VAMOS ACABAR COM AS IMBECILIDADES
Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2024

Consistência

Acho que o melhor é começar este post por elogiar a nossa consistência: depois de uma exibição medonha na primeira mão, de forma consistente voltámos a apresentar um futebol do mesmo nível na segunda, e assim acabámos por conseguir arrastar-nos até aos oitavos de final da Liga Europa.

1.jpg

O onze apresentado teve menos mudanças em relação ao jogo contra o Vizela do que eu esperava. Apenas duas mexidas, com as entradas do Di María e do António Silva para os lugares do Tiago Gouveia e do Tomás Araújo. Assumíamos portanto o risco de jogar com o Di María e o Neres nas alas, mas depois da exibição deste último contra o Vizela seria quase crime relegá-lo para o banco. A primeira parte nem foi particularmente má: a exibição não deslumbrou, mas o jogo foi relativamente repartido, com o Benfica a ter um pouco mais de bola, a não permitir grandes ocasiões de golo ao Toulouse, e a ter mesmo as ocasiões mais flagrantes para inaugurar o marcador. A primeira pelo Rafa, depois de uma boa iniciativa do Neres pela esquerda a ganhar a linha de fundo e a fazer o passe atrasado para um remate que saiu para fora; a segunda pelo Di María, após cruzamento rasteiro do Bah, que ele apenas conseguiu desviar à boca da baliza com a ponta do pé para fazer a bola passar junto ao poste; e a última e melhor de todas já a fechar a primeira parte pelo António Silva, que se isolou e acabou por rematar contra o guarda-redes. Não esperava portanto uma quebra tão acentuada da primeira para a segunda parte. Fizemos duas alterações ao intervalo, trocando o Tengstedt e o Morato pelo Cabral e o Carreras, e estas não resultaram de todo. O Cabral regressou em modo mono, e foi uma figura quase estática na frente, incapaz de ganhar ou segurar qualquer bola (acho que deve ter perdido todos os duelos aéreos). Quanto ao Carreras, que nem tinha propriamente uma herança pesada porque o Morato, mesmo numa primeira parte não muito conseguida pela equipa, tinha conseguido ser claramente um dos piores em campo, conseguiu ter uma exibição no mesmo patamar ou ainda pior. Coloco a actuação dele num nível quase épico em termos de desastre, porque perdi a conta às perdas de bola, aos maus posicionamentos defensivos, e aos passes errados - se não demorou uns vinte e cinco minutos em campo até acertar o primeiro passe, andou lá perto. Quanto ao jogo da equipa, caiu a pique em relação à primeira parte e a queda foi constante ao longo de toda a segunda parte, tornando-se progressivamente mais doloroso ver-nos jogar, ao ponto de acabarmos o jogo remetidos à nossa área e constantemente pressionados pelo décimo terceiro classificado da liga francesa, actualmente um ponto acima da linha de água. Não criámos uma ocasião de golo digna desse nome, e apenas não sofremos devido à aselhice dos jogadores franceses e à segurança do Trubin - nos lances em que ele nada poderia fazer, eram os adversários quem se encarregavam de não acertar na baliza. Passei quase toda a segunda parte a contar os minutos para o final e a desejar que aquilo chegasse ao fim o mais depressa possível.

2.jpg

Acho que o Trubin, o João Neves e o António Silva, em parte acompanhados pelo Rafa na primeira parte, foram aqueles que se apresentaram num nível mais alto. O nosso guarda-redes mostrou sempre muita segurança e defendeu tudo o que havia para defender, evitando mesmo o empate já sobre o final do jogo com uma grande defesa. O João Neves andou como de costume a correr pelo campo todo a acudir a tudo, e o António Silva foi o patrão da defesa (pena que tenha falhado aquele golo). De destacar que os nossos dois miúdos tenham sido dos melhores e jogado desta maneira numa semana que deverá ter sido das mais difíceis para eles em termos pessoais. Grandes jogadores e grandes profissionais, e que muito orgulho me dão por vestirem a nossa camisola.

 

Está ultrapassado o playoff, e à hora a que escrevo isto já sabemos que a seguir teremos o Rangers pela frente. Que é uma equipa que, pelo menos em teoria, não só está perfeitamente ao nosso alcance como o Benfica terá mesmo a obrigação de passar. Mas isso também se aplicava ao Toulouse, e vimos o que aconteceu. O que eu sei é que será preciso jogarmos muito mais e melhor para cumprirmos a nossa obrigação não só na próxima eliminatória, mas também internamente nos jogos decisivos que se aproximam, porque a jogar assim é muito difícil ter perspectivas positivas para o que aí vem.

tags:
publicado por D'Arcy às 11:41
link do post | comentar | ver comentários (16)
Segunda-feira, 19 de Fevereiro de 2024

Revolução

Uma revolução no onze inicial resultou num atropelo ao Vizela e na vitória mais expressiva do Benfica esta época. Ao intervalo já tínhamos o jogo resolvido e pudemos dar-nos ao luxo de fazer uma segunda parte em ritmo de treino.

1.jpg

Foram meia dúzia de alterações no onze em relação ao jogo com o Toulouse: entraram Bah, Tomás Araújo, Morato, Tiago Gouveia, Neres e Tengstedt; saíram Aursnes, António Silva, Carreras, Kokçu, Di María e Cabral. Entre os cinco que mantiveram a titularidade, o João Mário mudou da esquerda para o centro do meio campo. As alterações no Benfica depressa mostraram uma enorme diferença no ataque: com uma frente de ataque bem mais móvel, fomos capazes de voltar a exercer uma pressão constante e bem mais subida, já que o Tiago Gouveia, Neres e Tengstedt são bem mais rápidos e disponíveis para pressionar do que o João Mário, o Di María ou o Cabral. Com esta primeira linha de pressão bem activa, 'empurrados' pelo João Neves, até jogadores mais recuados como o João Mário ou os laterais conseguiram ser mais participativos nesse aspecto e o Vizela cedo se viu em apuros para lidar com isso. O primeiro golo do Benfica, que surgiu à passagem do primeiro quarto de hora, é aliás um bom exemplo da forma como o Benfica pressionou. Começou com o Rafa a pressionar o guarda-redes, que se safou por pouco de ser desarmado sobre a linha de golo, e quando tentou aliviar a bola o Morato antecipou-se e voltou a devolver a bola para a frente, na direcção de um defesa do Vizela. Quando este tentou controlar e sair, foi pressionado pelo Tiago Gouveia, que interceptou a bola, surgindo depois o Tengstedt dentro da área também a pressionar e a antecipar-se aos defesas e guarda-redes para ficar com a bola. Sobre a esquerda, assistiu o Neres do outro lado que, à segunda tentativa, fez golo. Não tem sido normal vermos tantos jogadores nossos a pressionar de forma tão agressiva no último terço - e por curiosidade estive a ver alguns números deste jogo que comprovam isso mesmo: com meia hora de jogo o Vizela ainda não tinha conseguido sequer tocar(!) na bola no nosso terço defensivo, e ao intervalo o Benfica tinha quase o dobro das acções defensivas no meio campo adversário do que no seu próprio meio campo. Oito minutos depois do primeiro golo, e após uma lesão do guarda-redes do Vizela que obrigou à sua substituição, o Benfica fez o segundo golo: canto à maneira curta na esquerda e o Neres ganhou a linha de fundo para cruzar para uma entrada fulgurante de cabeça do Otamendi, que subiu mais alto do que todos. Outra grande diferença no nosso jogo, da qual já tinha saudades: verticalidade. A mobilidade e agressividade dos jogadores no ataque, com muito ataque ao espaço, permitiram isso. Bola recuperada e saída imediata em progressão (em vez daqueles passes laterais e para trás com construção 'paciente' a permitirem o reposicionamento da defesa adversária) a explorar o espaço vazio e o desposicionamento da defesa. O terceiro golo, à meia hora, um exemplo perfeito disso: bola recuperada pelo João Neves no nosso meio campo defensivo, imediatamente conduzida em progressão pelo Rafa que teve a acompanhá-lo todos os outros jogadores do ataque. Quando a bola chegou à área do Vizela já lá estavam também o Neres, o Tengstedt e o Gouveia. A bola foi passada ao Tengstedt que, solto, finalizou demasiado bem e acertou no poste, com o Tiago Gouveia a surgir mais rápido para fazer a recarga para golo. No período de descontos, mais dois golos, com o quarto deles a ser mais um exemplo de verticalidade que muito gostei de ver e do qual já tinha muitas saudades. O Benfica sai a jogar desde o seu guarda redes e sempre em progressão, pela esquerda: Trubin, João Neves, Otamendi, Gouveia, Rafa, e à entrada da área passe para a desmarcação do Neres e remate rasteiro a fazer a bola entrar entre o guarda-redes e o poste. No quinto golo, bola recuperada pelo Tiago Gouveia no círculo central, que foi parar aos pés do Tengstedt e este imediatamente desmarcou o Rafa, que fugiu aos defesas, isolou-se e em frente ao guarda-redes finalizou com enorme calma. Um completo arraso na primeira parte.

2.jpg

Com o jogo mais do que resolvido o Benfica baixou completamente o ritmo na segunda parte. Aproveitou o Roger Schmidt, e bem, para fazer descansar o Rafa, apenas não achei tão compreensível a entrada do Di María para o seu lugar (foi colocar-se na direita, passando o Neres para as funções anteriormente ocupadas pelo Rafa). Tendo em conta que o resultado, mais golo, menos golo, já era uma mera formalidade, não entendi a necessidade de dar minutos a um dos jogadores mais utilizados até agora e que provavelmente também poderia aproveitar algum descanso. Mas foi bem visível a diferença de andamento com o Di María em campo. Ele dá muitas coisas boas à equipa, mas perdemos muita velocidade e capacidade de pressão. O relaxamento do Benfica foi talvez até demasiado excessivo, o que chegou a provocar algumas manifestações de descontentamento por parte do público, devido a alguma displicência da parte dos nossos jogadores. A começar logo pelo Trubin, que nos minutos iniciais, depois de receber um atraso um pouco mais apertado do Otamendi, em vez de optar pela solução simples e despachar logo a bola tentou colocá-la e acabou por acertar num jogador do Vizela, com a bola a sobrar para o Essende no meio, que depois de uma primeira defesa do Trubin por instinto, à segunda e já pressionado pelo João Mário ainda conseguiu marcar. Fomos muito menos perigosos no segundo tempo e disso se aproveitou o Vizela para finalmente ter bola e, sem nada a perder, vir mais para a frente à procura de amenizar o resultado tão pesado. O Benfica também aproveitou (mais uma vez bem) para dar algum descanso ao João Neves, mas desta vez teve mesmo que entrar outro dos jogadores mais utilizados, o Aursnes, porque não havia outra opção disponível para o meio campo. Ocasião flagrante para o Vizela reduzir novamente num penálti infantil cometido pelo Morato que, lento de reflexos, quando tentou acertar na bola já só encontrou a canela do adversário, e o Trubin redimiu-se do erro no golo adversário defendendo o pontapé do Essende - boa estirada para a sua esquerda, já que o penálti não foi propriamente mal marcado. Ainda voltou a ter que se aplicar mais uma vez alguns minutos mais tarde com mais uma boa defesa no chão a um remate à queima-roupa do inevitável Essende, depois de uma atrapalhação e intervenção pouco decidida do Morato e do Otamendi. Como até ficaria mal depois daquela exibição na primeira parte o Benfica 'perder' a segunda parte, já mesmo a acabar o jogo o Marco Leonardo (que tinha entretanto entrado para o lugar do Tengstedt) fez o sexto golo, depois de uma corrida do Neres desde o meio campo até à área adversária, com dois ressaltos ganhos pelo meio.

3.jpg

O homem do jogo é o David Neres, porque marcar dois golos e fazer duas assistências não é para todos. É para mim, a par do Rafa, o maior desequilibrador que temos no plantel e custa-me vê-lo tanto tempo no banco, em especial em jogos que temos dificuldades para marcar. O Rafa é obviamente outro destaque, e em apenas meio jogo. Não sei até onde o resultado poderia ter ido se ele tivesse continuado em campo, porque é difícil que ele jogue noutra velocidade que não aquela. Chegou ao décimo golo e à décima assistência na Liga, o que mostra bem a influência que tem. O Tengstedt também merece destaque, e só ficou a dever-se a si próprio um golo, que bem merecia (que pena que aquela finalização da calcanhar, a centro do Bah, tenha sido defendida pelo guarda-redes). No plantel, é para mim o avançado que melhor consegue fazer as movimentações típicas que o Gonçalo Ramos fazia a época passada, mas falta-lhe o instinto finalizador dele - um exemplo concreto é uma bola que o Rafa lhe coloca em frente à baliza e em que ele em vez de finalizar de primeira prefere controlar a bola e vir para a linha de fundo. Mas a equipa beneficia muito das suas movimentações e ele está sempre disponível para jogar para a equipa, como o comprovam as duas assistências que fez ontem. O Tiago Gouveia deu-nos a profundidade e agressividade que nos têm faltado do lado esquerdo em quase todos os jogos esta época, isto mesmo quando teve atrás de si o Morato, que sem grande surpresa foi a exibição menos conseguida da equipa do Benfica. Outros jogadores que me agradaram foram o inevitável dínamo João Neves, o Bah, muito agressivo na direita, e por último, porque é justo (ainda por cima porque o critico frequentemente) gostei mais de ver o João Mário no meio do que na esquerda. Até cheguei a vê-lo por diversas vezes a usar o corpo e a meter o pé para ganhar bolas.

 

Foi a melhor resposta que poderíamos ter dado depois da fraquíssima exibição contra o Toulouse. E, depois de mudarmos mais de meia equipa, é importante sabermos que temos diversas opções disponíveis no plantel que nos oferecem garantias de qualidade, não sendo necessário ficarmos amarrados sempre aos mesmos jogadores, sobretudo quando eles parecem não nos conseguir dar soluções em alguns jogos. A dinâmica apresentada neste jogo foi uma agradável recordação de alguns dos melhores momentos de futebol que vivemos a época passada, e é bom saber que isso ainda existe e é possível com este plantel. Agora veremos se daqui sairão algumas mudanças para o que resta da época ou se, como diz o ditado, uma andorinha não faz a primavera.

tags:
publicado por D'Arcy às 10:11
link do post | comentar | ver comentários (18)
Sexta-feira, 16 de Fevereiro de 2024

Medíocre

Apesar da exibição a roçar o medíocre, que eu considero ter sido uma das piores que fizemos esta época, graças a dois penáltis marcados pelo Di María conseguimos vencer um Toulouse que mostrou ser uma equipa com muito pouca qualidade, e que em condições normais deveria ter saído da Luz já sem qualquer esperança de discutir esta eliminatória.

1.jpg

Não são muitas as vezes em que saio da Luz insatisfeito depois de uma vitória, mas a qualidade do futebol que apresentámos esta noite levou-me ao limite. Entrámos em campo com o Carreras na lateral esquerda, mas como existe uma regra não escrita que esta época não podemos actuar com dois laterais de raiz, lá regressou o Aursnes à lateral direita. E o inefável João Mário manteve a sua posição habitual. O jogo do Benfica na primeira parte, perante um adversário cujo futebol se pode descrever numa única palavra - zero - pode ser descrito em três palavras: devagar, devagarinho, ou parado. Chega a ser exasperante. A sensação que dá é que simplesmente não existe um plano de jogo. A gente vai para ali trocar umas bolas e pronto, depois pode ser que o Di María ou o Rafa inventem qualquer coisa e apareça um golo. Agora um plano definido sobre como ir à procura desse golo? Prefiro mesmo pensar que não existe, porque se existe e é aquilo que vimos neste jogo, estamos tramados. Para quê rematar à baliza quando se pode optar por fazer três passes e tentar duas tabelinhas em frente da área ou dentro da mesma? E o constante afunilamento do nosso jogo ofensivo em nada ajuda. O Di María não ganha a linha, vem sempre para dentro, e do outro lado o João Mário faz o mesmo. Isto só facilita a vida a adversários que acumulam jogadores em frente à sua baliza. Poderia fazer algum sentido se os alas arrastassem com eles os laterais adversários, para permitir o ataque à linha de fundo por parte dos nossos laterais, mas conforme disse, parece que nem sequer podemos jogar com dois laterais de raiz (e na primeira parte, quando o Carreras tentava dar profundidade pela esquerda, foi sistematicamente ignorado). Nulo ao intervalo certíssimo, porque o único momento que quebrou a monotonia foi um remate do Rafa que levou a bola à barra. Tacticamente nada mudou na entrada para a segunda parte, obviamente, porque estávamos todos satisfeitos com aquilo que estávamos a ver. Apesar de um pouco mais de velocidade, o futebol continuava medonho e foi mesmo necessário fazer umas alterações à hora de jogo. Entraram o Bah e o Neres, e como já estou bem ciente da regra de não podermos jogar com dois laterais de raiz, não fiquei surpreendido com a saída do Carreras para que o Aursnes fosse fazer a sua posição. Saiu também o João Mário, o que terá surpreendido muita gente, já que foi nessa altura que repararam que ele ainda estava em campo e não tinha ficado no balneário ao intervalo.

2.jpg

Entretanto, quatro minutos depois um defesa do Toulouse cometeu um penálti absurdo (a emular perfeitamente a técnica do Tonel há uns anos) e o Di María converteu para nos colocar na frente, isto depois de quase cinco minutos, gastos entre a avaliação do VAR num lance mais do que evidente e o tempo para marcar efectivamente o penálti. Com uma tamanha vantagem no marcador, oportunidade para baixar ainda mais o já de si ritmo frenético e relaxar ainda mais, o que obviamente resultou imediatamente num golo sofrido apenas sete minutos depois, num lance que é uma verdadeira ode ao mau defender e à displicência. Com toda a gente parada e a marcar com os olhos, o Toulouse andou ali a trocar a bola nas imediações da nossa área durante um período relativamente prolongado, depois o cruzamento foi 'afastado' pelo Aursnes de forma a que a bola apenas subiu quase na vertical. Ainda e sempre com toda a gente a olhar (com especial destaque para o António Silva) como tudo o que sobe tem que cair, a bola caiu na área sem que ninguém a atacasse, sobrando para dois jogadores do Toulouse que, na sua tentativa de a jogar, acabaram por colocá-la no segundo poste onde um colega não teve grande dificuldade em antecipar-se ao Aursnes para rematar sem hipóteses para o Trubin. Foi uma brilhante demonstração de como uma equipa profissional não deve abordar um lance. Depois foi continuar a aturar o futebol medonho, com alguma vontade de jogar mais depressa mas sem grande capacidade para fazer muito mais do que após várias trocas de bola acabar por entregar a bola ao Di María e esperar que ele acabasse por tentar colocar a bola para a área. A substituição aos 87 minutos, em que trocámos de avançado, também já não é surpresa para ninguém porque já se tornou um hábito. Tal como não fazer todas as substituições, especialmente se não estivermos a ganhar. Se não formos a única equipa no mundo que por sistema não aproveita todas as substituições, devemos ser das poucas que o fazem. De qualquer forma o génio do nosso treinador revelou-se, porque o recém-entrado Marcos Leonardo sofreu um penálti ao quinto minuto de compensação, que o Di María converteu novamente para nos dar a vitória. Isto estava tudo pensado.

3.jpg

Para destacar alguém só consigo mencionar o Di María, por ter marcado os dois penáltis. O João Neves lá andou a desgastar-se a correr quilómetros e a acudir a todos os fogos, e com isto começa a perder-se em alguns exageros também. É-me cada vez mais difícil estar a ver o desperdício que é o Kokçu naquelas funções, a persistência em nunca jogar com dois laterais, ou o fazer do Aursnes pau para toda a obra e andar a desgastá-lo em qualquer posição. Em Guimarães jogou a médio direito, médio esquerdo e lateral esquerdo, hoje jogou nas duas laterais, no próximo jogo quase de certeza que terá que jogar no meio porque o Kokçu e o Florentino estão suspensos. A versatilidade é louvável, mas isto não é bom para nenhum jogador. O António Silva nem estava a jogar mal, mas depois de já ter ficado mal na fotografia em Guimarães, hoje ficou ainda pior no golo dos franceses. É incompreensível como decide não atacar aquela bola de cabeça.

 

A eliminatória está ainda em aberto e face à diferença de qualidade entre as duas equipas o Benfica tem, pelo menos no papel, a obrigação de a passar. Mas terá que jogar bem mais do que isto se quiser evitar algum dissabor. Aquilo que vi hoje está abaixo dos mínimos exigíveis para um plantel com esta qualidade. Acho aliás que é preciso fazer um esforço especial para conseguir colocar estes jogadores a jogar um futebol tão pobre e sem imaginação.

tags:
publicado por D'Arcy às 02:20
link do post | comentar | ver comentários (29)
Segunda-feira, 12 de Fevereiro de 2024

Atrás

Passo atrás em Guimarães. E nem nos podemos queixar muito do resultado, porque face ao que se passou no jogo o empate que surgiu já no último suspiro do jogo até acabou por ser melhor do que aquilo que já se perspectivava.

1.jpg

Jogo à partida difícil, e o Herr Schmidt resolveu inovar. Perante a obrigatoriedade de manter jogadores como os dois que compõem o pior lado esquerdo de que tenho memória, e com um campo pesadíssimo e a roçar o impraticável cujo estado só piorava face à chuva que caía, a opção foi retirar do onze o avançado que marcava há três jogos seguidos e que atravessa a sua melhor fase da época. Apresentámos uma equipa assim mais a dar para o levezinho, sem ponta-de-lança fixo, com o Rafa como jogador mais avançado e o Di María nas suas costas, e o Aursnes e o João Mário nas alas. Já tínhamos a primeira parte da Supertaça para termos uma leve ideia de como isto poderia resultar, embora o estado do terreno neste jogo fosse um factor extra. Eu não me canso de repetir que não acho que seja grande entendido em futebol, mas num jogo com estas condições eu acharia que o cenário mais óbvio seria termos que optar por futebol mais directo e ter a bola mais pelo ar, já que era difícil esta rolar no relvado. Agora fazer isto sem uma referência na área, é algo que me parece muito mais complicado. A forma como acabei por ver o jogo desenrolar-se não foi por isso muito surpreendente para mim. Foi basicamente uma primeira parte perdida, em que nós tivemos mais bola sem conseguir construir quase nada com qualidade e na qual tivemos uma quantidade assustadora de passes errados (algo que se prolongou a todo o jogo, muito por culpa do estado do terreno). A única grande oportunidade que criámos até ao golo foi num livre directo marcado pelo Kokçu, que obrigou o guarda-redes a uma defesa apertada, enquanto que o Vitória conseguia chegadas à área muito mais frequentes e perigosas, ao ponto de fazer com o que o Trubin fosse o nosso jogador em maior destaque. Quando o Vitória se colocou em vantagem, aos trinta e cinco minutos através de um penálti absolutamente disparatado cometido pelo Kokçu, o cenário complicou-se, e foi muito positivo termos conseguido uma reacção imediata e chegar ao empate apenas cinco minutos depois. Um cruzamento do Di María na esquerda encontrou o Rafa sozinho em frente à baliza para desviar para o golo. Ir para o intervalo empatados foi até lisonjeiro, porque o Vitória foi a melhor equipa na primeira parte.

2.jpg

O erro foi corrigido ao intervalo e entraram o Florentino e o Cabral para os lugares do Kokçu, que ainda por cima estava amarelado desde o penálti, e do João Mário - o que até me deixou surpreso. Manteve-se o Morato na esquerda, que raramente conseguiu conter a ameaça que o Jota representava por aquele lado. O Benfica pareceu melhor com as alterações mas o jogo mantinha-se perigosamente aberto e foi mesmo por ali que surgiu o segundo golo do Vitória, num cruzamento do Jota para a área que foi desviado pelo André Silva para o golo, tendo na minha opinião o António Silva ficado mal na fotografia. Abordou o lance de forma pouco decidida e deixou-se antecipar pelo jogador do Vitória. Isto aconteceu com quinze minutos decorridos, e apenas três minutos depois o Vitória ficou reduzido a dez depois de uma entrada completamente desmiolada do Borevkovic sobre o Florentino. Com o terreno neste estado, atirar-se de pitons em riste a uma bola é estar a pedir que alguma coisa má aconteça. Ou ao próprio, ou ao jogador que está à sua frente. Safou-se o Florentino, mas não se safou o Borevkovic de ir para a rua, deixando-nos com pelo menos meia hora pela frente para tentar dar a volta ao texto. Eu vou confessar que mesmo a expulsão não me deixou muito mais confiante. O estado do relvado dificultava o nosso estilo de jogo e não me pareceu que tivéssemos jogo suficiente para dar a volta a uma equipa que agora se fechava atrás e ia aproveitando cada vez mais para deixar o tempo correr. Até porque nem houve reacção imediata do nosso banco a esta situação, e passámos longos minutos não só sem criar qualquer ocasião de perigo, como a nem sequer conseguir fazer a bola chegar à área. Foi até o Vitória, deixando um único jogador sozinho na frente, a estar perto de marcar o terceiro. Valeu-nos uma vez mais o Trubin. Aos setenta e sete minutos lá se trocou o Morato pelo Marcos Leonardo, passando o Aursnes a jogar na lateral esquerda, mas só mesmo quando a três minutos dos noventa renovámos completamente a ala esquerda, com as entradas do Carreras e do Neres para os lugares do João Neves e do Aursnes, é que vi melhorias concretas. Com tão pouco tempo para jogar ainda conseguimos arrancar o empate aos noventa minutos, num cruzamento do Di María que o Cabral cabeceou de forma imparável para o golo. Se calhar teria dado jeito tê-lo lá desde início, mas eu sei lá.

3.jpg

O melhor jogador do Benfica neste jogo foi o Trubin. Sem qualquer dúvida para mim. E acho que isto diz muito daquilo que jogámos esta noite. Para além dele, uma menção para o Di María, que num jogo em que não teve grandes oportunidades para brilhar acabou por fazer as assistências para os nossos dois golos. Finalmente, o Cabral teve um impacto positivo no jogo, o que aliás seria de esperar. O Kokçu fez uma exibição fraca, que culminou no penálti perfeitamente desastrado que cometeu. Já não é bom obrigá-lo a jogar como médio defensivo, quando ainda por cima tem que o fazer num jogo sob estas condições não sei bem o que é que se estaria à espera que acontecesse.

 

Em teoria perdemos dois pontos em Guimarães. Na prática, e depois de ter visto o jogo, acho que ganhámos um ponto. Porque o empate acaba mesmo por ser um mal menor, já que a maior parte do tempo me pareceu que iríamos perder o jogo. Não achei que a nossa abordagem táctica inicial ao jogo fosse a mais correcta. Estávamos em boa forma, não percebi a necessidade de mudar tanto antes de um jogo que se antevia complicado (e na nossa história recente já tivemos outros treinadores que tinham esse mau hábito, que quase invariavelmente dava mau resultado) e ainda por cima essas mudanças pareceram-me pouco apropriadas às condiçoes em que o jogo se disputou. Quando as condições nos começaram a ser um pouco mais favoráveis - a chuva abrandou, o adversário ficou reduzido a dez - demorámos demasiado tempo a reagir de forma a tirar o melhor partido disso, simplesmente deixámos as coisas andar a ver se aquilo se resolvia. Por isso o golo do Cabral acabou por ser um bónus inesperado, numa altura em que não acreditava de todo que pudesse acontecer. Vimos assim interrompida a melhor série de resultados na Liga desta época e face à cada vez mais tradicional passadeira que o Braga estendeu na sua visita ao Lumiar, perdemos dois pontos para um adversário directo, podendo amanhã perder outros dois para outro.

tags:
publicado por D'Arcy às 02:52
link do post | comentar | ver comentários (10)
Sexta-feira, 9 de Fevereiro de 2024

Superioridade

Passagem às meias-finais da Taça carimbada em Vizela, com um pequeno sofrimento no final que era perfeitamente desnecessário, dada a evidente superioridade do Benfica durante quase todo o jogo. Uma vez mais, o desperdício na fase inicial acabou por causar-nos desconforto no final.

1.jpg

Saiu o Morato do onze para entrar o Carreras, regressou o João Mário. E com isto o Aursnes voltou à direita da defesa, relegando o Bah para o banco. Para o banco foi também o Florentino para que o Kokçu voltasse à titularidade. Entrada fortíssima do Benfica no jogo, criando oportunidades claras de golo, mas o Rafa estava num daqueles dias em que a baliza lhe foge. Envolvimento muito interessante do Carreras nas acções ofensivas, permitindo jogadas que muito dificilmente seriam possíveis com o Morato a fazer aquela posição. Um penálti por assinalar a nosso favor também fez parte da receita para que apenas aos trinta e quatro minutos fosse colocada alguma justiça no marcador, com um golo do Cabral. É ele quem está perto da nossa área a pressionar para recuperar a bola, e é ele quem, perto da marca de penálti, finaliza com um remate colocado junto ao poste o passe recebido do Rafa desde a esquerda, depois de ter sido lançado pelo João Mário. A margem mínima ao intervalo era curta para a superioridade do Benfica, mas esta era tão evidente que eu nem sequer estava particularmente enervado. A segunda parte teve menos gás da nossa parte, mas mesmo assim deu para chegar ao segundo golo numa daquelas jogadas já típicas, em que há uma entrada do Aursnes pela direita (a passe do Di María) e este coloca a bola na boca da baliza. O Cabral não conseguiu emendar, mas ao segundo poste o João Mário fez um remate meio enrolado que levou a bola a ir bater no poste mais distante e a entrar. Tudo parecia resolvido, mas o Benfica relaxou demasiado rápido e acabou por sofrer um golo inesperado, num lance em que houve demasiada passividade da nossa defesa - em particular do António Silva, que fez um corte de cabeça bastante displicente que deixou a bola num adversário. Motivação natural do Vizela para os minutos finais, mas nunca chegaram a preocupar seriamente a nossa defesa, com o Trubin a não ser obrigado a trabalho de grande dificuldade.

 

Não creio que alguma vez consiga ser fã do estilo de jogo do João Mário, porque na minha opinião está constantemente a travar jogadas e a perder bolas, mas neste jogo ele marcou um golo e esteve na jogada do outro. O Cabral fez mais um bom jogo e continua apostado em justificar a sua contratação. Ele e o Marcos Leonardo são avançados muito diferentes, e neste momento já se nota bastante a diferença quando o Cabral sai. Gostei do que vi do Carreras no envolvimento ofensivo, em especial durante a primeira parte. No aspecto defensivo, este jogo não serviu para o colocar verdadeiramente à prova. O João Neves foi o dínamo do costume. O Rafa acaba sempre por estar em destaque, fez a assistência para o primeiro golo, mas esteve num daqueles dias em que a finalização nos exaspera.

 

A continuidade na Taça implica agora um jogo contra o Sporting em vésperas de nos deslocarmos ao Porto, pelo que enfrentaremos uma semana bastante complicada já no final deste mês. Estamos numa fase decisiva da época em que os jogos se sucedem com pouco tempo de descanso entre eles, e cada um mais decisivo que o anterior. Tenho confiança que temos plantel para encarar todas as competições de forma ambiciosa, isto desde que façamos uso de todo ele e não persistamos em equívocos.

tags:
publicado por D'Arcy às 10:13
link do post | comentar | ver comentários (8)
Segunda-feira, 5 de Fevereiro de 2024

Confortável

Foi quase a jogar a passo que o Benfica conseguiu vencer o Gil Vicente por uma margem confortável, num jogo que acabou por não nos trazer grandes dificuldades. A sensação com que fiquei foi que os nossos jogadores nem sequer chegaram a carregar a fundo no acelerador, porque estiveram sempre seguros da sua superioridade e de que a vitória chegaria no final.

1.jpg

Duas surpresas no onze, com as entradas do Bah e do Florentino. O Morato manteve a titularidade na esquerda da defesa, mas o regresso do Bah implicou a subida do Aursnes para a esquerda do meio campo e a consequente ida do João Mário para o banco. Quanto ao Florentino, foi uma troca directa com o Kokçu. O Gil Vicente veio à Luz apostado em que a pressão alta nos pudesse causar problemas, como algumas equipas já o conseguiram fazer - mais recentemente o Rio Ave. Mas apesar da boa vontade, o Benfica não se deixou intimidar e lidou com isso de forma bastante personalizada e segura, sendo frequente ver os nossos jogadores a trocar a bola com confiança em zonas recuadas para chamar a si os adversários e depois sair a jogar. Com o trio João Neves/Florentino/Aursnes no meio campo somos uma equipa bastante mais sólida e não é tão fácil sermos dominados na zona central. Os resultados práticos dessa pressão foram portanto, para o Gil Vicente, nulos. Não criaram uma única situação de perigo para a nossa baliza, e só não digo que o Trubin foi um mero espectador porque foi chamado por diversas vezes ao jogo para jogar com os pés, sendo também parte importante da solução para lidar com a pressão alta. E mostrando uma característica em particular onde a sua enorme superioridade sobre o seu antecessor na nossa baliza é por demais evidente. O Benfica, mesmo quase sempre em ritmo de cruzeiro, cedo tomou conta do jogo e logo aos cinco minutos viu o Cabral atirar ao poste: cruzamento do Di María e cabeceamento do brasileiro, que no entanto acho que poderia ter sido mais eficaz nesse lance, pois não me pareceu que tivesse acertado na bola da melhor maneira. Mas redimiu-se aos quinze minutos, cabeceando com sucesso um pontapé de canto marcado pelo Di María na esquerda. Depois de uma seca em termos de golos em pontapés de canto, duas jornadas seguidas a fazê-lo. E tal como na jornada anterior, o Cabral estava sozinho naquela zona central da área; na segunda-feira acertou nos ferros, desta vez mandou-a lá para dentro. E para repetir a dose, mesmo sem forçar muito, pouco depois da meia hora o Benfica voltou a tirar partido de um pontapé de canto para marcar. Outra vez o Di María na esquerda, desta vez foi o Otamendi quem ganhou nas alturas e enviou a bola para a zona do segundo poste, onde o João Neves ganhou na luta com um adversário, tirou outro da jogada, e rematou de trivela para marcar, com a bola ainda a sofrer um desvio num defesa. Almofada de dois golos e muita tranquilidade a deixar o tempo escorrer até ao intervalo, sem particulares motivos de interesse.

2.jpg

E se a coisa já estava bem encaminhada, no regresso do intervalo melhor ficou. Logo nos minutos iniciais o Artur Cabral deu o primeiro aviso ao cabecear à figura do guarda-redes após cruzamento do Aursnes, e pouco depois uma combinação pela esquerda entre o Morato, o Aursnes e o Rafa terminou este último a flectir para o meio e a rematar cruzado para colocar o resultado em três golos de diferença. A partir daqui, sinceramente, achei o jogo algo aborrecido. Com o jogo mais do que resolvido, o Benfica nunca se preocupou em impor um ritmo elevado e o Gil Vicente conseguiu ter bola durante períodos mais prolongados, ainda que sem causar grande perigo - a primeira defesa a sério que o Trubin fez foi aos 85 minutos, ainda assim uma boa defesa que contribuiu para mais um jogo sem sofrermos golos. A meio da segunda parte trocámos o Morato e o Rafa pelo Álvaro e o Neres e pudemos ver algo que já não víamos há algum tempo, que foi o Benfica a jogar com dois defesas laterais de raiz. Salvo uma ou outra jogada, que invariavelmente não foram bem finalizadas, o jogo continuou morno e com muitos poucos motivos de interesse. Mas não deixa de ser reconfortante ver o leque de opções que neste momento temos à disposição, com várias possibilidades para mudar o que quer que seja caso um jogo não esteja a correr de feição, em especial do meio campo para a frente. Ainda entraram o Marcos Leonardo e o Tiago Gouveia, e mais pertinho do final o Rollheiser voltou a ter mais uns minutinhos, mas não houve grandes ocasiões (ou vontade) para ampliar o resultado. Se bem que desconfio que o único motivo pelo qual o Marcos Leonardo não continuou a sua sequência de golos nos minutos finais vindo do banco porque o árbitro resolveu dar apenas dois minutos de compensação, o que não fez sentido nenhum dado que houve um golo e dez substituições (com seis interrupções para que fossem feitas), que pelas instruções deveriam ter sido devidamente compensadas. Mas suponho que o jogo naquela altura estivesse tão aborrecido que o próprio árbitro quis acabar depressa com aquilo.

3.jpg

Acho que escolho o João Neves como destaque. Foi quem mais dinâmica deu ao nosso jogo, parecendo que de uma maneira ou de outra a bola acabava sempre por passar pelos pés dele. E marcou um excelente golo, resultado da sua atitude de não dar um lance como perdido. Bom jogo dos nossos defesas centrais, em que gostei particularmente da calma mostrada pelo António Silva a jogar e a sair sob pressão. Rafa, Di María, Aursnes ou Cabral num bom nível também, e fiquei agradado com o regresso do Bah, a dar mais profundidade por aquele lado.

 

Com esta vitória conseguimos alargar para seis pontos a vantagem que nos separa do Porto. Já quanto ao facto de termos passado para o topo da tabela, não dou qualquer importância. O Sporting tem um jogo a menos e incomoda-me mais a possibilidade de poderem guardar esses potenciais três pontos no bolso, para depois disputarem o jogo em condições que podem ser mais favoráveis, já sabendo de antemão o quão necessários eles poderão ser ou não. E, por exemplo, poderão já contar com jogadores que neste momento estão ausentes nas suas selecções. Mas não duvido que naquelas cabeças já fervilhem conspirações nas quais o Benfica é, de alguma forma, responsável pelo que aconteceu em Famalicão, e que provavelmente até foram benfiquistas infiltrados que andaram à bordoada com as gentes de Famalicão - estas são as mesmas cabeças que congeminam conspirações para beneficiar o Benfica quando por acaso é um jogo nosso a ser adiado. Importante neste momento é irmos em sete vitórias consecutivas na Liga - desde aquele malfadado jogo com o Farense em casa que só ganhamos - e pensar que agora, entre acertos de plantel e jogadores a recuperarem de lesões, temos muito mais e melhores opções disponíveis. É por isso que encaro o resto da época com confiança reforçada (é raro para mim, talvez isto seja ainda a euforia de ter visto o João Mário descansar um jogo).

tags:
publicado por D'Arcy às 00:03
link do post | comentar | ver comentários (21)
Terça-feira, 30 de Janeiro de 2024

Rasgos

Um jogo que começou por dar várias indicações que tinha tudo para correr mal, mas dois rasgos de génio mesmo a acabar a primeira parte viraram tudo do avesso e acabou numa vitória tranquila.

1.jpg

Acho que ninguém, mas ninguém mesmo, deve ter ficado surpreendido com o onze inicial. Obviamente que, por mais frustrante que o jogo anterior tenha sido, praticamente nada mudou - apenas a troca do Musa pelo Cabral na frente - e voltámos a apresentar a pior ala esquerda que tenho memória de ver jogar no Benfica. E tenho a leve suspeita que irá continuar a jogar até ao final da época: o João Mário é uma causa perdida, será sempre titular independentemente daquilo que jogar e das opções que existam, e o Morato provavelmente continuará a ser escolhido à frente de qualquer lateral esquerdo de raiz, aumentando para quatro o número de jogadores para essa posição que na opinião do nosso treinador não parecem ser mais competentes do que ele (Ristic, Jurásek, Álvaro e Bernat). Demos o primeiro sinal de perigo no jogo através de um livre directo do Kokçu, mas depressa deu para ver que teríamos problemas. O Estrela dava-nos a iniciativa do jogo, juntava linhas atrás, e depois aproveitava as perdas de bola do Benfica (como acontece frequentemente, perante uma equipa fechada atrás fazíamos muita circulação de bola sem criar grande perigo) para contra-atacar com apenas um ou dois jogadores, e mesmo assim criar mais perigo. Mais uma vez, tivemos uma quantidade assustadora de passes errados neste primeira fase do jogo, com especial destaque para o Otamendi neste capítulo. O cenário complicou-se perto da meia hora, quando numa demonstração de enorme passividade da nossa defesa, o Estrela marcou. O Léo Jabá, sozinho (como já o tinha tentado fazer diversas vezes), arrancou com a bola e passou pelo meio dos nossos defesas (incluiu uma entrada disparatada de carrinho à queima por parte do Otamendi), chegou à linha de fundo e tentou o cruzamento rasteiro, que o Trubin interceptou, ainda conseguiu recuperar a bola e, com toda a gente a olhar, rematou de ângulo apertado entre as pernas do Trubin, que se recolocava ao primeiro poste. O Benfica continuava a revelar dificuldades e a única situação de perigo criada foi num passe do Di María para as costas da defesa, onde o Cabral apareceu solto e tentou finalizar de primeira, mas colocou a bola com pouca força nas mãos do guarda-redes. Os momentos decisivos do jogo aconteceram perto do intervalo. Primeiro, uma bola longa para as costas da nossa defesa, o Otamendi parece ter o lance controlado mas em vez de atrasar a bola para o Trubin ou simplesmente atirá-la para fora resolve tentar um corte desnecessário de carrinho e deixa a bola nos pés do adversário, que seguiu isolado para a baliza. Valeu-nos a mancha do Trubin, que ainda tocou na bola e fez com que o adversário perdesse ângulo de remate. Depois, repetição da fórmula que tinha dado a oportunidade anterior ao Cabral, mas desta vez ele controlou o passe do Di María no peito e finalizou com um pontapé de bicicleta. Ainda estávamos a festejar este fantástico golo e de repente o Benfica consumou a cambalhota. Novo passe longo do Di María, a defesa cortou e o Cabral ganhou a segunda bola, tocando-a para o lado. De forma espontânea e de primeira, à entrada da área o Rafa desferiu um remate cruzado que colocou a bola junto ao poste mais distante. Mais um grande golo, e um grande suspiro de alívio à saída para o intervalo.

2.jpg

Felizmente não reentrámos no jogo desconcentrados, e ao contrário da primeira parte deixámos de permitir tanto espaço ao adversário para contra-atacar - também porque as perdas de bola diminuíram. A entrada do Florentino para o lugar do Kokçu ao intervalo pareceu-me trazer mais equilíbrio à equipa e ajudou a estabilizar o nosso jogo, mas suspeito que o turco não deva ter ficado em grandes condições depois da pancada que levou mesmo antes do apito (e o Estrela passou o jogo todo a meter bem o pé, que o digam vários jogadores nossos como o Rafa, o Di María ou o João Neves). E obviamente, o golo madrugador ainda ajudou mais. Uma situação quase inacreditável: marcámos na sequência de um pontapé de canto. Em vez de marcarmos o canto à maneira curta ou de o Di María tentar marcá-lo directo, em vez disso enviou a bola para perto da marca de penálti, onde o Cabral, sem tirar os pés do chão, cabeceou à barra para depois o Otamendi marcar na recarga. Ficámos então numa posição muito confortável no jogo e só não fizemos o quarto golo logo a seguir, numa das melhores jogadas da equipa durante todo o jogo, porque o guarda-redes conseguiu defender com o corpo um remate do Rafa isolado na área. Com o jogo já muito inclinado para o nosso lado, a vinte minutos do final o Estrela ficou reduzido a dez e o Roger Schmidt permitiu-se fazer três substituições de uma vez, trocando o Cabral, o Rafa e o João Mário pelo Marcos Leonardo, o Neres e o Bah. Foi bom ver o regresso do Bah, até porque isso permitiu a mudança do Aursnes para a esquerda do meio campo, onde prefiro vê-lo. Pareceu-me então que o Benfica se sentiu excessivamente confortável e relaxou um pouco em demasia, pelo que o jogo ficou mais partido. O nosso quarto golo aparentava poder acontecer a qualquer instante, não tanto por estarmos a criar muitas ocasiões, mas mais pelo espaço que o Estrela concedia atrás, mas no entanto foi o Trubin quem teve que se aplicar para evitar o segundo golo do Estrela no seguimento de um pontapé de canto, num cabeceamento do recém entrado Rodrigo Pinho. Perto do final, oportunidade para a estreia do Rollheiser, que entrou para o lugar do Di María, e o quarto golo a surgir já em tempo de compensação. Aproveitámos da melhor maneira uma desconcentração de um jogador do Estrela, que fez um passe para trás sem olhar, não reparando que o Neres tinha ficado atrasado após a última jogada. Este antecipou-se ao defesa para ganhar a bola, e pelo corredor central serviu o Marcos Leonardo, que esperou pela saída do guarda-redes e colocou a bola junto ao poste. Vai aproveitando da melhor forma os minutos que lhe estão a ser dados e marcando com regularidade - são três golos em pouco mais de uma hora de jogo acumulada na Liga.

3.jpg

A distinção de homem do jogo foi atribuída, com justiça, ao Cabral. Marcou um excelente primeiro golo que deu início à reviravolta e esteve directamente envolvido nos dois golos seguintes, sendo dele a assistência para o golo do Rafa (embora o mérito seja praticamente todo do Rafa). Conforme já escrevi antes, à medida que tem vindo a ganhar ritmo de jogo e se vai adaptando à equipa (e a equipa a ele) vai conseguindo provar a sua utilidade, e poderemos ganhar nele um ponta-de-lança para a segunda metade da época. O Rafa também é um dos destaques habituais, e o Di María, em cujos pés se iniciaram as jogadas dos três primeiros golos. O Trubin teve pouco trabalho, mas teve duas defesas que evitaram golos.

 

Ainda bem que tudo acabou bem, mas mais uma vez tivemos uma entrada pouco concentrada no jogo. Isto tem acontecido com alguma frequência e acabamos depois por vezes por sofrer golos (só assim de repente, nos últimos cinco jogos isso aconteceu em quatro deles, com o Braga, o Rio Ave, o Estoril, e agora o Estrela) que depois criam mais ansiedade, motivam o adversário, e obrigam a equipa a um esforço extra para recuperar. Parece-me excessivo para que seja apenas uma coincidência. Fiquei satisfeito com o regresso do Bah, que a juntar-se à recuperação do Neres nos faz uma equipa mais forte e com mais opções para atacarmos os objectivos que ainda temos.

tags:
publicado por D'Arcy às 15:49
link do post | comentar | ver comentários (21)
Quinta-feira, 25 de Janeiro de 2024

Degradante

Conseguimos, contra o Estoril, deitar fora a possibilidade de conquistar um título. Acho que esta frase será suficiente para deixar clara a nossa incompetência no jogo de ontem. O Benfica foi incapaz de ganhar ao Estoril, uma equipa que vinha de quatro derrotas consecutivas, a maior parte delas por goleadas. Já fomos penalizados várias vezes esta época pela ineficácia em frente à baliza, e ontem foi mais um episódio desta saga. Quando a mesma situação se repete vezes sem conta, já deixa de ser simples ineficácia, para mim já é displicência em frente à baliza.

1.jpg

Uma única surpresa no onze, com o Musa a ser o escolhido para a titularidade no ataque. De resto, tudo igual, incluindo aquela que é - e digo isto com muito poucas dúvidas - a pior ala esquerda de que me lembro ver jogar no Benfica. E o pior é que isto é por opção. Não é que não tenhamos jogadores para apresentar uma ala esquerda a sério, simplesmente escolhemos jogar desta maneira. A entrada do Benfica foi excessivamente sobranceira, permitindo demasiadas recuperações de bola ao Estoril para sair em contra-ataque, e foi daqueles cenários que me deixaram logo a pensar 'estão à espera de levar um golo para acordarem'. Dito e feito, primeiro remate do Estoril à nossa baliza (que veio a revelar-se ser o único durante todo o jogo) à passagem do quarto de hora, e golo. Com o Morato a provar toda a sua utilidade defensiva no lance, mantendo a distância para o adversário em vez de cair imediatamente em cima dele e deixando assim que preparasse o remate, que passou entre as suas pernas. Claro que sofrer um golo do Estoril não é um cenário particularmente preocupante, porque faltava muito tempo e certamente conseguiríamos criar ocasiões mais do que suficientes para recuperar. Só que a minha preocupação aumentou exponencialmente logo no minuto seguinte, quando o Rafa e o Musa apareceram completamente isolados na área em frente ao guarda-redes, e o Rafa fez tiro ao boneco e acertou nele. Foi aí que comecei logo a pensar que iria ser um 'daqueles jogos'. O que o resto do tempo veio a confirmar. O guarda-redes do Estoril ficou possuído, os nossos jogadores ficaram incompetentes, e foi um festival de desperdício e incompetência por parte da nossa equipa. Nem é que o Estoril tenha defendido particularmente bem, embora em mais do que uma situação tenha aparecido um pé ou uma perna salvadora no último segundo a desviar o remate final. Mas eles cometeram diversos erros básicos que a nossa equipa nunca soube aproveitar - eu cheguei a pensar que eles passavam a bola de propósito ao João Mário, que com toda a sua ligeireza e velocidade de execução se encarregava de não tirar partido disso. O Di María ainda na primeira parte teve outro falhanço que devia dar direito a multa - voltou a fazer tiro ao boneco, tentando passar a bola entre as pernas do guarda-redes quando tinha a baliza toda para escolher onde colocar a bola. Na segunda parte continuou o desperdício até que o Otamendi mostrou ao Rafa e ao Di María como se deve fazer, rematando de forma a desviar a bola do guarda-redes em vez de contra ele. Seria de pensar que com o empate alcançado e mais de meia hora para jogar, o Benfica conseguiria evitar o disparate de ser eliminado por uma equipa tão inferior, mas o desperdício continuou. O Di María continuou a tentar marcar de forma directa cada um dos catorze cantos de que dispusemos, o João Mário continuou a passear-se em campo e a perder bolas, o Morato continuou a mostrar todos os seus dotes técnicos para a posição de lateral. As alterações, quando vieram, não melhoraram particularmente o nosso jogo - até achei que na generalidade passámos a causar menos perigo - mas o Marcos Leonardo ainda foi a tempo de conseguir mais um falhanço olímpico, quando atirou para fora aquilo que seria um golo cantado. Quando finalmente tirámos o Morato (para a estreia do Álvaro) obviamente que tivemos que manter três centrais em campo e o Tomás Araújo entrou também para o lugar do Aursnes. Quase que houve milagre no último lance do jogo, quando o Di María desferiu um remate à meia volta bem de fora da área que levava selo de golo, mas conforme disse, o guarda-redes do Estoril já estava possuído e conseguiu desviar a bola para o poste. Nos penáltis, cada um dos guarda-redes defendeu um - o penálti do Marcos Leonardo foi marcado de forma horrível, rasteiro e para o meio, à figura do guarda-redes - e o Tomás Araújo atirou a bola para fora, selando a nossa eliminação.

 

Não há destaques nenhuns a fazer, uma equipa que perde contra o Estoril devia era ter vergonha de si própria e voltar a pé para Lisboa. Ao contrário daquilo que o nosso treinador afirmou, para mim sim, é uma vergonha perder contra uma equipa tão inferior, que em todo o jogo fez um remate à nossa baliza. É até mesmo degradante para o Benfica, porque é uma demonstração de profunda incompetência. Esperei várias horas para escrever sobre o jogo de forma a acalmar-me, e mesmo assim consigo sentir-me irritado ao escrever. O verdadeiro autismo que o nosso treinador insiste em por vezes mostrar é uma coisa que me custa muito a engolir. A insistência na - repito - pior ala esquerda que tenho memória de ver no Benfica e em não alterar nada quando as coisas não estão a correr bem é algo que me deixa à beira de um ataque de nervos. Já desisti de compreender o fenómeno João Mário - a sua titularidade permanente e o facto de fazer quase sempre os jogos todos é uma coisa que me ultrapassa. O Di María também acaba sempre os jogos em claro défice físico, embora imagino que não seja substituído porque pode sempre sacar um coelho da cartola a qualquer altura, como ontem quase o fez. A Taça da Liga era um troféu que o Benfica podia e devia conquistar, e só não o fizemos por claríssima incompetência nossa.

tags:
publicado por D'Arcy às 11:11
link do post | comentar | ver comentários (23)
Segunda-feira, 15 de Janeiro de 2024

Cruel

O futebol pode ser um jogo cruel, e este jogo foi uma boa prova disto. Durante uma boa parte dele o Rio Ave foi a melhor equipa no relvado da Luz, mas um instante fatídico acabou por mudar tudo e acabou goleado, podendo o resultado ter sido até ainda mais dilatado. Foi uma vitória importante para o Benfica, mas definitivamente não foi das melhores exibições que fizemos.

1.jpg

Entrámos com o onze que vem sendo habitual, e entrámos também como que adormecidos. Não excluo a possibilidade de ter sido também fruto de algum cansaço por causa do jogo a meio da semana contra o Braga. O Rio Ave é que entrou muito bem, a jogar no campo inteiro, de forma solta e a pressionar-nos alto. O Benfica voltou a mostrar as dificuldades que por vezes tem a jogar com equipas que são agressivas na pressão, e não conseguia jogar o seu futebol - a quantidade de passes falhados durante a primeira meia hora de jogo deve ter sido um recorde negativo para nós. Na defesa, o Morato e o Otamendi estavam francamente desinspirados e acumulavam erros. Até foi nossa a primeira ocasião de golo, um remate do Rafa que foi cortado por um defesa quando a bola levava a direcção da baliza, mas logo a seguir o Rio Ave marcou. O Guga voltou a mostrar a apetência que tem para nos marcar golos e apareceu solto na nossa área para marcar sem oposição (e mais uma vez, não festejou) num lance em que a nossa defesa foi demasiado permissiva. Nasce do lado esquerdo, sem surpresas, a bola cruza a área toda sem ser afastada e é um jogador do Rio Ave quem recupera a bola do lado oposto, tendo tempo para parar a bola, olhar e escolher o melhor momento e sítio para colocar a bola. O golo fez o Benfica abanar ainda mais e nos minutos que se seguiram acho que só mesmo o Trubin nos valeu, porque esteve sempre mais perto o Rio Ave de fazer o segundo golo do que chegarmos nós ao empate, tendo mesmo disposto de ocasiões flagrantes para o fazer. Quando tínhamos a bola, continuávamos a errar passes e éramos incapazes de encontrar forma de ultrapassar a forma de defender do Rio Ave, com linhas subidas e muito juntas. Quando a perdíamos, o Rio Ave criava sempre problemas, ou em transições, ou mesmo em ataque organizado, porque nós concedíamos sempre demasiado tempo e espaço para jogar quase à vontade. Foi literalmente contra a corrente do jogo que o Benfica marcou, já em cima da meia hora de jogo. O João Neves inventou um passe sobre a primeira linha do Rio Ave que deixou o Rafa em situação de um para um com um adversário. Ele progrediu até à entrada da área e depois deixou para o Di María, que à entrada da área e sobre a direita encheu o pé para marcar num remate em arco. O golo serviu para nos acalmar e no último quarto de hora estivemos melhor e ficámos perto de virar o resultado, o que poderia ter acontecido já perto do intervalo num remate cruzado do João Mário, que obrigou o guarda-redes a uma defesa apertada.

2.jpg

Pensei eu, erradamente, que a segunda parte poderia ser melhor e mais na tendência da fase final da primeira. Só que foi mais na tendência do início do jogo: o Rio Ave entrou fortíssimo, e em três minutos meteu duas vezes a bola nos ferros da nossa baliza. Ambos os lances a surgirem pelo lado esquerdo da nossa defesa, onde o Morato e o Otamendi continuavam abaixo do exigível, e o João Mário pouco ou nada ajudava - aquele lado esquerdo era um verdadeiro buraco, e o Costinha entrava quase como queria e cruzava a bola quase sempre com perigo. A única resposta por parte do Benfica foi um remate cruzado do Cabral, forte mas a sair na direcção do guarda-redes. Até que surgiu o momento decisivo do jogo. A finalizar o primeiro quarto de hora o Santos cortou deliberadamente um lance de ataque nosso com a mão e viu o segundo amarelo. Na sequência do livre, defesa do guarda-redes para canto. Primeiro o Di María tentou marcar directo e o guarda-redes cedeu novo canto. E na sequência deste segundo canto, depois de muita insistência (e mais vontade do que jeito) um remate do Cabral contra um defesa acabou por fazer a bola sobrar para o António Silva, que não esteve com meias medidas e fuzilou a baliza do Rio Ave. Mesmo antes do golo o Benfica já tinha preparadas três alterações e efectuou-as mesmo: saíram o Di María, Kokçu e Cabral, e entraram o Tiago Gouveia, o Florentino e o estreante Marcos Leonardo. Se foi pelas substituições, se pela superioridade numérica, se um misto de ambos, a verdade é que o Benfica melhorou muitíssimo a partir daí. Com o Tiago Gouveia na esquerda o Costinha ficou muito mais preso a tarefas defensivas e deixou de surgir perigo por aí, e o Florentino no meio deu-nos mais capacidade de recuperação da bola e de pressão. Depois foi ver as ocasiões a surgir para o nosso lado. Marcámos mais dois golos e ficaram mais dois ou três por marcar, com o Tiago Gouveia a estar particularmente infeliz na finalização/decisão, pois falhou dois golos praticamente feitos e ainda tomou a pior decisão noutras duas situações, nas quais tinha colegas colocados em situação excelente para finalizarem. Os golos foram marcados pelo Marcos Leonardo, de cabeça após cruzamento do Aursnes já sobre a linha de fundo, e pelo João Mário mesmo a terminar o jogo, que apareceu solto ao segundo poste para empurrar um cruzamento fabuloso do Rafa, rasteiro e de trivela a partir da esquerda.

3.jpg

O melhor do jogo foi mais uma vez o Rafa. Desta vez não marcou, mas fez as assistências para o primeiro e quarto golos, e ainda teve participação decisiva no terceiro, pois foi dele o passe a desmarcar o Aursnes. O Aursnes é precisamente outro jogador que esteve num bom nível, e também o Trubin e o António Silva.

 

Foi a sétima vitória consecutiva, mas não ganhámos para o susto. Desconfio que nos teria sido muitíssimo complicado ganhar este jogo se não tivesse ocorrido a expulsão - o Rio Ave mostrou muito mais futebol do que a posição que ocupa na tabela indica. Acho que a equipa acusou cansaço do jogo de quarta, até porque nos poupamos muito pouco: têm jogado sempre os mesmos jogadores, e quase sempre os jogos quase todos, porque normalmente fazemos a maior parte das substituições já na fase final dos jogos e muitas vezes nem sequer fazemos as cinco. O Di María, apesar do golo, esteve francamente abaixo do normal dele e de certeza que o factor cansaço deve ter tido alguma coisa a ver com isso. Segue-se novo jogo em casa e desta vez com uma semana de intervalo, que espero que dê para recuperar os níveis físicos.

tags:
publicado por D'Arcy às 23:16
link do post | comentar | ver comentários (8)
Quinta-feira, 11 de Janeiro de 2024

Tenacidade

Foi preciso muita tenacidade para manter o registo perfeito nos chamados jogos grandes esta época, mas o Benfica conseguiu mesmo levar de vencida o Braga e seguir em frente na Taça de Portugal, num jogo que acabou por ter um herói inesperado na noite em que voltámos a recordar Eusébio.

1.jpg

O Benfica entrava em campo naquele que será o seu melhor momento da época até agora, e por isso não surpreendeu que não tivessem havido mexidas no onze que tinha derrotado o Arouca com relativa facilidade. Pessoalmente, continuam a não me agradar algumas das opções, mas se é isto que está a funcionar agora, é natural que as mexidas sejam mantidas num mínimo possível. O Benfica Entrou no jogo de forma agradável, perante um Braga a jogar com linhas mais recuadas e a povoar muito o meio, mas acabou surpreendido logo nos minutos iniciais. Um péssimo passe do Di María para o meio permitiu a recuperação da bola ao Braga e um remate na zona frontal que o Trubin defendeu muito bem para canto, mas na sequência do mesmo o Braga trabalhou muito bem e fez a bola chegar ao Zalazar, solto à entrada da área. O remate saiu muito forte e acabou por desviar no João Mário e fazer a bola entrar bem junto ao poste, sem possibilidades de defesa para o Trubin. Mau início, e um teste à capacidade de reacção do Benfica. O Braga, sinceramente, foi muito pouco audaz depois de se apanhar em vantagem, optando imediatamente por quebrar o ritmo de jogo de forma declarada, jogando de forma pausada e sem arriscar quase nada (para além do golo, apenas fez mais um remate na primeira parte), retardando cada reposição de bola, com os seus jogadores a ficar no chão sempre que podiam e, perdendo a bola, recorrendo frequentemente à falta para matar as jogadas. O jogo tinha interrupções sucessivas e o cenário para o Benfica ia-se complicando, porque tendo muita posse de bola, em ataque organizado não conseguia encontrar soluções para ultrapassar a fortaleza que o Braga tinha montado em frente à sua área, e com o Braga tão cauteloso também não dispunha de muitas ocasiões de transição para explorar sobretudo a velocidade do Rafa. Apenas criámos duas situações de relativo perigo, um cabeceamento do António Silva num canto que o guarda-redes defendeu, e um remate do João Neves à entrada da área que passou perto do poste. Tudo mudou nos últimos cinco minutos, no entanto. Numa rara situação em que o Braga tinha subido as linhas, o Benfica recuperou a bola e o João Neves conseguiu desenvencilhar-se da teia que três adversários tinham montado à sua volta, soltando a bola para o Kokçu. Este de imediato solicitou a corrida do Rafa pelo meio, que fugiu entre os centrais e, isolado em frente ao guarda-redes, finalizou com calma para marcar pelo terceiro jogo consecutivo. Chegar ao empate antes do intervalo já era positivo mas o melhor ainda estava para vir. Mesmo sobre o intervalo o Cabral, na área e descaído sobre a esquerda, recebeu no peito uma bola vinda de um lançamento de linha lateral do Morato, com um toque de enorme classe virou-se sobre o defesa que o marcava em cima e escapou em direcção à linha de fundo, e de ângulo apertado rematou de pé esquerdo entre as pernas do guarda-redes para nos colocar em vantagem. Um grande apontamento individual para um grande golo.

2.jpg

Aquilo que me pareceu uma entrada mais macia por parte do Benfica na segunda parte foi imediatamente punida. Logo no terceiro minuto, o Braga beneficiou do segundo pontapé de canto na partida, e tal como no primeiro voltou a marcar. Desta vez a bola foi afastada para a entrada da área pelo Otamendi, e mais uma vez estava ali o Zalazar solto de marcação. Sem preparação e de primeira, desferiu um remate imparável que levou a bola ainda a bater na barra antes de entrar junto ao canto superior da baliza - foi um golão, e a bola ainda ia a subir quando entrou na baliza. Nem com asas o Trubin lá chegaria. Desta vez, ao contrário da primeira parte, o Braga não optou de imediato por uma atitude mais resguardada, e o jogo ficou mais dividido. Ainda na fase inicial o Braga fez entrar o Djaló para o lado direito e isso significou problemas para o Benfica. Ainda tivemos uma boa jogada na qual o Di María deixou a bola redondinha à entrada da área para o remate do Otamendi, mas o nosso capitão não teve a arte do Zalazar na hora de rematar e colocou a bola na bancada, e logo a seguir uma boa iniciativa do Cabral obrigou o guarda-redes a uma defesa mais apertada. Mas o Braga começou a tornar-se cada vez mais perigoso, e a demonstrar que temos uma fraqueza no nosso lado esquerdo que equipas com mais capacidade podem explorar, especialmente se tiverem um lateral direito de pendor ofensivo, como era o caso do Victor Gomez. A contribuição defensiva do João Mário é nula (a do Di María do lado oposto não é muito melhor, mas do outro lado não temos um defesa central a jogar adaptado a lateral) e o Morato já tinha dificuldades em conter o Djaló no um para um, quanto mais quando ainda lhe aparecia o lateral oposto pela frente. A minha pequena esperança é que quando o Bah estiver recuperado ele regresse ao onze e o Aursnes passe para médio esquerdo, de forma a minimizar um bocado esta fragilidade (porque sinceramente, já não tenho qualquer esperança de ver outro jogador que não o Morato a alinhar como lateral esquerdo até ao final da época). Foi no melhor período do Braga no jogo que, um pouco contra a corrente, voltámos a marcar e nos colocámos na frente do marcador. Grande mérito do Cabral na jogada, que na zona frontal da área ao receber a bola rasteira vinda do António Silva a tocou de primeira de calcanhar para a entrada do Aursnes pela direita. O norueguês progrediu para a área, e quando também podia ter tentado servir o Rafa no meio optou pelo remate cruzado que só fez a bola parar no fundo da baliza. Logo a seguir, e prova de que o Roger Schmidt também devia estar a ver aquilo que era evidente para todos, uma substituição que deve ter agradado a quase todos: saída do João Mário para a entrada do Florentino, passando o Kokçu para a esquerda. Se foi esta alteração, se foi o impacto do golo, o que é certo é que o Braga perdeu o ímpeto que tinha mostrado até aí e não voltou a criar grandes problemas à nossa defesa. Só achei que o nosso treinador demorou demasiado a perceber que o Cabral e o Di María já tinha dado o estouro, e as suas saídas apenas ao minuto 90 já foram tardias.

3.jpg

O homem do jogo, como foi justamente reconhecido no final, foi mesmo o Arthur Cabral. Um grande golo, uma grande assistência, e muito mais em jogo quando comparado com o que foi o seu início de época. Analisando as suas prestações nos últimos jogos, podemos bem estar a ganhar nele um avançado para a segunda metade da época. Parece estar a compreender melhor a forma de jogar da equipa, e a equipa também parece compreender melhor a forma como ele joga de maneira a tirar partido das suas características, utilizando-o mais como referência no ataque em vez de o solicitar no ataque à profundidade - para isso está lá o Rafa. De resto, destaques do costume para o João Neves ou o Rafa. Gostei também do António Silva e do Aursnes, e o Trubin apesar dos dois golos sofridos (nos quais não teve quaisquer hipóteses) ainda somou algumas boas defesas. Pelo contrário, jogo muito apagado do João Mário (pouco surpreendente) e do Di María.

 

Quando estamos num momento mais negativo tudo o que parece poder correr mal, corre, agora que estamos num momento positivo parece que é o contrário. A nossa equipa continua a ter algumas lacunas e fraquezas, mas como o momento é positivo isso acaba por ser compensado e as coisas correm bem. Agora até o 'flop' Arthur Cabral começa a justificar aquilo que pagámos por ele, e a dar um contributo importante à equipa - esta exibição não veio do nada porque já em Arouca, mesmo sem ter marcado, ele tinha feito uma exibição muito boa. É preciso continuarmos a aproveitar e a reforçar este momento, porque não há melhor tónico do que a confiança.

tags:
publicado por D'Arcy às 08:54
link do post | comentar | ver comentários (9)

escribas

pesquisar

links

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

arquivos

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

tags

todas as tags

posts recentes

Consistência

Revolução

Medíocre

Atrás

Superioridade

Confortável

Rasgos

Degradante

Cruel

Tenacidade

origem

E-mail da Tertúlia

tertuliabenfiquista@gmail.com
blogs SAPO

subscrever feeds