VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Domingo, 28 de Outubro de 2012

Folgado

Uma grande primeira parte - onde jogámos talvez o melhor futebol até agora esta época - permitiu ao Benfica resolver cedo um jogo que se adivinhava complicado, num campo tradicionalmente difícil.

 

 

Surpresa no remodelado onze titular do Benfica. Face às várias indisponibilidades (Salvio, Gaitán, Aimar, Carlos Martins e Nolito), em vez de trocas e adaptações, três estreias absolutas na Liga: Luisinho, André Gomes e Ola John. O Enzo Pérez voltou para a ala (embora com muita liberdade para vir fechar ao meio) e coube ao André Gomes a posição no centro do campo, auxiliando o Matic. A entrada do Benfica foi de rompante: ainda não tinham decorrido dois minutos e já o Lima fazia o primeiro golo, depois de uma boa jogada em que o Pérez libertou o Maxi na direita para fazer o cruzamento. O golo madrugador deu confiança à nossa equipa, que não tirou o pé do acelerador. Exercendo uma pressão bastante alta que nos permitia recuperar várias vezes a bola ainda no meio campo adversário, continuámos a carregar e a ameaçar constantemente o golo, perante um Gil Vicente que nada conseguia produzir em termos atacantes. O desfecho natural foi mesmo o segundo golo, pouco antes da meia hora, em mais uma excelente jogada de ataque, que envolveu o Luisinho, o Pérez e o Lima, com o primeiro a surgir solto no interior da área para finalizar o cruzamento atrasado do último. Tudo feito de uma forma tão perfeita que até pareceu fácil. E o ponto final em qualquer dúvida que ainda houvesse sobre o desfecho do jogo, e a confirmação do domínio total do Benfica no jogo foi dado já em período de descontos, altura em que a insistência do miúdo André Gomes numa bola cruzada pelo Pérez que a defesa do Gil Vicente não soube afastar lhe permitiu assinalar nova estreia com um novo golo.

 

 

Com o jogo praticamente decidido, a segunda parte foi apenas para gerir o resultado sem grande esforço. Baixámos claramente o ritmo de jogo, e controlámos sem qualquer dificuldade. Mesmo assim, ainda voltámos a ameaçar aumentar a vantagem no marcador, com a maior dessas ocasiões a aparecer nos pés do Lima, que acabou por permitir a defesa ao guarda-redes quando estava isolado. Calculo que se a lógica imperasse, o Benfica acabasse mesmo por voltar a marcar, mas com vinte minutos para jogar o Pérez viu o segundo cartão amarelo e foi expulso, o que alterou um pouco o cenário. O Benfica recuou um pouco as linhas e atacou bastante menos. Por outro lado o Gil Vicente passou a ter mais tempo de posse de bola, mas foi incapaz de ameaçar seriamente a nossa baliza, pois o Benfica manteve a organização defensiva, abdicando de um dos avançados. Apenas por uma vez criaram algum perigo, quando na sequência de um canto o Artur foi obrigado a desviar a bola para a barra após uma espécie de cabeceamento de um jogador do Gil Vicente. De resto, jogo muito tranquilo, em que nem a inferioridade numérica se fez notar muito.

 

 

Bom jogo do Lima, e é com muito gosto que reconheço que estava completamente enganado sobre ele, pois na altura em que o contratámos não acreditava que pudesse vir acrescentar muito ao Benfica. Gostei também muito da exibição do Enzo Pérez (participou directamente nas jogadas dos três golos), que infelizmente teve a nódoa da expulsão, mas isso não apaga tudo aquilo que fez de bom. O Maxi fez, na minha opinião, o melhor jogo desta época. Quanto aos três estreantes, todos cumpriram as suas funções sem quaisquer problemas. Para mim o Luisinho foi quem mais se destacou dos três, pois esteve perfeito a defender e ainda auxiliou sempre o ataque, sendo recompensado com um golo, mas o André Gomes também esteve num bom nível, e o Ola John (Alan John, nas palavras do sempre sábio Freitas Lobo) já mostrou alguns dos pormenores que levaram à sua contratação.

 

Para além da exibição, hoje gostei da aposta ganha em jogadores menos utilizados. Talvez a resposta por eles dada ajude o Jesus a ter menos receio de voltar a fazê-lo quando ocasiões semelhantes se lhe apresentarem no futuro. Esta noite, o que ficou foi uma das exibições mais agradáveis da época e um resultado folgado num jogo que se previa difícil.

publicado por D`Arcy às 00:41
link do post | comentar | ver comentários (33)
Sábado, 27 de Outubro de 2012

The show must go on

O acto eleitoral está concluído. A maioria dos sócios votantes elegeu, por uma clara diferença, a Lista A e, por conseguinte, a continuidade de Luís Filipe Vieira na presidência da direcção do Sport Lisboa e Benfica. 

Esta larga diferença representa, também, uma enorme responsabilidade. Nestes próximos 4 anos, a direcção tem de demonstrar que aprendeu com os erros do passado (tanto de gestão desportiva como de relação com as instituições que "mandam" no futebol português). A clara maioria não pode, de forma alguma, ser entendida como uma "carta em branco".

 

Hoje é um novo dia na vida do Benfica e logo há um jogo importantíssimo em Barcelos, como o são todos os jogos, sem excepção, da Liga Portuguesa. Independentemente da satisfação, ou não, com o resultado eleitoral de ontem, creio que os Benfiquistas estão todos unidos no apoio à equipa, de quem espero o máximo empenho, de modo a que traga de Barcelos os 3 (sempre) preciosos pontos na luta pelo título que todos ambicionamos.

 

Em suma: agora só quero é ganhar ao Gil Vicente!

 

E viva o Benfica!!! 

publicado por tma às 12:24
link do post | comentar | ver comentários (14)
Sexta-feira, 26 de Outubro de 2012

Eleições

Já foi ultrapassado o anterior recorde de participação numas eleições. Independentemente de quem as venceu, este dia assinala uma vitória do Benfica e do Benfiquismo.

publicado por D`Arcy às 22:06
link do post | comentar | ver comentários (34)

Democracia

A herança benfiquista obriga-nos a preservar a identidade, o que é verdadeiramente estruturante e imutável. Assim, há valores que foram amarelecendo nas folhas da História centenária, outros que se renovaram, outros de que não nos podemos esquecer, mas há um que é primordial: o Benfica é um clube democrático.

 

Com decisões certas, erradas, inócuas e iníquas a História do Benfica foi-se construindo de acordo com a vontade da maioria dos sócios. Não de uma minoria ruidosa ou de uma maioria silenciosa, mas sim de uma maioria activa que, em momentos eleitorais, soube estar presente para designar o rumo a dar ao Clube. Agradados ou não com os resultados das suas escolhas, os sócios souberam sempre demonstrar que o bom nome do Benfica não poderia ser maculado. É a este encontro com a História que somos, novamente, chamados no dia 26. É essencial que todos os benfiquistas percebam que os resultados eleitorais são a voz do Benfica. E esta não pode ficar à mercê de egos, teimosias, presunções ou vinganças pessoais, ódios mesquinhos ou qualquer outra farpa na nossa gloriosa História. Esta capacidade de perceber o Clube para além do umbigo de cada um foi essencial em momentos marcantes da nossa História, desde a fundação. Esta mesma capacidade tem de ser vivida no dia 26, manifestando-se numa participação massiva e marcada por um saudável respeito por parte de todos os sócios intervenientes. A História escreve-se, respeitando-a.

 

Deste modo, é essencial que as diferentes sensibilidades em sufrágio percebam que, independentemente do caminho escolhido pelos benfiquistas, no próximo jogo do nosso Benfica estaremos todos, em simultâneo e a uma voz, a sofrer pelo valor mais alto que nos une: o benfiquismo.

 

_____

Artigo de opinião escrito e enviado para a redacção do jornal "O Benfica" no dia 23 de Outubro e publicado na edição de 26/10/2012 do jornal "O Benfica".

 

[Se alguém quiser manifestar-me a sua opinião, pode fazê-lo para este endereço: tertuliabenfiquista@gmail.com]


publicado por Pedro F. Ferreira às 09:09
link do post
Quinta-feira, 25 de Outubro de 2012

LFV, sem medo

Voto LFV.

 

Porque acredito sinceramente que é o melhor Presidente para o Benfica. Porque acho que tem feito um bom trabalho em circunstâncias bastante difíceis (às vezes é difícil torná-lo evidente, porque as coisas difíceis têm parecido fáceis de fazer, num país onde é tudo demasiado difícil) e porque acho que o que tem faltado na maioria das vezes – o sucesso desportivo – não tem sido conseguido porque (i) o poder podre não tem deixado e não se tem conseguido ser eficiente nessa luta (sim, é um erro inacreditável ter apoiado o Fernando das facturas) e/ou porque (ii) se têm cometido erros de gestão desportiva que penso que não serão cometidos de novo. Acredito que LFV tem a humildade suficiente para aprender com os erros (que não têm sido menosprezáveis), e isso – essa capacidade – é essencial para se poder ter sucesso. Posso estar enganado (apesar estar convicto que não)? Posso. Mas tenho direito à escolha. 

 

Menciono especificamente o nome de Luís Filipe Vieira. Não voto na Lista A porque lá estão A ou B ou C (quanto muito, até deixaria de votar nela por causa de alguns que lá estão) ou porque não sei quem a apoia ou porque ache que é a menos má e os outros são menos sérios (o que, dadas as sucessivas declarações públicas do candidato e elementos da outra lista, até me parece evidente). Voto na lista A por causa de LFV. Respeitem isso. Voto de forma livre, sem amarras, sem dever rigorosamente nada a rigorosamente ninguém. Não tenho tachos – ao contrário do que alguns deficientes mentais que pululam pela blogosfera e pelas caixas de comentários sugerem – nunca tive tachos, não quero tachos, não preciso de tachos. Este voto não me traz rigorosamente nenhuma vantagem prática na minha vida (bem pelo contrário, dada a quantidade de gente mal formada que tenho de aturar pela internet fora, e que aparentemente sabe coisas sobre mim que nem eu sei) que não seja o de ficar com a consciência tranquila de que, para mim (percebem isto? “para mim”), o Benfica está bem entregue. Quem disser o contrário, é mentiroso e hipócrita, e desafio-o a puxar pelo focinho para o provar. 

 

Portanto, posso votar em quem eu – benfiquista e cidadão livre, que dá o nome pelo que escreve - quero e em quem eu acho que é a melhor solução para o Benfica, confiando que respeitem a minha liberdade individual e as opções que tomo em consciência? Posso votar LFV e escarrapachá-lo orgulhosamente aqui sem que nas caixas de comentários se atropelem os digníssimos anónimos donos do verdadeiro benfiquismo a ofender-me e a ameaçar-me, ou sem que me cataloguem de Vieirista (o que quer que isso seja) ou como vendido (mas vendido a quê, seus rebos)? Gostava de pensar que sim. Mas duvido. Para que conste, também é para o lado que durmo melhor, foda-se.

 

Ah, e já agora, fiquem informados os exmos senhores filhos de mãe incerta que, sob a capa de um anonimato cobarde, me ameaçaram (os insultos e as insinuações bacocas já dou de barato) – quer para o email da Tertúlia, quer na caixa de comentários do post (as ameaças com mais substrato, respectivos IPs e/ou emails foram enviados para o sítio apropriado) - que isso só aumenta a certeza da minha escolha e que os cães ladram e a caravana passa, por mais sarnentos que sejam os cães.

 

Aliás, medo têm os cães.

publicado por Carlos Miguel Silva (Gwaihir) às 23:00
link do post | comentar | ver comentários (28)

Eleições (intenção de voto)

Sexta-feira, dia 26, o Benfica vai a eleições. Cada um faz as suas escolhas, exerce o seu direito de voto e vive a democracia. Neste momento, limito-me a desejar que o acto eleitoral decorra com elevação, respeito e civismo (o que, infelizmente, não se viu em abundância durante a campanha). Quanto ao resto, cada um sabe o caminho que pretende seguir.

 

Eu sei em quem confio - Rui Costa [link] - e, como tal, votarei em conformidade (Lista A). Voto com a plena noção de que a diferença entre votar na melhor lista e votar na menos má é, em muitos aspectos, ténue. Exercerei este direito, respeitando as opiniões alheias e respeitando qualquer que seja o resultado do sufrágio. Este respeito faz parte da nossa herança de benfiquismo.

 

Viva o Benfica!

publicado por Pedro F. Ferreira às 16:00
link do post

Eleições VI, alínea a)

No seguimento do anúncio referido no post anterior, foram vários os comentários que tive a oportunidade de ler, tanto aqui na Tertúlia como noutros sites.

Como seria de esperar, são vários os benfiquistas satisfeitos com a promessa do fim do vínculo contratual com a Olivedesportos, incluindo benfiquistas que estão declaradamente contra Vieira e que aplaudem esta (prometida) medida.

Outros duvidam se a mesma será a melhor alternativa ou questionam-se sobre a devida preparção dos estudos que sustentam esta decisão.

Por outro lado, alguns comentadores (benfiquistas e não só), certamente muito mais bem informados do que eu, consideram que este anúncio é pura mentira. Inclusivamente, um desses comentários menciona um comunicado da CMVM que comprova que se trata de uma mentira, apesar de eu não encontrar o referido comunicado no site da CMVM.
A esses, lanço o desafio de comprovar o fundamento dessas acusações.

Quanto a mim, fico agradado com esta tomada de posição, mesmo sabendo que envolve um certo risco. É certo que perdemos receitas "garantidas" da Olivedesportos, mas por outro lado, libertamo-nos do vínculo contratual com uma empresa cujo presidente tem ligações aos meandros mais obscuros do futubol profissional praticado neste logro de país...
Mas, ao mesmo tempo, constitui uma grande oportunidade, até porque nada impede que a Benfica TV possa ceder os direitos de retransmissão a operadores internacionais e de o Benfica vir até a gerar mais receitas do que as que teria caso cedesse os direitos à Olivedesportos.

É também uma grande responsabilidade, pois sendo uma promessa feita em tempo de eleições (e ao contrário das “promessas” de títulos, cuja conquista não depende exclusivamente do Benfica), está inteiramente na mão de Luís Filipe Vieira e da sua equipa directiva o cumprimento da mesma. O seu não cumprimento seria absolutamente inaceitável e demasiado grave.


----


Adenda

Para que conste: http://web3.cmvm.pt/sdi2004/emitentes/docs/FR41950.pdf

publicado por tma às 11:21
link do post | comentar | ver comentários (30)
Quarta-feira, 24 de Outubro de 2012

Eleições VI

Este será talvez o anúncio mais importante desta campanha eleitoral.

publicado por tma às 20:26
link do post | comentar | ver comentários (29)

Merecida

Foi melhor o resultado do que a exibição. Sim, eu sei que o Benfica perdeu, mas mesmo assim continuo a pensar que foi melhor o resultado do que a exibição, porque perdemos apenas por um golo. E até poderíamos ter conseguido um resultado muitíssimo melhor, tivéssemos nós tido calma e cabeça para aproveitar o autêntico pavor com que o Spartak abordou os últimos minutos do jogo.

 


Surpreendeu-me ver o Benfica entrar em campo de 'peito feito', ou seja, com dois avançados de início (Lima e Rodrigo). A estratégia parecia ser que quando o Benfica não tivesse a bola, o Bruno César se deslocasse para o centro, com o Rodrigo a fechar a esquerda, mas foram poucas as vezes em que isso foi posto em prática. Até porque não foi por esse lado que as coisas aqueceram, foi sim pelo lado direito, para onde dois dos médios do Spartak (Jurado e Ananidze) caiam repetidamente sem que houvesse a cobertura devida por parte dos nossos médios (em inferioridade numérica naquela zona) aproveitando os muitos espaços que foram concedidos pelo Maxi. A entrada no jogo foi péssima, e rapidamente deixou antever o pior. Com menos de um minuto decorrido já o Artur tinha sido obrigado a uma defesa difícil. E com três minutos passados o Spartak marcou mesmo, num contra-ataque após passe disparatado do Matic, explorando a direita da nossa defesa. 

 

E as coisas pareciam não ir ficar por aqui: o Benfica pareceu quase perdido em campo. Não sei se o problema foi também do sintético ou não, mas os nossos jogadores falhavam passes sem conta e pareceram ter dificuldades até em controlar simplesmente a bola. Ao Spartak bastava quase esperar calmamente pela recuperação da bola para depois partir com velocidade para o ataque, explorando os espaços deixados atrás para criar perigo. Vimos o Spartak ameaçar voltar a marcar, o que foi sendo evitado pelo Artur e até pelo ferro da baliza. Pelo meio, o único sinal dado pelo Benfica foi um remate do Rodrigo. Já depois de decorrida a primeira mei hora, o Benfica lá deu algum sinal de si e ameaçou marcar num remate do Matic, para pouco depois marcar mesmo num cabeceamento do Lima (que até aí nem se tinha visto, já que a bola praticamente nunca lhe chegou), que se antecipou à defesa do Spartak para aproveitar da melhor forma um bom cruzamento do Salvio. O empate era lisonjeiro para o Benfica, mas este golpe de felicidade não foi aproveitado e o jogo voltou à mesma toada. Que acabou em novo golo do Spartak, mesmo à beira do intervalo: uma mal acompanhada subida do lateral direito russo terminou com o Jardel a enviar a bola para dentro da própria baliza.


A segunda parte foi um bocadinho melhor, pelo menos porque os russos raramente criaram perigo. A nossa equipa pareceu ficar a ganhar com a troca do Bruno César pelo Gaitán, e o Enzo Pérez também resolveu aparecer em campo, porque na primeira parte mal dei por ele. O Benfica mostrou vontade de pressionar um pouco mais, mas nunca soube atacar de forma organizada. Apenas contei uma verdadeira oportunidade de golo, e que nasceu num erro de um defesa adversário, que com um mau atraso deixou a bola para o Salvio rematar ao lado à saída do guarda-redes. Os russos foram recuando cada vez mais no terreno, procurando guardar a vantagem, e o último quarto de hora foi de ataque e pressão constante do Benfica, mas sempre com as coisas a serem mal feitas - elogio pelo menos a vontade de lutar por um resultado melhor. Os jogadores tentaram resolver tudo individualmente, sem serem capazes de levantar a cabeça para passar a bola a algum colega mais bem colocado. A substituição, aos 88 minutos, do Matic - que me parecia estar nessa altura a ser um dos principais responsáveis por empurrar a equipa para a frente, dada a pressão imediata que fazia para recuperar a bola - pelo Ola John foi no mínimo incompreensível para mim.


A qualidade do nosso futebol foi má, e não encontrei muitos motivos de destaque nas exibições individuais. O Matic mostrou boa atitude, o Salvio e o Rodrigo a espaços mostraram inconformismo, e a entrada do Gaitán foi útil. O Artur fez o que era possível. Não gostei do Jardel, e para mim o Maxi teve uma noite para esquecer.


As contas da qualificação (mesmo para a Liga Europa) ficaram agora muito mais complicadas depois desta derrota, merecida sobretudo pelo avanço dado na  paupérrima primeira parte. É imprescindível vencer os dois jogos em casa, e depois é preciso esperar que a 'normalidade' aconteça nos jogos do Barcelona - o que esteve muito perto de não acontecer hoje, mais uma vez com a 'fraquíssima' equipa do Celtic a estar perto de contrariar as probabilidades. Mesmo não considerando eu a Champions como uma prioridade, não espero outros resultados que não vitórias em casa frente ao Celtic e ao Spartak.

publicado por D`Arcy às 00:15
link do post | comentar | ver comentários (39)
Segunda-feira, 22 de Outubro de 2012

Ó Leonor Pinhão, ontem vi-te

Estavas na Comissão de Honra do candidato Luís Filipe Vieira [link]. E estás em muito boa companhia, com o Eusébio, o Rui Costa e tantos outros benfiquistas.

publicado por Anátema Device às 11:00
link do post | comentar | ver comentários (32)

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

Normalidade

Selado

Horrível

Sem comentários

Cruel

Competente

Batalha

Masoquismo

Péssimo

Fácil

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds