VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Quarta-feira, 3 de Agosto de 2022

Escasso

No regresso à competição oficial o Benfica deixou a pré-eliminatória da Champions bastante bem encaminhada, com uma vitória clara por 4-1 frente aos dinamarqueses do Midtjylland num jogo em que a diferença de qualidade entre as duas equipas foi bastante clara. Mas creio mesmo assim serão poucos os benfiquistas que não acharão que este resultado peca por ser bastante escasso face ao voluma de situações claras de golo criadas (e desperdiçadas) pelo Benfica.

1.jpg

O onze apresentado foi o mais esperado, já que foi aquele que mais vezes vinha a ser utilizado nas primeiras partes dos jogos de preparação. Esta equipa apresenta apenas dois reforços 'e meio': Enzo Fernandez e Neres, mais o regressado Florentino. Todos os outros são jogadores que já estavam no clube, e a diferença na forma de jogar é um bom exemplo da influência que um treinador pode ter numa equipa, mesmo com tão pouco tempo de trabalho. Quanto ao jogo, foi praticamente de sentido único, com o Benfica a assumir as despesas do mesmo durante quase todo o tempo e os dinamarqueses quase todos acantonados dentro da sua área. Até fiquei com a sensação de que o Benfica não foi tão sufocante como o vimos nos jogos de preparação, mas a pressão alta também acaba por ser menos visível quando o adversário não mostra grandes intenções de sair a jogar, e em vez disso opta por despachar a bola para a frente em futebol directo a maior parte das vezes. Também achei que houve menos jogo pelos flancos do que o habitual, sendo o Neres a evidente excepção. A resistência dos dinamarqueses durou cerca de um quarto de hora, altura em que o Neres fabricou o golo no flanco direito para o oferecer ao Gonçalo Ramos, que num grande movimento de ponta-de-lança ganhou a frente ao marcador directo para dentro da pequena área fazer o cabeceamento. Pouco depois da meia hora, lance quase a papel químico: mais uma vez o Neres na direita a fazer o que quis do adversário e a centrar depois de ganhar a linha de fundo, e o Gonçalo Ramos a cabecear para o segundo. O Gonçalo Ramos antes já tinha ficado a centímetros de chegar ao um cruzamento do Gilberto, e logo a seguir voltou a fazer o mesmo, quando o Benfica pressionou alto e depois de recuperada a bola, o Rafa na cara do guarda-redes tentou servi-lo, mas o passe saiu uns centímetros adiantado. Mas o terceiro golo surgiu mesmo a cinco minutos do intervalo: canto na esquerda marcado pelo João Mário em balão para a entrada da área, e o Enzo rematou de primeira, com a bola a sofrer um ligeiro desvio num defesa e a seguir imparável para o fundo da baliza.

2.jpg

Três a zero ao intervalo, e era razoável esperar pelo menos outros tantos na segunda parte. Que só não aconteceram por falta de aproveitamento, porque o número de ocasiões de golo que criámos até foi superior ao da primeira parte. Quase sempre com o Gonçalo Ramos em destaque, só no primeiro quarto de hora foram quatro situações clamorosas de golo. Gonçalo Ramos a abrir, num cabeceamento que o guarda-redes defendeu levando a bola ainda a embater novamente no Ramos e a sair, João Mário em posição frontal privilegiada a atirar ligeiramente por cima, novamente o Gonçalo Ramos dentro da área a tirar um defesa da frente e depois só com o guarda-redes pela frente a permitir a defesa (e ainda tinha dois colegas à frente da baliza a quem poderia ter passado a bola) e finalmente o Neres, num contra-ataque conduzido pelo Rafa que o deixou à frente do guarda-redes, a atirar à barra. Mas a fechar estes quinze minutos frenéticos o golo praticamente inevitável apareceu mesmo, e quase sem surpresas pelo Gonçalo Ramos, que assim completou o hat trick. Insistência do Rafa pela direita, que depois de receber a bola na área vinda de um lançamento de linha lateral ainda conseguiu em esforço tocá-la para trás e evitar que se perdesse pela linha de fundo, e depois grande recepção do Gonçalo Ramos e rotação para rematar cruzado por entre as pernas do guarda-redes. O Benfica pareceu então abrandar um pouco o ritmo, e o Midtjylland aproveitou para chegar ao golo de honra (que pouco ou nada fez por merecer) a um quarto de hora do final, num penálti cometido pelo Morato. Já com o Henrique Araújo e o Yaremchuk nos lugares do Rafa e Gonçalo Ramos, alinhando num esquema mais próximo do 4-4-2 em vez do 4-2-3-1 inicial, ainda assim a dupla de avançados criou já perto do fim duas ocasiões flagrantes para marcar, tendo numa o Henrique Araújo atirado ao lado e na outra o Yaremchuk viu o seu remate ser defendido, para depois um defesa cortar em cima da linha.

3.jpg

O destaque maior tem que ser o Gonçalo Ramos, pelo hat trick e ainda as várias ocasiões que criou, mostrando o erro que foi a época passada colocá-lo a jogar em posições mais afastadas da zona de finalização. Pode não ser um avançado exuberante, mas tem golo e é perto da baliza que tem que estar. Outro grande destaque é o David Neres, que é uma das grandes contratações para esta época. É um upgrade brutal em relação ao Everton, até porque preferindo o pé esquerdo está também à vontade para cruzar com o pé direito, como o fez nos dois primeiros golos - que foram por si fabricados. Por isso um defesa fica sempre na dúvida sobre o que ele irá fazer, e se por acaso decidir entrar com tudo o mais provável será ser irremediavelmente ultrapassado. Menção também para os dois médios: o Enzo é talvez o primeiro número oito a sério que temos desde que o Renato Sanches saiu. É um verdadeiro box-to-box, com capacidade de recuperação da bola mas também técnica de passe e visão para fazer o importante primeiro passe na saída em transição assim que a bola é recuperada (e é também capaz de fazer ele o transporte da bola, se for necessário). Mais uma contratação em cheio para uma posição em que andamos em claro défice há anos. Finalmente, o Florentino. Eu admito ser altamente suspeito para falar sobre ele, porque sou admirador do futebol dele desde as camadas jovens. Para mim é daqueles jogadores que quando está em campo faz logo com que a equipa possa jogar dez metros mais adiantada - a capacidade de leitura do jogo e tempo de entrada aos lances que ele tem permitem-lhe recuperar inúmeras bolas. É o único verdadeiro número seis que temos no plantel, o que mostra o quão incompreensível e errada foi a sua dispensa nas duas épocas anteriores. Parece-me que está na calha para ser uma peça chave na estratégia do nosso novo treinador, e pode ser que seja esta a sua época de afirmação definitiva.

 

Salvo alguma hecatombe, a eliminatória deverá estar quase resolvida. Agora é vermos de que forma é que esta equipa estará preparada para fazer frente às habituais armadilhas e condicionantes que nos atiram internamente. Há até alguns que a semana passada já prometiam ir festejar o título a uma terra qualquer (ai se fosse alguém do Benfica a dizer uma coisa parecida...). É preciso um grande grau de confiança no status quo instalado no futebol português para se andar já a fazer essas previsões.

tags:
publicado por D'Arcy às 00:14
link do post | comentar
5 comentários:
De Vitor Pereira a 3 de Agosto de 2022
O primeiro de muitos jogos semelhantes a este.
De Luis Agostinho a 3 de Agosto de 2022
Que bom, que refrescante que é ver o Benfica jogar com um oito a sério.

Que entusiasmante que é ter finalmente um extremo que tem capacidade de drible, vai à linha e cruza para o ponta de lança.

Que descanso é ter um ponta de lança a jogar na área e cuja função...é marcar.

Que pena termos um voo desequilibrado, já que a asa esquerda ficou muito aquém da direita. Imagine-se um extremo ao nível do Neres na esquerda...e repito mais uma vez, o Horta não é esse extremo. Em vez de gastar um pipa de massa para agradar ao trolha (só tem 10% do passe), eu passava o Rafa para a esquerda e ia buscar um 10.

Muito trapalhão o Gilberto. Quando tivermos uma asa direita Bah-
Neres...ui ui...

O João Mário melhorou um pouco na parte final, mas sempre que a bola lhe chegava, o jogo abrandava e ficava "mastigado".

O penalty do Morato poderia e deveria ter sido evitado, não era necessário entrar assim, ainda por cima dentro da área, mas a culpa não é só do Morato, que veio do lado esquerdo para o direito para tentar tapar um buraco, não tenho a certeza porque não vi a repetição da jogada, fiquei lixado, mas penso que foi o Gilberto.

Depois da deriva alucinada do Benfica nos últimos anos, finalmente estamos a colocar as peças no lugar e a ir buscar peças válidas para a equipa. Parabéns ao Rui Costa e estrutura, os reforços Neres e Enzo, são mesmo reforços. Mas, na minha opinião, ainda falta pelo menos um 10. Penso ser a maior prioridade.

Saudações Benfiquistas

PS Os vmocs do Campo Grande conseguiram vitimizar-se no atletismo, que lata.
De D'Arcy a 3 de Agosto de 2022
Não há direito que o Benfica possa utilizar atletas cubanos, quando eles, pessoas de princípios sérios, apenas foram buscar uns ucranianos quase de véspera para competir por eles. Já se sabe que os viscondes nunca perdem graciosamente ou aceitam que o adversário foi melhor. Há sempre uma desculpa. Como haverá desculpas para os onze títulos anteriores do Benfica; eles andam claramente a ser prejudicados há doze anos consecutivos.
De Ruben Sosa a 3 de Agosto de 2022
Por mim era de tentar Reinier por empréstimo com opção de compra para nº 10 e tentar ir buscar o Januzaj, que está sem clube, para termos mais uma opção a extremo.
De Anónimo a 3 de Agosto de 2022
Mas que grande exibição.
Obrigado e Parabéns

Comentar post

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Agosto 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

Tranquila

Escasso

Hiato

Formação

Exemplar

Brilhante

Brio

Dignos

Darwin

Erros

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds