VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Sábado, 11 de Agosto de 2018

Desconcentração

Podíamos ter entrado no campeonato com uma goleada, tamanha foi a superioridade sobre o Guimarães durante mais de uma hora. Mas bastou um curto período de excessivo relaxamento nos últimos minutos para permitir ao Vitória reentrar num jogo onde nunca tinha estado, e manter a incerteza no resultado até final.

 

 

Apresentámos um onze inicial bastante familiar, com apenas três jogadores que não estavam no plantel a época passada: o Vlachodimos na baliza, o Gedson no meio campo, e o Ferreyra na frente. As equipas do Luís Castro normalmente tentam jogar futebol e são pouco amigas do antijogo, mas desde os minutos iniciais que o Benfica deu muito poucas possibilidades para que o Vitória jogasse. Depressa empurrámos o adversário para dentro do seu meio campo, com uma pressão agressiva que nem sequer dava espaço para grandes oportunidades de contra-ataque. A atacar, muita liberdade de movimentos para os laterais e médios centro, com os laterais a aparecer frequentemente em zonas anormalmente centrais, o Gedson a cair frequentemente na frente e o Pizzi em zonas perto da área. O Vitória foi literalmente atropelado durante toda a primeira parte, e a marcha do marcador reflectiu isso mesmo. O primeiro golo surgiu logo aos dez minutos, com o Pizzi a aparecer no centro da área para aproveitar uma bola solta depois de um centro do Gedson na direita. Cinco minutos depois uma oportunidade enorme para aumentar a vantagem, quando o Salvio foi derrubado na área. O Salvio seria o marcador natural mas deixou que fosse o Ferreyra a fazê-lo, só que o nosso novo avançado rematou de forma denunciada e permitiu a defesa ao guarda-redes. Este momento poderia ter sido decisivo no desenrolar do jogo, porque logo a seguir uma desconcentração do Fejsa resultou numa perda de bola que só não acabou em golo porque o Vlachodimos defendeu o primeiro remate e a recarga acabou no poste da nossa baliza. Mas o Benfica continuou a ser imensamente superior e à meia hora de jogo o Pizzi bisou. Mais uma vez na zona central da área, finalizou uma jogada fantástica entre o Salvio e o André Almeida pela direita, com a assistência a pertencer a este último. Nesta fase o Benfica criava perigo quase em cada ataque que fazia e a sete minutos do intervalo, sem qualquer surpresa, chegou o terceiro golo. O Pizzi a ser o improvável autor de um hat trick, com um remate colocado à entrada da área a aproveitar uma boa simulação do Ferreyra, que deixou passar entre as pernas o passe do Grimaldo. Três golos de vantagem ao intervalo que até eram escassos para tanto domínio, e o jogo parecia mais do que resolvido.

 

Na segunda parte, e com toda a naturalidade, o Benfica abrandou o ritmo. Mas continuou completamente por cima no jogo, mesmo depois do Luís Castro ter tentado estancar a avalanche do Benfica pela direita, trocando o extremo esquerdo Ola John para colocar naquela posição um jogador mais agressivo a acompanhar as subidas do André Almeida (Davidson). Até achei que as coisas estavam a ser bem feitas. Gestão de esforço e do resultado mantendo a posse de bola, com o quarto golo a parecer muito mais próximo do que qualquer tipo de reacção da parte do Vitória - a verdade é nem sequer me consigo lembrar de qualquer situação de ataque por parte do nosso adversário durante este período. A parte pior veio nos minutos finais. A nossa equipa adormeceu demasiado e as substituições não resultaram. Primeiro começou a ser notório que o Gedson estava a perder gás, e com isso começámos a perder o meio campo. Depois, a troca do Cervi pelo Rafa significou uma muito maior liberdade para o lateral direito adversário, e o Grimaldo começou a sentir cada vez mais dificuldades ao ser frequentemente confrontado com sucessivas situações de inferioridade numérica. E quando já estávamos a perder o meio campo, tirar o Fejsa era arriscado. O que é certo é que a quinze minutos do final o Vitória marcou e começou a acreditar. Logo a seguir trocámos o Salvio pelo Zivkovic (eu teria preferido que o Zivkovic tivesse entrado para o lugar do Gedson) e o Vitória voltou a marcar, num lance em que me pareceu haver demasiada apatia dos nossos jogadores e um buraco enorme do lado esquerdo. Felizmente, este segundo golo adversário pareceu servir de despertador para a nossa equipa, que até final não voltou a permitir que o o Vitória tivesse qualquer situação de perigo. No final fica a vitória e os importantes três pontos, mas também uma sensação de frustração pelo facto do resultado não espelhar o quanto melhores fomos neste jogo.

 

O homem do jogo tem que ser o Pizzi pelos três golos que fez mas os destaques vão, na minha opinião, para o Salvio, Grimaldo e Gedson como os maiores dinamizadores do nosso jogo. O Fejsa, André Almeida e Cervi também estiveram bastante bem, mas no geral durante a excelente primeira parte que fizemos todos estiveram bem, talvez com a excepção do Ferreyra, que ainda parece um corpo estranho na equipa.

 

Era importante começar a ganhar, e isso foi conseguido. Era também importante resolver cedo o jogo para permitir a gestão de esforço a pensar no jogo na Turquia, e isso também foi conseguido. Pena apenas aquele curto período de desconcentração que acabou por colocar em causa uma vitória que até então era mais do que indiscutível.

tags:
publicado por D`Arcy às 19:27
link do post
De Anónimo a 15 de Agosto de 2018 às 02:16
Peço desculpa pela falta de tempo para escrever algo de decente, mas quero apenas saudar o teu regresso, D`Arcy.
Que seja o início de uma longa maratona, com final feliz no Marquês.

Abraço.
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

Deplorável

Firme

Soberba

Complicado

Merecida

Susto

Distinção

Bomba

Ridículo

Amorfo

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds