VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Domingo, 5 de Maio de 2019

Crer

Foi acima de tudo uma vitória do crer. Não posso fazer rasgados elogios à exibição, uma vez que durante dois terços do jogo ela esteve muito longe do ideal e só depois de estarmos em desvantagem é que se acendeu finalmente a chama. Mas a reacção ao golo sofrido e a crença que era possível dar a volta valeram-nos o direito a ser felizes.

 

 

Já todos sabíamos que o Jardel ocuparia a vaga do Rúben Dias e essa foi mesmo a única alteração na equipa. Durante a semana, como vai sendo cada vez mais habitual, foi-se construindo um cenário intimidante para o Benfica, como se de repente o Portimonense fosse um adversário temível e o Benfica estivesse sob enorme pressão. Esperava por isso uma resposta à altura da nossa parte, entrando no jogo de forma decidida para marcar cedo e afastar qualquer sombra de nervosismo. Mas não foi isso que aconteceu. Quer dizer, a entrada até nem foi assim tão má, mas antes dos dez minutos o Seferovic, completamente isolado depois de um grande passe do João Félix, falhou de forma escandalosa o golo finalizando com um passe para as mãos do guarda-redes e senti que isso foi uma espécie de saltar da tampa para o nervosismo generalizado. Da equipa e dos mais de sessenta mil que quase lotaram a Luz, com o nervosismo da equipa a alimentar o das bancadas e o das bancadas a passar para o relvado, num ciclo vicioso letal. A partir daí vi uma equipa a jogar muito sobre brasas, com demasiado receio do erro, o que levava à lentidão de processos, a jogadores a não procurarem a bola, passes simples falhados e erros causados precisamente porque o medo de errar levava à demora na tomada de decisão. Logo a seguir a essa ocasião, uma oportunidade flagrante para o Portimonense depois dos seus jogadores andarem praticamente a passear pela nossa área com a bola sem que ninguém se atrevesse a pressionar sequer, quanto mais a meter o pé, que numa primeira instância foi defendida pelo Vlachodimos e depois a recarga do Dener, completamente sozinho quase à entrada da pequena área, saiu para a bancada. O Benfica era incapaz de reagir, o Portimonense tinha demasiado espaço no meio e via os seus jogadores a conseguir progredir quase sem serem estorvados porque toda a gente se encolhia e parecia ter medo de meter o pé. O Portimonense foi claramente melhor durante a primeira parte e teve mais duas ocasiões flagrantes para marcar. Numa o mesmo Dener, mais uma vez completamente à vontade na mesma posição depois de uma perda de bola do Florentino (precisamente por ter demorado demasiado tempo a decidir) rematou para fora. Na outra foi o Vlachodimos a defender o remate do Tabata, que surgiu solto a rematar de ângulo apertado. O Benfica só no último quarto de hora começou a querer dar algum sinal de si, mas as tentativas de remate ou eram cortadas, ou saíam à figura do guarda-redes.

 

 

Desejava e esperava um safanão na equipa ao intervalo semelhante ao de Braga, mas depressa percebi que continuava tudo na mesma. O Portimonense deu o primeiro sinal de perigo num desvio a um livre lateral que fez a bola passar muito perto do poste. Logo a seguir, com sete minutos decorridos, marcou mesmo. E para quem estava a ver o jogo de certeza que isso não foi surpreendente, porque até ao momento o Portimonense estava mesmo a merecer a vantagem. O golo foi muito simples e demonstrou mais uma vez a forma macia como estávamos a jogar. Uma simples tabela na zona frontal da área e o Tabata a aproveitar a enorme cratera que foi deixada quando o Ferro atacou a bola para entrar na área, evitar o Vlachodimos, e marcar de ângulo apertado. A resposta do Benfica apenas começou a aparecer a meia hora do final, quando trocámos o Samaris pelo Jonas. Imediatamente a seguir o João Félix isolou-se, mas um defesa do Portimonense conseguiu o desarme no limite. No minuto seguinte, o golo do empate, resultado da pressão alta do Benfica. Uma série de passes feitos no limite acabou com um defesa do Portimonense a não controlar bem a bola, permitindo a antecipação do Rafa que depois finalizou com muita classe à saída do guarda-redes, picando-lhe a bola por cima. Este golo serviu para fazer o vulcão da Luz entrar em erupção, e com o apoio do público o Benfica foi completamente para cima do adversário. Ainda estou para perceber como é que não marcámos o segundo golo logo na jogada seguinte, com o Rafa a permitir a defesa ao guarda-redes quase em cima da linha de golo. Depois foi o Grimaldo a rematar e a obrigar o guarda-redes a nova defesa apertada. E apenas quatro minutos depois do primeiro golo, o Rafa voltava a marcar e colocava o Benfica na frente, depois de uma desmarcação do Seferovic com a bola a seguir para o Grimaldo e finalmente a sobrar para o Rafa no meio da área. O mais difícil estava feito, mas depois do segundo golo o Benfica retraiu-se novamente em vez de continuar a carregar em cima de um Portimonense que estava completamente perdido em campo. Isto permitiu ao nosso adversário reorganizar-se e voltar a incomodar-nos, tendo até ameaçado chegar ao empate depois de um mau passe do Florentino. Havia neste momento um espaço muito grande no meio campo, e a dez minutos do final o Bruno Lage corrigiu isso mesmo fazendo entrar o Gedson para o lugar do João Félix, deslocando o Pizzi novamente para a direita e colocando o Gedson no meio. Isso matou por completo o Portimonense, que não mais conseguiu encontrar espaços para atacar e acabou dizimado pelas transições rápidas do Benfica assim que recuperava a bola. No espaço de sete minutos o Benfica fez três golos de rajada: o primeiro pelo Seferovic, a passe do Pizzi (que tinha ele próprio recuperado a bola); o segundo pelo mesmo Seferovic, que só teve que encostar um centro rasteiro do André Almeida, que também tinha recuperado a bola e depois tabelado com o Pizzi antes de fazer o cruzamento; e o terceiro já em período de descontos, numa jogada que começa no nosso guarda-redes, passa pelo Jonas, Rafa, abertura na direita para a entrada do André Almeida e cruzamento direitinho para a cabeça do Jonas, que tinha acompanhado a jogada. Tudo simples e eficaz, chegando o Jonas ao golo 300 da carreira. E assim se construiu uma goleada num jogo em que tivemos grandes dificuldades a maior parte do tempo.

 

 

O homem do jogo é naturalmente o Rafa, que foi o responsável pela reviravolta no marcador resgatando assim a equipa do abismo onde se tinha metido. O Jonas até nem participou assim tanto no jogo mas a entrada dele motivou muito a equipa em termos anímicos, e a verdade é que foi com ele em campo que marcámos cinco golos. O Seferovic marcou dois golos, o André Almeida somou mais duas assistências e o Pizzi uma, mas é difícil ignorar o mau jogo que fizemos durante a primeira hora. Mesmo jogadores como o Ferro ou o Florentino, que têm sido figuras de destaque, pareceram acusar a pressão e falharam passes de forma inexplicável.

 

O mais importante, que eram os três pontos frente a uma equipa que certamente estava motivada para agradar à casa mãe, foi conseguido. Com maior dificuldade do que o esperado e desejado, mas o que conta é o resultado final. E assim estamos um passinho mais perto da meta, e mantemos aquela minúscula margem de erro. Os nossos inimigos apostavam muito neste jogo, e certamente irão apostar ainda mais no próximo, porque o desespero vai-se acumulando. Seria bom não entrarmos no próximo jogo como entrámos hoje e em Braga.

 

P.S.- Depois do muito que foi dito sobre a nomeação do Artur Soares Dias para este jogo (e com razão, dado o seu historial nos nossos jogos) é justo reconhecer que ele fez uma arbitragem isenta e sem erros. Quando ele quer, consegue ser muito bom árbitro. É pena que pareça não o querer mais vezes.

tags:
publicado por D`Arcy às 01:39
link do post | comentar
7 comentários:
De António Madeira a 5 de Maio de 2019 às 04:19
Olá, D`Arcy.

Jogo muito, muito difícil, mas que fica resumido em grande parte pelo teu "Mas a reacção ao golo sofrido e a crença que era possível dar a volta valeram-nos o direito a ser felizes."

Foi isto que decidiu o jogo. Se em Braga o adversário tinha tido mérito na forma como nos anulou na primeira parte, o Portimonense fez o mesmo hoje. Agora imaginemos, por uns instantes, que eles jogavam assim o campeonato inteiro e não apenas quando o dono manda. Teríamos um campeonato não só mais interessante, mas também mais justo.
Só que os jogos têm 90 minutos, não têm 60. E no total, fomos melhores em todos os capítulos do jogo.
Foi preciso sofrer? Foi. Muito, mas a nós nunca ninguém nos deu nada. É tudo ganho na garra, no querer, até à última jornada. Digam-me um campeonato nos últimos anos que vencemos com folga ou margem sobre o segundo...
A juntar a todas as influências exteriores, há que referir que três jogadores que estiveram hoje em campo estavam há uns meses na equipa B. Imaginem a pressão que estes miúdos com 18, 19 anos estão a sofrer neste momento... Eu não imagino.
E isso notou-se hoje, tal como se notara em Braga.
Não tenho dúvidas que isto fará deles homens e grandes (ainda mais) jogadores.
Também houve, pareceu-me, um maior apoio das bancadas, apesar do nervosismo compreensível, mas só o facto de não se terem ouvido assobios, já é de louvar.
Quanto aos jogadores, três destaques: Rafa, Pizzi e Almeida. E que alegria é ver o Jonas a marcar...

Agora, é esperar por mais uma semana onde o Rio Ave se transformará num Barcelona e onde a onda vermelha será novamente preponderante em Vila do Conde, onde já fomos tão felizes recentemente.

Eu acredito! Vai, Benfica!
De Anónimo a 5 de Maio de 2019 às 17:49
Jogaram drogados até á medula ... assim podiam ser campeões, parecia uma equipa de craques, quando apenas são uma equipa de fundo da tabela !
De Manuela a 5 de Maio de 2019 às 08:01
Vi o mesmo jogo, mas custa-me parabenizar ASD pela arbitragem que fez. Trata-se do filho da mãe mais habilidoso no uso do apito e ontem voltou a demonstrá-lo. Quem tiver paciência para isso, que conte as vezes que os nossos jogadores foram desarmados com falta e ele mandou seguir. Sobre o João Félix foram duas, e dariam livres perigosos.
Quanto à forma macia como defendemos quero acreditar que nada teve a ver com nervosismo, pressão ou receio. Sabemos nós e sabe a equipa técnica do SLB que, com a nomeação do habilidoso ASD e do Inácio azul para assistente, a armadilha estava montada: qualquer contacto com um jogador do adversário daria queda aparatosa e consequente falta, livre perigoso, amarelos e eventualmente, o penaltizinho que este artista tanto gosta de assinalar contra nós. Era notória a forma como o próprio Samaris, que nunca se esquiva a um "corpo a corpo", travava antes de tocar num portimonense; foi clarinha a cerimónia que os 6 ou 7 jogadores do Benfica dentro da grande área, tiveram em meter o pé na jogada que descreves, ainda na primeira parte e que termina com um remate por cima.
Venham as novas armadilhas, eu sei que há profissionais do SLB peritos em desarmá-las.
Viva o Benfica!

De antonio fonseca a 5 de Maio de 2019 às 08:47
Bom dia,

Completamente de acordo com o comentário do moderador.

Mais uma vez demos 50 minutos de avanço ao adversário. Ainda bem que as coisas se acertaram e a reviravolta no marcador surgiu. Mas atenção que faltam duas finais, mormente a do próximo fim de semana que se apresenta díficil porque o Rio Ave está a jogar muito e bastante motivado para nos derrotar.

A entrada tem que ser completamente virada para a antecipação e a motivação para se resolver o jogo não dando as vantagens que os últimos jogos deram aos nossos adversários.

Por isso vamos a vila do conde e ganhar os três pontos para se festejar o título no último jogo em casa com o santa clara.

Saudações benfiquistas.
De Dias Pereira a 5 de Maio de 2019 às 20:18
Boa noite.
É cada vez mais difícil compreender porque é que uma equipa que lidera, isolada, a tabela classificativa, com o fim da prova cada vez mais perto, não consegue – nem mesmo perante o seu público, com casa cheia… – entrar em campo como lhe compete, jogando com tranquilidade e impondo, de forma natural, a sua superior qualidade individual e colectiva…
Tem sido assim, sucessivamente, pelo menos na última meia dúzia de jogos (pecando eu por defeito…)
Relativamente ao jogo de ontem, então, é ainda mais difícil compreender a razão disso. Se em Braga jogávamos perante uma equipa de alguma qualidade, e se justificavam algumas cautelas iniciais, ontem defrontávamos, em nossa casa, uma equipa que nos é infinitamente inferior, e que, apesar de ter alguns jogadores rápidos do meio campo para a frente, tem como objectivo não descer de divisão. E o que se viu foi um Benfica de movimentos tolhidos, sempre muito intranquilo, a jogar exageradamente para os lados e para trás, e a tremer sempre que o adversário subia de forma mais assertiva no terreno, obrigando-se a jogar no pontapé para a frente e no salve-se quem puder, como se as camisolas estivessem ao contrário e nós, Portimonense, jogássemos em casa do poderoso Benfica! Haja decência!!!
E o que assusta é que esta postura é uma reincidência, que já nem é apenas desta época. Eu ainda não me esqueci dos Estoris, Moreirenses e Tondelas das épocas passadas, nem dos empates caseiros, em sufoco total e absoluto, contra os Portimonenses das Taças da Liga das épocas anteriores…
Isto não é – não pode ser! – o Benfica! Isto é uma aberração, total e completa!
Uma equipa madura, que integra jogadores com muitos anos de futebol, e de experiência – e mesmo que não fosse assim!... – não pode, repito, não pode, jogar como o Benfica o fez ontem!
Ontem, os erros individuais, e colectivos, de atitude e postura, de posicionamento, e de desempenho técnico e físico, foram os mesmos dos últimos largos – larguíssimos!… – meses, os quais não se corrigem, sabe-se lá se por laxismo e incúria, ou se por se achar isso desnecessário. Os passes falhados a meia dúzia de metros, os adornos inúteis nas jogadas que se querem simples, a falta de assertividade na abordagem dos lances, a falta de pressão sobre o portador da bola, a falta de velocidade na procura do espaço e da bola, o dar-se à marcação por passividade excessiva, enfim… tudo aquilo que tenho vindo a apontar como nefasto ao nosso jogo, voltou a estar ontem em campo! Com a agravante de ter não ter sido erradicado, nem mesmo depois de, em duas jogadas fortuitas, o Rafa ter revertido a desvantagem no marcador.
(Um parêntesis para notar que o segundo parágrafo do texto do D’Arcy enumera muito daquilo que eu tenho apontado como negativo, e penalizador, no nosso futebol. Agora, contenham-se, e não digam que o homem é um mau benfiquista, ou que é um conhecido não sei quê de outros blogues, de outras cores clubísticas…)
Continuo a dizer que este grupo de jogadores tem que fazer uma equipa mais forte, muito mais forte, do que esta que temos visto, particularmente nos últimos dois meses. As goleadas estão a encobrir muita coisa, desde a gritante falta de qualidade no jogo defensivo à falta de eficácia e à intermitência da mediocridade na manobra ofensiva, passando pela enervante passividade, e mesmo alguma arrogância e convencimento abusivo, no modo como se abordam os jogos.

(continua)
De Dias Pereira a 5 de Maio de 2019 às 20:20
(continuação)

Escrevi, recentemente, que as últimas três jornadas nos destinavam três equipas nada simpáticas, e acrescentei que se a atitude não fosse diferente daquela com que temos abordado os últimos jogos, iríamos ter muitas dificuldades e, eventualmente, não atingiríamos os nossos objectivos. Não me enganei. E também não vi a reversão dos erros em que temos incorrido!
No próximo domingo vamos jogar frente a um adversário que nos tem apresentado extremas dificuldades, e que nos tem tirado pontos e qualificações, num passado recente, designadamente em Vila do Conde. Se ao modo como nos temos apresentado juntarmos as dificuldades que nos esperam, e as manobras que os nossos adversários – num patamar de desespero quase absoluto… – vão certamente ensaiar, teremos criado um cenário negro, que só poderemos ultrapassar se formos radicalmente diferentes, para melhor, do que temos sido, repetidamente, nos últimos jogos.
Se me pedissem a receita para estas últimas duas semanas, eu prescreveria uns banhos de humildade – eventualmente com umas sessões de trabalho braçal em hortas comunitárias da periferia, apimentadas com interacções verbais com quem tem de fazer a vida com um orçamento a rondar o ordenado mínimo nacional – várias sessões de psicoterapia, individuais e em grupo, e sessões de treino intensivas, com muito nervo e pouco recreio. Mas isso sou eu, que serei um mau benfiquista, um tipo abusiva e incomodamente exigente, que nunca está satisfeito com nada. Nem mesmo quando a equipa acumula goleadas que só têm paralelo na história do Benfica lá bem para trás, nos longínquos anos 60…
Não é de espantar que não haja paciência para tipos como eu…
Acorda, Benfica! Acordem, benfiquistas! Força, Benfica!
Viva o Benfica!
Saudações benfiquistas!
De Dias Pereira a 8 de Maio de 2019 às 01:25
Boa noite.
Apesar de não ter expressamente a ver com o post, permito-me deixar uma nota a estranhar o facto do E Pluribus Unum ter deixado de comentar neste espaço.
Embora não saiba, de todo, o que terá ocorrido - se está impossibilitado de aqui vir, por razões de saúde, ou se a sua ausência é voluntária... - gostaria de expressar os meus votos sinceros de resolução dessa ausência, se tal for passível de resolução.
Espero que o possamos ter entre nós de novo...
Viva o Benfica!
Saudações benfiquistas!

Comentar post

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

#Reconquista

Um

Crer

Proveitosa

Pujante

Deplorável

Firme

Soberba

Complicado

Merecida

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds