VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Quarta-feira, 12 de Março de 2008

Triste

Foi um triste adeus às competições europeias desta época. Duplamente derrotados por uma equipa que é, vá lá, o Estrela da Amadora do país vizinho. E deixámos uma péssima imagem nesta eliminatória, a imagem de uma equipa sem garra, sem chama, sem vontade de jogar futebol, completamente à deriva. No fundo, uma grande falta de classe. A chicotada psicológica até pareceu não ter acontecido, já que esta noite não se notou diferença nenhuma. E não falo em termos de qualidade de jogo, já que seria utópico pensar que em três dias algo pudesse mudar nesse aspecto. Falo sim em termos de atitude. O Nuno Gomes pode vir dizer as vezes que quiser que aos jogadores não falta atitude, que essa lacuna é precisamente a primeira coisa que salta aos olhos de qualquer um. Quando temos uma necessidade absoluta de vencer um jogo, e depois vemos jogadores a passo e a arrastarem-se pelo campo, como se fizessem um frete em estar ali, está tudo dito.

Em termos tácticos, talvez a única diferença tenha sido o 4-4-2, com dois avançados fixos. Mas cedo, muito cedo mesmo, deu para perceber que não estávamos naquele campo para lutar pela vitória. Ainda deu para ficar com alguma esperança, quando o Benfica entrou bem no jogo, e ter um sobressalto quando logo no início o Makukula enviou a bola ao poste, mas depois disso tudo esmoreceu. A bola estava quase sempre em nosso poder, mas a lentidão de processos e a muita falta de inspiração mostravam ser quase impossível criar perigo. Remates à baliza, nem vê-los. Aliás, dadas as estupendas exibições da dupla de avançados do Benfica, provavelmente amanhã ainda poderíamos lá estar a tentar marcar um golo. O jogo foi tão mal jogado que por várias vezes eu olhei para o cronómetro e fiquei surpreendido por tão pouco tempo ter passado: a sensação com que fiquei foi que este jogo demorou duas ou três vezes mais do que uma partida de futebol normal, de tão penosa que foi de assistir. O Getafe limitou-se a fazer o jogo que lhe interessava, ou seja, deixar que o Benfica tivesse a bola, defender com segurança, e tentar sair para o contra-ataque. A ausência de golos ao intervalo só poderia surpreender quem não tivesse visto o jogo.

A segunda parte foi apenas um prolongamento da primeira. Foi exasperante ver a nossa incapacidade para conseguir criar perigo, e ainda mais irritante ver a atitude de alguns dos jogadores em campo. Andavam por ali a passear, como se estivessem a assistir ao jogo e aquilo não fosse nada com eles. E eu ia olhando para o tempo de jogo, e juro que cheguei a pensar que o relógio tinha parado, porque aquilo arrastava-se sem nunca mais ter um fim. É que se calhar pela primeira vez desde que me recordo, eu não tinha qualquer réstia de esperança que o Benfica marcasse sequer um golo, quanto mais virar a eliminatória, por isso só queria era que o suplício acabasse. A cerca de vinte minutos do final o Chalana resolveu arriscar tudo (não me custa nada acreditar que ver aquele Benfica em campo lhe devia estar a cortar o coração), e passou a jogar com apenas três defesas, retirando o Edcarlos do campo. O nosso fantástico defesa (que na primeira parte bem tentou animar as coisas, recorrendo ao seu saudável hábito de oferecer um golo ao adversário em todos os jogos) ainda por cima pareceu ter saído chateado, já que nem se deu ao trabalho de cumprimentar o jogador que o substituiu (Sepsi). Não se verificaram grandes melhorias no nosso jogo, mas o que se viu sim foi cada vez mais espaço para o contra-ataque do Getafe, que inevitavelmente acabou por marcar dessa forma. Eles até nem pareciam ter muita vontade de ganhar o jogo, de tão satisfeitos que mostravam estar com o nulo, mas já que insistimos tanto, eles fizeram-nos a vontade. Um único lance digno de registo na segunda parte: um remate do Rui Costa de fora da área. Se calhar foi mesmo a única defesa que o guarda-redes adversário teve que fazer durante todo o jogo. No final, derrota e eliminação justíssimas.

Se calhar os menos maus do Benfica esta noite foram os dois laterais, Nélson e Léo. Pelo menos foram os únicos que eu vi a movimentarem-se mais, subir no terreno, e a tentar construir jogadas de ataque com os colegas. O Katsouranis também foi fazendo o que podia na defesa, e teve vários cortes providenciais, mas no lance do golo já não conseguiu chegar a tempo. No plano mais negativo, as exibições dos nossos avançados, que foram uma nulidade completa. Maxi Pereira inenarrável, Petit uma sombra de si próprio (a jogar assim o Binya é dono e senhor do lugar), e até o Rui Costa esteve desinspirado.

Há ali muitos jogadores que não foram dignos de envergar a camisola do Benfica. E não falo sequer da falta de jeito; eu consigo aceitar que um cepo vista a nossa camisola se vir que ele a sua, e que tenta dar o melhor que tem. O que eu não consigo aceitar é que haja jogadores que não parecem esforçar-se minimamente, e que não pareçam ter a menor motivação em vestir aquela camisola. Para estarem lá esses, mais valia perdermos por mais e terem lá estado alguns dos nossos putos das camadas jovens. A esses de certeza que não faltaria motivação. O ponto mais positivo desta eliminação é apenas e só o de nos ter deixado a salvo de jogarmos contra um equipa como o Bayern. Porque nem quero imaginar o que aconteceria nesse caso.
publicado por D`Arcy às 22:37
link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Setembro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

Receio

Passeio

Natural

Pouco

Absurdo

Controlo

Tranquila

Desconcentração

Cinzenta

Frustrante

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds