VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Segunda-feira, 8 de Agosto de 2022

Tranquila

Pontapé de saída na Liga, e uma vitória tranquila na estreia. O Arouca nunca foi um adversário capaz de causar problemas e o resultado foi-se avolumando com naturalidade até se fixar nos quatro golos sem resposta, apesar do Benfica ter jogado toda a segunda parte num ritmo bastante pausado.

1.jpg

Foi exactamente com o mesmo onze do jogo europeu que o Benfica se apresentou em campo, e sem surpresas assistimos a um jogo de sentido quase único. Foi bom termos conseguido aquilo que é sempre importante em jogos da liga portuguesa, que é marcar cedo. Foi aos oito minutos, num jogada que começou numa boa iniciativa individual do João Mário na esquerda, continuou numa tabela com o Rafa que, de primeira, soltou o Grimaldo, e o cruzamento em esforço já sobre a linha de fundo foi ter com o Gilberto, que apareceu fulgurante na marca de penálti a fuzilar a baliza de cabeça, como se de um ponta-de-lança se tratasse. Uma jogada e uma finalização muito bonitas de se ver. Obviamente que o golo dá tranquilidade, mas pouco mudou a forma de jogar do Arouca. Continuou afincadamente enfiado na defesa e a queimar tempo quando podia, aproximando-se poucas vezes da nossa baliza. Mas o jogo do Benfica também não foi tão fulgurante como nos anteriores, e não vimos a catadupa de situações de golo doutras ocasiões. A meio da primeira parte o João Mário saiu lesionado e foi substituído pelo Chiquinho, que teve bastante menos influência no jogo. O segundo golo acabou por surgir com alguma naturalidade já perto do intervalo, embora o Arouca tenha conseguido entupir o jogo atacante do Benfica com alguma eficácia durante a primeira parte. A jogada é quase toda mérito do Rafa, que numa iniciativa individual conseguiu entrar na área do Arouca pela esquerda, deixando vários adversários pelo caminho, e depois a tentativa de assistir o Gonçalo Ramos foi interceptada por um defesa, levando a bola a ressaltar noutro e a ir para a cabeça do Ramos, que a enviou à barra para depois o Rafa fazer o golo quase em cima da linha. Já em cima do intervalo, após intervenção do VAR um defesa do Arouca foi expulso após falta sobre o Rafa à entrada da área e o Benfica ainda conseguiu chegar ao terceiro, num remate do Enzo na meia lua a aproveitar um ressalto a um cruzamento do Gilberto. Tal como contra o Midtjylland, jogo resolvido ao intervalo.

2.jpg

Na segunda parte o jogo foi bem menos interessante, pois o Benfica jogou num ritmo bastante pausado e o Arouca continuou a jogar completamente à defesa. Talvez afectada pela decisão (na minha opinião, demasiado severa) de expulsar o jogador do Arouca, a arbitragem ajudou à festa com mais algumas decisões no mínimo bizarras, como os amarelos ao Florentino e ao Rafa, a não expulsão por acumulação de amarelos do defesa gigante inglês do Arouca ou o fechar dos olhos a um empurrão flagrante ao Gonçalo Ramos na área. Apenas mais um golo, já na fase final do encontro, quando o Bah assinalou a estreia pelo Benfica assistindo o Rafa com um cruzamento tenso e rasteiro para que este finalizasse na pequena área. Em relação ao jogo, achei curioso que (também naquela lógica habitual dos nossos adversários do 'para a próxima é que vai ser, que estes eram fracos') os nossos adversários, inimigos ou detractores depositassem esperanças no Arouca para começar já a deitar areia na nossa engrenagem. Não tem qualquer lógica, mas a verdade é que muitos achavam que o Arouca seria um adversário mais complicado do que o vice-campeão dinamarquês. Mas bastaram uns minutos de jogo para compreender porquê: não é no adversário que eles depositam esperanças, é no futebol português em geral. O futebol português é talvez o maior viveiro de anti-jogo da Europa, e isto é um cenário fomentado e elogiado quer pela estrutura vigente do futebol português, quer pela comunicação social, onde qualquer feito atingido por via do anti-jogo é elevado aos píncaros, enquanto que a equipa que sofre as consequências do mesmo é arrasada, na lógica brutal do 'resultadismo'. Um exemplo: o Gonçalo Ramos foi derrubado sobre a linha da área aos 19 segundos de jogo. Entre constantes protestos, avanços e recuos da barreira e outras diatribes, o livre acabou por ser marcado já depois dos dois minutos e meio. Perderam-se mais de dois minutos com o jogo parado para marcar um simples livre. O Arouca veio à luz jogar com uma linha defensiva de seis jogadores e a queimar tempo nas reposições desde o apito inicial, fórmula que não se alterou mesmo ficando em desvantagem cedo no jogo. Depois de ficar reduzido a nove, mesmo a perder, a táctica passou a ser um 5-4-0. A maior parte das equipas na nossa liga especializam-se em não deixar o adversário jogar, e depois são elogiadas por isso. Mesmo quando já tivemos diversos exemplos de treinadores que em equipas ditas pequenas resolvem jogar futebol e acabam quase sempre por levar essas equipas a classificações inéditas, incluindo lugares europeus (Marco Silva, Paulo Fonseca, Ricardo Soares, Pepa são alguns dos exemplos mais recentes) o anti-jogo continua a ser glorificado e cultivado no terreno fértil para isso que é o nosso futebol. Por isso não admira que haja quem pense que um Arouca representa um perigo maior do que o vice-campeão dinamarquês. Enfim, é apenas um desabafo.

3.jpg

Para mim o homem do jogo foi o Rafa, autor de dois golos e uma espécie de joker do nosso ataque. Está a jogar na posição onde sempre pareceu render mais, solto e com bastante liberdade no ataque em vez de estar encostado a uma linha, e acaba por causar diversos desequilíbrios aparecendo um pouco por toda a parte. Destaque para os dois laterais, que estiveram muito activos e criaram várias situações de perigo. O primeiro golo foi marcado pelo Gilberto a passe do Grimaldo, o terceiro nasce de um cruzamento do Gilberto, e o quarto foi uma assistência do Bah. Com as constantes movimentações dos alas para o meio acabam por ser os nossos laterais a dar a largura necessária no ataque e a ser peças fundamentais no futebol que jogamos. Fundamental também é a dupla de médios. O Enzo em apenas dois jogos já mostrou que foi uma contratação em cheio, o jogador de que precisávamos para a posição que dele precisava. É um box-to-box como há muito não tínhamos, com uma visão de jogo que lhe permite começar a criar uma jogada de perigo logo com o primeiro passe que faz à saída da nossa defesa. E o Florentino regressou com vontade de agarrar o lugar, tendo neste jogo até mostrado pormenores que lhe eram pouco vistos no capítulo do passe longo. É daqueles jogadores que permitem que a equipa jogue dez metros mais à frente; um recuperador de bolas incansável que merece os elogios que o treinador já lhe fez. Por último, jogo muito sólido do Morato, que deve ter ganho todos os duelos individuais.

 

Dois jogos feitos, quatro golos em cada um deles e até fiquei com a sensação de que a equipa não deu tudo o que tinha, porque resolveu-os tão cedo que depois baixou claramente o ritmo nas segundas partes. Estamos a jogar um futebol interessante de ver e que ajuda a tentar esquecer os espectáculos monótonos da época passada, com circulação de bola infindável nas zonas mais recuadas e sem progressão. O Benfica joga um futebol bastante mais vertical quando tem a bola, e quando não a tem a pressão exercida sobre o adversário de forma a recuperá-la é uma coisa de que já não me lembrava ver há alguns anos. Mas tenho também a noção de que o tipo de futebol que jogamos envolve bastantes riscos, e perante os catedráticos do anti-jogo que existem na liga portuguesa ainda iremos sofrer alguns dissabores. A fórmula será mesmo tentar marcar muito mais golos do que aqueles que sofrermos.

tags:
publicado por D'Arcy às 10:53
link do post | comentar
3 comentários:
De Joao Coelho a 8 de Agosto de 2022
Um abraço a todos os amigos Benfiquistas que aqui comentam e um abraço especial ao Darcy que continua a promover estes debates.

Estou confiante. Parece que temos um treinador que parece saber da poda. Tem um discurso correto. Á Benfica. Que se respeita e respeita os outros. Vamos ver como se vai adaptar a este futebol porco controlado pelos andrades. A nível do futebol tem um sistema que privilegia a essência do Benfica. Daquele Benfica ganhador que todos nós queremos. Para mim só João Mário está a mais e Florentino vamos ver... Bah é um reforço a sério e Enzo vamos ver se conseguimos que ele fique depois de Janeiro. Só precisamos mais um ala e um nº 6 mais forte e que construa melhor que o Florentino.

Viva o Benfica,
De Anónimo a 9 de Agosto de 2022
Futebol porco controlado pelos Andrades.
Pois esse é que é o grande problema.
Não há Rogers Smith que aguentem os arruaceiros.
De Anónimo a 10 de Agosto de 2022
um futebol de ferrolho que é proibido nos jogos contra o porto_clube, pois, nesse caso, será assobiado pela mérdia da nossa tugolandia_lixo_podre ... verdadeiro ou falso ???

obs ... gosto sempre de ler e reler vossas análises aos jogos do glorioso, meu caro d'arcy/gonçalo da tertúlia_benfiquista do pedro, do carlos e do sérgio ...

saudações vermelhas

porto, 10.08.22

apaiva

Comentar post

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Setembro 2022

Agosto 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

Passeio

Memorável

Sozinhos

Indiscutível

Superioridade

Pragmático

Complicado

Confirmação

Tranquila

Escasso

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds