosto de ganhar assim, à custa de erros de árbitros. Além disso ja sei, já todos sabemos muito bem qual vai ser o aproveitamento feito deste lance. Este penalti erradamente assinalado a nosso favor na taça da carochinha vai-nos ser arremessado à cara e usado como arma contra nós até ao final da época. Inevitavelmente, pelas virgens arrependidas que choram lágrimas amargas e batem no peito de cada vez que alguma coisa lhes corre mal nestas cenas da arbitragem, e que depois se calam que nem ratos quando são elas as beneficiadas.


P.S.- E nestas coisas de penaltis inexistentes, como este foi assinalado pelo fiscal-de-linha, continuo a considerar que o Duarte Gomes está em dívida para connosco. É que eu nunca conseguirei esquecer o mergulho do Jardel para cima do Caneira na Luz ;)

 

publicado por D`Arcy às 03:21
link do post | comentar | ver comentários (11)
Quarta-feira, 26 de Setembro de 2007

Assim não!!

Algures entre vulgaridade e a vergonha fica o registo de uma vitória menor numa competição menor, com uma exibição menor e um árbitro que, mais uma vez, provou a sua incompetência. Duarte Gomes (o mesmo palhaço que marcou um penalti contra o nosso Benfica quando o Jardel, a jogar no zbording, caiu na área com uma corrente de ar) teve uma actuação consentânea com a mediocridade geral.

O nosso Benfica ganhou, mas ganhou sem brilho. (link)

[post corrigido]

publicado por Pedro F. Ferreira às 23:53
link do post | comentar | ver comentários (10)
Terça-feira, 25 de Setembro de 2007

Parabéns, Armando Gonçalves Teixeira.

Falei com o Petit uma vez. Uma vez apenas. Estava o plantel do Benfica em final de época e em final da época Koeman. A conversa aconteceu num sábado, à hora de almoço, na “Catedral da Cerveja”. Foi uma conversa curta que começou com o agradecimento, pela minha parte, por todas as alegrias que o Benfica me havia dado nos últimos tempos. Imediatamente o Petit me corrigiu dizendo que esse agradecimento se justificava pela época anterior e não se justificava pela época que então findava (recordemos que o Benfica não fora campeão nessa época, mas fizera tivera uma boa participação na Champions arrumando o Manchester United e o Liverpool, tendo sido eliminado pelo Barça). Perante tão pouco usual resposta, retorqui dizendo que, apesar de não termos sido campeões, as alegrias na Champions acabavam por servir, de alguma forma, como atenuante. O Petit insistiu dizendo que não havia motivos para parabenizar os futebolistas, pois não tinham conseguido ganhar a Champions. Nesse momento apercebi-me de que aquele futebolista, aquele futebolista do nosso Benfica, personificava aquilo que levara o Benfica à Glória e que, na última década, andava esquecido: exigir a vitória e não admitir, em circunstância alguma, algo inferior à vitória.

Efectivamente, o Petit considerava que não ter ganho a Champions era uma derrota. Depois surgiu o Shéu, a quem o Petit tratava por “senhor Shéu” e que, notoriamente, tinha como referência dentro do Clube.

Ali à minha frente estava, dado pelo Petit, o maior exemplo de viver o Benfica à Benfica que eu vira nos últimos anos: alguém que não se conforma com a mediocridade, alguém que, efectivamente, dá tudo em prol do Glorioso e que, além disso, respeita a História deste Clube. Por tudo isso, o Petit faz parte da História gloriosa do nosso Clube.

Hoje faz 31 anos e está, infelizmente, lesionado. Hoje faz 31 anos e está de parabéns… por tudo.

tags:
publicado por Pedro F. Ferreira às 16:04
link do post | comentar | ver comentários (10)

Coerência de uma equipa de arbitragem portuguesa.

O Gilles Augustin Binya faz um corte de calcanhar no meio campo, segue com a bola e, alguns segundos (não poucos) e muitos metros depois (não poucos), aquele arremedo de árbitro, Paulo Costa, apita... considera que um desarme limpo foi faltoso e mostra um cartão amarelo ao Augustin.

No mesmo jogo, todo o estádio (ou lá o que aquilo é) viu um austríaco ranhoso enfiar um pontapé, sem bola, no Leo. Até o Jorge Coroado, essa sumidade daltónica, teve vergonha de negar uma evidência e reconheceu, lá para a estação de rádio que o tem como avençado, que aquilo fora uma agressão sem bola. Quem não viu? Paulo Costa e sus muchachos amestrados a café com leite e fruta da época. No final dessa agressão, o austríaco riu.

(imagens de uma agressão)

publicado por Anátema Device às 11:26
link do post | comentar | ver comentários (11)
Segunda-feira, 24 de Setembro de 2007

Nulo

O nulo de ontem contra o Braga foi aquele que me deixou mais desapontado desde que o Camacho regressou ao clube. Não foi por uma questão de atitude, porque até me pareceu que o Benfica quis sempre vencer o jogo. Foi mesmo pela qualidade do nosso jogo, sobretudo na construção das jogadas de ataque, já que, e ao contrário dos outros jogos, raramente conseguimos criar oportunidades de golo.


Duas alterações em relação ao jogo de Milão, com a entrada do Binya para o lugar do Miguel Vítor, com o consequente recuo do Katsouranis para a posição de central, e do Nuno Gomes para o lugar do Cardozo (parece que o Camacho já se apercebeu que o paraguaio não estará nas melhores condições físicas, visto que a participação na Copa América não lhe permitiu ter férias). No meio campo, e apesar de jogarem os mesmos de Milão, o seu posicionamento foi diferente, com  o regresso do Maxi Pereira à direita, recuo do Rui Costa, e colocação do Di María nas costas do avançado (trocando frequentemente com o Rodríguez). A primeira parte foi um espelho daquilo que o jogo seria durante praticamente todos os noventa minutos. Ambas as equipas a jogarem para ganhar, mas nenhuma delas a conseguir criar muitas oportunidades claras de golo. Foi o Braga quem começou melhor o jogo, mas após os dez minutos o Benfica até conseguiu ter aquela que viria a ser a sua melhor oportunidade durante todo o jogo, quando uma iniciativa do Di María na esquerda deixou o Rodríguez isolado. Infelizmente ele acabou por demorar demasiado, e optar por um remate de ângulo reduzido quando a melhor opção seria um passe atrasado para o Rui Costa, que estava isolado na área. Este lance marcou o início de um período de maior equilíbrio no jogo, com a bola a ser sobretudo disputada na zona do meio-campo. Isto queria dizer que apesar do jogo ser disputado a um bom ritmo, e com ambas as equipas interessadas na vitória, estranhamente estava a ser um jogo aborrecido devido à falta de oportunidades. Só mesmo no último minuto é que houve um sobressalto, com o Quim a fazer uma grande defesa a negar o golo ao Linz.


A segunda parte foi mais do mesmo. Aliás, foi ainda mais monótona. Os guarda-redes praticamente não tiveram trabalho, sendo a única excepção mais uma boa defesa do Quim após um remate de fora da área. As alterações feitas pelo Camacho pouco ou nenhum efeito surtiram na nossa produção ofensiva, e estranhamente quando o Rui Costa foi substituido pelo Romeu Ribeiro, a cinco minutos do fim, foi quando o Benfica conseguiu empurrar mais o Braga para o seu meio-campo, mas ainda e sempre sem conseguir causar grande perigo para a baliza adversária. O nulo final foi uma expressão justa para a falta de qualidade ofensiva mostrada por ambas as equipas, e sinceramente esta incapacidade para criarmos situações de golo deixa-me preocupado.


Quanto aos jogadores, foi uma boa estreia a titular do Binya. É um jogador a rever. Recuperou bastantes bolas, e posicionou-se sempre bem defensivamente. Parece no entanto um bocado 'verde', já que pareceu-me que entra muitas vezes aos lances de uma forma um bocado exuberante, que pode ser explorada por adversários experientes para sacarem faltas (o amarelo que viu, diga-se de passagem, foi ridículo). Acho que assistimos também ao melhor jogo que o Edcarlos fez até agora pelo Benfica. Foi bastante mais interventivo, apareceu muitas vezes no sítio certo a matar os lances, e até tentou o golo num pontapé de bicicleta que não passou longe do alvo. No entanto às vezes parece continuar a ter paragens cerebrais sem explicação, de que é exemplo um lance na primeira parte em que já no interior da nossa área ele abandona a marcação ao adversário e o deixa ir à linha de fundo centrar à vontade (depois viu-se o Katsouranis a repreendê-lo). Já que menciono o grego, diga-se que ele foi mais uma vez um dos melhores em campo, o que começa a ser uma constante de cada vez que ele joga a central. Bem também esteve mais uma vez o Quim, que apesar de não ter tido muito trabalho esteve sempre perfeito. Pela negativa esteve o Maxi Pereira. Falhou inúmeros passes, e esteve completamente desastroso nos centros. Foram diversas as vezes em que os companheiros (sobretudo o Rui Costa) o desmarcaram sobre o lado direito, e apesar de estar completamente à vontade, sem adversários a estorvá-lo, os seus centros acabavam sempre por sair compridos demais e sobrevoar toda a área sem que ninguém lhes pudesse chegar.


Se calhar um empate em Braga não deveria ser considerado mau de todo, mas para mim sempre que o Benfica não ganha o resultado é mau. Particularmente porque o FCP, que já leva seis pontos de vantagem, ganhou em Braga. Mas mais do que o mau resultado, o que me deixou mais preocupado foi mesmo a qualidade do nosso jogo ofensivo. O próximo jogo do campeonato é contra um adversário directo, e vai ser preciso melhorar muito, porque não podemos ficar a oito ou nove pontos do líder ao fim de apenas seis jornadas.

publicado por D`Arcy às 14:44
link do post | comentar | ver comentários (15)

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

Desnecessário

Desilusão

Estrelinha

Paciência

Incontestável

Difícil

Serenata

Crença

Evidente

Talento

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds