VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Domingo, 3 de Março de 2019

Categórica

Eram oito vitórias consecutivas, agora são nove. Nove são também os pontos ganhos ao Porto desde a alteração no comando técnico da nossa equipa. Foi uma vitória categórica no Porto contra um adversário difícil e ainda outros obstáculos que foram surgindo durante o jogo, e que concretizou a ultrapassagem ao adversário desta noite e a conquista do lugar no topo da tabela. 

 

 

O onze inicial do Benfica foi o esperado e não teve surpresas. Mesmo não sendo um génio das tácticas como o Sérgio Conceição, qualquer benfiquista deve ter sido capaz de adivinhar a equipa com que entrámos em campo. Teste de fogo para a a jovem dupla de centrais Rúben/Ferro, mas nada que intimide os nossos jovens, incluindo um Marega miraculosamente recuperado com baba de caracol. A entrada do Benfica no jogo até foi algo tímida e o Porto teve algum ascendente na fase inicial, chegando ao golo aos dezoito minutos, numa recarga a um livre perigoso depois de uma falta do Rúben sobre o Brahimi quase sobre a linha da área. Houve dúvidas sobre a posição do Pepe no lance, mas já sabemos que sempre que um lance vai ao crivo do VAR nunca é decidido a nosso favor. Por isso siga para golo, tal como seguiu o jogo quando minutos antes o Pizzi foi agarrado em plena área do Porto. Paradoxalmente, o golo fez bem ao Benfica, porque a partir daí fomos claramente a melhor equipa em campo. Quase na resposta só não chegámos imediatamente ao empate porque o Pizzi, em frente ao guarda-redes, rematou contra as pernas do Casillas. Mas aos vinte e seis minutos o empate chegou mesmo, resultado da habitual pressão alta do Benfica: recuperação de bola do Gabriel, completada pelo Seferovic, que depois progrediu pela esquerda e passou a bola para o centro da área, onde o João Félix recebeu à vontade e finalizou com aparente facilidade. O Benfica apresentava-se a jogar no Porto como há muito não via: com um enorme à vontade e a jogar o seu futebol (que diferença em relação a todas aquelas vezes em que vimos o Benfica mudar completamente de cara sempre que lá ia e apresentar-se encolhido e receoso). Não fomos para o intervalo a ganhar apenas porque, na sequência de uma grande jogada de saída de pressão em que a bola foi quase sempre jogada ao primeiro toque entre vários jogadores, o Seferovic rematou mais uma vez à figura do Casillas quando estava sozinho.

 

 

No início da segunda parte veio a sequência lógica daquilo que tínhamos visto a acabar a primeira parte. O Benfica cedo se colocou em vantagem, resultado mais uma vez das linhas bem subidas e dentro do meio campo do Porto. O corte do Filipe a um passe para o João Félix fez a bola ir cair nos pés do Rafa, que tabelou com o Pizzi (grande trabalho deste, dentro da área e rodeado por três adversários) e em posição frontal rematou para fazer a bola entrar rasteira e junto ao poste. Fazendo um ponto de situação: nesta altura eu achava que o Benfica era claramente a melhor equipa em campo e que se as coisas continuassem como estavam seria muito mais provável um terceiro golo nosso do que o Porto chegar ao empate. Objectivamente, o Porto tem três planos de jogo: a) Chutar bolas para o Marega; b) Dar a bola ao Brahimi; c) Pôr o Alex Telles a despejar bolas para a área. Nada disto estava a resultar, e assistimos mesmo ao Porto a utilizar estratagemas que são mais típicos de equipas pequenas quando vêm jogar à Luz, em que aproveitam livres quase sobre a linha do meio campo para despejar a bola para a área, já que é das poucas formas que têm de conseguir lá chegar. A única razão pela qual a minha confiança na vitória não era absoluta era porque já são muitos anos a ver o Benfica jogar no Porto, e coisas esquisitas têm sempre tendência a acontecer quando o Porto está em apuros. Ainda por cima era mais do que visível a vontade dos jogadores do Porto em levar o jogo para quezílias e arranjar confusões, por isso todo o cuidado era pouco (ficou-me na retina um tentativa do Pepe, uma das criaturas mais asquerosas que alguma vez pisou um campo de futebol, arranjar confusão com o João Félix, que basicamente o ignorou). Então quando ao fim de uma hora de jogo entrou o Otávio em campo, o nível de arruaça elevou-se para valores demasiado perigosos. O Porto apenas por uma vez conseguiu criar uma grande ocasião, valendo-nos um desarme incrível do Samaris quando o Herrera já puxava o pé atrás para rematar para o que seria quase inevitavelmente golo. Aquele desarme valeu tanto como um golo. Logo a seguir, o Otávio fez aquilo que sabe melhor, arranjou uma confusão com o Gabriel e aquele que estava a ser o nosso melhor jogador em campo acabou expulso (o Otávio obviamente que se safou com um amarelo, e na confusão e ajuntamento que se seguiu, que incluiu uma espécie de agressão do Brahimi ao Rúben Dias, toda a gente passou impune). A partir deste momento então o jogo mudou completamente, e o Porto carregou muito mais à procura do empate. Mas a equipa mesmo reduzida a dez não abanou e manteve-se sempre muito organizada e lúcida. Destacam-se duas situações em que o Vlachodimos esteve muito bem, num grande remate de longe do Felipe, e depois num remate à queima roupa do Marega - fiquei com a sensação de que estaria em posição irregular, mas ainda bem que ele defendeu a bola porque já sabemos que não nos podemos fiar no VAR, e em posição irregular ou não o mais provável seria o golo ser validado caso a bola entrasse. Na fase final, e perante a alteração táctica do Porto em que colocou o Danilo em campo para passar a defender apenas com três e fazer dos seus laterais alas, o Benfica reagiu com a colocação do Corchia na direita e juntando o André Almeida ao meio para ajudar na marcação ao Soares.

 

 

O melhor do Benfica, para não variar do que têm sido quase todos os jogos desde que o Bruno Lage pegou na equipa, estava a ser o Gabriel até ao momento em que o Otávio arranjou maneira de o meter fora do jogo. É impressionante a quantidade de bolas que recupera e o nosso primeiro golo foi resultado directo disso. Grande jogo também do Samaris. Dois jogadores que praticamente não contavam para o treinador anterior são agora duas pedras fundamentais na recuperação do Benfica. Toda a equipa esteve bem e muito personalizada, mas fiquei particularmente agradado com a nossa jovem dupla de centrais, que deu provas que podemos contar com eles mesmo para jogos de dificuldade elevada.

 

Contra petardos e foguetório junto ao hotel na noite passada, contra apedrejamentos, contra arruaças, provocações, intimidações e faltas de respeito, contra as campanhas mais difamatórias e agressivas alguma vez vistas a ser movidas contra um clube, fomos ao Porto, fizemos o nosso trabalho com competência, conquistámos os três pontos e a liderança, e voltámos para casa. Sem arrogância, sem passar cartão a quem nos ofende constantemente e é incapaz de se comportar como gente civilizada. Agradou-me a atitude e as respostas do Bruno Lage após o jogo, e agradou-me ainda mais a incapacidade do Sérgio Conceição para perceber porque motivo o perdeu e de reconhecer mérito ao adversário. Enquanto assim continuar, será incapaz de aprender com os próprios erros e isso serve-nos bem. Nada está ganho e está muitíssimo longe de estar - não podemos cair no erro de pensar assim e relaxar. Daqui até final do campeonato - e ainda falta tanto - vão continuar a ser-nos atirados grandes escolhos ao caminho e só mantendo esta concentração, atitude e respeito pelos adversários é que será possível chegar ao objectivo final da reconquista.

tags:
publicado por D`Arcy às 01:56
link do post
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

Deplorável

Firme

Soberba

Complicado

Merecida

Susto

Distinção

Bomba

Ridículo

Amorfo

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds