VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Quarta-feira, 1 de Novembro de 2023

Experiência

O nosso treinador aproveitou a Taça da Liga, e talvez também condicionado pelas recentes lesões decidiu fazer a experiência de jogar num esquema de três centrais. Talvez a memória me falhe, mas creio ter sido a primeira vez que o fizemos com o Roger Schmidt. O resultado foi positivo, já que ganhámos o jogo e deixámos a passagem à próxima fase bastante bem encaminhada - será necessário perdermos em casa por dois frente ao AVS para que isso não aconteça - mas a equipa ainda não apresentou um futebol com a qualidade que os benfiquistas esperam.

1.jpg

À dupla habitual de centrais juntou-se o Morato, que actuou sobre a esquerda, caindo o António Silva mais sobre a direita. As alas ficaram entregues ao João Neves na direita e ao Aursnes na esquerda, o que significou a preferência pelo norueguês que faz tudo a qualquer um dos dois laterais esquerdos do plantel. No meio, o João Mário jogou ao lado do Florentino, o que sempre permite aproveitarmos a sua qualidade técnica sem ficarmos expostos à sua maior fraqueza, que é a falta de velocidade quando joga numa ala. Na frente, o Gonçalo Guedes ocupou a posição mais avançada, apoiado pelo Rafa mais sobre a esquerda e o Di María mais sobre a direita. O Benfica assumiu as despesas do jogo desde o início, conforme se esperava. A qualidade do futebol apresentado não era muita e o relvado, lento, pesado e em mau estado, também pouco ajudava. O maior destaque era mesmo para o Di María, que em algumas iniciativas individuais ia dando os maiores sinais de perigo num jogo em que mais uma vez tivemos muita posse de bola e construímos poucas ocasiões de perigo. Foi precisamente o Di María quem inaugurou o marcador aos vinte e seis minutos, na conversão de um livre na meia lua assinalado por falta sobre si próprio, após uma jogada individual em que tinha deixado pelo caminho três adversários. O remate saiu colocado e a meia altura junto ao poste do lado do guarda-redes, que não conseguiu ver a bola partir e quando se lançou já era demasiado tarde. Nada de novo aqui, o Benfica apenas deu expressão ao seu ascendente no jogo, algo que já vimos acontecer diversas vezes esta época, e agora a questão era se conseguiríamos finalmente gerir com eficácia uma situação destas até final, marcando mais golos que nos permitissem estar tranquilos até ao apito final. Depois do golo não abdicamos de ter o controlo do jogo e continuámos a jogar maioritariamente no meio campo adversário, não lhe permitindo qualquer espécie de reacção. Mas tenho dificuldade em recordar situações de especial perigo criadas por nós - apenas um lance em que o Gonçalo Guedes deveria ter sido capaz de controlar a bola quando apareceu em situação privilegiada após um grande passe do Aursnes, mas deixou-a escapar.

2.jpg

Na segunda parte o Arouca apareceu com mais vontade logo nos primeiros minutos, fruto também das alterações feitas ao intervalo. Deu para perceber que não iríamos conseguir manter tanto a bola na nossa posse como na primeira parte, pelo que um segundo golo era mesmo importante. Esse golo chegou cedo, com nove minutos decorridos, pelo João Mário, que entrou bem pela zona central para receber um passe longo do Di María e finalizou muito bem na cara do guarda-redes, mas o VAR puxou o filme atrás uns bons vinte segundos até ao início da jogada e o golo acabou anulado por uma posição irregular do Gonçalo Guedes. Continuava portanto tudo em aberto, e logo a seguir a este lance o Benfica trocou de uma só vez o trio da frente, colocando em campo o Tiago Gouveia sobre a esquerda, o Tengstedt sobre a direita, e o Cabral no meio. Conforme escrevi, o Arouca mostrava-se um pouco mais atrevido nesta segunda parte e a posse de bola era agora mais dividida, e foi um pouco preocupante ver que por vezes concedíamos demasiado espaço atrás que podia ser aproveitado pelo adversário para chegar a um golo que, na verdade, nunca justificou. Foi por isso com algum alívio que a quinze minutos do final vi o Benfica chegar ao golo da tranquilidade. Foi o criticado Arthur Cabral quem o marcou, e um bom golo por sinal. Arrancando ainda antes da linha de meio campo, solicitado por um passe do Tengstedt (depois de ter sido ele próprio a ganhar a dividida com o defesa), correu metade do campo perseguido pelos defesas, protegeu bem a bola e aguentou a pressão destes, e já na área e à saída do guarda redes finalizou bem e com calma, colocando a bola no poste mais distante. Pouco depois teve também uma boa iniciativa individual em que colocou a bola no outro lado para o Tengstedt, que estava sozinho mas não conseguiu controlar a bola em condições para criar perigo. Nos minutos finais, o jogo perdeu muita qualidade e ficou bastante mais partido, da parte do Benfica muito por culpa dos próprios jogadores que tiveram más decisões. Com o espaço que era cada vez mais concedido, o Benfica teve várias situações para definir melhor e criar situações de perigo, mas de uma forma extremamente irritante os jogadores optavam demasiado por agarrar-se à bola e tentar iniciativas individuais quando jogavam num campo que cada vez mais se assemelhava a um batatal. Há uma jogada em particular na qual o Bernat - que tinha entretanto substituído o Florentino - se agarrou à bola quando teve uma eternidade de tempo e espaço para fazer um passe para o Tiago Gouveia que o isolaria nas costas da defesa, que me deixou particularmente irritado. Do nosso lado, o Trubin ainda teve oportunidade para um par de intervenções que evitaram que o Arouca reentrasse no jogo.

3.jpg

A escolher um homem do jogo será o Di María, que foi quem conseguiu mostrar mais qualidade enquanto esteve em campo. O João Mário esteve bem, e gosto de o ver numa posição mais central, porque para mim definitivamente não está talhado para jogar numa ala. Os centrais, a jogar no novo esquema, estiveram geralmente bem, embora me tenha irritado o amarelo infantil que o António Silva viu. E para não estarmos sempre a bater nele, a entrada do Arthur Cabral teve um impacto positivo no jogo e fiquei satisfeito com o golo que marcou.

 

A conseguirmos a passagem à próxima fase desta competição já será uma melhoria em relação à época passada, na qual ficámos pelo caminho nesta fase. Já passou demasiado tempo desde a última vez que vencemos esta competição. Quanto ao novo esquema táctico, acabou por ser útil para esta situação particular, mas eu não sou grande fã dele e não acredito muito que seja intenção do nosso treinador mantê-lo. É interessante termos uma alternativa para situações pontuais, mas nem sequer temos um plantel construído para suportar esta táctica de forma regular - até para a nossa táctica habitual o plantel está desequilibrado, quanto mais para esta. Não ganhar este jogo teria sido demasiado mau e criaria ainda mais instabilidade, pelo que esta vitória, que mesmo sem ser esmagadora julgo ser indiscutível, foi bastante importante.

tags:
publicado por D'Arcy às 01:07
link do post | comentar
6 comentários:
De Nick Name a 1 de Novembro de 2023
Concordo em que foi um jogo mediano contra uma equipa que nada fez e pouco tentou fazer. De resto, começa ser confrangedor ver o baixo nível de competitividade e de ambição da maior parte (enfim, a quase totalidade) das equipas da nossa Liga, e nem falo das dos escalões inferiores. Quer o Casa Pia quer o Arouca, só para falar de adversários recentes, apresentam um futebol paupérrimo, limitado a tentar defender de qualquer modo e ir aguentando enquanto possível. Isso prejudica a qualidade do espéctaculo e, a prazo, prejudica gravemente o nível de competitividade do Benfica. Nesta Champions, isto já está a ser por demais visível.
Voltando ao jogo, também concordo que este esquema táctico não é para durar. Mas contra o futebol anémico do Arouca funcionou, e poderá voltar a funcionar no futuro ocasionalmente contra equipas deste tipo.
De Pedro Qwara a 1 de Novembro de 2023
O sistema tático de 3-4-3 não tem grande tradição no Benfica, se a memória não me falha foi testado há uns anos atrás, no tempo de Ronald Koeman, sem grande sucesso, e repetido mais recentemente por Jorge Jesus, devido essencialmente á necessidade de acomodar Lucas Verissimo, Otamendi e Vertonghen, mas uma vez mais sem sucesso.
Mas não me choca que o Benfica jogue neste sistema, em certos jogos e perante determinados adversários é capaz de funcionar, desde que bem trabalhado. É importante que o futebol do Benfica não cristalize num sistema tático único e repetitivo, demasiado previsível e fácil de contrariar pelos adversários…Tanto pode ser o 3-4-3 como o 2-5-3 dos matraquilhos, desde que o Benfica jogue bem e ganhe.
Independentemente do sistema tático utilizado o Benfica tem que voltar rapidamente a ser a equipa compacta e solidária que foi na época passada e não uma equipa desgarrada, sem fluidez de jogo, á espera de iniciativas individuais que suprimam as deficiências coletivas.
O jogo de Arouca mais do que pelo futebol praticado valeu essencialmente pelo resultado e pelos golos. O livre superiormente executado por Di Maria e a cavalgada de 40 metros do Cabral, que conseguiu controlar a bola num relvado impróprio para consumo, resistir ao assédio dos defesas adversários e manter o discernimento para fazer o golo.
E o golo do João Mário, que mesmo não valendo, porque o VAR quase que recuou ao jogo do Casa Pia para encontrar um offside, nasce daquela que foi talvez a melhor jogada do desafio.
E Pluribus Unum !
De Fernando Valente a 1 de Novembro de 2023
Sobre o jogo não gostei do 1º trio de avançados Guedes sem forma trapalhão o mini saia do Rafa precisa urgentemente de ir roçar banco, não sabe jogar para equip, corre corre sempre contra os adversários, Dimaria bom mesmo mas tem de dosear o esforço, depois entrando alas o ponta de lança Cabral funcionou.
De Henrique Teixeira a 1 de Novembro de 2023
O Benfica venceu um adversário que ainda há poucas semanas só não ganhou no dragão porque não o deixaram ganhar.
Jogou bem o Benfica? Não. Mas como ainda recentemente aqui escrevi prefiro mil vezes que o Benfica jogue mal mas ganhe do que jogue muito bem mas obtenha resultados negativos. Com um relvado naquelas condições também não era possível praticar futebol de elevada qualidade.
De táticas não vou falar porque pouco percebo disso. Só desejo é que Roger Schmidt seja feliz com as suas opções.
Gostei de ver Florentino e Gonçalo Guedes no onze inicial, da entrada no jogo de Tiago Gouveia, e dos excelentes golos, principalmente do marcado pelo Arthur Cabral, que mesmo não tendo feito um grande jogo melhorou em relação a todos os que até agora fizera.
No que concerne a lesões o Benfica está a passar por uma fase muito complicada. Penso que sem as inesperadas ausências no jogo com o Casa Pia o Benfica teria vencido sem grandes dificuldades, pois principalmente no jogo de cabeça notou-se muito a falta de Musa.
Nos comentários a esse infeliz jogo apareceu aqui um intruso que, com vontade que o Benfica tivesse perdido, e querendo saber mais do que os árbitros, veio afirmar que o golo do Benfica não devia ter sido validado. Admiro a paciência que o D`Arcy teve para lhe explicar o lance, em que ele insistia ter havido falta do António Silva.
A respeito de intrusos recordo-me dum tal Lisandro que por aqui andou muito tempo a vomitar veneno contra o Benfica.
Saudações Benfiquistas.
De AP a 3 de Novembro de 2023
Caros benfiquistas,
Estava algo receoso em relação ao jogo em função do momento da equipa, e em função daquilo que eu sabia que ia ser o estado do relvado.
No entanto gostei, em geral, da exibição da equipa, apesar de ter ficado surpreendido com o esquema tático apresentado. Acho que neste jogo até beneficiou a equipa, tornou-a mais compacta, muito por força do desempenho do trio do meio campo a quem se juntava o Aursness em situações ofensivas, o que também ajudava nas transições defensivas porque esses quatro homens pressionavam alto e matavam muito jogo ao Arouca.
Em suma acabou por ser um resultado natural num jogo tranquilo da nossa parte.
Registei a pontinha de ironia na frase do D´Arcy relativamente ao rigor, e bem, do videoárbitro na análise do fora de jogo no lance do golo anulado ao João Mário. E registei, porque esse rigor tem andado algo arredado, para não dizer muito arredado dos jogos do Sporting. Dou dois exemplos do jogo deles no dia de ontem contra o Farense:
- No primeiro golo, supostamente, não há fora de jogo por 8 cm. Tudo certo, se não se tivesse batido o record de menos tempo gasto a analisar um fora de jogo tão milimétrico. No nosso campeonato este tipo de lances "tirados à pele" demoram vários minutos a confirmar; ontem quase nem houve tempo para a Sportv dar a repetição do lance, porque o jogo foi logo reatado ... Mais, passados cinco minutos a Sportv deu a imagem das linhas uma só vez e também em tempo record, nem deu tempo para tentar perceber se estavam bem colocadas...
- Na segunda parte há um penalty claro a favor do Farense que a ser assinalado e concretizado dava o empate. A rasteira do jogador do Sporting ao jogador do Farense é clara, só ficando a duvida de saber se foi dentro ou fora da área. Mais uma vez, o videoárbitro nem sequer deu indicação ao árbitro para ir ver as imagens!
Assim, é fácil a uma equipa ganhar embalagem ...
De Cá não há bar a 4 de Novembro de 2023
É impressão minha ou há bastante mais coments quando o SLB perde ou empata? Carrega Benfica!

Comentar post

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

Consistência

Revolução

Medíocre

Atrás

Superioridade

Confortável

Rasgos

Degradante

Cruel

Tenacidade

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds