VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2008

Bem-vindo à Familia!!

Este post é só para dar as boas-vindas a um jogador que eu aprecio e que, apesar de ser do Congo, é português, mas ao menos este português fala um português que todos entendemos, há outros jogadores do Congo, também portugueses, mas.. se aquilo que falam é falar português... por amor de Deus!!

 

 

BEM-VINDO, MAKUKULA.

 

publicado por LMB às 12:25

editado por Anátema Device às 19:42
link do post | comentar | ver comentários (18)
Quarta-feira, 30 de Janeiro de 2008

Anacronismo

[Prefácio: este post já está pensado há algum tempo e foi escrito na sua quase totalidade na semana passada. Apesar da muito saborosa vitória frente ao V. Guimarães, até porque foi conseguida frente a 14, acho que permanece actual.]

 

É uma questão em que tenho vindo a pensar desde há uns tempos para cá. Será o Sport Lisboa e Benfica anacrónico? Serão os seus adeptos anacrónicos? Estaremos todos desfasados da realidade? Os tempos estão longe de estar fáceis e, se é verdade que as coisas já estiveram BEM piores (basta recuar uma meia-dúzia de anos), parece que se chegou agora a uma espiral de acontecimentos ou acções que, tendo o objectivo louvável de nos fazer regressar a tempos gloriosos, nos estão ao invés a conduzir a um abismo difícil de sair.

 

Estejamos conscientes do seguinte: ganhar quatro campeonatos em 20 anos não é normal no nosso clube, sendo que em 13 deles (para não dizer já 14) apenas vencemos um. Seis presidentes, quinze treinadores (alguns deles repetentes) e centenas de jogadores depois encontramo-nos no mesmo ponto de há 20 anos atrás. Ganhar títulos, o que nos estava na massa do sangue, passou a ser excepção em vez de ser regra. Alguma coisa certamente falhou ou tem falhado, mas caramba em 20 anos ainda não se percebeu o que é?! Parámos no tempo? Continuamos a viver do antigamente? Não nos conseguimos adaptar aos tempos do futebol moderno? Continuamos com o mesmo discurso “este ano é que é” a fazer lembrar os nossos vizinhos do outro lado da rua. E o que é certo é que apenas temos mais dois campeonatos ganhos do que eles neste período todo. Será culpa dos presidentes, dos treinadores, dos jogadores, dos adeptos? Provavelmente, cada um destes elementos diz (ou pensa) que a culpa é dos outros. É claro que durante estes 20 anos houve um “pormenor” chamado Apito Dourado, mas o problema não está só aí.

 

Daí o título deste post. O ser anacrónico está longe de constituir um defeito para mim, se colocarmos a ênfase ao contrário. Segundo o dicionário, anacrónico é o “que não está de acordo com a época.” Ora, a época é que não está de acordo com o (que sempre foi o) Benfica. Se ganhávamos antes e hoje não, a solução é muito simples: temos que trazer o antigamente até aos nossos dias. Temos que voltar às raízes e perceber o que nos fez ser grandes (e não falo do título recente de “maior clube do mundo”). Os tempos mudaram, mas o Benfica não soube mudar com eles. E porquê? Para mim, a razão é que não respeitou, não se inspirou e não tirou lições da sua história gloriosa. Não me querem convencer que entre 1904 e os anos 80 (quando começou o nosso declínio), o tempo e a história foram imutáveis, pois não? E nesse período nós soubemos mantermos à tona de água, algo que daí para cá claramente não sucedeu. O Benfica sempre foi o clube do povo, respeitador do adversário, cumpridor com as suas obrigações, grande nas vitórias, mas também nas derrotas. O clube em que se um jogador atira a camisola ao chão, não importa ser o mais valioso ou o capitão, é despedido com justa causa e nunca mais veste a gloriosa camisola. O clube que não perdoa a quem o trai e “cospe no prato em que comeu”. O clube cuja camisola tem que ter significado para quem a veste, não é apenas “mais uma”, é uma camisola com história, tradição que já foi envergada por muitos e famosos jogadores e que, portanto, tem peso. O clube cuja mística sempre foi passada aos novos jogadores, porque havia vários guardiões dela no balneário.

 

E o que tem sucedido nos últimos 20 anos? O oposto disto tudo. Só muito recentemente voltámos a ter um conjunto de jogadores que forma uma “espinha dorsal” com pelo menos quatro anos de clube (mesmo assim são só três: Luisão, Petit e Nuno Gomes). No entanto, a quantidade de jogadores que entra e sai (alguns deles cuja “qualidade” nos irá fazer dar voltas nos nossos túmulos) é vergonhosa. Qualquer um veste hoje a nossa camisola. Os contratos com treinadores deixaram de ser respeitados. Há quantos anos não temos um treinador com, pelo menos, duas épocas inteiras seguidas? Há treinadores que nos desrespeitam, fazem chantagem e batem com a porta, e nós vamos tentar buscá-los dois anos depois. Não nos fazemos respeitar nos órgãos próprios e a nossa voz não é ouvida quando somos prejudicados. Aliás, nos últimos tempos nem sequer temos essa “voz”. Não vou continuar, porque os exemplos são infindáveis.

 

Eu quero um Benfica que regresse à grandeza de antigamente e à forma como nessa altura se faziam as coisas. Que não utilize os jogadores e treinadores como junk-food, que serve para matar a fome, mas no fundo faz mal. Eu quero um Benfica que não dispense um João Pereira para ir buscar um Luís Filipe ano e meio depois. Eu quero um Benfica que se lembre que há não muito tempo teve um Harkness, um Escalona, um Pesaresi e um Cristiano antes de pensar em não renovar com um Léo. Eu quero um Benfica que perceba que os ordenados de um Butt e um Zoro eram mais úteis se servissem para aumentar um Simão. Eu quero um Benfica que não contrate jogadores e seis meses depois os mande embora. Eu quero um Benfica que planeie as coisas a tempo e horas e não ande ao saber das marés dos resultados, contestações, imprensa hostil, empresários, etc. Eu quero um Benfica que saiba que para se construir uma grande equipa é preciso tempo, que não nos prometa todos os anos que “este é que é” ao mesmo tempo que contrata uma dúzia de novos jogadores. Eu quero um Benfica sólido que esteja imune às turbulências naturais que os nossos adversários nos tentam provocar. E esse Benfica foi o Benfica que desde sempre existiu, foi o Benfica que os nossos antepassados construíram e que tem vindo a ser destruído de há 20 anos para cá.

 

Com quem ou quando não sei, mas é urgente que “este” Benfica volte o mais rapidamente possível. Sob pena de entrarmos num marasmo e numa espiral negativa impossível de sair.

publicado por S.L.B. às 04:25
link do post | comentar | ver comentários (36)
Segunda-feira, 28 de Janeiro de 2008

Lata

Artigo do jornaleiro Carlos Pereira Santos n'A Bola de hoje:

"O País andava numa tristeza lamentável, farto das cambalhotas do ministro da Saúde, cansado de se rir com os tiques de honestidade exclusiva por parte da oposição. principalmente do ar snob do príncipe laranja da marginal de Gaia, até que... o Benfica foi a Guimarães e livrou-se da pressão, com uma excelente primeira parte e uma bomba de Cardozo (e vá lá saber-se porque é que o Tacuara só joga de vez em quando. Alguém sabe...). A vitória implacável do Benfica ressuscitou a alegria a seis milhões, mas teve ainda o mérito de reanimar o presidente do clube, Luís Filipe Vieira. Enfim, há que perdoar a frágil identificação que ele tem com a língua portuguesa - calinadas quem as não dá?[...]

O glorioso LFV falou de novo, levado pelos ventos que sopram em Alcochete, na nova casa do Benfica. Para se queixar, exactamente, das arbitragens. Irritou-se porque diz que em Guimarães o que fizeram a Rui Costa foi um atentado. Lá está, um dos méritos desta vitória do Benfica é ter colocado de novo o País a rir sem ser por causa destas coisas da política.

LFV, o glorioso, andava sossegado ou preocupado. A vitória abriu-lhe uma porta para falar da arbitragem, embora se tenha esquecido, por exemplo, do jogo da Amadora para a Taça da Liga. Mas um lapso de memória, quem não tem? É deixá-lo falar, porque o povo merece rir."



É preciso ter lata. Ou melhor, é preciso não ter mesmo vergonha nenhuma na cara para se escrever isto. LFV falou de arbitragens, por acaso num evento com benfiquistas, e para benfiquistas, fazendo apenas algo que os próprios benfiquistas já reclamam há muito tempo, dadas as proporções grotescas que a coisa começa a tomar. Foi precisa uma vitória para que LFV visse uma porta ser-lhe aberta para falar de arbitragens? Essa porta já está escancarada há muito, muito tempo! Difícil mesmo é não falar de arbitragens depois de se perderem jogos e pontos às custas de habilidades das mesmas. Difícil é ficar-se em silêncio a seguir a um autêntico assalto como o que foi perpetrado em nossa casa, na última jornada, por um sócio de um clube que, sem dúvida, está habituado a rir muito com estas coisas das arbitragens. E
claro que num artigo destes a menção ao jogo da Taça da Carochinha - que eu, como todos os benfiquistas, soube no preciso momento em que o penalti inexistente foi assinalado a nosso favor que isso seria utilizado até à exaustão ao longo de toda a época como cavalo de batalha contra o Benfica - não poderia faltar. Como se confirmação fosse necessária do móbil do artigo.

O 'país' que eventualmente se estará a rir com isto, sem dúvida boçal e alarvemente, já o deve estar a fazer há muito tempo, que para esse país devem ser muito divertidos os autênticos compêndios de arbitragem a que o Benfica tem sido sujeito semana sim, semana sim. E de certeza que nesse país se incluirá o próprio Carlos Pereira Santos, juntamente com a corja de jornaleiros que escrevem artigos destes. E vá lá saber-se porque é que eles só escrevem artigos destes de vez em quando. Alguém sabe...
publicado por D`Arcy às 13:24
link do post | comentar | ver comentários (35)
Domingo, 27 de Janeiro de 2008

Cardozaço

Foi sofrida, sim senhor. Mas nem por isso menos merecida, a nossa vitória desta noite. E o sofrimento só acaba por lhe dar um sabor ainda melhor, particularmente quando ficamos com a sensação de que não foram apenas os jogadores do Guimarães os adversários que estiveram hoje a defrontar-nos dentro do campo.

Novamente a alinhar em 4-2-3-1, com o Cardozo na frente, o Benfica teve uma entrada em jogo inesperadamente forte. A equipa apareceu muito personalizada, com grande espírito de entreajuda, e a pressionar o adversário. Resumindo, apareceu com a atitude que os adeptos reclamam, e que tem andado ausente nos últimos jogos. E cedo essa diferença de atitude foi recompensada com um cardozaço. Finalmente o paraguaio marcou um daqueles livres que muitos de nós andámos a ver no YouTube, e só espero que isto signifique que o vão passar a deixar tentar marcar livres mais vezes (estão a ouvir, Petit e Rui Costa?). Ao contrário de outras ocasiões, a equipa não abrandou após o golo, e manteve a mesma atitude. Como resultado disto, o Guimarães pouco se viu durante o primeiro tempo, e foi o Benfica quem voltou a marcar, ainda antes da meia-hora. Numa iniciativa pela esquerda o Di María não desistiu de uma bola que parecia perdida, ultrapassou dois adversários e, já dentro da área, assistiu de trivela (não é exclusivo de ninguém, embora às vezes até pareça) para um golo fácil do Maxi Pereira, que fixou o resultado com que se atingiu o intervalo. Nesta altura, estando eu agradavelmente surpreendido com o que vira durante o primeiro tempo, não pensei que o Benfica viesse a ter grandes dificuldades para vencer este jogo.

Infelizmente, tal não aconteceu. Primeiro houve a lesão do David Luíz, que obrigou à entrada do Nuno Assis e ao recuo do Katsouranis para central. Depois houve a entrada do Guimarães na segunda parte, que foi muito forte e nos empurrou para junto da área. Apesar da boa vontade do Maxi, notou-se a ausência do Katsouranis no auxílio ao Petit, e perdemos o controlo do meio-campo que tínhamos na primeira parte. Foram uns vinte minutos muito difíceis, agravados com o golo do Guimarães após quinze minutos, mas a verdade é que após o golo o ímpeto do Guimarães foi diminuindo, e foi-nos sendo um pouco mais fácil ir reequilibrando o jogo, e manter a bola longe das imediações da nossa área. De tal forma que se chegou a um ponto em que o Guimarães optava por despejar a bola lá para a frente em todos os livres que iam conquistando com o beneplácito do árbitro, na esperança de criar perigo, mas foi sem grandes sobressaltos que o tempo se foi escoando. O Camacho até surpreendeu na altura das substituições, mantendo o Cardozo em campo, e foi recompensado com o golo da tranquilidade já em período de descontos, tendo o mesmo Cardozo aproveitado uma asneira do guarda-redes Nílson (e foi muito bem-feito, porque desde a célebre eliminatória da Taça em que fomos gamados e eliminados pelo Guimarães na Luz graças a um golo irregular que eu tenho um pó enorme a esta criatura - ainda me lembro do número de vezes que ele simulou estar lesionado durante esse jogo para queimar tempo).

Não vou mencionar melhores ou piores, porque esta noite gostei do Benfica como equipa. Vou apenas agradecer ao Cardozo os dois golos, e a infinita paciência que tem, porque passar jogos como ele passa, isolado na frente e a sofrer todo o tipo de faltas dos defesas sem serem assinaladas seria o suficiente para qualquer pessoa normal perder a cabeça. Treze golos já lá estão, e continuo, como desde o início da época, a achar que muitos mais se seguirão. Parabéns também ao Nuno Assis pela boa entrada em jogo - houve períodos em que foi importantíssimo a segurar a bola e a refrear os ânimos do Guimarães, numa autêntica demonstração de futebol trapattoniano.

Aquilo que acabou por mais me irritar mesmo durante o jogo foi a arbitragem. O ror de asneiras foi tal que seria possível fazer um post inteiro sobre esse assunto, mas não gosto de perder tempo com isso. Eu considero o João Ferreira um árbitro muito fraco, mas há coisas que já são difíceis de justificar apenas com aselhice. Depois da arbitragem do Paulo Costa contra o Leixões, espero que isto não seja uma tendência a manter. Eu até acho que onze pontos já são suficientes para descansar, por isso a agenda neste momento já deve ser outra.

Esperemos então que esta difícil vitória possa ser, de facto, um prenúncio para o tal fugidio 'ciclo de grandes vitórias'.
publicado por D`Arcy às 04:08
link do post | comentar | ver comentários (25)
Sexta-feira, 25 de Janeiro de 2008

Substituir o treinador resolverá os problemas?

Na sequência deste post, em que as discussões sobre o treinador estão muito centradas na pessoa do Camacho, gostaria de colocar a questão (ou questões), sobretudo para os que defendem a sua saída, nestes termos:
1. haverá critérios bem definidos para a escolha do treinador?
2. haverá uma planeamento sobre qual deve ser o trabalho desse mesmo treinador, ao longo do contrato, e de quais as suas competências e objectivos a atingir?
3. estará o Benfica preparado para acolher um novo treinador, novos métodos de trabalho e que provavelmente fará algumas exigências à direcção para que possa cumprir os seu plano (a alternativa seria um treinador que não coloque quaisquer condições...)?
4. estará o Benfica preparado para dar continuidade ao trabalho positivo de um treinador, mesmo após a sua saída?
publicado por tma às 19:25
link do post | comentar | ver comentários (11)

25 de Janeiro

Hoje é uma das datas mais marcantes para o Benfica.
Nesta data, no ano de 1942, nascia, no bairro da Mafalala, em Lourenço Marques (hoje Maputo), Eusébio, o melhor jogador português de todos os tempos.
Nesta data, no ano de 2004, perecia, no hospital de Guimarães, Miklos Fehér.

Por coincidência (ou quase...), amanhã o Benfica desloca-se a Guimarães, ao mesmo estádio onde Miki Fehér, em pleno jogo, caiu por terra inanimado mergulhando num sono profundo do qual não mais acordaria.
Do actual plantel, poucos são os que estavam presentes nesse trágico dia. Mas curiosamente, o treinador é o mesmo.
Recordo também a forma como esse momento marcou a equipa. O grupo ficou mais unido e o desempenho da equipa melhorou até ao final da época.

Gostava que este conjunto de factos levasse o treinador e jogadores a reflectirem sobre o passado recente e que essa reflexão contribuisse para que amanhã, em Guimarães, os jogadores que entrarem em campo saibam honrar o clube de sempre de Eusébio e que viu partir Fehér.
publicado por tma às 10:39
link do post | comentar | ver comentários (5)
Quarta-feira, 23 de Janeiro de 2008

Eu defendo o José António Camacho.

Vamos despedir o Camacho!

Porquê? Porque o homem é um primário em termos tácticos. Obviamente que o homem é um primário em termos tácticos. Não diz 'basculação' defensiva, não diz compensação ofensiva, não dá confianças torpes à imprensa, não sabe falar de futebol como o Freitas Lobo e até o Vasconcelos (que não é um comentador primário) já exigiu a sua demissão. E se o Vasconcelos diz que o gajo é primário, eu até penso no assunto durante uns segundos. Em suma, o Camacho é um básico.

O Camacho não salta no banco como saltava. Não grita como gritava. Não ganha como ganhava. Aliás, tudo o que ele fez no Benfica: perder dois campeonatos contra o Porto de Mourinho e da fruta; ganhar uma Taça de Portugal ao Porto do Mourinho e da fruta; deixar a base de uma equipa que foi campeã com Trapattoni… Tudo isto foi feito por obra e graça do Veiga ou terá sido por obra e graça do Fernando Santos? Ou do Vasconcelos? Ou da Nau Catrineta? Foi certamente por mérito de um deles, mas do Camacho não. Porque o Camacho só sabe gritar com os jogadores, dizer banalidades aos jornalistas e coisas que não agradam aos directores do Benfica.

O Camacho seria bom treinador, um conhecedor profundo do futebol profundo, se esticasse o pescoço e ajeitasse a goela nas conferências de imprensa ou se fosse a jantaradas com jornalistas e comentadeiros de canais televisivos e radiofónicos. Mas não vai. O malandro insiste em escolher as companhias para jantar. Não sei bem os motivos, mas obviamente que o Camacho não serve para o Benfica. Toda a gente diz isso, portanto deve ser verdade.

O Benfica joga mal? Joga. O Benfica não evolui? Não. O Benfica tem um bom plantel? Há quem diga que tem… ok, tem. O Benfica tem um plantel escolhido pelo actual treinador? Não. O Benfica tem um plantel melhor do que o do ano passado? Não. O Benfica tem o Luís Filipe, tem o Zoro, tem o Edcarlos, tem o Butt, tem o Simão (desculpem, enganei-me neste último) e tem o argelino que o treinador não conhece. O Benfica não tem o Simão (agora acertei), não tem o Miccoli e não tem o Karagounis da época passada. Também não tem o Miguel, o Tiago, o R. Rocha ou o Giovanni que o Camacho cá deixara. Mas isso é de somenos. Qualquer clube em Portugal vive bem sem três ou quatro destes jogadores banais, quando os mesmos são substituídos por futebolistas maduros e prontos para assumirem responsabilidades num clube que quer ser campeão (o Adu, o Di Maria e o Cardozo).

Quando Camacho assumiu a equipa na segunda jornada de uma pré-época mal alinhavada e de uma época mal parida o que é que o comum dos adeptos pedia? Que fôssemos campeões com um plantel desequilibrado e feito à medida do tacticamente genial Fernando Santos? Era isso? Muito bem, para isso seria necessário o Mourinho e a fruta. Mas não! Veio o Camacho sem fruta e, mais uma vez, sem que por parte da Direcção assumam as promessas que lhe fizeram em Setembro. Assim, a culpa desta trapalhada toda é do… Camacho. Mas isto não é argumento. Mas isso não é importante. Qualquer gajo que não seja primário na elaboração táctica sabe que essa coisa das pré-temporadas e das planificações da época não são importantes. São em Agosto, e em Agosto importante é a temperatura da água do mar…

Deste modo, o gajo que é primário e é espanhol deve ser despedido já. Porque tudo o que for aquém do despedimento é branquear o seu primarismo e incompetência. É óbvio! Um excelente treinador seria campeão até a jogar com o Butt, o Luís Filipe, o Zoro, o Mantorras, o emplastro, o Saci Pereré e a Alexandra Solnado na equipa principal. Mas Camacho não é um excelente treinador. Um excelente treinador custa muito dinheirinho. Muito mais do que aquele que temos. Custa a massaroca que se paga por um Capello ou um Eriksson ou um Mourinho. Dentro do que é possível ter, Camacho é apenas uma boa solução. Há algumas soluções mais baratas: o Luís Campos, o Faquirá, o Cajuda, o Paulo Bento, o labrego de Mirandela, o gajo do Fátima, o brasileiro do Sertanense, o brasileiro da Selecção (será?) e todos os outros que têm feito um grande trabalho entre Moreira de Cónegos e Olhão. Todos esses, muito bons e baratinhos, devem ser melhores do que o Camacho que, diga-se, nem tem currículo. Entre o Mota do Paços de Ferreira com o seu eterno boné e o Camacho com o suor no sovaquito, obviamente que deve vir o génio que se sabe proteger do Sol.

Assim, depois de muito do que tenho lido, verifico que a solução para o Benfica é não branquear a incompetência do Camacho e, em justa medida, despachá-lo. Eu e mais alguns como eu, que somos primários e não gostamos de espanhóis, defendemos que o melhor é manter este espanhol como treinador do Benfica. Mas não se preocupem: eu não tenho razão alguma no que defendo, porque o Benfica está a perder jogos e essas coisas todas.

publicado por Pedro F. Ferreira às 20:24
link do post | comentar | ver comentários (100)

O nosso plantel não presta!

Ao que parece, a julgar pelas opinões circulantes de jornalistas, comentadores, bloguistas, adeptos e até responsáveis da equipa, o nosso plantel não presta!  Precisamos é de reforços! 

 

Esta semana, temos o Bynia e o Zoro na CAN.  O Luisão foi chamado à selecção do Brasil, Maxi Pereira e Rodrigues à do Uruguai.  Di Maria foi chamado pela primeira vez à selecção olímpica da Argentina (substituindo Leo Messi, e juntando-se a um impressionante lote de jogadores - Higuain, Mascherano, Riquelme...).

 

Pois é.  O plantel é mesmo mau.  O treinador e responsáveis, coitados, são excelentes e fazem o que podem, mas com um plantel destes, o que fazer?  Encolher os ombros e olhar para o chão, a fingir que não é nada com eles...

 

Precisamos é de reforços!  Sempre!  Há anos que precisamos é de reforços!  E depois os reforços chegam e precisamos ainda de mais reforços!  Sempre!

 

Porque, claro, o plantel não presta...

publicado por Artur Hermenegildo às 10:05
link do post | comentar | ver comentários (19)
Terça-feira, 22 de Janeiro de 2008

E assim se lava dinheiro!

Li uma noticia do clube do norte que dizia o seguinte:

 

A SAD «porconhenta» adquiriu os 9 por cento do passe de Ricardo Quaresma que pertenciam ao fundo First Portuguese Football Players Fund, bem como a totalidade dos passes de Paulo Machado, Ivanildo e Vieirinha, investindo para o efeito 1,7 milhões de euros.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Porcos– Futebol, SAD anuncia que a operação implica «a cessão do contrato de associação de interesses económicos que consubstanciou uma parceria estratégica de investimento em direitos desportivos e direitos de imagem de jogadores de futebol».
O documento explica que o acordo prevê «a recompra da percentagem dos passes detida pelo Fundo, dos jogadores Ricardo Quaresma (9%), Paulo Machado (16,7%), Ivanildo (16,7%) e Vieirinha (16,7%), pelo valor global de 1,7 milhões de euros».

E assim se lava dinheiro...fazendo-o circular, comprando e vendendo parte de passes de jogadores sempre entre as mesmas pessoas.

 

O Fisco vê alguma coisa?? Não, para quê?! E depois há Pepes a serem vendidos por 30 milhões... e é tudo normal, tudo normal, até que em Espanha se começaram a levantar questões...

 

Mas o pior e no que toca ao clube dos Porcos são todas as questões para as quais deveria haver respostas claras mas que  não passam de meras perguntas de retórica.

 

p.s: Se o Bagão se candidatar, até tem o meu voto... mas para isso tenho de ver quem vai com ele para lá.

publicado por LMB às 15:21
link do post | comentar | ver comentários (17)
Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2008

As eleições e a oposição ao Luís F. Vieira.

As eleições no Benfica já não estão longe. Muitos são os que se colocam a jeito, mas poucos são os que têm apoios e credibilidade para serem candidatos dignos desse nome.

Há um candidato que se vem alinhando com nomes que garantem viabilidade financeira e desportiva. Tudo se encaminha para que seja um candidato capaz de destronar o actual presidente. Espero que, desta vez, não haja medo de assumir uma candidatura.

A única parte aborrecida é ter de ver o António Castro confrontar-se com a lista que terá como trunfo o Manuel César. É que o António Castro até simpatiza com o Manuel César, mas o Manuel César insiste em fazer o jogo de quem tem a sentença lida.

De toda a informação que recolhi, só não tenho a certeza de quem será o homem forte para o futebol (não falo do treinador) que surgirá na lista do António Castro, mas tudo indica que seja o Manuel de Jesus.

 

[agora, caros jornalistas que parasitam blogues, fazei o vosso trabalho e descobri (é fácil) de quem se fala neste post (os nomes já lá estão). De hoje a uns tempos, veremos com quantas fontes se faz uma notícia]
publicado por Anátema Device às 21:35
link do post | comentar | ver comentários (46)

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

Desnecessário

Desilusão

Estrelinha

Paciência

Incontestável

Difícil

Serenata

Crença

Evidente

Talento

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds