VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Domingo, 13 de Maio de 2018

Cinzenta

Uma exibição cinzenta para fechar uma época que não nos deixa boas memórias. Foi um jogo aborrecido e com pouco interesse, perante a pior assistência da época (um pouco menos de 42.000 espectadores) e que teve como prémio de consolação a conquista do direito a disputar a pré-eliminatória da Champions, graças ao espalhanço do nosso adversário directo na Madeira.

 

 

Mesmo estando o segundo lugar em disputa não tinha propriamente as expectativas muito altas para este jogo. Mas esperava que pelo menos o Benfica mostrasse algum empenho em fazer a sua parte, ou seja ganhar o jogo e, se possível, mostrar algum futebol na despedida da época. O onze apresentado foi o mais previsível, face aos jogadores que estavam indisponíveis. O Douglas manteve a titularidade, o Luisão foi titular no lugar do Jardel, e o Salvio no lugar do Rafa. Na frente, regresso do Jonas, a acusar claramente a falta de ritmo. O futebol que apresentámos foi, conforme disse, cinzento. Uma equipa desgarrada, com alguns jogadores a tentarem impor velocidade e outros quase alheados do jogo, pouco entrosamento, e o resultado foi um jogo quase sem interesse nenhum. A primeira parte foi jogada quase por inteiro dentro do meio-campo do Moreirense, mas ou eu adormeci, ou então só criámos mesmo uma ocasião de algum perigo - um desvio de um cruzamento vindo da esquerda por parte do Jonas que fez a bola passar muito perto do primeiro poste (ele ficou a reclamar canto, mas no estádio não percebi se o guarda-redes ainda tocou na bola). De resto houve umas correrias individuais, muita gente parada a ver enquanto um colega conduzia a bola, muito mais daquelas tabelas inúteis ou toques a mais à entrada da área quando o que se pedia era que se rematasse, e praticamente todos os lances de bola parada, fossem cantos ou livres, marcados de forma perfeitamente disparatada e a não causarem uma única ocasião de maior perigo. O somatório disto tudo era um nulo no marcador que não interessava para nada a arrastar-se até ao intervalo.

 

 

Na segunda parte (que se iniciou depois de um intervalo estupidamente comprido, à espera que recomeçassem os outros jogos) pelo menos a parte do resultado depressa se compôs. Penálti assinalado por corte com a mão de um cruzamento do Grimaldo, e o Jonas converteu-o de forma exemplar. Já a parte do futebol jogado, acho que ainda conseguiu piorar. Com a conjugação do nosso resultado com o da Madeira a garantir a conquista do segundo lugar, acho que ficámos satisfeitos e ainda passámos a jogar menos. Nesta altura, com os resultados que se verificavam, o Moreirense nem sequer precisava de pontuar para evitar a descida, mas de qualquer maneira resolveu abdicar da postura defensiva e avançar um pouco no terreno. E conseguiu mesmo passar a ter mais bola e jogar mais no nosso meio campo, mas valeu-nos que também não mostrou ter capacidade para fazer grande coisa em termos ofensivos. O Varela foi pouco mais do que um espectador e não me lembro de nenhuma defesa mais apertada que tenha tido que fazer. O Benfica trocou o Pizzi - que pareceu-me que já tinha entrado de férias ainda antes do apito inicial - pelo Samaris para acabar com as excessivas liberdades que os jogadores do Moreirense tinham na zona central, e teve algum sucesso nisso. Mas o jogo estava praticamente fechado, e os motivos de interesse eram quase nulos. Não vi as estatísticas do jogo, mas não devo andar muito longe da realidade se disser que este terá sido o jogo em que o Benfica menos remates fez em todo o campeonato. Restava apenas ficar à espera para saber se na Madeira apareceria mais alguma ajuda miraculosa para os subsidiados do Lumiar, mas desta vez isso não aconteceu. Aconteceu sim que o frango a que o Patrício foi poupado pelo Xistra no último jogo ficou guardado para esta jornada, e como resultado terminámos num pouco consolador segundo lugar.

 

 

Foi um jogo mesmo desinteressante da parte da nossa equipa, e naturalmente que não houve grandes exibições. Conforme disse, ainda houve alguns jogadores que tentaram imprimir alguma velocidade ao jogo, sendo nisso mal acompanhados pela maioria dos colegas. Acho que jogadores como o Grimaldo e o Zivkovic foram dos mais empenhados nesse aspecto. Até achei que mesmo o Douglas mostrou uma boa atitude, apesar das limitações que tem. E o Fejsa simplesmente não sabe jogar mal.

 

O segundo lugar serve de pouco consolo para a perda do campeonato. Quando muito significa apenas que a estratégia planeada pelos nossos inimigos, da qual obviamente fazia parte retirar-nos a possibilidade de acedermos às receitas da Champions, não resultou na perfeição. A autêntica fraude que é a equipa do Sporting - que se não fossem os absurdos empurrões arbitrais que recebeu ao longo de toda a época, incluindo em todos os jogos contra adversários directos como nós e o Braga, estaria neste momento confortavelmente instalada no quarto lugar - foi artificialmente mantida perto do topo da tabela até aos minutos finais do campeonato mas acabou por falhar no principal objectivo da época, que era ficar à frente do Benfica. Neste momento não consigo evitar um sorriso de escárnio quando recordo a forma como eles a semana passada celebraram mais um empate miraculoso contra nós, a imitar os islandeses, como se tivessem ganho alguma coisa. Quanto a nós, este segundo lugar obriga-nos a encarar de forma muito séria o início da próxima época. Vai ser demasiado dinheiro que estará em jogo logo nos primeiros jogos para que nos possamos dar ao luxo de cometer erros como aqueles que foram cometidos esta época, e iniciar a competição sem termos um plantel e as posições no onze titular minimamente definidas.

tags:
publicado por D`Arcy às 23:39
link do post | comentar | ver comentários (22)
Domingo, 6 de Maio de 2018

Frustrante

Já regressei do estádio há algumas horas, e ainda me custa aceitar que não tenhamos ganho este jogo. Tal como na primeira volta, fomos claramente superiores e acabamos com um empate muito frustrante como resultado. Pouco tenho a apontar à nossa equipa a não ser eventualmente a finalização, que foi um dos principais motivos para não termos ganho.

 

 

O onze para este jogo era um pouco uma incógnita devido aos vários jogadores que estavam em dúvida, embora na minha opinião aquele que mais poderia alterar a escolha da equipa seria o André Almeida, porque com a presença do Douglas no onze achei que o nosso treinador iria alterar mais peças. Foi isso que aconteceu mesmo, embora tivesse ficado surpreendido com a titularidade do Samaris, que assim 'empurrou' o Pizzi para a direita e o Rafa deslocou-se para a esquerda, ficando o Cervi no banco. Um pouco mais de músculo no meio campo, que se revelou adequado para equilibrar as forças com os dois médios mais defensivos que o Sporting também apresentou. Se o facto de jogarmos com Douglas e Samaris a titulares e ainda termos o Jonas de fora poderia causar alguma apreensão, esta depressa se dissipou. É que durante a primeira parte não nos limitámos a ser a melhor equipa em campo; fomos mesmo muito melhores. Com o Bruno Fernandes completamente engolido pelo Fejsa e os nossos dois centrais a fazerem um excelente trabalho quer na marcação ao Bas Dost, quer a cobrir a profundidade, o Sporting foi uma equipa muito manietada e que apenas esperava que o Gelson conseguisse resolver alguma coisa num rasgo individual. Do nosso lado o Zivkovic, Jiménez, Pizzi e Rafa (sobretudo este) mostravam uma enorme mobilidade e baralhavam as marcações adversárias, sempre com um bom apoio ofensivo por parte dos laterais. E logo nos instantes iniciais criámos uma grande oportunidade, com o Rafa a fugir pela esquerda (era ali que estava o ponto mais fraco do nosso adversário) e a atirar ao poste - e apesar de não ter visto ainda nenhuma repetição, ninguém me convence que o Patrício não cometeu penálti sobre o Rafa, porque não tocou na bola e derrubou o nosso jogador. Foi o mote para a primeira parte. O Sporting não conseguia quase ligar uma jogada de ataque - o Varela não fez uma defesa digna desse nome em todo o jogo - e o Benfica ia, por vezes até com alguma facilidade, criando ocasiões de perigo, desperdiçando-as ou por falta de pontaria, ou por excesso dela (o Rafa voltou a acertar no poste), ou mérito do Patrício (boas defesas a remates do Pizzi e do Samaris, isolado) ou por demorarmos um bocadinho mais e aparecer um pé no limite a conseguir o desvio. Algumas destas situações surgiam até como resultado de vários maus passes dos nossos adversários, que pareciam acusar alguma intranquilidade quando tentavam sair a jogar. Perto do intervalo, um lance a que já nos vamos habituando a ver em jogos contra a equipa que mais pontos pode agradecer a erros de arbitragem esta época: canto para o Benfica, o Jardel mesmo com o William a puxar-lhe a camisola consegue cabecear, a bola vai encontrar o braço do William e... falta assinalada ao Jardel. Brilhante. A melhor ocasião de golo do Sporting surgiu já no período de descontos depois de uma boa acção individual do Bas Dost, mas quando este estava em boa posição para tentar o remate optou pelo passe para o Gelson e o lance perdeu-se.

 

 

O nulo ao intervalo era extremamente injusto, e temia que tivéssemos desperdiçado uma grande ocasião para ter este jogo resolvido, já que certamente o Sporting corrigiria alguma coisa e não permitiria uma segunda parte igual à primeira. Foi basicamente isso que aconteceu. O Sporting conseguiu pelo menos estancar o perigo que o Benfica tinha criado na primeira parte e conseguiu aparecer mais vezes no ataque, conseguindo até conquistar alguns cantos para gáudio dos seus adeptos - num deles até pareceu que quase marcaram, mas o cabeceamento saiu uns três metros por cima. Durante pelo menos dois terços da segunda parte houve um equilíbrio de forças, com as defesas a superiorizar-se claramente aos ataques, e por vezes parecia que quase se jogava num curto espaço de 30-40 metros na zona do meio campo. O empate não nos interessava e foi lançado o Salvio para o lugar do Pizzi, mas foi apenas na fase final do jogo, quando entrou o Jonas para o lugar do Zivkovic e passámos a jogar com dois avançados, que voltámos a ganhar um ascendente mais claro. Não que o Jonas tenha tido tempo para fazer muito, ou tenha deslumbrado, mas a sua presença em campo e movimentações ajudaram a renovar o nosso jogo ofensivo. Já o Sporting continuava a depender quase exclusivamente de acções individuais do Gelson para sair para o ataque e ia parecendo cada vez mais satisfeito com o empate a zero, que era um resultado que lhe servia. Mas apesar de mais acutilante, o Benfica já não conseguia criar tantas ocasiões como na primeira parte, destacando-se sobretudo uma jogada em que o Jiménez chega um pouquinho atrasado a um cruzamento da direita. Entretanto o Bruno Fernandes (um jogador que eu admiro, mas que não fez absolutamente nada neste jogo, muito por culpa do Fejsa e também do Samaris) provavelmente já frustrado resolveu agredir a pontapé o Cervi. Deu amarelo. Já em período de descontos, e para fechar com chave de ouro, o Patrício tem um erro grosseiríssimo ao largar uma bola após um lançamento longo para a área, e o solícito Xistra poupou-o ao embaraço ao assinalar uma suposta falta completamente inexistente, ainda por cima fora da pequena área. Compreende-se, não queremos traumatizar o guarda-redes que vai defender as balizas da equipa da FPF no Mundial que se aproxima. A forma eufórica como público e equipa da casa celebraram o nulo é um bom indicador do alívio com que o apito final foi por eles recebido. Não mereciam sequer um empate.

 

 

Acho que no cômputo geral todos os nossos jogadores estiveram num bom nível, tendo até ficado surpreendido com alguns deles, casos do Douglas ou do Samaris. Nada de extraordinário, mas fizeram um bom jogo para jogadores que têm jogado muito pouco esta época. Muito bem para mim esteve a nossa dupla de centrais, acompanhada pelo Fejsa. O Rafa esteve também muito bem durante a primeira parte, e poderia facilmente ter resolvido o jogo por si só. Acho que nosso treinador também esteve bem quer na forma como montou a equipa, quer nas substituições. Talvez a entrada do Cervi tenha pecado por um pouco tardia porque o Rafa parecia já ter perdido gás há algum tempo, mas ele foi o nosso jogador mais perigoso durante uma boa parte do jogo e por isso aceita-se que o tenha querido manter em campo mais algum tempo.

 

O segundo lugar agora fugiu-nos e deixou de depender de nós. Digo desde já que para mim já está mesmo perdido, porque não espero nenhuma ajuda na Madeira: a forma descarada como esta equipa (nem uma vitória ou sequer um futebol decente nos jogos contra os outros três dos quatro primeiros classificados) tem sido ajudada esta época significa que, se for necessário, alguma coisa acontecerá para os manter no segundo lugar. Nem que seja um pé de vento a derrubar o Bas Dost. Fica a frustração de, em dois jogos contra eles esta época os termos feito parecer uma equipa muito mediana e apesar disso não termos conseguido ganhar nenhum deles. Vitórias morais é coisa que não serve para nada. Em ambos o Rui Vitória ganhou claramente o duelo táctico ao auto-intitulado 'Mestre da Táctica', que nas declarações após o jogo voltou a mostrar o homem pequenino e mesquinho que é, incapaz de reconhecer mérito num adversário. Ou anda a aspirar do mesmo que o presidente dele, ou então durante os noventa minutos esteve noutro planeta a ver um jogo completamente daquele que ocorreu.

tags:
publicado por D`Arcy às 03:46
link do post | comentar | ver comentários (24)

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

Cinzenta

Frustrante

Lamentável

Desnecessário

Desilusão

Estrelinha

Paciência

Incontestável

Difícil

Serenata

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds