VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Segunda-feira, 24 de Outubro de 2022

Cabeça

Uma vitória muito importante e difícil para o Benfica, como costumam ser quase todas arrancadas no Porto, e que foi acima de tudo o resultado de um jogo feito com muita cabeça por parte do Benfica. Havia um plano para este jogo e ele foi posto em prática, com a nossa equipa a não se desviar dele mesmo quando os acontecimentos do jogo convidavam a fazê-lo. Foi uma exibição sóbria e uma vitória justa, deixando depois ao adversário o habitual papel de tentar inventar polémicas e vitimizar-se, coisa em que são peritos, mas o que não percebem é que só mesmo eles próprios é que acreditam nas fantasias que criam.

5.jpg

Durante todo o caminho para o estádio, no Metro, etc, nem um adereço do Benfica visível. Mas bastaram poucos minutos sentado no meu lugar para perceber que ao meu lado estava um casal de benfiquistas. Bom começo. O mesmo não se pode dizer da entrada do Benfica no jogo. Apresentando o mesmo onze de Paris, apesar do Rafa ter feito a primeira aproximação à baliza e ter conquistado o primeiro pontapé de canto, depressa o Porto assumiu o controlo do jogo. Uma pressão bastante agressiva, sobretudo sobre os nossos médios logo na saída de bola, foi algo com que não conseguimos lidar. Um pormenor interessante é que naquele estádio a pressão sobre a equipa de arbitragem começa ainda antes do apito inicial. Aos dois segundos de jogo então o povo já acha que está a ser espoliado. Urram de descontentamento com qualquer decisão tomada que lhes seja desfavorável, por mais evidente que seja, e exigem um cartão amarelo a cada falta assinalada a um adversário. Foi por isso que rejubilaram com o gatilho leve do árbitro na amostragem de cartões, que fez com que logo nos minutos iniciais e à primeira falta o Bah e o João Mário fossem logo amarelados (os amarelos pareceram-me justos, diga-se). O Benfica revelava grandes difuldades para acalmar e jogar o seu futebol, e a pressão agressiva pareceu afectar sobretudo o Enzo, a quem eu vi cometer mais erros na saída de bola só nos minutos iniciais deste jogo do que em toda a época até agora. Os amarelos aos nossos jogadores, aliás, resultaram de perdas de bola quando tentávamos sair, com muito maus passes. A pressão do Porto culminou com uma grande ocasião de golo à passagem do quarto de hora - que acabou por ser a melhor ocasião de golo de que dispuseram em todo o jogo - quando o Zaidu conseguiu o cruzamento em esforço sobre a linha de fundo e o Taremi cabeceou para uma defesa espantosa do Vlachodimos, daquelas defesas que valem pontos, voando para ir afastar a bola junto ao canto superior da baliza. Esta situação, curiosamente, foi uma espécie de canto do cisne para a pressão intensa do Porto. E não, ao contrário da fantasia que querem vender de que só após a expulsão é que o Benfica conseguiu começar a jogar, isso aconteceu antes, e mais precisamente neste momento. Logo na resposta o Rafa conduziu um contra-ataque perigoso que finalizou com um remate cruzado que infelizmente saiu frouxo, e depois disso o Benfica criou duas ocasiões perigosas. Na primeira o Grimaldo cruzou e o Rafa apareceu completamente sozinho no meio da área para cabecear directamente para as mãos do Diogo Costa, quando poderia ter feito muito melhor, e na segunda o Bah antecipou-se ao Zaidu e cabeceou em balão um cruzamento muito largo, fazendo a bola passar bastante perto do poste.

1.jpg

Esta tendência só se acentuou quando no espaço de três minutos o Eustáquio enfiou duas sarrafadas no Bah e viu dois amarelos, sendo excluído do jogo aos vinte e sente minutos. Amofinaram-se os da casa perante tamanho atrevimento - onde é que já se viu penalizar um jogador do Porto só por cravar uns pitons nas canelas de um adversário - e a partir desse momento o plano do Porto tornou-se óbvio. Liderados pelo Verme, e com o incentivo ululante das bancadas, dedicaram-se afincadamente a tentar fazer cumprir a longa tradição de meter um jogador do Benfica na rua. O Verme atirava-se para o relvado e contorcia-se a cada toque que levava, a turba urrava, e estava o espectáculo armado. O Benfica, em superioridade numérica, não cometeu o erro de se atirar desmioladamente para o ataque, o que certamente permitiria o tipo de jogo partido com transições rápidas de parte a parte que não só seria muito mais vantajoso para a equipa em inferioridade, como se tornaria propício a mais lances que permitissem ao Porto arrancar o tão almejado cartão amarelo. Jogando um futebol de paciência, com muita circulação da bola e variações rápidas de flanco para aproveitar o jogador que acabava sempre por 'sobrar' solto na ala, fomos esperando pela nossa oportunidade para ferir o Porto, e esta poderia ter aparecido a dez minutos do intervalo. Uma excelente iniciativa do Aursnes pela esquerda, na qual deixou o Taremi para trás, terminou com um remate já de ângulo apertado que levou a bola a embater em cheio no poste. Depois ressaltou nas costas do Diogo Costa e foi para a zona frontal da baliza, onde o Rafa se antecipou a toda a gente para cabecear, mas com tanta falta de sorte que levou a bola a embater na barra. Entretanto esta jogada acabou por motivar ainda o Porto na perseguição do seu plano, porque ao tentar rematar na recarga ao remate à barra o Enzo cometeu falta e viu amarelo. As fichas estavam todas colocadas em voltar a igualar as equipas em termos numéricos, mas o resultado prático foi apenas um amarelo patético ao Aursnes depois de uma queda do Taremi no meio campo. Já o Verme, tinha fixado o Bah como alvo e voltou a contorcer-se à procura do segundo amarelo ao dinamarquês, mas apesar de toda a pressão o árbitro lá achou que uma falta normal na zona lateral da área do Porto e outra na lateral da nossa área quando o adversário corria para trás não eram motivo para satisfazer a turba. Revoltou-se e contorceu-se o povo com saudades de um Soares Dias, mas lá fomos para intervalo.

3.jpg

Ou o Roger Schmidt já está informado sobre como é que as coisas funcionam normalmente em Portugal, ou alguém o terá avisado, porque ao intervalo substituímos imediatamente três dos quatro jogadores amarelados. Enzo, João Mário e Bah saíram, Neres, Draxler e Gilberto entraram. O Aursnes foi formar a dupla do meio campo com o Florentino, e os outros dois foram ocupar os lugares nas alas. E logo aí a estratégia do Porto ficou esvaziada. Era óbvio para todos que mais cedo ou mais tarde, mais mergulho menos mergulho, mais grito e espernear do Verme, e o desejado amarelo surgiria. Assim sendo, tudo o que o Porto podia fazer era tentar resistir. Até porque o Benfica veio para a segunda parte com um jogo muito paciente, escondendo a bola do Porto e esperando por uma oportunidade com a confiança de que ela acabaria por surgir. Depois, a entrada do Neres para a direita veio causar bastantes desequilíbrios, obrigando mesmo o Verme a vir ajudar a fechar esse lado e assim impedindo-o de ir para o meio tentar arrancar um amarelo ao Aursnes, o único amarelado que permanecia em campo. Durante mais de vinte minutos, desde o reinício do jogo, o Porto limitou-se a cheirar a bola enquanto o Benfica fazia o seu jogo paciente, com o desequilíbrio na estatística da posse de bola a atingir níveis raramente vistos em jogos entre estas duas equipas. A maior obrigação de vencer o jogo pertencia ao Porto e um empate não seria nunca um mau resultado para o Benfica, mas esta era uma oportunidade demasiado boa de ganhar para ser desperdiçada, pelo que convinha que o Benfica conseguisse causar mais desequilíbrios para chegar ao golo. Pela direita era o Neres quem causava problemas, pela esquerda era sobretudo o Grimaldo, sobrando para o Rafa o papel de arrancar com a bola para cima dos defesas sempre que possível.

4.jpg

O Draxler só durou pouco mais de quinze minutos, e infelizmente o nosso treinador decidiu-se pela entrada do Musa (acho que será muito difícil eu ser um admirador dele), o que fez com que a equipa se reorganizasse com o Gonçalo Ramos como segundo avançado e o Rafa mais encostado à esquerda - a vantagem disto foi que o Grimaldo passou a ter alguém com quem combinar. Entretanto o Porto trocou o Evanilson pelo Veron e conseguiu agitar o jogo, voltando-se a ver algumas transições rápidas. Ironicamente, foi numa delas que o Benfica chegou ao golo. Depois de uma boa iniciativa individual do Pepê pelo nosso lado esquerdo ter terminado num cruzamento a quem ninguém deu sequência, a bola foi ter com o Neres, que a deixou no Rafa. O Rafa fez a condução pela esquerda aproveitando a ausência do Pepê, combinou com o Neres e apesar do passe do Neres desde a linha de fundo ter saído demasiado atrasado, o Rafa ainda conseguiu recolher a bola no meio da área e rodar para fazer o golo com um remate colocado junto ao poste. O auxiliar levantou a bandeirola, o povo rejubilou, mas como o lance foi mesmo à minha frente eu estava com bastante confiança que o golo acabaria por ser validado, o que acabou por se verificar. Entretanto o Verme aproveitou os festejos do golo para tentar agredir o Gonçalo Ramos e obviamente passar impune. Depois, estranhamente, perdemos um bocado o controlo que tínhamos tido até então e permitimos que o Porto recuperasse mais bolas e com isso conquistasse bolas paradas para despejar para a área. Não passámos por grandes apuros, é verdade - os lances de maior perigo foram um cabeceamento do Toni Martínez solto na área, mas que foi direito às mãos do Vlachodimos, e um mau passe atrasado do António Silva que obrigou o Gilberto a fazer um atraso já apertado por um adversário e que acabou por ser mais um remate para a própria baliza - mas isto não nos permitiu um final de jogo tranquilo. Da nossa parte, o maior destaque para um lance em que na direita da área o Neres deixou o Verme sentado e centrou, com a bola a desviar no Carmo para depois o Diogo Costa fazer uma grande defesa para retirar a bola de dentro da baliza, aproveitando para emular mais um pouco o Vítor Baía, e outro lance no qual quase à vontade junto da pequena área o Musa fez aquilo que eu esperaria dele, atirando a bola para a bancada. Final do jogo, a peixeirada habitual, o Verme a agitar o dedo ao árbitro, o cão raivoso a reclamar e a ser expulso, o mergulhador a tentar provocar os nossos adeptos que, ignorando-o, celebravam, a turba ululante a acreditar na fábula de que tinham de alguma forma perdido por causa da arbitragem, e os nossos a festejar tranquilamente a vitória. Foi bonita a festa.

2.jpg

A minha escolha para o melhor jogador do Benfica vai para o Rafa. Não apenas pelo golo, mas também por ter sido sempre o jogador mais perigoso do Benfica durante o jogo. Foram as suas arrancadas que causaram maiores problemas à defesa do Porto e era dele que se esperavam os necessários desequilíbrios para chegarmos à vitória. Felizmente que se auto-excluiu do bando do Santos, e só tenho pena que não haja mais jogadores do Benfica a fazer o mesmo - especialmente tendo que partilhar o balneário com o Verme, o que por si só já deveria ser motivo de auto-exclusão para qualquer jogador do Benfica. Foi bem acompanhado como jogador desequilibrador pelo Neres, cuja entrada na segunda parte foi decisiva. Grande jogo também do Aursnes, que apesar do amarelo arrancado pelo Taremi nunca perdeu a compostura e foi um pêndulo do princípio ao fim; está jogo a jogo a provar o acerto da sua contratação. Gostei também do Grimaldo, em especial na segunda parte. O Vlachodimos foi um guarda-redes sólido, e aquela defesa no início do jogo foi decisiva, porque se o Porto tem marcado nesse lance duvido que o Benfica tivesse conseguido reentrar no jogo.

 

Vamos em dezanove jogos sem conhecer a derrota (apesar de ainda não termos enfrentado um teste a sério) mas nada está ganho. A atitude e personalidade mostradas no Porto têm que ser mantidas até ao último dia da época. Termos sabido manter a cabeça fria e sermos fiéis ao plano elaborado foi decisivo para esta vitória num jogo em que eles simplesmente aplicaram a fórmula bafienta do costume. Provocações e faltas de respeito antes e durante o jogo, pressão sobre os árbitros, quezílias e tentativas de levar o jogo para o clima conflituoso que sempre os favoreceu, a tudo isso os nossos jogadores foram incólumes. Nada de euforias desmedidas ou triunfalismos - ganhámos um jogo importante no caminho para os nossos objectivos, num campo e ambiente tradicionalmente difíceis, nada mais do que isso. E tenho poucas dúvidas que tudo poderia ter sido diferente se, por exemplo, o árbitro tivesse cedido à pressão que colocaram sobre ele - bastaria por exemplo ter tido um pasteleiro a arbitrar que não sairíamos dali com a vitória. Os dados continuam viciados, como sempre têm estado nas últimas quatro décadas. E é por isso mesmo que não nos podemos descuidar ou desviar um milímetro do caminho traçado.

tags:
publicado por D'Arcy às 01:36
link do post | comentar
21 comentários:
De O apartidário a 24 de Outubro de 2022
Siga a "marinha"!
De Ricardo a 25 de Outubro de 2022
Check https://desporto.sapo.pt/cartoon/artigos/como-esta-velha-a-senhora
De Anónimo a 24 de Outubro de 2022
Homem do jogo, para mim, foi o Vlachodimos. É, injustamente, um patinho feio para os benfiquistas.
Gosto do que escreve, mas não gosto de alguma linguagem grosseira, tipo porto. A nossa marca de água é outra. Fiquemo-nos com a elevação do nosso treinador
De alfredo a 24 de Outubro de 2022
Será que temos aqui um portista anónimo?
De Antonio Paiva a 24 de Outubro de 2022
já reparei q andam cada vez + trolls_bots_borrabotas do grémio_das_jantas na blogosfera_benfiquista, além dos verdadeiros_benfiquistas_especialistas_da_especialidade q fazem o jogo da mé(r)dia_corporativa_adicta_ao_condado_portucalense ...
De D'Arcy a 24 de Outubro de 2022
Não passam. Não tenho qualquer problema com comentários de adeptos adversários quando não faltam ao respeito, mas se não for o caso são apagados. Já apaguei uma série deles hoje.
De Anónimo a 24 de Outubro de 2022
Acho que o Octávio foi o melhor jogador em campo, apesar de o Benfica ter ganho.
Se não houvesse a expulsão, que não sofre qualquer reparo, talvez o jogo fosse outro.
Foi manifesto que, a determinada altura do jogo, tudo apontava para a vitória do Benfica. Aconteceu. Justa.
Quanto ao mais, o Porto foi vítima do seu treinador e do "arreganho", nem sempre louvável e daí a expulsão, que impõe aos seus jogadores.
Ou seja, não é à cacetada que que se educam as "crianças".
De V.T. a 24 de Outubro de 2022
Excelente analise ao jogo! Parabéns!
De Anónimo a 24 de Outubro de 2022
Binde pá festa!!
De Luis Agostinho a 24 de Outubro de 2022
Já lá vão 19 jogos sem conhecer a derrota, mas ainda não tivemos um teste a sério...

O jogo foi preparado pela frutaria do Contumil, como eles costumam fazer. Tarjas ofensivas, ameaças aos árbitros e família, o vídeo do símio, o líder da claque da equipa da federação, a insultar os Benfiquistas, a pressão em tudo o que é lugar e a toda a gente...

Quanto ao jogo, não foi, na minha opinião, um bom jogo de futebol, mas, como disse muito bem o nosso treinador, o que interessava era ganhar fosse como fosse, e deve ser sempre essa a atitude das equipas do Benfica quando se deslocam ao estádio do ladrão.

Foi pena o Enzo estar num dia "não" errando passes que criaram situações de perigo, fez lembrar o Taraabt, mas não acredito que um jogador que veio da Argentina se tenha sentido intimidado com o ambiente no Contumil, desta vez nem houve bolas de golfe nem fruteiros a entrar pelo campo dentro para agredir jogadores do Benfica... também me irritou algumas faltas parvas que o Gilberto fez (irritei-me eu e o Schmidt) e que criou algum perigo para a nossa baliza.

Tenho de elogiar o Schmidt. Aquele cumprimento ao sonceição que o deixou sentado no banco a olhar confuso...o final quando foi atingido por um pepel nas costas e levantou o polegar em vez das palhaçadas habituais, mas acima de tudo, esteve muito bem estrategicamente ao tirar os nossos jogadores amarelados, pois já se sabia o que os donos da fruta iriam tentar fazer na segunda parte, tentar expulsar jogadores do Benfica, e fintando assim a estratégia dos fruteiros. E aí se calhar será altura de elogiar o Rui Costa e o Javi Garcia. Um por ter tido a visão de o contratar e o outro pelo trabalho que está a fazer.

Um último elogio para o árbitro, porque fez o seu trabalho. Foi isento de erros? Não. Mas ao contrário do habitual, considero que os erros foram normais de quem tem de fazer muitos julgamentos em pouco tempo, e não o sabor habitual que ficamos após estes jogos de que havia inclinação nas decisões. Já do var, o 5 cent (sei que é 2, mas gosto de lhe chamar 5 cent, é da inflação) já não se pode dizer o mesmo ao ter falhado na tentativa de agressão do otário ao Ramos e no lance do possível golo do Benfica onde não vi ainda uma repetição que não seja de ângulo muito aberto, e apesar do Gri estar meio metro em jogo, não me admirava muito se anulassem o jogo, como fez o fiscal de linha...são mais de 40 anos disto e já se viu tanta coisa...

Saudações Benfiquistas

De antonio fonseca a 24 de Outubro de 2022
Bom dia,

Completamente de acordo com aquilo que o mederador descreve.
Adorei o cognome de verme dado ao mais arruaceiro que existe naquela turba.
Em suma dizer somente que foi uma jornada dificil, mas que os nossos souberam comportar-se e não responderam a todas as arruaças dos contumilenses.
Foi um jogo onde se viu o mau perder dos nossos adversários onde tudo é dito sobre a atuação do arbitro, eles que se podem sentir satisfeitos pelo verme não ter ido para a rua face a agressão cobarde sobre o Gonçalo. E para culminar o mau perder do cão raivoso....
Saudações benfiquistas
De Pedro Qwara a 24 de Outubro de 2022
É impossível não gostar de Roger Schmidt, ainda o jogo não tinha começado e já estava a dar uma lição ao treinador adversário, ao dirigir-se a ele para o cumprimentar, numa clara demonstração de educação e fair-play…Depois quando ao intervalo substitui 3 dos 4 jogadores amarelados, sendo que Enzo e João Mário são jogadores nucleares na estratégia do Benfica, Roger Schmidt dá provas de inteligência e coragem e é nesse preciso momento, que começa a ganhar o jogo.Quanto ao resto,confirma-se que normalmente os indivíduos de nome Otávio (com ou sem c), são desprezíveis e desprovidos de carácter. Que para estes jogos é importante nomear árbitros que não tenham confeitarias na cidade do Porto e que o Benfica está a trilhar o caminho certo rumo ao sucesso que a sua grandeza exige.
E Pluribus Unum.
De Pedro Qwara a 24 de Outubro de 2022
O Benfica defrontou o FCP mais fraco dos últimos 40 anos, sem fruta para dormir, rebuçados e café com leite, o rendimento da equipa não é o mesmo.
De Pedro Qwara a 24 de Outubro de 2022
Agora que a narrativa do "ainda não tiveram um teste a sério" se esgotou naturalmente, vai voltar a conversa dos padres, das missas e do colinho...Mas deixá-los falar, o importante é o Benfica continuar invicto no cume da liga.
De Anónimo a 24 de Outubro de 2022
ainda nao tiveram um teste serio ? entao!!estao a desprezar os pobres dos coitados ..como disse o porc..... somos os melhores ...
De Sérgio a 24 de Outubro de 2022
O argumento "ainda não apanharam um teste a sério" caiu de podre.

Agora há mais 2 argumentos:
1- "O Benfica teve até agora um campeonato mais fácil que os rivais"
2- "A paragem para o campeonato do mundo irá alterar o rumo do campeonato e o Benfica vai ressentir-se"

Argumento 1- O Benfica já foi jogar a casa de algumas equipas dos 7 primeiros: do 2º do 5º do 6º e do 7º. Ou seja, dos 7 primeiros só falta ir jogar às casas do 3º e do 4º. Isto é calendário fácil?

Argumento 2- O Benfica tem o único treinador habituado a ter uma pausa de inverno nos campeonatos onde treinou anteriormente. Que treinador pode estar melhor habilitado a gerir fisicamente os jogadores quando surge uma pausa de semanas sem competição?

Chamo a atenção da Direcção do Benfica para não descansar à sombra deste resultado. A campanha de pressão sobre o árbitro do último jogo é inaceitável. Ela é também uma campanha sobre todos os árbitros, uma vez que mostra como se pode injuriar um árbitro que não faça a vontade aos portistas. É um aviso aos outros árbitros. Isso não pode ser deixado passar impunemente. É preciso combater isto na comunicação social e obrigar a APAF a intervir. Tem que ser dito de forma clara que isto é jogar sujo, mesmo depois do jogo terminar. Toda a gente sabe isto, mas é preciso reforçar que duas faltas normais em jogadas não prometedoras depois de um cartão amarelo não conduz a amarelo por faltas sucessivas. É preciso pedir um sumaríssimo ao Otávio e é preciso exigir as imagens da linha de golo para se comprovar se houve ou não o segundo golo do Benfica.
O Benfica tem que fazer centrar a discussão nestes pontos. É preciso dizer claramente que o Porto não foi prejudicado pela arbitragem e que foi vítima de uma equipa do Benfica que é uma grande equipa e foi também vítima da forma pouco limpa como alguns dos seus jogadores mereceram a expulsão, embora só um fosse expulso.
Em comunicações seguintes deve falar-se na reincidência de simulações de lesões por parte de jogadores do Porto, sobretudo do Otávio, apenas para iludirem o árbitro e fazer com que eles mostrem cartões amarelos, que são decisões em que o VAR não pode intervir.

A comunicação é muito importante e o Benfica não pode ser comido de cebolada neste aspecto. Há um tempo certo para se reagir: é agora.

Comentar post

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

Ferros

Vislumbre

Curto

Regressos

Rotina

Vergonha

Frustrante

Normal

Justa

Competência

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds