VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Quinta-feira, 30 de Abril de 2009

LADRÕES!

As imagens falam por si. Quase não é preciso acrescentar mais nada. Estes senhores demonstraram mais uma vez que estão longe de ser incompetentes. No primeiro conjunto de imagens, a dualidade de critérios é gritante. No segundo, o larápio sabia muito bem o que tinha (ou não) de fazer.

 

 

 

 

 

publicado por S.L.B. às 10:26
link do post | comentar | ver comentários (34)

Pequenos Deuses Caseiros

Há trinta e tal anos, Manuel Freire cantava assim:

 

"Pequenos deuses caseiros que brincais aos temporais / Passam-se os dias, semanas, os meses e os anos / E vós jogais, jogais / O jogo dos tiranos.

 

Dormi em colchões de penas / Dançai dias inteiros / E comprai os que se vendem / Alteai vossas janelas / E trancai as vossas portas / Pequenos deuses caseiros / E reforçai, reforçai as sentinelas"

 

 

Gostaria de dedicar esta canção aos dirigentes da Liga e da Federação, ao presidente do fcp e demais dirigentes dessa associação, aos juízes de Gondormar e da Relação do Porto, ao possível futuro presidente da liga proposto pelo fcp, a muitos árbitros de futebol actuais e passados, a muitos jornalistas desportivos, e a todos os amigos e conhecidos que têm tão brilhantemente pugnado para a construção e manutenção do actual "estado de coisas" do futebol português e, porque não dizê-lo, do País!

publicado por Artur Hermenegildo às 10:17
link do post | comentar | ver comentários (5)
Quarta-feira, 29 de Abril de 2009

Disciplina

A estranha disciplina da Liga voltou a actuar. Já sabemos que todas as semanas, mas todas mesmo, sem excepção, o Benfica é multado por esta ou aquela razão. Nem que seja porque os adeptos do Benfica apareceram no estádio. Se alguém se dedicar a fazer as contas, rapidamente concluirá que este ano tem sido o Benfica o maior contribuidor para pagar os ordenados àquela gente toda. Só esta semana, foram sete os castigos e mais €2.775 para os bolsos da Liga.

O caso mais recente foi o nosso Rui Costa, que foi mais uma vez multado e ficou suspenso por um mês (na prática, até ao final do campeonato). Isto devido a
"expressões, desenhos, escritos ou gestos injuriosos, difamatórios ou grosseiros para com membros dos órgãos da Liga e da Federação", actos estes que terão sido cometidos aquando da última recepção ao Marítimo. Bem, eu nem sequer digo que o Rui Costa não tenha tido alguma destas atitudes, até porque, como Benfiquista que é, perante a arbitragem 'competentíssima' do seu homónimo, acredito que tenha sido difícil conter-se. Eu bem sei o que se ia ouvindo nas bancadas. Agora o que eu acho estranho é que outros, que têm tido atitudes que se encaixam como uma luva nesta descrição, e que são visíveis por toda a gente, continuem impunemente a fazê-lo semana após semana, perante a complacência não só da Liga como dos próprios árbitros visados, que se 'esquecem' de incluir a descrição desses actos nos seus relatórios, ou que os desvalorizam vá-se lá saber porquê. Parece-me que neste caso a 'competência' do árbitro do nosso último jogo é capaz de se ter também estendido ao relatório que escreveu.

Entretanto, e porque nestas coisas da competência convém manter uma certa constância, para o próximo fim-de-semana já sabemos que poderemos contar com a competência do infalível bombeiro de serviço, Jorge Sousa. Este é tão competente que raramente falha.

publicado por D`Arcy às 10:59
link do post | comentar | ver comentários (42)
Terça-feira, 28 de Abril de 2009

Duas palavras: só vitórias.

A nossa equipa de basquetebol terminou a fase regular da respectiva Liga só com vitórias (a cereja no topo deste bolo foi a vitória contra um clube regional no último - e muito sofrido - jogo). É certo que ainda falta o playoff, a fase realmente importante, mas estes atletas merecem neste momento todo o nosso reconhecimento pelo excelente trabalho que fizeram ao longo desta fase, ao qual não será alheia a mão do nosso responsável pelas modalidades. Com este quadro, creio que é legítimo esperar que estes senhores tragam o caneco no final do playoff. Força nisso!

 

publicado por pv às 21:08
link do post | comentar | ver comentários (7)

O minuto 58.

Sempre achei o wrestling como um subproduto do desporto. Aliás, tenho muitas reservas em considerar a prática de violência gratuita e de desfechos pré-combinados como desporto.

 

Confirmei, ao minuto 58, que o futebol português é muito parecido com o wrestling. E, apesar haver quem chame desportista a um tal de Bruno Alves, não foi pela violência gratuita que confirmei a dita semelhança …

 

[link]

publicado por Pedro F. Ferreira às 11:11
link do post | comentar | ver comentários (21)
Domingo, 26 de Abril de 2009

Compêndio

Um verdadeiro compêndio, foi aquilo que este jogo revelou ser. Um compêndio sobre como um projecto de árbitro, de forma extremamente competente e nada ardilosa, conseguiu equilibrar os pratos da balança de um jogo que, em futebol jogado, chegou a mostrar tamanho desequilíbrio que a única previsão possível para o resultado final era uma goleada, com um desnível comparável ao que vimos na primeira volta entre estas mesmas equipas.

No que diz respeito ao futebol, o Benfica apresentou pela terceira jornada consecutiva o mesmo onze, organizado num 4-4-2 clássico. Isto frente a um Marítimo que apareceu com um 4-3-3, apostando na velocidade de dois ex-jogadores do Benfica para os extremos (Manú e Paulo Jorge). Sem ter tido uma entrada brilhante no jogo, aos poucos o Benfica foi tomando conta do mesmo, e mostrando um futebol com mais alguns dos traços que lhe temos visto nos úiltimos tempos, em particular uma maior velocidade, capacidade de pressão sobre o adversário em terrenos mais adiantados, e bastante mobilidade/liberdade dos seus jogadores no terreno, sendo frequentes as trocas de posição. Quanto ao Marítimo, não me pareceu que se remetesse exclusivamente à defesa, resultando daí um jogo interessante de seguir, mesmo que nem sempre tenha sido bem jogado. Este 4-4-2 do Benfica, como disse, tem mostrado algumas características bastante interessantes, sendo a mais evidente a capacidade para criarmos oportunidades de golo e rematarmos frequentemente. Por outro lado, não é uma táctica isenta de riscos, já que com o meio campo entregue quase exclusivamente à dupla Carlos Martins/Rúben Amorim, parece-me que somos por vezes demasiado 'macios' nessa zona, sendo por vezes evidente o espaço exagerado que concedemos ao adversário para jogar nessa zona (na segunda parte, e face à muito menor disponibilidade do Di María para defender quando comparado com o Aimar, esse pormenor foi ainda mais visível).

Parecia portanto ser bastante provável que o Benfica, quebrando a infeliz tendência desta época nos jogos caseiros, fosse capaz de marcar durante a primeira parte. E isso acabou por acontecer à meia hora de jogo, de uma forma fortuita: houve um cruzamento do David Luíz na esquerda, o Nuno Gomes e um defesa do Marítimo fizeram-se à bola sem no entanto lhe tocar, e esta acabou por descrever um arco, entrando ao segundo poste. Apesar de obtida de forma feliz, a vantagem já se justificava naquele momento, porque nessa altura o jogo já só dava Benfica. Como se costuma dizer muitas vezes, o que custa é o primeiro, por isso foi com uma aparente facilidade que, no espaço de oito minutos, marcámos mais dois golos. O primeiro pelo Cardozo, na conclusão de uma boa jogada em que o Carlos Martins desmarcou o Maxi na direita, e este centrou tenso e rasteiro para a emenda do paraguaio. Foi também da autoria do Cardozo o terceiro golo da noite, desta vez emendando à boca da baliza um cabeceamento vindo do outro lado, após livre do Reyes. Com isto, o Cardozo soma agora seis golos nos últimos quatro jogos. Hoje foram para mim evidentes os benefícios que ele tirou da companhia do Nuno Gomes, cuja mobilidade contribuiu para abrir bastantes espaços para o paraguaio. Conforme disse, nesta altura já cheirava a goleada, mas com a contribuição preciosa do senhor Rui Costa e uma série de livres por ele assinalados, o Marítimo ainda conseguiu finalmente acercar-se da nossa baliza, e marcar sobre o intervalo. Neste particular, confesso que me irrita o facto de defendermos este tipo de lances com onze jogadores dentro da área, e ainda assim ser desta forma que acabamos por sofrer grande parte dos golos. Voltando ao jogo, fiquei logo com a sensação de que foi este golo que evitou o descalabro do Marítimo, porque se fôssemos para o intervalo com três golos sem resposta, o jogo acabaria inevitavelmente numa goleada.

O segundo tempo trouxe-nos uma alteração importante, pois o Benfica surgiu com o Di María no lugar do Aimar. Não sei qual foi o motivo para esta alteração, mas na minha opinião ela reflectiu-se negativamente no nosso jogo. Fez-nos falta a capacidade do Aimar para segurar a bola no meio campo adversário, esperando pela movimentação dos colegas para depois combinar de forma inteligente com eles. Com o Di María as coisas passam-se de uma forma muito mais linear, e além disso ele não esteve numa noite particularmente inspirada, procurando quase sempre resolver as coisas demasiado depressa, com resultados invariavelmente negativos (centrar bolas para a área sem sequer levantar a cabeça para ver o posicionamento dos colegas - ou ver sequer se estão de facto colegas na área - não faz sentido nenhum). O jogo continuava a ser disputado a um ritmo elevado e de uma forma aberta, embora a qualidade do mesmo tenha sido inferior à primeira parte. O Marítimo mostrava vontade de discutir o resultado, lá isso mostrava, mas capacidade para ameaçar a nossa baliza é que nem vê-la. Não sei quantos remates terão eles feito, mas tenho a certeza de que os dedos de uma mão chegam e sobram para contá-los. Não me recordo de ver o Quim fazer uma única defesa.

Mas não nos podemos esquecer do competentíssimo Rui Costa, da família dos competentíssimos Costas, e a quem eu auguro um futuro bastante promissor, prevendo para breve a sua promoção a internacional. Pois este senhor, não contente com o critério estupidamente parcial na amostragem de cartões, e com o facto de decidir 99% dos lances a favor do Marítimo,
descortinou numa queda desajeitada de um insular uma oportunidade dourada para assinalar penálti, e não se fez rogado. Ocasião de ouro para o Marítimo rematar à nossa baliza (já que de outra forma parecia ser impossível), e assim, de súbito, verem-se com a possibilidade de disputar o resultado de um jogo que, de outra forma, nunca pareceu estar ao seu alcance. E tanto que não estava que, apesar de dispormos de apenas um golo de vantagem, a meia hora que faltava até ao final decorreu de forma tranquilíssima, não sentido a nossa baliza ameaçada nem por uma vez que fosse. Pelo contrário, pareceu-me sempre que o quarto golo do Benfica poderia surgir a qualquer altura, houvesse cabeça fria suficiente para aproveitarmos as brechas que se abriam na defesa adversária, e concluir de forma satisfatória alguma das diversas jogadas de ataque que essas brechas proporcionaram. O único factor de nervos acabou mesmo por ser a actuação do senhor Rui Costa, que não contente com o que tinha feito até então, continuou a alardear a sua extrema competência e a anunciar a sua candidatura às insígnias de internacional durante o tempo que faltava. Infelizmente para ele, a falta de capacidade do Marítimo para chegar ao empate terá porventura prejudicado essa mesma candidatura.

Apesar de algo desajeitado nos passes longos, gostei da actuação do Carlos Martins esta noite, enquanto esteve em campo. O Maxi esteve no nível elevado que tem mostrado esta época, e o Cardozo continua a mostrar que terá sido um desperdício tê-lo no banco ou a jogar desacompanhado na frente durante tanto tempo. Não gostei francamente daquilo que o Di María fez. Acho que ficámos a perder com a troca do Aimar.

Nos últimos três jogos para a Liga jogámos com este onze, e esta disposição táctica, e em cada um deles conseguimos uma produção ofensiva bastante interessante, sempre com mais de vinte remates por jogo. Em comparação com o autêntico aborrecimento que foi ver diversos jogos do Benfica esta época, isto tem sido uma agradável mudança. Não sei se ainda vamos a tempo de melhorar a nossa classificação, mas espero que pelo menos se mantenha este nível até ao final da época. Uma coisa parece certa: o Zé da Bancada, que insiste que o Benfica tem que jogar sempre com dois avançados, parece neste caso estar a ver ser-lhe dada toda a razão.

publicado por D`Arcy às 23:40
link do post | comentar | ver comentários (27)

Parabéns, Telma! II

 

A Telma Monteiro não vestiu a indumentária da selecção nacional de Judo e anda a dar entrevistas e a aparecer por tudo quanto é sítio com o manto sagrado vestido. É claro que os responsáveis da FPJ já vieram fazer o devido reparo, o que eu percebo perfeitamente, até porque eles fizeram circular a informação de que os atletas deveriam fazer uso do equipamento da selecção, mas eu não posso senão regozijar-me com a atitude, pois a Telma deixa claro que o emblema com que se identifica é o do Glorioso e não o das "quinas". Parabéns à Telma que, além de ser uma mulher bonita e bem-falante, de ser benfiquista e (também por isso) campeã, trata com este nobre desprezo o chiqueiro das normas das equipas ditas de todos nós.

publicado por pv às 11:02
link do post | comentar | ver comentários (22)
Sexta-feira, 24 de Abril de 2009

Os neo-damasianos?

Escrevo estas linhas às 21 horas. Há mais ou menos uma hora juntaram-se, no Marriott, António Figueiredo e Bruno Carvalho. Será que os damasianos querem regressar?

Seja como for, parece-me uma parelha interessante… merecem-se.

publicado por Anátema Device às 20:56
link do post | comentar | ver comentários (29)

Parabéns Telma!

 

A nossa Telma Monteiro é Campeã da Europa.

 

Parabéns Telma!

publicado por Artur Hermenegildo às 16:49
link do post | comentar | ver comentários (10)
Quinta-feira, 23 de Abril de 2009

A importância relativa da Champions e a importância absoluta dos direitos TV (para ler como complemento ao post anterior)

 

Quando se analisa mais em pormenor a estrutura dos proveitos operacionais das SADs do Glorioso e dos outros ‘grandes’, começamos a perceber muito melhor a motivação para certas atitudes que, à primeira vista, parecem desproporcionadas.
 
No final do 1º semestre desta época desportiva, em que fizemos uma carreira europeia com a qualidade de um penteado da estrutura desportiva do Sportem, a Benfica SAD teve receitas operacionais da ordem dos EUR 26 milhões. Adicionalmente, e por opção, não alienou quaisquer activos.
Analisando e comparando as receitas das SAD, consegue-se perceber que não dependemos da ida à Liga dos Campeões para sobreviver (e basta vendermos um dos jogadores do plantel para se equilibrar as contas) e consegue-se perceber o quanto os outros dois clubes da Coligação Anti-Benfica, esses sim, precisam disso como ar para respirar. Nomeadamente, a Agremiação do Lumiar, em que as receitas das competições europeias (e só estamos a falar dos prémios de participação: não se consegue isolar o efeito nas bilheteiras) representaram EUR 10 milhões (pasme-se: 33,5% das receitas totais).
É fácil - torna-se muito fácil - perceber a razão do choradinho do treinador da lagartagem e de toda a pressão montada para os deixarem ficar com o segundo lugar.
 
Alinhemos mais uma vez no jogo que a imprensa avençada gosta de fazer e peguemos nas SADs do Benfica e dos outros dois clubes de maior expressão, e nas suas contas do 1º semestre desta época.
Analisando a estrutura de proveitos, chegamos à conclusão de que as quotizações na Benfica SAD representam EUR 4,4 milhões (17% das receitas operacionais), tendo presente que isso só responde por 75% das quotas (o restante é do clube). Na FCP SAD as receitas das quotas são de EUR 1,96 milhões (8% das receitas) e na Sportem SAD são de EUR 2,1 milhões (7%). É fácil perceber a diferença de dimensão. Num cálculo rudimentar, se se anualizar a totalidade do montante semestral total das quotas do Benfica (EUR 5,85 milhões), chegamos a EUR 11,7 milhões anuais.
 
A nível de publicidade e patrocínios, a Benfica SAD apresenta proveitos de EUR 6,2 milhões (FCP SAD - EUR 5 milhões; Sportem SAD – EUR 3,2 milhões). Registe-se ainda que a nível de bilheteira e cativos só seria possível ter uma ideia cabal dos agregados totais com recurso às contas consolidadas dos 3 grupos, dado que parte das receitas estão nas SADs e parte nas empresas que exploram os estádios (consoante os casos), mas ainda assim registe-se – ressalvando a limitação da informação - que a Benfica SAD apresenta proveitos semestrais de Bilheteira e Cativos de cerca de EUR 7,2 milhões (a FCP SAD de EUR 4,9 milhões e a Sportem SAD de EUR 5,2 milhões).
 
Consegue-se perceber que nesta matéria a dimensão tem, de facto, um papel preponderante, e é exactamente nisso que reside a chave da questão. A obtenção de uma estrutura de receitas menos dependente da volatilidade da actividade desportiva e que garanta uma estabilidade que forneça visibilidade ao futuro só está ao alcance de um clube como o Benfica, que não é só o Maior Clube Mundial em nº de sócios, mas também detém o recorde de receitas provenientes da quotização. Não se trata de agitar aos ventos a condição de Maior Clube Mundial no Guinness de forma fanfarrona: essa condição traduz-se em algo palpável.
Esta massa crítica, a rentabilização do que nos torna únicos – a força da marca Benfica e a massa humana que compõe a alma benfiquista – faz toda a diferença e garante a nossa viabilidade, desde que sejamos geridos de forma rigorosa, honesta, sem subserviências a poderes instalados. Isto manifesta-se nas quotizações, nas receitas de bilheteira, na publicidade, no merchandising e noutro aspecto que nos tem sido vampirizado de forma grotesca.
 
Para isto ser imparável, falta aquilo por que esta estrutura directiva se tem incansavelmente batido – justiça lhes seja feita: a independência a nível dos direitos TV. Pela libertação final do que foi hipotecado ao preço da chuva e que pode ser rentabilizado como muito poucas coisas neste país. Quando tivermos a possibilidade de negociar os direitos TV livremente, finalmente libertos das amarras do grupo Controlinveste (Olivedesportos), as receitas vão finalmente reflectir na plenitude o potencial que tem sido amordaçado.
 
Para se ter uma ideia, a Olivedesportos paga ao conjunto de todos os clubes da Liga cerca de EUR 42/45 milhões anuais. O Benfica recebe cerca de EUR 7,5 milhões/ano. Em Inglaterra, um clube como o Tottenham recebe, sozinho, cerca de EUR 51 milhões/ano. Em Espanha, o Villareal recebe, sozinho, EUR 46 milhões/ano. São clubes do meio da tabela que recebem mais do que a totalidade dos clubes portugueses. O Benfica, tendo a dimensão que tem, recebe menos do que qualquer clube do fundo da tabela destes países (ou vendo bem, de qualquer outro minimamente desenvolvido). Mesmo tendo em contas as diferenças dos mercados, trata-se de diferenças avassaladoras.
A Sport TV, detida pela Olivedesportos e pela Zon em partes iguais, cobra aos cerca de 600 mil assinantes uma mensalidade de EUR 23,99 €. Trata-se de cerca de EUR 173 milhões anuais de assinaturas para se poder ver futebol na televisão. É cerca de 4 vezes mais do que se paga à totalidade dos clubes. Bonito.
 
Não há mais nenhum país onde exista um intermediário que faça a ponte entre os clubes e as tvs, sem qualquer tipo de valor acrescentado. É inadmissível que recebamos infinitamente menos que um clube do fundo da tabela em Espanha pelos nossos direitos de transmissão televisiva, quando temos a dimensão e força que temos (recebemos menos de 1/3 do valor que seria normal).
 
Isto acaba em 2013. É por perceberem que se aproxima o fim da galinha dos ovos de ouro que esta gente que controla os media anda tão ocupada a manipular informação no sentido de nos prejudicar, a produzir notícias falsas (praticamente todos os dias, nos pasquins e canais do costume) e até a fabricar gente para servir como cavalos de Tróia para tentar minar o Benfica por dentro e garantir perspectivas de negócios futuros.

 

 

publicado por Carlos Miguel Silva (Gwaihir) às 22:04
link do post | comentar | ver comentários (44)

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

Desnecessário

Desilusão

Estrelinha

Paciência

Incontestável

Difícil

Serenata

Crença

Evidente

Talento

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds